Ir para conteúdo

Ir para índice

Sirva a Jeová, o Deus da liberdade

Sirva a Jeová, o Deus da liberdade

Onde está o espírito de Jeová, ali há liberdade.” — 2 COR. 3:17.

CÂNTICOS: 49 e 73

1, 2. (a) Porque é que escravidão e liberdade eram temas populares na época do apóstolo Paulo? (b) Quem é que Paulo disse que é a Fonte da verdadeira liberdade?

NA ÉPOCA dos primeiros cristãos, os romanos tinham muito poder e orgulhavam-se de promover a lei, a justiça e a liberdade. No entanto, uma grande parte do poder do Império Romano vinha do trabalho duro feito pelos escravos. Em certo período, um em cada três habitantes do Império Romano era escravo. Com certeza, escravidão e liberdade eram temas muito populares naquele tempo, inclusive entre os cristãos.

2 Várias cartas do apóstolo Paulo falam sobre liberdade. Contudo, o objetivo dele não era causar uma mudança no mundo. Muitas pessoas sonhavam com liberdade, mas Paulo e os outros cristãos sabiam que ela não viria pelas mãos de homens. Por isso, Paulo e os cristãos esforçavam-se muito para pregar que a liberdade só viria por meio do Reino de Deus e do sacrifício de resgate de Jesus Cristo. Paulo também incentivou os seus irmãos a procurar a Fonte da  verdadeira liberdade. Na segunda carta aos cristãos em Corinto, ele escreveu: “Jeová é o Espírito, e onde está o espírito de Jeová, ali há liberdade.” — 2 Cor. 3:17.

3, 4. (a) O que relembrou Paulo nos versículos que estão antes de 2 Coríntios 3:17? (b) O que temos de fazer se quisermos sentir a liberdade que vem de Jeová?

3 Alguns versículos antes, Paulo relembrou o que aconteceu a Moisés quando ele falou com Jeová no monte Sinai. Por ter ficado na presença de um anjo de Jeová, o rosto de Moisés “brilhava intensamente”! Os israelitas ficaram com tanto medo que Moisés teve de tapar o rosto com um véu. (Êxo. 34:29, 30, 33; 2 Cor. 3:7, 13) Depois, Paulo explicou: “Quando alguém se volta para Jeová, o véu é retirado.” (2 Cor. 3:16) O que é que Paulo quis dizer?

4 O artigo anterior mostrou que Jeová é o Criador de tudo e, por isso, é o único que tem liberdade total. Assim, podemos dizer que “onde está o espírito de Jeová” existe liberdade. Mas, se queremos ter essa liberdade, devemos ‘voltar para Jeová’, ou seja, ter uma amizade íntima com ele. Infelizmente, aqueles israelitas no deserto não conseguiam ver as coisas do ponto de vista de Jeová. Eles pensavam apenas nas vantagens em sentido físico. É como se existisse um véu em cima da mente e do coração deles. — Heb. 3:8-10.

5. (a) O espírito de Jeová liberta-nos de quê? (b) Que exemplos mostram que mesmo uma pessoa presa pode sentir a liberdade que Jeová dá? (c) A que perguntas vamos responder?

5 A liberdade que o espírito de Jeová dá é muito maior do que libertar alguém de ser escravo. É uma liberdade que nenhum humano pode dar. O espírito de Jeová liberta-nos do pecado e da morte. Ele também nos liberta da adoração falsa e dos seus costumes. (Rom. 6:23; 8:2) Que liberdade poderia ser melhor do que esta? Mesmo alguém que esteja preso ou a trabalhar como escravo pode sentir esta liberdade. (Gén. 39:20-23) Pense nos exemplos da irmã Nancy Yuen e do irmão Harold King. Os dois estiveram muitos anos na prisão por serem Testemunhas de Jeová. Pode ver as experiências deles no JW Broadcasting. (Procure em ENTREVISTAS E EXPERIÊNCIAS > ENFRENTAR DIFICULDADES.) Agora, vamos responder a duas perguntas: Como podemos mostrar que essa liberdade é preciosa para nós? E qual é o melhor modo de usarmos essa liberdade?

A LIBERDADE QUE JEOVÁ NOS DÁ É MUITO PRECIOSA

6. Como é que os israelitas mostraram ingratidão pela liberdade que Jeová lhes deu?

6 Quando recebemos um presente valioso, fazemos questão de agradecer à pessoa que nos deu o presente. Os israelitas não fizeram isso e não mostraram gratidão pela liberdade que Jeová lhes deu. Poucos meses depois de terem sido libertados do Egito, eles começaram a sentir falta da comida que tinham lá. Queixaram-se do maná que Jeová lhes estava a dar e até quiseram voltar para o Egito. Nem dá para acreditar, pois não? Para aqueles israelitas, ‘os peixes, os pepinos, as melancias, os alhos-porros, as cebolas e os alhos’ eram melhores do que estarem livres para adorar a Jeová. Não é de admirar que Jeová tenha ficado muito zangado com eles. (Núm. 11:5, 6, 10; 14:3, 4) Isso ensina-nos uma lição importante.

7. Como podemos seguir o conselho de Paulo em 2 Coríntios 6:1?

 7 O apóstolo Paulo disse para termos cuidado para não sermos ingratos como os israelitas. Jeová, com muita bondade, libertou-nos do pecado e da morte por meio do seu Filho, Jesus Cristo. (Leia 2 Coríntios 6:1.) Lembre-se de toda a tristeza e aflição que Paulo sentia por ser imperfeito. Apesar disso, ele sentia muita gratidão. Ele disse: “Dou graças a Deus, por meio de Jesus Cristo, nosso Senhor!” Porquê? Porque a ‘lei do espírito libertou-nos da lei do pecado e da morte’. (Rom. 7:24, 25; 8:2) Assim como Paulo, nós também devemos sentir-nos sempre gratos a Jeová por nos ter libertado das correntes do pecado e da morte. Por causa do resgate, podemos servir a Deus com a consciência limpa e com alegria. — Sal. 40:8.

Como é que está a usar a sua liberdade de escolha: para servir a Jeová ou para fazer o que quer? (Veja os parágrafos 8 a 10.)

8, 9. (a) Que conselho deu o apóstolo Pedro sobre o uso da liberdade? (b) Porque é que esse conselho é mais importante hoje?

8 Não basta apenas sentirmo-nos gratos pela liberdade de escolha que Jeová nos dá. Temos de ter cuidado para não a usar de modo errado. Por exemplo, o apóstolo Pedro disse que não devemos usar a nossa liberdade como desculpa para satisfazer todos os nossos desejos. (Leia 1 Pedro 2:16.) Este aviso lembra-nos do que aconteceu aos israelitas no deserto. E hoje este aviso é ainda mais importante. Porquê? Porque Satanás e o seu mundo oferecem-nos muitas opções tentadoras de diversão, roupa, comida e muito mais. Os anúncios publicitários costumam mostrar pessoas bonitas a tentar convencer-nos a comprar coisas de que nem precisamos. É muito fácil cair nestas armadilhas e usar mal a nossa liberdade.

9 O conselho do apóstolo Pedro também se aplica a outros assuntos mais importantes da vida. Por exemplo, que curso fazer ou que carreira seguir. Hoje, os jovens são muito pressionados para entrar nas melhores universidades. Algumas pessoas dizem-lhes que só aqueles que vão para a universidade é que conseguem os melhores empregos e os melhores salários. Essas pessoas até usam estatísticas para provar que quem tem um curso superior ganha muito mais do que aqueles que só têm o ensino secundário. Por causa disso, quando um jovem precisa de tomar uma decisão que vai afetar toda a sua vida, um curso superior pode parecer uma boa ideia. Porém, de que é que esses jovens e os seus pais devem lembrar-se?

10. De que temos de nos lembrar quando tomamos decisões em assuntos pessoais?

10 Assuntos como educação e carreira são pessoais. Por isso, alguns acreditam que podem tomar qualquer decisão desde que a sua consciência não os acuse. Eles talvez pensem nas palavras que Paulo usou quando falou aos cristãos coríntios sobre comida: “Porque é que a minha liberdade deveria ser julgada pela consciência de outro?”. (1 Cor. 10:29) É verdade que temos a liberdade de decidir que curso fazer ou que carreira seguir. Mas temos de nos lembrar de que a nossa liberdade tem limites e que todas as decisões que tomamos têm consequências. Foi por isso que Paulo disse: “Tudo é permitido, mas nem tudo é vantajoso. Tudo é permitido, mas nem tudo edifica.” (1 Cor. 10:23) As palavras de Paulo mostram que, embora tenhamos a liberdade de tomar decisões em assuntos pessoais, a nossa vontade nem sempre é o que mais importa.

 USE A SUA LIBERDADE PARA SERVIR A DEUS

11. Com que objetivo é que Jeová nos libertou?

11 Quando Pedro disse para não usarmos mal a nossa liberdade, ele também disse que o melhor modo de a usar é como “escravos de Deus”. Foi com este objetivo que Jeová usou Jesus para nos libertar do pecado e da morte. Ele espera que usemos a nossa vida para servi-lo.

12. Que exemplo nos deixaram Noé e a sua família?

12 O mundo tenta convencer-nos a usarmos mal a nossa liberdade e a tornarmo-nos escravos dele. O melhor modo de nos protegermos disso é usar plenamente o nosso tempo e energia para servir a Jeová. (Gál. 5:16) Veja o exemplo de Noé e da sua família. Eles viviam num mundo cheio de violência e de imoralidade. Apesar disso, não se deixaram envolver nas coisas que as pessoas faziam. Como conseguiram isso? Por ficarem totalmente ocupados no trabalho que Jeová lhes deu. Eles construíram a arca, armazenaram comida e avisaram as pessoas sobre o Dilúvio. “Noé fez tudo o que Deus lhe tinha mandado. Fez exatamente assim.” (Gén. 6:22) Será que isso valeu a pena? Sem dúvida. Noé e a sua família sobreviveram quando aquele mundo foi destruído. — Heb. 11:7.

13. Que ordem nos deu Jeová?

13 Que ordem nos deu Jeová? Nós, discípulos de Jesus, conhecemos muito bem essa ordem. (Leia Lucas 4:18, 19.) Infelizmente, o deus deste sistema de coisas cega a grande maioria das pessoas. Elas não percebem que ainda são escravas da religião falsa, das coisas materiais e da política. (2 Cor. 4:4) Assim como Jesus, nós temos o privilégio de ajudar as pessoas a conhecer e a adorar a Jeová, o Deus da liberdade. (Mat. 28:19, 20) Este trabalho não é fácil. Em alguns lugares, as pessoas têm cada  vez menos interesse em Deus, e até são contra o nosso trabalho de pregação. Por isso, temos de nos perguntar: ‘Será que posso usar a minha liberdade para fazer mais no serviço de Jeová?’

14, 15. O que é que muitos irmãos decidiram fazer? (Veja a fotografia no início do estudo.)

14 Muitos irmãos percebem que o fim está cada vez mais perto. Por isso, decidem fazer algumas mudanças na vida para servirem como pioneiros. Isso é muito encorajador! (1 Cor. 9:19, 23) Alguns são pioneiros na sua própria congregação. Outros mudam-se para territórios que precisam de ajuda. Só nos últimos cinco anos, mais de 250 mil irmãos tornaram-se pioneiros. Agora, temos uma média de mais de 1 100 000 pioneiros regulares. É maravilhoso ver que eles estão a usar bem a sua liberdade para servir a Jeová! — Sal. 110:3.

15 O que ajudou esses irmãos a usarem bem a sua liberdade? Veja o exemplo de John e Judith. Nos últimos 30 anos, esse casal serviu em vários países. Eles lembram-se de que, quando a Escola do Serviço de Pioneiro começou em 1977, a organização incentivava os pioneiros a estarem dispostos a servir em lugares que precisavam de ajuda. Para manter esse objetivo, John mudou várias vezes de emprego. Assim, eles podiam manter uma vida simples. Depois de algum tempo, mudaram-se para outro país. Eles enfrentaram dificuldades como aprender uma nova língua, viver numa nova cultura e acostumar-se a um clima diferente. No entanto, regularmente, oravam a Jeová e pediam a ajuda dele. Como é que John e Judith se sentem depois de tantos anos de serviço? John diz: “Eu estava completamente envolvido na melhor atividade de todas. Jeová tornou-se muito mais real para mim, como um Pai amoroso. Agora, entendo bem o que Tiago 4:8 significa: ‘Acheguem-se a Deus, e ele vai achegar-se a vocês.’ Eu tinha conseguido o que mais queria: uma vida feliz e com objetivo.”

16. Apesar das circunstâncias, como é que muitos irmãos usam bem a sua liberdade?

16 Alguns irmãos, como John e Judith, podem servir como pioneiros durante muitos anos. Mas outros irmãos, por causa das circunstâncias, só podem ficar no serviço de tempo integral por um curto período de tempo. Mesmo assim, muitos colocam-se à disposição para ajudar em construções ao redor do mundo. Por exemplo, durante a construção da sede mundial em Warwick, Nova Iorque, cerca de 27 mil irmãos e irmãs foram ajudar. Alguns ficaram apenas duas semanas. Outros ficaram um ano ou mais. Muitos deixaram as suas coisas para trás só para poderem ajudar na construção. Eles são um excelente exemplo de pessoas que usaram a sua liberdade para honrar a Jeová, o Deus da liberdade!

17. Que bênçãos teremos se usarmos bem a liberdade que Deus dá?

17 Nós sentimo-nos muito gratos por conhecer a Jeová e por ter a liberdade que só a adoração verdadeira dá. Se fizermos boas escolhas na vida, vamos mostrar que essa liberdade é preciosa para nós. Em vez de a usar de maneira errada, vamos aproveitar a liberdade para darmos o nosso melhor no serviço a Jeová. Se fizermos isso, receberemos as bênçãos que Jeová prometeu nesta profecia: “A própria criação também será liberta da escravidão à decadência e terá a liberdade gloriosa dos filhos de Deus.” — Rom. 8:21.