Ir para conteúdo

Ir para índice

Porquê ‘persistir em dar muito fruto’?

Porquê ‘persistir em dar muito fruto’?

“Isto glorifica o meu Pai: que persistam em dar muito fruto e mostrem que são meus discípulos.” — JOÃO 15:8.

CÂNTICOS: 53 e 60

1, 2. (a) Sobre que coisas é que Jesus falou com os discípulos na noite antes de morrer? (Veja a imagem no início do estudo.) (b) Porque é importante sabermos os motivos de continuar a pregar? (c) O que vamos ver neste estudo?

NA NOITE antes de morrer, Jesus teve uma longa conversa com os seus apóstolos, e reafirmou que os amava muito. Ele também contou a ilustração da videira, que considerámos no estudo anterior. Jesus usou essa ilustração para incentivar os seus discípulos a ‘persistirem em dar muito fruto’, ou seja, a não desistirem de pregar as boas novas do Reino. — João 15:8.

2 No entanto, Jesus não disse apenas aos seus discípulos: ‘Persistam em pregar.’ Ele também deu motivos que explicavam porque deviam persistir. Porque é importante sabermos esses motivos? Porque, se eles estiverem bem claros na nossa mente, vamos ter mais força para perseverar na obra de dar “testemunho a todas as nações”. (Mat. 24:13, 14) Portanto, vamos ver quatro motivos que a Bíblia dá para continuarmos a pregar. Depois, vamos ver quatro ajudas que Jeová nos dá para ‘persistirmos em dar muito fruto’.

 A PREGAÇÃO DÁ GLÓRIA A JEOVÁ

3. (a) Que motivo dá João 15:8 para continuarmos a pregar? (b) O que são as uvas da ilustração de Jesus, e porque é que essa é uma boa comparação?

3 O motivo mais importante pelo qual participamos na pregação é dar glória a Jeová e santificar o nome dele. (Leia João 15:1, 8.) Quando contou a ilustração da videira, Jesus explicou que Jeová é o lavrador que produz uvas. Jesus também disse que ele próprio é a videira e que os seus discípulos são os ramos. (João 15:5) Então, as uvas são o fruto que os discípulos de Jesus produzem, ou seja, a pregação das boas novas. Esta é uma boa comparação. Porquê? Jesus disse aos apóstolos: “Isto glorifica o meu Pai: que persistam em dar muito fruto.” Assim como uvas boas dão honra ao lavrador que plantou a videira, fazer o nosso máximo na pregação das boas novas dá glória a Jeová. — Mat. 25:20-23.

4. (a) De que modos podemos santificar o nome de Deus? (b) Como é que se sente por ter o privilégio de santificar o nome de Deus?

4 Mas como é que a pregação santifica o nome de Jeová? Afinal, o nome dele já é santo. E não podemos fazer nada para tornar o nome dele mais santo. Mas veja o que o profeta Isaías disse: “Jeová dos exércitos – é a ele que devem considerar santo.” (Isa. 8:13) Este texto mostra que santificar o nome de Deus envolve considerar esse nome maior do que todos os outros e ajudar outros a considerá-lo também assim. (Mat. 6:9, nota) Por exemplo, quando ensinamos às pessoas as qualidades de Jeová e a sua vontade para a Terra, mostramos-lhes que tudo o que Satanás disse contra Jeová é mentira. (Gén. 3:1-5) Também santificamos o nome de Deus, quando ajudamos as pessoas do nosso território a ver que Jeová merece “receber a glória, a honra e o poder”. (Apo. 4:11) Rune, que é pioneiro há 16 anos, diz: “Agradeço muito por ter a oportunidade de ser testemunha do Criador do Universo. Isso dá-me mais vontade de continuar a pregar.”

AMAMOS A JEOVÁ E JESUS

5. (a) Que motivo dá João 15:9, 10 para continuarmos a pregar? (b) Como é que Jesus mostrou que a perseverança é importante?

5 Leia João 15:9, 10. O nosso grande amor por Jeová e Jesus é outro motivo importante para continuarmos a pregar. (Mar. 12:30; João 14:15) Jesus disse que os seus discípulos deveriam ‘permanecer no amor’ dele. Porquê? Porque ser um verdadeiro discípulo de Cristo dia após dia, ano após ano, é algo que exige perseverança. A perseverança é tão importante que, só no relato de João 15:4-10, Jesus usou a palavra “permanecer” várias vezes.

6. Como podemos mostrar que queremos ‘permanecer no amor’ de Cristo?

6 Como podemos mostrar que queremos ‘permanecer no amor’ de Cristo? Por obedecer aos mandamentos dele. Na verdade, Jesus só está a pedir aos seus discípulos para fazerem o que ele mesmo já faz. Ele disse que devemos ser obedientes ‘assim como ele obedece aos mandamentos do Pai e permanece no amor dele’. Jesus deixou-nos o exemplo. — João 13:15.

7. Que ligação existe entre a obediência e o amor?

7 Um pouco antes, Jesus tinha explicado a ligação que existe entre a obediência e o amor. Ele disse: “Quem aceita os meus mandamentos e os cumpre é o que  me ama.” (João 14:21) Quando obedecemos à ordem de pregar, mostramos que amamos também a Deus. Afinal, todos os mandamentos de Jesus vêm de Jeová. (Mat. 17:5; João 8:28) E, quando Jeová e Jesus notam o nosso amor por eles, eles também mostram amor por nós.

QUEREMOS AVISAR AS PESSOAS

8, 9. (a) Que outro motivo temos para continuar a pregar? (b) Como é que as palavras de Jeová em Ezequiel 3:18, 19 e 18:23 nos motivam a continuar a pregar?

8 Temos outro motivo para continuar a pregar: avisar as pessoas sobre o dia de Jeová. A Bíblia diz que Noé foi “pregador da justiça”. (Leia 2 Pedro 2:5.) A mensagem que ele pregou incluía avisar as pessoas sobre o Dilúvio. Como sabemos disso? Veja o que Jesus disse: “Porque, naqueles dias antes do dilúvio, as pessoas comiam e bebiam, os homens casavam-se e as mulheres eram dadas em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e não fizeram caso, até que veio o dilúvio e os varreu a todos; assim será na presença do Filho do Homem.” (Mat. 24:38, 39) A maioria das pessoas ignorou Noé, mas ele foi fiel e nunca desistiu de dar o aviso que Jeová mandou.

9 Hoje, pregamos para dar a todos uma oportunidade de aprenderem o que Deus vai fazer pela humanidade. Assim como Jeová, queremos muito que as pessoas aceitem a nossa mensagem e ‘continuem vivas’. (Eze. 18:23) Quando pregamos de casa em casa ou em lugares públicos, avisamos o maior número possível de pessoas de que o Reino de Deus virá e acabará com este mundo mau. — Eze. 3:18, 19; Dan. 2:44; Apo. 14:6, 7.

AMAMOS AS PESSOAS

10. (a) Que motivo dá Mateus 22:39 para continuarmos a pregar? (b) Conte como Paulo e Silas ajudaram um carcereiro em Filipos.

10 Há mais um motivo importante para continuarmos a pregar: nós amamos as pessoas. (Mat. 22:39) Como é que o amor nos ajuda a não desistir de pregar? O amor faz-nos reconhecer que as pessoas podem mudar de atitude quando algo afeta a vida delas. Por exemplo, veja o que aconteceu quando o apóstolo Paulo e Silas estavam em Filipos. Eles tinham sido presos por causa da oposição de inimigos. A meio da noite, um terramoto abalou toda a prisão e abriu as celas. O carcereiro achou que os prisioneiros tinham fugido e decidiu matar-se. Mas Paulo impediu-o, gritando: “Não faças nenhum mal a ti próprio!” A tremer, o carcereiro perguntou: “O que é que tenho de fazer para ser salvo?” Paulo e Silas responderam: “Crê no Senhor Jesus e serás salvo.” — Atos 16:25-34.

O nosso amor por Jeová, por Jesus e pelas pessoas motiva-nos a pregar (Veja os parágrafos 5 e 10.)

11, 12. (a) O que nos ensina o relato do carcereiro? (b) Porque temos de continuar a pregar?

11 O relato do carcereiro ensina-nos algo importante. Notou em que momento é que ele mudou de ideias e pediu ajuda? Foi só depois de sentir o abalo do  terramoto. Algo parecido pode acontecer hoje com pessoas que nunca quiseram ouvir a nossa mensagem. Elas podem mudar de ideias quando algo trágico abala a sua vida. Por exemplo, algumas perdem de repente um emprego de muitos anos e sentem-se perdidas. Outras ficam arrasadas porque o seu casamento acabou. Ainda outras perdem toda a esperança quando descobrem que têm uma doença grave ou quando uma pessoa amada morre. Passar por experiências assim pode levar as pessoas a fazerem perguntas sobre a vida que antes não faziam. Como o carcereiro, elas talvez se perguntem: ‘O que tenho de fazer para me salvar?’ Então, quando as encontramos, talvez queiram ouvir, pela primeira vez na vida, a nossa mensagem de esperança.

12 Por isso, temos de continuar a pregar. Assim, poderemos dar o consolo de que as pessoas precisam num momento em que estão dispostas a ouvir. (Isa. 61:1) Charlotte, uma irmã que está no serviço de tempo integral há 38 anos, diz: “As pessoas hoje sentem-se perdidas. Elas precisam de uma oportunidade para ouvir as boas novas.” Ejvor, que é pioneira há 34 anos, confirma: “Hoje, mais do que nunca, muitas pessoas enfrentam problemas emocionais. Eu quero muito ajudá-las. É isso o que me motiva a pregar.” Sem dúvida, o nosso amor pelas pessoas é uma ótima razão para não desistirmos de pregar!

AJUDAS PARA NÃO DESISTIR

13, 14. (a) Que ajuda é mencionada em João 15:11? (b) Como podemos sentir a mesma alegria que Jesus sente? (c) Como é que a alegria nos ajuda na pregação?

13 Naquela noite antes de morrer, Jesus disse aos apóstolos que eles receberiam ajudas para continuarem a ‘dar muito fruto’. Vamos ver agora que ajudas são essas e como também nos podemos beneficiar delas.

14 Alegria. Será que a ordem de pregar é um peso muito grande? Não, pelo contrário. Depois de contar a ilustração da videira, Jesus disse que os que pregam sentem a mesma alegria que ele. (Leia João 15:11.) Como é que isso é possível? Na ilustração, Jesus disse que ele é a videira e que os seus discípulos são os ramos. Enquanto os ramos continuam ligados à videira, recebem dela a água e os nutrientes de que precisam. Do mesmo modo, precisamos de continuar unidos a Jesus e imitar o exemplo dele. Assim, vamos poder sentir a mesma alegria que ele sente por fazer a vontade de Jeová. (João 4:34; 17:13; 1 Ped. 2:21) Hanne, pioneira há mais de 40 anos, diz: “A alegria que sinto depois de pregar motiva-me a continuar no serviço de Jeová.” Assim como Hanne, a alegria vai dar-nos força para continuar a pregar, mesmo que o nosso território não seja assim tão fácil. — Mat. 5:10-12.

15. (a) Que ajuda é mencionada em João 14:27? (b) Como é que a paz nos ajuda a ‘persistir em dar fruto’?

15 Paz. (Leia João 14:27.) Ainda na mesma noite, Jesus disse aos apóstolos: “Dou-vos a minha paz.” Como é que a paz que vem de Jesus nos pode ajudar a ‘dar fruto’? Quando não desistimos de pregar, deixamos Jeová e Jesus alegres. Isso, por sua vez, dá-nos paz. (Sal. 149:4; Rom. 5:3, 4; Col. 3:15) Ulf, que está no serviço de tempo integral há 45 anos, diz: “Fico cansado depois de pregar, mas esse trabalho deixa-me feliz e dá um objetivo à minha vida.” Com certeza, temos de agradecer a Jeová e a Jesus por podermos sentir esta paz interior!

16. (a) Que ajuda é mencionada em João 15:15? (b) O que é que os discípulos tinham de fazer para continuarem a ser amigos de Jesus?

 16 A amizade de Jesus. Depois de falar sobre a alegria que os seus apóstolos poderiam sentir, Jesus explicou a importância de eles amarem mais os outros do que a eles mesmos. (João 15:11-13) Em seguida, ele disse: “Vocês são meus amigos.” Que privilégio! Eles podiam ser amigos de Jesus! Mas havia uma condição. Eles deviam ‘ir e continuar a dar fruto’. (Leia João 15:14-16.) Por outras palavras, eles tinham de continuar a pregar. Cerca de dois anos antes, Jesus tinha dado uma ordem aos discípulos: “Ao irem, preguem, dizendo: ‘O Reino dos céus está próximo.’” (Mat. 10:7) Foi por isso que Jesus disse naquela noite que os discípulos deviam perseverar na obra de pregação. (Mat. 24:13; Mar. 3:14) Cumprir essa ordem não seria fácil, mas eles poderiam ser bem-sucedidos. Assim, continuariam a ser amigos de Jesus. Mas para cumprirem essa ordem, os discípulos teriam outra grande ajuda.

17, 18. (a) Que ajuda é mencionada em João 15:16? (b) Como é que os discípulos de Jesus usaram essa ajuda? (c) Que duas ótimas ajudas recebemos hoje?

17 Respostas às nossas orações. Jesus disse: ‘Não importa o que peçam ao Pai em meu nome, ele irá dar-vos.’ (João 15:16) Imagine como os apóstolos se sentiram encorajados com esta promessa! * É verdade que, naquele momento, eles ainda não entendiam bem que Jesus estava prestes a morrer. Mas os discípulos não ficariam sem ajuda para pregar. Jeová estava pronto para responder às suas orações e para dar toda a ajuda de que precisassem. E ele fez mesmo isso. Logo depois de Jesus morrer, os apóstolos oraram a pedir coragem para pregar, e Jeová respondeu-lhes. — Atos 4:29, 31.

Se orarmos a pedir a ajuda de Jeová, ele vai responder-nos (Veja o parágrafo 18.)

18 O mesmo acontece hoje. Quando perseveramos na pregação, continuamos a ser amigos de Jesus. Além disso, se encontrarmos obstáculos à nossa obra de pregação, podemos orar a Jeová, porque sabemos que ele vai responder-nos. (Fil. 4:13) Sentimo-nos muito gratos por estas duas ótimas ajudas: saber que Jeová responde às nossas orações e sermos amigos de Jesus. São coisas que nos dão mais força para continuarmos a ‘dar fruto’. — Tia. 1:17.

19. (a) Porque é que continuamos a pregar? (b) Que ajudas temos para não desistir de pregar?

19 No estudo de hoje, vimos porque continuamos a pregar: para dar glória a Jeová e santificar o nome dele, para mostrar o nosso amor por Jeová e Jesus, para avisar as pessoas sobre o dia de Jeová e para mostrar que amamos as pessoas. Além disso, vimos as ajudas que temos para não desistirmos de pregar: alegria, paz, a amizade de Jesus e respostas às nossas orações. Se continuarmos a dar o nosso melhor e ‘persistirmos em dar muito fruto’, vamos deixar Jeová muito feliz!

^ par. 17 Naquela mesma conversa, Jesus disse várias vezes aos apóstolos que Jeová responderia às orações deles. — João 14:13; 15:7, 16; 16:23.