Ir para conteúdo

Ir para índice

Jeová ama os que “dão fruto com perseverança”

Jeová ama os que “dão fruto com perseverança”

“Aquelas em solo bom representam os que [...] dão fruto com perseverança.” — LUC. 8:15.

CÂNTICOS: 68 e 72

1, 2. (a) Como nos sentimos quando vemos irmãos a perseverar na pregação? (Veja a fotografia no início do estudo.) (b) O que é que Jesus disse sobre pregar “na sua própria terra”? (Veja a nota.)

SERGIO E OLINDA são um casal de pioneiros que mora nos Estados Unidos. Eles têm mais de 80 anos, e andar já não é muito fácil para eles. Mesmo assim, eles continuam a seguir a mesma rotina há muitos anos. Às 7 da manhã, eles chegam perto de uma paragem de autocarro que fica numa área movimentada da cidade e oferecem publicações aos que passam por ali. A maioria das pessoas nem lhes presta atenção, mas o casal continua ali, a sorrir para todos os que olham para eles. Ao meio-dia, eles voltam para casa muito devagarinho. No dia seguinte, às 7 da manhã, lá estão novamente Sergio e Olinda perto da paragem de autocarro. Eles fazem isso seis dias por semana, durante todo o ano.

2 Muitos irmãos e irmãs em todo o mundo são como Sergio e Olinda. Eles continuam a pregar por muitos anos no mesmo  território, embora a maioria das pessoas não lhes dê atenção. É assim o território da sua congregação? Se for, merece elogios por não desistir! * A sua perseverança no serviço de Jeová é muito encorajadora – mesmo para quem já está na verdade há muitos anos. Veja estas frases ditas por alguns superintendentes de circuito: “Trabalhar no serviço de campo com estes irmãos e irmãs fiéis é como uma injeção de ânimo.” “Quando vejo a fé deles, sinto-me motivado a perseverar e a ter coragem na pregação.” “O exemplo deles toca-me muito.”

3. Que três perguntas vamos considerar, e porquê?

3 Vamos considerar as respostas a três perguntas: Porque é que às vezes ficamos desanimados? O que significa ‘dar fruto’? O que nos pode ajudar a continuar a ‘dar fruto com perseverança’? Saber as respostas vai dar-nos coragem para fazer o trabalho que Jesus nos deu.

PORQUE É QUE ÀS VEZES FICAMOS DESANIMADOS?

4. (a) Como é que Paulo se sentiu quando os judeus não o quiseram ouvir? (b) Porque é que Paulo se sentiu assim?

4 Já alguma vez ficou desanimado quando notou que a maioria das pessoas do seu território não se interessa pelo Reino? Então, vai identificar-se com o apóstolo Paulo. Ele dedicou cerca de 30 anos da sua vida à pregação, e ajudou muitas pessoas a aprender a verdade. (Atos 14:21) No entanto, ele não teve muitos resultados quando pregou aos judeus. A maioria nem queria ouvir Paulo, e alguns até o maltrataram. (Atos 14:19; 17:1, 4, 5, 13) Como é que Paulo se sentiu? Com toda a sinceridade, ele disse: “Tenho uma grande tristeza e uma dor incessante no coração.” (Rom. 9:1-3) Porque é que Paulo ficava triste? Porque o coração dele estava no serviço de pregação. Ele pregava aos judeus porque se preocupava com eles. Mas quando via que os judeus não davam valor à misericórdia de Deus, Paulo sentia-se muito desapontado.

5. (a) Porque é que nós pregamos a outros? (b) Porque é normal às vezes ficarmos desanimados?

5 Assim como Paulo, nós pregamos porque nos preocupamos com as pessoas. (Mat. 22:39; 1 Cor. 11:1) Sabemos por experiência própria que uma vida feliz vem de servir a Jeová. Quando pensamos nas pessoas do nosso território, dizemos: ‘Elas não sabem o que estão a perder! Queria tanto ajudá-las!’ É por isso que continuamos a ir ter com elas e a incentivá-las a aprender sobre Jeová e o que ele vai fazer no futuro. É como se lhes disséssemos: ‘Eu tenho um presente maravilhoso para si! Por favor, aceite!’ Quando as pessoas não aceitam esse presente, sentimos o mesmo que Paulo: ‘dor no coração’. Isso não quer dizer que não temos fé. É um sinal de que o nosso coração está na pregação. Por isso, mesmo quando nos sentimos desanimados, não desistimos. Elena, que é pioneira há mais de 25 anos, resume bem o que muitos de nós pensamos: “A pregação não é fácil. Mas eu não trocaria esse trabalho por nada.”

O QUE SIGNIFICA ‘DAR FRUTO’?

6. A que pergunta vamos responder?

6 Às vezes, o desânimo pode fazer-nos pensar: ‘Será que o meu trabalho está a “dar fruto”?’ Esta é uma pergunta  importante. Para responder, vamos ver duas ilustrações de Jesus em que ele falou sobre ‘dar fruto’. (Mat. 13:23) A primeira é a da videira.

7. (a) Na ilustração da videira, quem são “o lavrador”, “a videira” e “os ramos”? (b) Que detalhe da ilustração precisamos de descobrir?

7 Leia João 15:1-5, 8. Jesus disse aos seus apóstolos: “Isto glorifica o meu Pai: que persistam em dar muito fruto e mostrem que são meus discípulos.” Nesta ilustração, Jesus disse que ele é “a verdadeira videira”, Jeová é “o lavrador” e os seus discípulos são “os ramos”. * E o que é o “fruto”? Jesus não disse diretamente, mas mencionou uma coisa interessante que nos ajuda a descobrir a resposta.

8. (a) Na ilustração da videira, como sabemos que o fruto não representa um novo discípulo? (b) Que certeza podemos ter das coisas que Jeová nos pede para fazer?

8 Jesus disse sobre Jeová: “Ele tira todos os ramos que em mim não dão fruto.” Ou seja, Jeová só considera como seus servos aqueles que dão fruto. (Mat. 13:23; 21:43) Porém, será que o fruto que cada cristão deve dar é fazer um novo discípulo? (Mat. 28:19) Não. Como sabemos? Pense naqueles irmãos e irmãs fiéis que já pregam há anos num território onde a maioria das pessoas não escuta. Muitos desses irmãos nunca tiveram o privilégio de ajudar alguém a tornar-se discípulo. Será que isso quer dizer que eles são ramos mortos, que não dão fruto? É lógico que não! Não podemos obrigar as pessoas do nosso território a tornarem-se discípulos. Além disso, Jeová é amoroso. Ele jamais desqualificaria um servo fiel que não consegue fazer algo que está além do seu alcance. Jeová só nos pede o que ele sabe que podemos fazer. — Deut. 30:11-14.

9. (a) Em que atividade conseguimos ‘dar fruto’? (b) Que ilustração vamos analisar agora?

9 Então, o que é o fruto que devemos dar? Fica claro que esse fruto é uma coisa que todos nós temos a capacidade de fazer. Em que atividade conseguimos ‘dar fruto’? Na pregação das boas novas do Reino de Deus. * (Mat. 24:14) Para confirmar isso, vamos analisar outra ilustração que Jesus fez: a do semeador.

10. (a) Na ilustração do semeador, o que é a semente e o que é o solo? (b) Que tipo de fruto produz uma haste de trigo?

10 Leia Lucas 8:5-8, 11-15. Na ilustração do semeador, a semente é “a palavra de Deus”, ou seja, a mensagem do Reino. O solo representa o coração da pessoa. A semente que caiu no solo bom produziu uma haste de trigo. Essa haste produziu “fruto cem vezes mais”. Mas que tipo de fruto produz uma haste de trigo? Será que produz novas hastes de trigo? Não, produz novas sementes, que talvez se tornem hastes de trigo. Na ilustração, uma semente conseguiu produzir cem sementes. O que é que tudo isso tem a ver com a obra de pregação?

Como podemos ‘dar fruto com perseverança’? (Veja o parágrafo 11.)

11. (a) O que é que a ilustração do semeador tem a ver com o trabalho de pregação? (b) Como é que produzimos novas sementes?

11 Vamos fazer uma comparação. Digamos que, há uns anos, algumas Testemunhas de Jeová ou os nossos pais falaram connosco das boas novas. Eles, por assim dizer, plantaram uma semente no nosso coração. Quando aceitámos as boas novas, a semente criou raízes, brotou  e transformou-se numa haste de trigo pronta para dar fruto. Contudo, lembre-se de que a haste de trigo não produz novas hastes, mas sim sementes. Do mesmo modo, o nosso fruto não vai ser um novo discípulo, mas sim mais sementes da “palavra de Deus”. * Como é que produzimos novas sementes? Por pregar as boas novas do Reino. Cada vez que falamos delas com alguém, estamos a espalhar as sementes que foram plantadas no nosso coração. (Luc. 6:45; 8:1) O que é que essa ilustração nos ensina? Enquanto continuarmos a pregar sobre o Reino de Deus, estaremos a ‘dar fruto com perseverança’.

12. (a) Que lição é que as ilustrações da videira e do semeador nos ensinam? (b) Como se sente por saber disso?

12 Que lição é que as ilustrações da videira e do semeador nos ensinam? Elas mostram que ‘dar fruto’ não depende de as pessoas nos escutarem, mas depende de continuarmos a pregar. Paulo destacou esse ponto quando disse: “Cada um receberá a sua própria recompensa, segundo o seu próprio trabalho.” (1 Cor. 3:8) Notou? A recompensa é de acordo com o trabalho, e não de acordo com os resultados desse trabalho. Matilda, pioneira há 20 anos, diz: “O que me dá alegria é saber que Jeová recompensa o nosso esforço.”

‘DÊ FRUTO COM PERSEVERANÇA’

13, 14. De acordo com Romanos 10:1, 2, o que ajudou Paulo a não desistir de pregar?

13 O que nos pode ajudar a continuar a ‘dar fruto com perseverança’? No início do estudo, vimos que Paulo tinha ficado desanimado quando os judeus não quiseram aceitar as boas novas. Mesmo assim, ele não desistiu deles. Ao falar sobre o que sentia pelos judeus, Paulo escreveu: “O que realmente desejo de coração e suplico a Deus por eles é que sejam salvos. Pois dou testemunho de que eles têm zelo por Deus, mas não segundo o conhecimento exato.” (Rom. 10:1, 2) O  que ajudou Paulo a não desistir de pregar?

14 Primeiro, Paulo disse porque é que continuava a pregar aos judeus: ‘Eu realmente desejo de coração que sejam salvos.’ Paulo queria mesmo que, pelo menos, alguns judeus fossem salvos. (Rom. 11:13, 14) Segundo, Paulo disse que ‘suplicava a Deus por eles’. Ele fazia orações a implorar a Deus que pessoas entre os judeus aceitassem as boas novas. Terceiro, Paulo disse que os judeus ‘tinham zelo por Deus’. Ele via o que os judeus tinham de bom e reconhecia que eram zelosos. Assim como aconteceu no seu próprio caso, Paulo sabia que os judeus poderiam tornar-se zelosos discípulos de Cristo.

15. Como podemos imitar Paulo? Dê exemplos.

15 Como podemos imitar Paulo? Primeiro, temos de desejar no coração encontrar aqueles que têm “a disposição correta para com a vida eterna”. Segundo, temos de suplicar a Jeová para abrir o coração dos sinceros. (Atos 13:48; 16:14) Silvana, pioneira há quase 30 anos, diz: “Antes de bater a uma porta, oro a Jeová e peço-lhe para me dar uma atitude positiva.” Nós também pedimos a Deus que os anjos nos ajudem a encontrar os interessados. (Mat. 10:11-13; Apo. 14:6) Robert, pioneiro há mais de 30 anos, comenta: “Os anjos já sabem o que está a acontecer na vida dos moradores. Trabalhar com eles é emocionante!” Terceiro, veja o que as pessoas têm de bom. Carl, um pioneiro com mais de 50 anos de batismo, diz: “Eu procuro qualquer sinal de interesse na pessoa. Talvez um sorriso, um olhar bondoso ou uma pergunta sincera.” Esses exemplos mostram que nós também podemos ‘dar fruto com perseverança’.

“NÃO DÊS DESCANSO ÀS TUAS MÃOS”

16, 17. (a) Que lição é que Eclesiastes 11:6 nos ensina? (b) Que efeito é que o trabalho de ‘semear’ pode ter nas pessoas que nos observam? Dê um exemplo.

16 Às vezes, podemos achar que ninguém quer ouvir a nossa mensagem. Mas não se esqueça do impacto que o trabalho de ‘semear’ também tem. (Leia Eclesiastes 11:6.) Mesmo que as pessoas não nos escutem, elas veem-nos. Elas notam a nossa boa aparência, o nosso comportamento educado e o nosso sorriso amigável. Com o tempo, pode ser que algumas delas mudem de opinião a nosso respeito. Sergio e Olinda, mencionados no início do estudo, perceberam essa mudança.

17 Sergio conta: “Por causa da nossa saúde, ficámos algum tempo sem fazer testemunho público. Quando voltámos, algumas pessoas perguntavam-nos: ‘O que aconteceu? Ficámos com saudades vossas!’” A sorrir, Olinda continua: “Os motoristas acenavam-nos e alguns gritavam de dentro do autocarro: ‘Parabéns pelo bom trabalho!’ Eles até pediam as nossas revistas.” Num dia em que o casal estava a trabalhar com o carrinho, um homem parou, deu-lhes um ramo de flores e agradeceu-lhes pelo trabalho que faziam.

18. Porque é que devemos estar decididos a ‘dar fruto com perseverança’?

18 Cada um de nós deve estar decidido a não ‘descansar as mãos’ e a continuar a pregar sobre o Reino. Fazer isso dá-nos a oportunidade de participar no importante trabalho de dar “testemunho a todas as nações”. (Mat. 24:14) Acima de tudo, teremos a alegria de saber que deixamos Jeová feliz, pois ele ama muito todos os que “dão fruto com perseverança”!

^ par. 2 Até Jesus admitiu que não era fácil pregar “na sua própria terra”. Este facto é registado pelos quatro Evangelhos. — Mat. 13:57; Mar. 6:4; Luc. 4:24; João 4:44.

^ par. 7 Os ramos referem-se aos cristãos ungidos. Mas o ponto que a ilustração ensina beneficia-nos a todos.

^ par. 9 A expressão ‘dar fruto’ também se pode referir a mostrar o “fruto do espírito”. Mas neste artigo e no próximo vamos concentrar-nos em produzir o “fruto dos nossos lábios”, ou seja, em pregar o Reino. — Gál. 5:22, 23; Heb. 13:15.

^ par. 11 Noutras ocasiões, Jesus usou o trabalho de plantar e colher para ilustrar o trabalho de fazer discípulos. — Mat. 9:37; João 4:35-38.