Ir para conteúdo

Ir para índice

 ESTUDO 33

Aqueles “que te escutam” serão salvos

Aqueles “que te escutam” serão salvos

“Presta constante atenção a ti mesmo e ao teu ensino. Persevera nestas coisas, pois, por fazeres isso, salvarás tanto a ti mesmo como aos que te escutam.” — 1 TIM. 4:16.

CÂNTICO 67 Eu Vou Pregar!

O QUE VAMOS VER *

1. O que é que todos nós queremos para os nossos familiares?

SERÁ que você tem familiares que ainda não conhecem nem amam a Jeová? Se tiver, é provável que se sinta como uma irmã chamada Pauline. * Ela conta: “Desde o dia em que conheci a verdade, eu quis que toda a minha família estivesse comigo no Paraíso. Queria principalmente que o meu marido, o Wayne, e o nosso filho servissem a Jeová juntamente comigo.”

2. Que perguntas vamos ver neste estudo?

2 Não podemos obrigar os nossos parentes a aceitarem as boas novas. No entanto, podemos incentivá-los a abrirem a mente e o coração à mensagem da Bíblia. (2 Tim. 3:14, 15) Porque devemos dar testemunho aos nossos parentes? Porque precisamos de mostrar empatia por eles? Como podemos ajudá-los a amarem a Jeová assim como nós amamos? E como é que todos os irmãos da congregação podem ajudar-nos? É isso o que vamos ver neste estudo.

PORQUE DEVEMOS PREGAR AOS NOSSOS PARENTES?

3. De acordo com 2 Pedro 3:9, porque devemos pregar aos nossos parentes?

3 Estamos muito perto do fim deste sistema, e só quem tiver “a disposição correta para com a vida eterna” é que vai sobreviver. (Atos 13:48) Nós gastamos muito tempo e energia a pregar as boas novas a pessoas que nunca vimos. Por isso, é normal  querer que os nossos parentes também sirvam a Jeová. O nosso amoroso Pai, Jeová, “não deseja que ninguém seja destruído, mas deseja que todos alcancem o arrependimento”. — Leia 2 Pedro 3:9.

4. Que erro podemos cometer ao dar testemunho aos nossos familiares?

4 Temos de nos lembrar que existe a maneira certa e a maneira errada de falar sobre as boas novas. Quando pregamos a um estranho, normalmente falamos com mais jeito. No entanto, quando damos testemunho a um familiar, talvez a nossa tendência seja fazer isso de um modo mais direto.

5. De que nos devemos lembrar antes de pregar aos nossos familiares?

5 Lembra-se da primeira vez que tentou pregar as boas novas a um parente? Talvez se sinta arrependido da maneira como falou e gostaria de o ter feito de uma forma diferente. O apóstolo Paulo deu este conselho aos cristãos: “Que as vossas palavras sejam sempre agradáveis, temperadas com sal, de modo que saibam como responder a cada pessoa.” (Col. 4:5, 6) É bom termos este conselho em mente quando pregamos aos nossos familiares. Senão, corremos o risco de afastá-los em vez de atraí-los à verdade.

COMO PODEMOS AJUDAR OS NOSSOS PARENTES?

Às vezes, o maior testemunho que podemos dar é mostrar empatia e ter uma boa conduta (Veja os parágrafos 6 a 8.) *

6-7. Porque é que um cristão casado com um descrente precisa de mostrar empatia? Dê um exemplo.

6 Mostre empatia. Ter empatia significa entender os sentimentos dos outros. Pauline, mencionada antes, diz: “No início, eu só queria conversar com o meu marido sobre a Bíblia. Deixámos de conversar sobre as coisas do dia a dia.” Só que Wayne, o marido de Pauline, não sabia quase nada sobre a Bíblia e não entendia o que a sua esposa dizia. Ele  começou a achar que ela só pensava em religião. Wayne ficou com medo de que a sua esposa se estivesse a juntar a uma seita perigosa que queria enganá-la.

7 Pauline admite que houve um período em que ela passava grande parte do seu tempo com os irmãos da congregação – nas reuniões, na pregação e quando ia à casa dos irmãos. Pauline conta: “O Wayne, às vezes, sentia-se sozinho porque, quando chegava a casa, não encontrava ninguém.” Como era de esperar, ele sentia falta de estar com a esposa e o filho. Wayne não conhecia os novos amigos da sua esposa, e parecia que Pauline gostava mais de estar com eles do que com o próprio marido. Por causa disso, Wayne chegou a dizer a Pauline que ia pedir o divórcio. Consegue ver como Pauline podia ter mostrado mais empatia?

8. De acordo com 1 Pedro 3:1, 2, o que é que os nossos parentes normalmente mais observam?

8 Deixe que a sua conduta fale por si. Normalmente, o que os nossos parentes mais observam não é o que dizemos, mas o que fazemos. (Leia 1 Pedro 3:1, 2.) Foi isso o que Pauline percebeu com o tempo. Ela diz: “Eu sabia que o Wayne nos amava e que não queria divorciar-se de mim. Mas, quando ele falou em divórcio, entendi que eu devia começar a fazer as coisas do modo de Jeová. Em vez de falar tanto, eu precisava de me esforçar para que a minha conduta fosse um bom exemplo.” Pauline começou a conversar com Wayne sobre assuntos do dia a dia, em vez de estar sempre a pressioná-lo a falar com ela da Bíblia. Além disso, Wayne viu Pauline tornar-se uma pessoa mais pacífica e viu o seu filho comportar-se melhor. (Pro. 31:18, 27, 28)  Quando percebeu como a Bíblia estava a fazer bem à sua família, Wayne abriu a mente e o coração à Palavra de Deus. — 1 Cor. 7:12-14, 16.

9. Porque não podemos desistir?

9 Não desista de ajudar os seus parentes. Jeová dá-nos o exemplo. A Bíblia diz que ele, “vez após vez”, dá às pessoas a oportunidade de aceitarem as boas novas e ganharem a vida eterna. (Jer. 44:4) E o apóstolo Paulo disse a Timóteo para perseverar em ajudar outros. Porquê? O próprio Paulo disse o motivo: “Por fazeres isso, salvarás tanto a ti mesmo como aos que te escutam.” (1 Tim. 4:16) Nós amamos os nossos familiares e queremos que eles conheçam as verdades que estão na Bíblia. Veja o que aconteceu no caso de Pauline. Depois de algum tempo, as palavras e o exemplo dela tiveram uma boa influência na sua família. Ela agora sente-se feliz por servir a Jeová com o marido. Os dois são pioneiros, e Wayne serve como ancião.

10. Porque precisamos de ser pacientes?

10 Seja paciente. Quando aprendemos a verdade, nós mudamos as nossas crenças e estilo de vida. No entanto, os nossos parentes talvez tenham dificuldade em acostumar-se a essas mudanças. Por exemplo, uma das primeiras coisas que eles percebem é que já não comemoramos os feriados religiosos com eles e não nos envolvemos em atividades políticas. Isso até pode deixar alguns parentes zangados. (Mat. 10:35, 36) Mas isso não nos deve fazer desistir de ajudá-los a entender as nossas crenças. Quando desistimos dos nossos familiares, na verdade, é como se os julgássemos e decidíssemos que eles não merecem receber a vida eterna. Mas Jeová não nos deu o trabalho de julgar – ele deu essa tarefa a Jesus. (João 5:22) Se formos pacientes, pode ser que os nossos parentes se interessem em ouvir a nossa mensagem. — Veja o quadro “ Use o nosso site para ensinar”.

11-13. O que é que aprendeu do modo como Alice lidou com os pais?

11 Seja firme, mas bondoso. (Pro. 15:2) Veja o exemplo de Alice. Ela foi criada por pais que não acreditavam em Deus e que se envolviam na política. Quando já não morava com eles, Alice aprendeu a verdade. Ela percebeu que, logo que possível, precisava de contar aos pais as coisas boas que estava a aprender. Alice diz: “Quanto mais tempo levarmos para falar das nossas novas crenças e costumes, maior será o choque para a nossa família.” Ela costumava escrever cartas aos seus pais. Nessas cartas, ela tentava incluir algum assunto que talvez fosse interessante para eles, como o amor. Depois, perguntava-lhes o que achavam do ponto de vista da Bíblia sobre esse assunto. (1 Cor. 13:1-13) Alice agradecia sempre aos pais por tudo o que fizeram por ela e mandava-lhes presentes. Quando ia visitá-los, ela fazia tudo o que podia para ajudar a mãe nas tarefas de casa. No início, os pais de Alice não gostaram muito quando ela lhes falou sobre as suas novas crenças.

12 Quando Alice passava alguns dias com os pais, ela continuava a fazer a sua leitura da Bíblia. Alice conta: “Isso ajudou a minha mãe a entender como a Bíblia era importante para mim.” Entretanto, o pai de Alice decidiu aprender alguma coisa sobre a Bíblia. Ele queria entender o que tinha feito a sua filha mudar o modo de pensar e queria encontrar alguma falha na Bíblia. Alice diz: “Eu dei uma Bíblia ao meu pai e escrevi-lhe uma dedicatória.” Qual foi o resultado? Em vez de encontrar falhas, o pai de Alice ficou muito comovido com as coisas que leu na Palavra de Deus.

13 Precisamos de ser firmes, mas bondosos, mesmo quando a situação for difícil. (1 Cor. 4:12b ) Alice, por exemplo, teve de suportar oposição da sua mãe. “Quando me batizei, a minha mãe disse que eu não era uma boa filha.” Como é que Alice reagiu? “Em vez de evitar o assunto, eu expliquei-lhe, de modo respeitoso, que estava decidida a ser uma Testemunha de Jeová e que não ia mudar de ideias. Também lhe disse que a amava muito. Nós chorámos juntas e eu preparei-lhe uma refeição deliciosa. A partir daí, a minha mãe começou a admitir que a Bíblia estava a transformar-me numa pessoa melhor.”

14. Porque não devemos ceder à pressão dos parentes?

14 Talvez leve algum tempo até os nossos parentes entenderem que servir a Jeová é um assunto sério para nós. Por exemplo, quando Alice decidiu ser pioneira em vez de seguir a carreira que os seus pais queriam, a mãe dela chorou. Mas Alice continuou firme. Ela diz: “Se cedermos à pressão numa área, a nossa família vai tentar pressionar-nos em outras. Por outro lado, se formos firmes, mas bondosos, com a família, pode até ser que alguns parentes decidam escutar-nos.” Foi isso o que aconteceu no caso de Alice. Hoje, o pai e a mãe dela são pioneiros, e o pai serve como ancião.

COMO É QUE A CONGREGAÇÃO PODE AJUDAR?

Como é que os irmãos da congregação podem ajudar os nossos parentes descrentes? (Veja os parágrafos 15 e 16.) *

15. De acordo com Mateus 5:14-16 e 1 Pedro 2:12, como é que as “boas obras” de outros podem ajudar os nossos parentes?

15 Para atrair pessoas à verdade, Jeová usa as “boas obras” dos irmãos da congregação. (Leia Mateus 5:14-16; 1 Pedro 2:12.) Se o seu marido ou a sua esposa não é Testemunha de Jeová, será que ele ou ela já teve a oportunidade de conhecer os irmãos da sua congregação?  Pauline, mencionada antes, costumava convidar irmãos e irmãs à sua casa. Assim, o seu marido, Wayne, podia conhecê-los. Wayne lembra-se de como um irmão o ajudou a mudar de ideias sobre as Testemunhas de Jeová: “Ele tirou um dia de folga do trabalho só para ver um jogo comigo. Isso fez-me pensar: ‘Ele é normal!’”

16. Porque devemos convidar os nossos familiares para irem às reuniões?

16 Uma ótima maneira de ajudar os nossos familiares é por convidá-los para as reuniões. (1 Cor. 14:24, 25) A primeira reunião de Wayne foi o Memorial. Ele foi porque era depois do trabalho e o programa era relativamente curto. Ele conta: “Eu não entendi nada do discurso, mas lembro-me das pessoas. Elas vinham falar comigo, davam-me as boas-vindas e um forte aperto de mão. Consegui perceber que eram pessoas sinceras.” Wayne também notou que Ben e Liz, um casal da congregação, eram muito bondosos com Pauline. Eles ajudavam-na a cuidar do filho nas reuniões e na pregação. Por isso, quando finalmente decidiu conhecer melhor as novas crenças de Pauline, Wayne pediu a Ben para estudar a Bíblia com ele.

17. De que não nos devemos culpar, e porque é que nunca devemos desistir dos nossos parentes?

17 Nós queremos muito que todos os nossos parentes sirvam a Jeová connosco. Porém, apesar de todos os nossos esforços em ajudá-los, eles nem sempre vão aceitar a verdade. Se esse for o seu caso, não se sinta culpado. Afinal, a decisão é deles. Nós não podemos obrigar ninguém a concordar com as nossas crenças. Com o tempo, os seus parentes talvez notem como você é feliz a servir a Jeová, e isso talvez os faça mudar de ideia. Ore por eles. Fale com eles de modo bondoso. Não desista de ajudá-los. (Atos 20:20) Tenha a certeza de que Jeová vai abençoar os seus esforços. E se os seus familiares decidirem escutá-lo, eles serão salvos!

CÂNTICO 57 Pregar a Todo o Tipo de Pessoas

^ par. 5 Nós gostaríamos muito de que os nossos familiares também servissem a Jeová, mas essa é uma decisão que eles próprios têm de tomar. Neste estudo, vamos ver o que podemos fazer para que os nossos parentes se sintam mais à vontade para nos escutar.

^ par. 1 Alguns nomes foram mudados. Neste artigo, as palavras “familiares” e “parentes” referem-se a membros da família que ainda não servem a Jeová.

^ par. 53 IMAGEM: Um jovem irmão está a ajudar o seu pai descrente a arranjar o carro. Num momento apropriado, ele mostra ao pai um vídeo do site jw.org®.

^ par. 55 IMAGENS: Uma irmã escuta com atenção o seu marido descrente a falar sobre as coisas que aconteceram naquele dia. Mais tarde, ela e a sua família divertem-se com um jogo.

^ par. 57 IMAGENS: A irmã convidou irmãos da congregação para irem à sua casa. Eles mostram interesse sincero no marido da irmã. Mais tarde, o marido assiste ao Memorial com a esposa.