Ir para conteúdo

Ir para índice

 ESTUDO 13

Amem-se uns aos outros intensamente

Amem-se uns aos outros intensamente

“Amem-se uns aos outros intensamente, de coração.” — 1 PED. 1:22.

CÂNTICO 109 Demonstra Verdadeiro Amor

O QUE VAMOS VER *

Na sua última noite com os apóstolos, Jesus destacou a importância do amor. (Veja os parágrafos 1 e 2.)

1. Que ordem específica deu Jesus aos seus discípulos? (Veja a imagem da capa.)

NA NOITE antes de morrer, Jesus deu aos seus discípulos uma ordem específica. Ele disse: “Que se amem uns aos outros; assim como eu vos amei.” Depois, acrescentou: “Por meio disto todos saberão que são meus discípulos: se tiverem amor entre vocês.” — João 13:34, 35.

2. Porque é importante amarmo-nos uns aos outros?

2 Jesus disse que só seríamos identificados como discípulos dele se mostrássemos o mesmo amor que ele mostrou. Essas palavras não se aplicavam apenas aos discípulos daquela época; também se aplicam a nós hoje. Por isso, é muito importante que nos amemos uns aos outros, mesmo que isso seja difícil.

3. O que vamos ver neste estudo?

3 Não é fácil amarmo-nos intensamente. A imperfeição torna isso muito difícil. Mesmo assim, temos de nos esforçar para imitar Cristo. Neste estudo, vamos ver como o amor nos ajuda a procurar a paz, a ser imparciais e a ser hospitaleiros. Ao estudar este artigo, pergunte-se: ‘O que posso aprender com os irmãos e irmãs que continuaram a amar-se uns aos outros, mesmo quando isso foi difícil?’

PROCURE A PAZ

4. De acordo com Mateus 5:23, 24, porque devemos fazer as pazes com um irmão que tenha algo contra nós?

4 Jesus ensinou-nos que, se um irmão tiver algo contra nós,  devemos tentar fazer as pazes. (Leia Mateus 5:23, 24.) Jesus destacou que só vamos agradar a Deus se tivermos bons relacionamentos com outros. Jeová fica feliz quando fazemos o nosso melhor para estar em paz com os nossos irmãos. Por outro lado, se guardarmos ressentimento contra um irmão ou até mesmo nos recusarmos a fazer as pazes, Jeová não aceitará a nossa adoração. — 1 João 4:20.

5. Porque é que foi difícil para um irmão fazer as pazes?

5 Fazer as pazes pode ser difícil. Porquê? Veja o que aconteceu no caso de Mark. * Certo irmão criticou-o e disse mal dele a outros na congregação. Como é que Mark reagiu? Ele diz: “Eu perdi a cabeça e discuti com ele.” Mais tarde, Mark arrependeu-se da sua reação. Ele tentou pedir desculpas ao irmão e fazer as pazes com ele. Mas o irmão não aceitou e continuou ofendido. No início, Mark pensou: ‘Porque é que eu tenho de continuar a tentar? É ele que não quer fazer as pazes!’ No entanto, o superintendente de circuito incentivou Mark a não desistir. O que é que Mark fez?

6. (a) Como é que Mark se esforçou para procurar a paz? (b) Como é que Mark colocou em prática Colossenses 3:13, 14?

6 Ao analisar o seu modo de pensar, Mark percebeu que precisava de ser mais humilde e que tinha a tendência de achar que tinha sempre razão. Ele reconheceu que precisava de mudar. (Col. 3:8, 9, 12) Com humildade, Mark foi conversar com o irmão mais uma vez e pediu desculpas. Ele escreveu cartas ao irmão a dizer-lhe que estava muito arrependido e que queria recomeçar do zero. Mark até deu ao irmão alguns pequenos presentes de que ele achava que o irmão ia gostar. Infelizmente, o irmão continuou ressentido. Apesar disso, Mark continuou a obedecer à ordem de amar o irmão e de ser perdoador.  (Leia Colossenses 3:13, 14) Assim como no caso de Mark, pode ser que, apesar dos seus esforços, um irmão não aceite fazer as pazes consigo. Mas o verdadeiro amor cristão vai ajudá-lo a perdoar o irmão e a orar para que o assunto tenha um final feliz. — Mat. 18:21, 22; Gál. 6:9.

Se alguém tiver algo contra nós, talvez precisemos de tentar várias vezes até fazer as pazes (Veja os parágrafos 7 e 8.) *

7. (a) O que é que Jesus nos aconselhou a fazer? (b) Que situação difícil é que uma irmã enfrentou?

7 Jesus aconselhou-nos a tratar os outros assim como queremos ser tratados. Ele também disse que o nosso amor não deve limitar-se apenas às pessoas que nos amam. (Luc. 6:31-33) Embora não esperemos que isso aconteça, pode ser que um irmão da congregação comece a evitar-nos e nem sequer nos cumprimente. O que fazer? Lara passou por essa situação. Ela explica: “Certa irmã costumava ignorar-me, e eu nem sabia porquê. Isso deixava-me tensa, e eu ia triste para as reuniões.” No início, Lara pensou: ‘A culpa não é minha. Até os outros irmãos acham que essa irmã é um pouco estranha.’

8. Que passos deu Lara para fazer as pazes, e o que podemos aprender com a experiência dela?

8 Lara deu os passos necessários para fazer as pazes. Ela orou a Jeová e decidiu falar com a irmã. Elas conversaram sobre o problema, abraçaram-se e fizeram as pazes. Tudo parecia bem. Só que Lara conta: “Algum tempo depois, a irmã voltou a tratar-me como antes. Fiquei tão desanimada!” No início, Lara achava que só poderia ser feliz se a outra irmã mudasse de atitude. Por fim, ela percebeu que o melhor que podia fazer era continuar a tratar a irmã com amor e ‘perdoá-la liberalmente’. (Efé. 4:32–5:2) Lara lembrou-se de que o verdadeiro amor cristão “não leva em conta o dano”, mas “suporta todas as coisas, acredita em todas as coisas, espera todas as coisas, persevera em todas as coisas”. (1 Cor. 13:5, 7) Lara recuperou a paz mental. Com o tempo, a irmã começou a tratá-la melhor. Quando você procura a paz com os seus irmãos e irmãs, e continua a ter amor por eles, pode ter a certeza de que  ‘o Deus de amor e de paz estará consigo’. — 2 Cor. 13:11.

SEJA IMPARCIAL

9. De acordo com Atos 10:34, 35, porque precisamos de ser imparciais?

9 Jeová é imparcial, ou seja, ele não tem preconceitos. (Leia Atos 10:34, 35.) Quando nós somos imparciais, provamos que somos filhos dele. Nós obedecemos à ordem de amar o próximo como a nós mesmos e esforçamo-nos para manter a paz com os irmãos da congregação. — Rom. 12:9, 10; Tia. 2:8, 9.

10-11. O que é que uma irmã fez para vencer sentimentos negativos?

10 Para alguns, não é fácil ser imparcial. Veja, por exemplo, o que aconteceu no caso de uma irmã chamada Ruth. Quando era adolescente, Ruth teve uma má experiência com uma pessoa de outro país. Como é que isso a afetou? Ruth admite: “Eu odiava tudo o que tinha a ver com aquele país. Achava que toda a gente daquele lugar era igual, até mesmo os irmãos.” O que é que Ruth fez para vencer esses sentimentos negativos?

11 Ruth reconheceu que precisava de lutar contra os seus pensamentos negativos. Ela começou a ler experiências e relatos do Anuário sobre aquele país. Ruth diz: “Esforcei-me para encarar as pessoas daquele país de modo positivo. Comecei a notar que os irmãos eram muito zelosos. Ficou claro para mim que eles também são parte da nossa fraternidade mundial.” Depois de algum tempo, Ruth percebeu que precisava de fazer algo mais. Ela explica: “Sempre que eu encontrava irmãos e irmãs daquele país, esforçava-me para ser amigável com eles. Eu conversava com eles e pude conhecê-los melhor.” Será que esse esforço resultou? Ruth responde: “Com o tempo, os meus sentimentos negativos desapareceram.”

Se tivermos intenso “amor pela inteira fraternidade”, nunca daremos espaço ao preconceito (Veja os parágrafos 12 e 13.) *

12. Que problema é que uma irmã chamada Sarah tinha?

12 Alguns podem ser parciais mesmo sem se aperceberem. Sarah, por exemplo, achava que não era parcial porque não julgava as pessoas pela sua raça, condição financeira ou privilégios na congregação. Mas ela admite: “Comecei a notar que, no fundo, eu era parcial.” Como assim? Sarah veio de uma família de pessoas muito instruídas e, por isso, preferia associar-se com pessoas que fossem como ela. Certa vez, Sarah até disse a um amigo: “Só ando com irmãos que têm instrução. Evito associar-me com outros.” Era óbvio que Sarah precisava de mudar de atitude. Como é que ela conseguiu?

13. O que aprendemos com a mudança de atitude de Sarah?

13 Um superintendente de circuito ajudou Sarah a fazer uma autoanálise. Ela conta: “Ele elogiou o meu serviço fiel, os meus bons comentários e o meu conhecimento da Bíblia. A seguir, explicou que, à medida que o nosso conhecimento cresce, temos de desenvolver qualidades cristãs como a humildade, a modéstia e a misericórdia.” Sarah levou a sério as palavras do superintendente de circuito. Ela diz: “Percebi que o que mais importa é sermos bondosos e amorosos.” Como resultado, Sarah começou a encarar os irmãos de modo diferente. Ela explica: “Tentei entender que qualidades tornavam cada irmão precioso para Jeová.” O que dizer de nós? Jamais podemos permitir que o nosso grau de instrução nos faça achar que somos superiores aos outros. Se tivermos intenso “amor pela inteira fraternidade”, nunca daremos espaço ao preconceito. — 1 Ped. 2:17.

 SEJA HOSPITALEIRO

14. De acordo com Hebreus 13:16, como é que Jeová se sente quando somos hospitaleiros?

14 Jeová dá muito valor à hospitalidade. (Leia Hebreus 13:16.) Ele considera essa qualidade como parte da nossa adoração, principalmente quando ajudamos os necessitados. (Tia. 1:27; 2:14-17) É por isso que a Bíblia nos incentiva: “Mostrem sempre hospitalidade.” (Rom. 12:13) A hospitalidade é uma forma de mostrarmos que realmente gostamos dos nossos irmãos; prova que temos amor por eles e que queremos ser seus amigos. Jeová fica muito feliz quando oferecemos a alguém um lanche, um café, uma refeição ou até mesmo o nosso tempo e atenção. (1 Ped. 4:8-10) No entanto, existem algumas coisas que podem tornar difícil sermos hospitaleiros.

“Antigamente, eu não me sentia muito à vontade para ser hospitaleira, mas mudei de atitude e sou muito mais feliz” (Veja o parágrafo 16.) *

15-16. (a) Porque é que alguns não se sentem à vontade para ser hospitaleiros? (b) O que ajudou Edit a querer ser mais hospitaleira?

15 Talvez não nos sintamos à vontade para ser hospitaleiros por causa das nossas circunstâncias. Pense no exemplo de uma viúva chamada Edit. Antes de aprender a verdade, ela preferia não ter muito contacto com outras pessoas. Ela achava que os outros estavam em melhores condições para ser hospitaleiros.

16 Depois de aprender a verdade, Edit mudou a sua maneira de pensar. Ela deu alguns passos para ser hospitaleira. Ela conta: “Durante a construção do nosso Salão do Reino, um ancião disse-me: ‘Edit, há um casal que vem ajudar na construção. Achas que poderias hospedá-los durante duas semanas?’ Então, lembrei-me de como Jeová abençoou a viúva de Sarefá.” (1 Reis 17:12-16) Edit concordou em hospedar o casal. Será que ela foi abençoada? Edit conta: “O casal acabou por ficar dois meses na minha casa. Durante esse período, fizemos uma grande amizade.” Edit também é abençoada por ter bons amigos na congregação. Hoje, ela é pioneira e gosta de  convidar os seus companheiros de pregação para tomar um lanche na casa dela. Edit diz: “Dar de mim a outros faz-me tão bem! Para dizer a verdade, acabo por receber muitas bênçãos.” — Heb. 13:1, 2.

17. De que é que Luke e a sua esposa se deram conta?

17 Mesmo que já sejamos hospitaleiros, será que podemos melhorar nessa área? Por exemplo, Luke e a sua esposa são hospitaleiros. Eles tinham o hábito de convidar os pais, os familiares, os amigos achegados e o superintendente de circuito com a esposa para irem à sua casa. No entanto, Luke diz: “Nós demo-nos conta de que só convidávamos aqueles que eram mais achegados.” O que é que Luke e a sua esposa fizeram para serem ainda mais hospitaleiros?

18. O que é que Luke e a sua esposa decidiram fazer para serem mais hospitaleiros?

18 Luke e a sua esposa mudaram o seu ponto de vista depois de pensarem nas palavras de Jesus: “Se vocês amarem os que vos amam, que recompensa terão?” (Mat. 5:45-47) Eles perceberam que precisavam de imitar a Jeová, que é generoso com todos. Por isso, o casal decidiu convidar para ir à sua casa irmãos e irmãs que nunca tinham convidado. Luke diz: “Todos nós gostamos muito dessas ocasiões. Toda a gente se sente mais encorajada e animada.”

19. Como provamos que somos discípulos de Jesus, e o que é que você está determinado a fazer?

19 Este estudo mostrou que o amor intenso que temos uns pelos outros nos ajuda a procurar a paz, a ser imparciais e a ser hospitaleiros. Precisamos de vencer qualquer sentimento negativo dentro de nós e amar os nossos irmãos intensamente, de coração. Se fizermos isso, não só nos sentiremos mais felizes, mas também provaremos que somos realmente discípulos de Jesus. — João 13:17, 35.

CÂNTICO 88 Os Teus Caminhos Quero Entender

^ par. 5 Jesus disse que os verdadeiros cristãos seriam reconhecidos pelo amor. O amor que sentimos pelos irmãos e irmãs motiva-nos a procurar a paz, a ser imparciais e a ser hospitaleiros. Isso nem sempre é fácil. Este estudo vai dar algumas sugestões de como podemos continuar a amar-nos uns aos outros intensamente, de coração.

^ par. 5 Alguns nomes neste estudo foram mudados.

^ par. 57 IMAGENS: Uma irmã quer resolver um problema que tem com outra irmã. A primeira tentativa não resulta, mas ela não desiste. Ela continua a mostrar amor e, por fim, consegue resolver o problema.

^ par. 59 IMAGEM: Um irmão idoso sente-se excluído por outros irmãos da congregação.

^ par. 61 IMAGEM: Uma irmã que antes não se sentia à vontade para ser hospitaleira muda de atitude e sente-se mais feliz.