Ir para conteúdo

Ir para índice

 LIÇÃO 19

Quem é o escravo fiel e prudente?

Quem é o escravo fiel e prudente?

Todos nós nos beneficiamos do alimento espiritual

Pouco antes de morrer, Jesus teve uma conversa em particular com quatro dos seus discípulos: Pedro, Tiago, João e André. Ao predizer o sinal da sua presença nos últimos dias, Jesus incluiu uma pergunta muito importante: “Quem é realmente o escravo fiel e prudente, a quem o seu senhor encarregou dos seus domésticos, para lhes dar o alimento no tempo apropriado?” (Mateus 24:3, 45; Marcos 13:3, 4) Jesus, como “senhor” dos seus discípulos, garantiu-lhes assim que designaria um “escravo” para fornecer, de modo constante, alimento espiritual aos seus seguidores durante o período do fim. Quem é esse escravo?

É um pequeno grupo de seguidores ungidos de Jesus. Esse “escravo” tem sido identificado como o Corpo Governante das Testemunhas de Jeová. Ele provê alimento espiritual oportuno aos outros adoradores de Jeová. Nós dependemos do escravo fiel para receber a nossa “medida de mantimentos no tempo apropriado”. — Lucas 12:42.

Ele cuida da família de Deus. (1 Timóteo 3:15) Jesus deu ao escravo a grande responsabilidade de administrar a obra feita pela parte terrestre da organização de Jeová: cuidar dos seus bens materiais, supervisionar a obra de pregação e ensinar-nos por meio das nossas congregações. A fim de nos fornecer aquilo de que precisamos e quando precisamos, o “escravo fiel e prudente” distribui alimento espiritual por meio das publicações que usamos na nossa pregação, além dos programas que são apresentados nas nossas reuniões e assembleias.

O escravo é fiel às verdades bíblicas e à sua comissão de pregar as boas novas; e prudente no modo sábio como cuida dos interesses de Cristo na Terra. (Atos 10:42) Jeová está a abençoar essa obra por atrair cada vez mais pessoas ao seu povo e por proporcionar alimento espiritual abundante. — Isaías 60:22; 65:13.

  • Quem é que Jesus encarregou de dar alimento espiritual aos seus discípulos?

  • De que modos é que o “escravo” é fiel e prudente?