Ir para conteúdo

Ir para índice

Está a manter os seus olhos fixos em Jeová?

Está a manter os seus olhos fixos em Jeová?

“Levanto os meus olhos para ti, ó tu que estás no teu trono nos céus.” — SALMO 123:1.

CÂNTICOS: 143 e 124

1, 2. O que significa manter os olhos fixos em Jeová?

ESTAMOS a viver em “tempos críticos, difíceis de suportar”. E a vida vai ficar ainda mais difícil antes de podermos entrar no novo mundo de paz que esperamos. (2 Tim. 3:1) Por isso, é bom perguntarmo-nos: ‘Para onde olho quando preciso de ajuda e orientação?’ É provável que a nossa primeira resposta seja: “Para Jeová.” E essa é a resposta certa.

2 O que significa manter os olhos fixos em Jeová? E o que podemos fazer para continuar a manter os olhos fixos nele quando tivermos problemas? Há milhares de anos, um dos salmistas reconheceu que devemos olhar para Jeová quando precisamos de ajuda. (Leia Salmo 123:1-4.) Ele disse que temos de olhar para Jeová do mesmo modo que um servo olha para o seu senhor. O que é que o salmista quis dizer com isso? Bem, o servo não procura o seu senhor apenas para ter comida e proteção, mas fica atento para saber o que o seu senhor quer que ele faça, para depois lhe obedecer. Do mesmo modo, temos de ler a Palavra de Deus todos os dias para saber o que Jeová quer de nós e, então, obedecer-lhe. Só assim poderemos  ter a certeza de que teremos o apoio de Jeová quando estivermos com problemas. — Efé. 5:17.

3. O que poderia fazer-nos deixar de olhar para Jeová?

3 Sabemos que é importante olhar sempre para Jeová. No entanto, às vezes, podemos ficar distraídos. Foi o que aconteceu a Marta, uma amiga próxima de Jesus. Ela ficou “distraída, a cuidar de muitos afazeres”. (Luc. 10:40-42) Se isso aconteceu a uma pessoa fiel que estava na presença de Jesus, quanto mais nos pode acontecer a nós! O que poderia distrair-nos e fazer-nos deixar de olhar para Jeová? Neste estudo, vamos ver que podemos distrair-nos com os erros dos outros. Também vamos aprender o que fazer para mantermos os nossos olhos fixos em Jeová.

UM HOMEM FIEL PERDE UM PRIVILÉGIO

4. Porque é que pode parecer estranho Moisés não ter entrado na Terra Prometida?

4 Moisés era um homem que sempre olhava para Jeová para pedir ajuda e orientação. Ele “permanecia firme como que se visse Aquele que é invisível”. (Leia Hebreus 11:24-27.) A Bíblia diz que “nunca mais surgiu em Israel um profeta semelhante a Moisés, a quem Jeová conhecia face a face”. (Deut. 34:10) Apesar da amizade tão próxima que Moisés tinha com Jeová, ele perdeu a oportunidade de entrar na Terra Prometida. (Núm. 20:12) Porque é que isso aconteceu?

5-7. (a) Que problema surgiu pouco depois de os israelitas saírem do Egito? (b) O que é que Moisés fez nessa ocasião?

5 Menos de dois meses depois de os israelitas terem saído do Egito, e antes de chegarem ao monte Sinai, surgiu um problema sério. O povo não tinha água, e começou a revoltar-se contra Moisés. A situação ficou tão difícil que Moisés clamou a Jeová: “O que devo fazer com este povo? Daqui a pouco, eles vão apedrejar-me!” (Êxo. 17:4) Então, Jeová deu uma instrução bem clara a Moisés: ‘Pega no bastão e vai a Horebe. Bate na rocha, e dela sairá água.’ A Bíblia diz: “Moisés assim o fez perante os anciãos de Israel.” Com isso, os israelitas conseguiram muita água para beber e o problema foi resolvido. — Êxo. 17:5, 6.

6 A Bíblia diz que Moisés “chamou àquele lugar Massá e Meribá, por causa da discussão dos israelitas e por terem posto Jeová à prova, dizendo: ‘Jeová está ou não está entre nós?’” (Êxo. 17:7) Esses nomes eram apropriados porque significam “prova” e “discussão”.

7 Como é que Jeová se sentiu com tudo o que aconteceu em Meribá? Para Deus, não foi apenas uma rebelião contra Moisés. Foi uma rebelião contra Ele e contra a sua autoridade. (Leia Salmo 95:8, 9.) Os israelitas tinham agido de modo errado, mas Moisés fez o que era certo. Ele olhou para Jeová a pedir ajuda e seguiu as instruções que recebeu.

8. Que problema surgiu quando os israelitas estavam quase a chegar à Terra Prometida?

8 No entanto, cerca de 40 anos mais tarde, quando faltava pouco para Israel entrar na Terra Prometida, aconteceu um problema parecido. O povo estava num lugar que também ficou conhecido como Meribá. * Mas essa Meribá ficava perto de Cades e da Terra Prometida.  Os israelitas queixaram-se novamente da falta de água. (Núm. 20:1-5) Mas desta vez Moisés cometeu um erro muito sério.

9. (a) Qual foi a instrução que Jeová deu a Moisés? (b) O que é que Moisés fez? (Veja a imagem no início do estudo.)

9 Como é que Moisés lidou com essa rebelião? Ele olhou outra vez para Jeová a pedir orientação. Jeová disse que Moisés devia pegar no bastão e juntar o povo à frente do rochedo. Mas desta vez ele não disse a Moisés para bater no rochedo, mas, sim, para falar ao rochedo. (Núm. 20:6-8) Em vez de fazer isso, Moisés, por causa da frustração que sentia, começou a gritar para o povo: “Ouçam agora, rebeldes! Querem que façamos sair água deste rochedo para vocês?” Depois, Moisés bateu no rochedo, não uma, mas duas vezes. — Núm. 20:10, 11.

10. Como é que Jeová se sentiu com o que Moisés fez?

10 Jeová ficou muito zangado com Moisés; ele ficou furioso. (Deut. 1:37; 3:26) Porque é que Jeová reagiu assim? Possivelmente, houve vários fatores envolvidos. Conforme mencionado no parágrafo anterior, é possível que Jeová tenha ficado indignado por Moisés não ter seguido as suas novas instruções.

11. O que poderia fazer com que os israelitas pensassem que a água a sair do rochedo não era um milagre de Jeová?

11 Talvez exista outro motivo para Jeová ter ficado furioso. As rochas que existem na região da primeira Meribá são de granito sólido. Por mais que uma pessoa bata com toda a força numa rocha de granito, ninguém espera que saia água dela. Mas as rochas que existem na segunda Meribá são diferentes. São de calcário, que é uma rocha relativamente mais macia. Por causa da sua superfície porosa, é comum a água penetrar nela, formando reservatórios escondidos. Se uma pessoa fizer um furo nessas rochas, consegue tirar água. Por isso, quando bateu no rochedo em vez de falar, Moisés pode ter feito com que os israelitas pensassem que a água saiu da rocha por meios naturais, e não porque Jeová fez um milagre. Será que o erro de Moisés foi fazer com que um milagre de Jeová parecesse uma coisa simples da natureza? * Não temos como saber.

COMO MOISÉS SE REBELOU

12. Que outro motivo é que talvez explique porque Jeová ficou furioso com Moisés e Arão?

12 Há outra possível explicação para Jeová ter ficado furioso com Moisés e também com Arão. Veja o que Moisés disse ao povo: ‘Querem que nós façamos sair água deste rochedo para vocês?’ Por dizer ‘nós’, Moisés provavelmente estava a referir-se a ele e a Arão. As palavras de Moisés mostraram uma grande falta de respeito para com Jeová, que foi quem realmente fez aquele milagre. Esta possibilidade parece ser comprovada pelo que diz o Salmo 106:32, 33: “Eles provocaram-No junto às águas de Meribá, e, por causa deles, Moisés sofreu; amarguraram-lhe o espírito, e ele falou precipitadamente com os seus lábios.” * (Núm. 27:14) O problema foi que Moisés deixou de dar a Jeová a honra que ele  merecia. Jeová disse a Moisés e Arão: ‘Vocês rebelaram-se contra a minha ordem.’ (Núm. 20:24) Isso foi um pecado realmente grave.

13. Porque é que o castigo que Jeová deu a Moisés foi justo e merecido?

13 Moisés e Arão estavam a liderar o povo de Jeová. Por isso, fazia sentido que Jeová esperasse mais deles. (Luc. 12:48) Algum tempo antes, Jeová já tinha proibido uma geração inteira de israelitas de entrar na Terra Prometida porque eles tinham sido rebeldes. (Núm. 14:26-30, 34) Quando Moisés se rebelou, foi justo e merecido Jeová dar-lhe o mesmo castigo. Assim como os outros rebeldes, Moisés não pôde entrar na Terra Prometida.

A RAIZ DO PROBLEMA

14, 15. Qual foi o motivo de Moisés ter sido rebelde?

14 O que fez Moisés rebelar-se daquela maneira? Veja novamente o Salmo 106:32, 33: “Eles provocaram-No junto às águas de Meribá, e, por causa deles, Moisés sofreu; amarguraram-lhe o espírito, e ele falou precipitadamente com os seus lábios.” Os israelitas tinham provocado a Jeová, mas foi Moisés que ficou amargurado. Ele não teve autodomínio e acabou por falar sem pensar.

15 Moisés ficou distraído com os erros dos outros e esqueceu-se de manter os olhos fixos em Jeová. Na primeira vez em que o povo se queixou da falta de água, Moisés fez a coisa certa. (Êxo. 7:6) No entanto, é provável que, depois de tantos anos a lidar com os israelitas rebeldes, Moisés tenha ficado cansado e desanimado. Ele talvez só estivesse a pensar nos seus próprios sentimentos, em vez de pensar em como poderia dar glória a Jeová.

16. Porque é bom pensarmos no que aconteceu a Moisés?

16 Se Moisés, um profeta fiel a Jeová, ficou distraído e cometeu um erro tão grave, nós também corremos o mesmo risco. Moisés estava quase a entrar na Terra Prometida, e nós estamos muito perto do novo mundo. (2 Ped. 3:13) Nenhum de nós quer perder a oportunidade de estar lá, não é verdade? Por isso, precisamos de continuar a olhar para Jeová e ser sempre obedientes. (1 João 2:17) O que nos ensina o erro de Moisés?

NÃO FIQUE DISTRAÍDO COM O QUE OS OUTROS FAZEM

17. O que nos pode ajudar quando estivermos desanimados?

17 Não deixe que nada lhe tire o seu autodomínio. Se por acaso estivermos a lidar com os mesmos problemas vez após vez, ‘não devemos desistir de fazer o que é bom, pois colheremos no tempo devido, se não desanimarmos’. (Gál. 6:9; 2 Tes. 3:13) É possível que algumas situações ou algumas pessoas nos incomodem. Quando isso acontecer, temos de pensar bem antes de falar e não perder a calma. (Pro. 10:19; 17:27; Mat. 5:22) Se alguém nos provocar, temos de aprender a ‘dar lugar à ira’. A ira de quem? De Jeová. (Leia Romanos 12:17-21.) Em vez de ficarmos furiosos, temos de continuar a olhar para Jeová. Devemos ser pacientes e esperar que Jeová resolva o nosso problema quando ele achar necessário. Tentar encontrar um modo de nos vingarmos seria o mesmo que desrespeitar a Jeová.

18. De que nos devemos lembrar quando recebemos instruções de Jeová?

18 Siga com atenção as instruções mais recentes. Será que somos fiéis em  obedecer às instruções mais recentes que Jeová nos dá? Em vez de pensarmos: ‘Vou fazer desta maneira porque foi assim que eu sempre fiz’, sigamos imediatamente qualquer nova orientação que Jeová nos dá por meio da sua organização. (Heb. 13:17) Ao mesmo tempo, tenhamos cuidado para ‘não ir além das coisas que estão escritas’. (1 Cor. 4:6) Prestar atenção às instruções que Jeová nos dá mostra que estamos a olhar para ele.

O que aprendemos da forma como Moisés reagiu aos erros dos outros? (Veja o parágrafo 19.)

19. O que temos de fazer para que os erros dos outros não prejudiquem a nossa amizade com Jeová?

19 Não deixe que os erros dos outros prejudiquem a sua amizade com Jeová. Se mantivermos os nossos olhos fixos em Jeová, não vamos deixar que os erros dos outros nos incomodem ou prejudiquem a nossa amizade com ele. Isso é ainda mais importante se nós, assim como Moisés, tivermos responsabilidades na organização. É verdade que cada um de nós precisa de ‘produzir a sua própria salvação com temor e tremor’. Mas devemos lembrar-nos de que Jeová não usa um padrão rígido e inflexível para nos julgar. (Fil. 2:12) Em vez disso, quanto mais responsabilidades tivermos, mais Jeová esperará de nós. (Luc. 12:48) Se realmente amarmos a Jeová, ‘nada nos fará tropeçar’ nem ‘nos separará do amor de Deus’. — Sal. 119:165; Rom. 8:37-39.

20. Devemos estar decididos a fazer o quê?

20 Já que vivemos em tempos tão difíceis, precisamos de continuar a olhar para Aquele que ‘está no trono nos céus’. Temos de saber o que Jeová quer que façamos. Não podemos deixar que nada nem ninguém prejudique a nossa amizade com Jeová. O que aconteceu a Moisés mostra que esta lição tem de estar bem gravada na nossa mente e coração. Por isso, caso se sinta incomodado por causa das imperfeições dos outros, não perca o autodomínio. Esteja decidido a continuar com os olhos “fixos em Jeová, nosso Deus, até que ele nos mostre favor”. — Sal. 123:1, 2.

^ par. 8 Este lugar não era o mesmo que ficava perto de Refidim, também chamado Meribá. O primeiro lugar foi mencionado juntamente com Massá, mas o segundo com Cades. Os dois lugares receberam o mesmo nome porque nos dois aconteceram discussões. — Veja o mapa no Apêndice B3 da Tradução do Novo Mundo da Bíblia Sagrada.

^ par. 11 O professor universitário John Beck comentou sobre esse episódio: “De acordo com uma crença comum dos judeus, os rebeldes criticaram Moisés, dizendo: ‘Moisés sabe que nesse tipo de rocha há água. Se ele quer mostrar o seu poder, digam-lhe para fazer sair água de outro tipo de rocha.’” Mas não é possível saber se isso aconteceu mesmo.

^ par. 12 Veja “Perguntas dos Leitores” em A Sentinela de 15 de outubro de 1987.