Ir para conteúdo

Ir para índice

 ESTUDO 26

Ajude outros a lidar com a ansiedade

Ajude outros a lidar com a ansiedade

“Sejam todos unidos na mente, tenham empatia, amor fraternal, terna compaixão e humildade.” — 1 PED. 3:8.

CÂNTICO 107 Jeová, o Exemplo Perfeito de Amor

O QUE VAMOS VER *

1. Como podemos imitar o amor que Jeová tem por nós?

JEOVÁ ama-nos muito. (João 3:16) Nós queremos imitar o nosso Pai amoroso. É por isso que nos esforçamos para ter ‘empatia, amor fraternal e terna compaixão’ por todos, principalmente pelos “que fazem parte da nossa família na fé”. (1 Ped. 3:8; Gál. 6:10) Quando membros da nossa família espiritual passam por situações stressantes, queremos ajudá-los.

2. O que vamos ver neste estudo?

2 Todos os que quiserem fazer parte da família de Jeová vão passar por momentos de ansiedade. (Mar. 10:29, 30) É provável que, quanto mais perto estivermos do fim, mais dificuldades tenhamos. O que podemos fazer para nos ajudarmos uns aos outros? Vamos analisar os relatos bíblicos de Ló, Jó e Noemi, e ver o que podemos aprender deles. Depois, vamos considerar alguns desafios que os nossos irmãos e irmãs enfrentam e o que podemos fazer para ajudá-los.

SEJA PACIENTE

3. De acordo com 2 Pedro 2:7, 8, que má decisão tomou Ló, e quais foram os resultados?

3 Ló escolheu morar em Sodoma. Porém, essa foi uma péssima decisão. Embora a região tivesse uma boa qualidade de vida, o povo de Sodoma era extremamente imoral. (Leia 2 Pedro 2:7, 8.) Ló acabou por pagar um preço alto por ter ido morar para lá. (Gén. 13:8-13; 14:12) Pelos vistos, a sua esposa ficou muito apegada àquela cidade ou às pessoas que  moravam lá. Por isso, quando Deus decidiu destruir a região com fogo e enxofre, ela desobedeceu à ordem dos anjos e morreu. Pense também nas duas filhas de Ló. Elas estavam noivas de dois homens que também morreram em Sodoma. Ló perdeu a sua casa, os seus bens e, pior do que tudo, a sua esposa. (Gén. 19:12-14, 17, 26) Durante todo esse período difícil, será que Jeová perdeu a paciência com Ló? Não.

Jeová mostra compaixão, e envia anjos para resgatar Ló e a sua família. (Veja o parágrafo 4.)

4. Como é que Jeová mostrou ser paciente com Ló? (Veja a imagem da capa.)

4 Ló é que tinha escolhido morar em Sodoma. Mesmo assim, Jeová teve compaixão e mandou anjos para salvar Ló e a sua família. Os anjos disseram a Ló para sair imediatamente de Sodoma. Só que em vez de fazer isso, a Bíblia diz que ele “se demorava”. Os anjos tiveram de agarrar Ló e a sua família pela mão e levaram-nos para fora da cidade. (Gén. 19:15, 16) Depois, os anjos disseram a Ló para fugir para a região montanhosa. No entanto, em vez de obedecer a Jeová, ele pediu para ir para uma cidade ali perto. (Gén. 19:17-20) Jeová foi paciente e deixou Ló fugir para essa cidade. Contudo, mais tarde, Ló ficou com medo de morar ali e decidiu ir para a região montanhosa – o mesmo lugar que Jeová lhe tinha indicado desde o início. (Gén. 19:30) Sem dúvida, Jeová foi muito paciente com Ló. Como podemos imitá-Lo?

5-6. Como podemos pôr em prática o que diz 1 Tessalonicenses 5:14?

5 Pode ser que, assim como Ló, um irmão da congregação tome uma má decisão e sofra as consequências disso. Se isso acontecesse, o que é que você diria? Talvez sentisse vontade de lhe dizer: “Estás a colher o que semeaste” – e isso seria verdade. (Gál. 6:7) Mas podemos fazer algo muito melhor. Podemos ajudar esse irmão da mesma maneira que Jeová ajudou Ló. Como?

6 Jeová não enviou os anjos apenas para avisar Ló, mas também para ajudá-lo a escapar da destruição de Sodoma. Podemos imitar esse exemplo quando vemos um dos nossos irmãos a ir por um caminho que o vai prejudicar. Embora possamos avisá-lo disso, talvez tenhamos também de lhe dar alguma ajuda prática. Mesmo que ele se demore a colocar em prática os conselhos bíblicos que recebeu, temos de ser pacientes. Seja como os dois anjos. Em vez de desistir do irmão e ir-se embora, tente encontrar um modo prático de o ajudar. (1 João 3:18) Em alguns casos, talvez seja necessário ‘agarrá-lo pela mão’, por assim dizer, e mostrar como pôr em prática os conselhos que ele recebeu. — Leia 1 Tessalonicenses 5:14.

7. Como podemos imitar o exemplo de Jeová?

7 Jeová podia ter-se concentrado nas imperfeições de Ló. Em vez disso, ele inspirou o apóstolo Pedro a escrever que Ló era um homem justo. É tão bom saber que Jeová perdoa os nossos erros! (Sal. 130:3) Nós podemos imitar o exemplo dele. Como? Por nos concentrarmos nas qualidades dos nossos irmãos e irmãs. Isso vai ajudar-nos a sermos mais pacientes com eles. Se formos pacientes, é provável que eles se sintam mais à vontade para aceitar a nossa ajuda.

MOSTRE COMPAIXÃO

8. Como podemos mostrar compaixão?

8 Jó também sofreu muito, assim como Ló, mas não por causa de decisões erradas. Jó perdeu todos os seus bens, o respeito das pessoas e a saúde. Pior ainda, todos os seus filhos morreram de uma só vez. No meio de todas essas tragédias, três falsos amigos  foram visitar Jó. No entanto, em vez de dar consolo, mostraram uma total falta de compaixão. Porque agiram assim? Porque só tinham uma visão superficial da situação de Jó. Por isso, tiraram conclusões erradas e julgaram Jó de modo cruel. O que podemos fazer para não cometer o mesmo erro? Lembre-se de que só Jeová sabe realmente tudo o que está a acontecer a uma pessoa. Portanto, escute com atenção quando a pessoa lhe estiver a contar os problemas dela. Faça mais do que ouvir o que ela diz –  tente sentir a dor que ela sente. Só assim vai conseguir mostrar verdadeira empatia pelo seu irmão ou irmã.

9. O que não devemos fazer, e porquê?

9 A compaixão vai impedir-nos de andar a espalhar os problemas dos nossos irmãos. Quem gosta de tagarelar não edifica a congregação; em vez disso, derruba-a. (Pro. 20:19; Rom. 14:19) A pessoa que espalha “palavras impensadas” não é bondosa e pode magoar ainda mais o irmão que já está a sofrer. (Pro. 12:18; Efé. 4:31, 32) Por isso, o melhor que podemos fazer é concentrarmo-nos nas qualidades dos irmãos e pensar em como ajudá-los a enfrentar as suas dificuldades.

Se um irmão disser ‘palavras impensadas’, escute-o com paciência e, no momento certo, dê-lhe o consolo necessário (Veja os parágrafos 10 e 11.) *

10. O que aprendemos do que diz Jó 6:2, 3?

10 Leia Jó 6:2, 3. Jó também disse algumas ‘palavras impensadas’. Mas depois arrependeu-se. (Jó 42:6) O mesmo pode acontecer a um irmão que está muito ansioso por causa de um problema. Ele pode dizer coisas das quais se arrepende depois. Como devemos reagir? Em vez de criticar o irmão, mostre compaixão. Lembre-se de que Jeová não nos criou para passar por todos os problemas e ansiedades que temos hoje. Por isso, mesmo um servo fiel de Jeová pode acabar por dizer  o que não devia quando está a passar por muito stress. Ele pode dizer coisas erradas sobre Jeová ou sobre nós. Nesse caso, não fique zangado com o irmão e não o julgue pelas coisas que ele disse. — Pro. 19:11.

11. Como é que os anciãos podem imitar Eliú ao dar conselhos?

11 Às vezes, uma pessoa que está a lidar com um problema stressante precisa de alguém que lhe dê conselhos bíblicos ou ajuda para corrigir o seu modo de pensar. (Gál. 6:1) Se você é ancião, qual é o melhor modo de fazer isso? Tente imitar Eliú. Com empatia, ele ouviu tudo o que Jó tinha para dizer. (Jó 33:6, 7) Foi só depois de entender o que Jó estava a pensar que Eliú lhe deu conselhos. Da mesma forma, ouça com atenção o que a pessoa diz e tente entender o que ela está a passar. Se fizer isso, é mais provável que o seu conselho toque o coração dela.

FALE DE MODO CONSOLADOR

12. Como é que Noemi se sentiu quando o seu marido e os seus dois filhos morreram?

12 Noemi era uma mulher leal que amava a Jeová. No entanto, quando o seu marido e os seus dois filhos morreram, Noemi ficou tão abalada que quis mudar o seu nome para “Mara”, que significa “amarga”. (Rute 1:3, 5, 20, nota, 21) Rute, uma das noras de Noemi, ficou ao lado dela em todos esses momentos difíceis. Rute não deu apenas ajuda prática a Noemi, mas também falou com ela de modo consolador. Usando palavras simples e sinceras, Rute mostrou amor por Noemi e deu-lhe o apoio de que ela precisava. — Rute 1:16, 17.

13. Porque é que aqueles que perdem o marido ou a esposa na morte precisam do nosso apoio?

13 Vários membros da nossa família espiritual perderam o marido ou a esposa na morte. Eles precisam muito do nosso apoio. No casamento, marido e esposa tornam-se como duas árvores que vão crescendo uma ao lado da outra. Com o passar dos anos, as raízes delas entrelaçam-se. Quando uma das árvores é arrancada e morre, a outra árvore também é muito afetada. Do mesmo modo, quando alguém perde o marido ou a esposa na morte, pode enfrentar emoções fortes durante um longo período. Paula, * que ficou viúva de repente, diz: “A minha vida ficou virada do avesso. Eu fiquei sem saber o que fazer. Perdi o meu melhor amigo. Eu falava com ele sobre tudo. Ele estava comigo nos meus bons e maus momentos; era o meu ombro para chorar. Quando ele morreu, foi como se metade de mim morresse também.”

Como podemos dar apoio àqueles que perderam o marido ou a esposa? (Veja os parágrafos 14 e 15.) *

14-15. Como podemos consolar uma pessoa que ficou viúva?

14 Como podemos consolar uma pessoa que ficou viúva? A primeira coisa importante é falar com ela, mesmo que você se sinta desconfortável ou não saiba exatamente o que dizer. Paula, mencionada antes, diz: “Eu sei que a morte é um assunto que deixa as pessoas pouco à vontade. Elas ficam preocupadas em dizer algo que possa ofender. Mas pior do que dizer algo estranho é não dizer nada.” Normalmente, uma pessoa enlutada não espera que digamos algo que mude a vida dela. Paula diz: “Quando os amigos me diziam simplesmente ‘sinto muito’, eu já me sentia melhor.”

15 William, que perdeu a esposa na morte há alguns anos, conta: “Eu gosto quando outros me contam momentos que passaram com a minha esposa. Isso dá-me a certeza de que ela era amada e respeitada. Esse tipo de apoio é uma grande ajuda para mim. Eu sinto-me muito aliviado, porque a minha esposa era muito preciosa para mim e tinha uma grande  importância na minha vida.” Uma viúva chamada Bianca explica: “Algo que me consola é quando outros oram comigo e me leem um ou dois textos da Bíblia. Eu sinto-me melhor quando eles falam do meu marido e quando me escutam a falar sobre ele.”

16. (a) O que temos de continuar a fazer por aqueles que perderam alguém na morte? (b) De acordo com Tiago 1:27, que responsabilidade temos?

16 Assim como Rute fez no caso de Noemi, nós temos de continuar a dar apoio àqueles que perderam alguém na morte. Paula, mencionada antes, diz: “Assim que o meu marido morreu, tive muito apoio. Com o passar do tempo, a vida das pessoas foi voltando ao normal. Mas a minha tinha mudado completamente. É muito bom quando os outros percebem que uma pessoa precisa de apoio por vários meses –  ou até anos –  depois de perder alguém na morte.” É claro que cada pessoa é diferente. Algumas adaptam-se à nova vida relativamente rápido. Mas, para outras, fazer algo que costumavam fazer com a pessoa que morreu torna-se um lembrete doloroso da sua perda. O modo de lidar com o luto varia de pessoa para pessoa. Por isso, temos de nos lembrar de que Jeová nos dá a honra e a responsabilidade de cuidar daqueles que ficaram viúvos. — Leia Tiago 1:27.

17. Porque é que aqueles que foram abandonados pelo marido ou pela esposa também precisam do nosso apoio?

17 Outras pessoas têm de lidar com a ansiedade e o stress de terem sido abandonadas pelo marido ou pela esposa. Veja o caso de Joyce. O marido deixou-a para ir viver com  outra mulher. Joyce diz: “A dor do divórcio foi quase pior do que a dor que eu ia sentir se tivesse ficado viúva. Se o meu marido tivesse morrido num acidente ou por causa de uma doença, não teria sido uma escolha dele. Mas, no nosso caso, foi ele que escolheu deixar-me. Eu senti-me humilhada; senti que não valia nada.”

18. Como podemos ajudar aqueles que já não têm marido ou esposa?

18 Por meio de pequenos gestos de bondade, podemos mostrar àqueles que já não têm marido ou esposa que são amados por nós. Agora que estão sozinhos, eles precisam muito de bons amigos. (Pro. 17:17) Como é que pode mostrar que é um bom amigo? Talvez possa convidá-los para uma refeição ou, então, sair com eles à pregação ou combinar fazerem alguma coisa para se distraírem. Também pode convidá-los, de vez em quando, para participarem na sua adoração em família. Se fizer coisas assim, vai deixar Jeová feliz, porque ele “está perto dos que têm o coração quebrantado” e é “protetor das viúvas”. — Sal. 34:18; 68:5.

19. Pensando no que diz 1 Pedro 3:8, o que deve estar decidido a fazer?

19 Em breve, o Reino de Deus vai governar a Terra, e todas “as aflições anteriores serão esquecidas”. Ansiamos o tempo em que “as coisas anteriores não serão lembradas, nem voltarão ao coração”. (Isa. 65:16, 17) Até que esse dia chegue, precisamos de continuar a apoiar-nos uns aos outros. Por isso, mostre por palavras e ações que ama todos os que fazem parte da nossa família espiritual! — Leia 1 Pedro 3:8.

CÂNTICO 111 Os Nossos Motivos de Alegria

^ par. 5 Ló, Jó e Noemi serviam lealmente a Jeová, mas passaram por períodos de grande ansiedade. Este estudo vai mostrar o que podemos aprender do que lhes aconteceu. Também vamos ver porque é que a paciência e a compaixão são importantes ao ajudarmos irmãos que estão a passar por problemas, e como podemos dar-lhes o consolo de que precisam.

^ par. 13 Os nomes neste artigo foram mudados.

^ par. 57 IMAGENS: Um irmão está perturbado e acaba por dizer ‘palavras impensadas’, mas um ancião escuta-o com paciência. Mais tarde, quando o irmão já está calmo, o ancião dá-lhe alguns conselhos bondosos.

^ par. 59 IMAGEM: Um jovem casal passa algum tempo com um irmão que perdeu a esposa recentemente. Eles falam das boas lembranças que têm dela.