Ir para conteúdo

Ir para índice

 CAPÍTULO 18

“O meu grande furor irá acender-se”

“O meu grande furor irá acender-se”

EZEQUIEL 38:18

PONTO PRINCIPAL: O ataque de Gogue provoca a ira de Deus; Jeová defende o seu povo durante o Armagedon

1-3. (a) O que é que o “grande furor” de Jeová vai causar? (Veja a imagem no início do capítulo.) (b) O que vamos estudar agora?

HOMENS, mulheres e crianças cantam juntos um cântico do Reino. A seguir, um ancião faz uma oração sincera a Jeová a pedir a sua proteção. Os irmãos da congregação têm a confiança de que Jeová vai cuidar deles. Mesmo assim, eles precisam de consolo e encorajamento. Lá fora, ouve-se o barulho de pessoas a lutar. O Armagedon começou! — Apo. 16:14, 16.

2 Na guerra do Armagedon, Jeová vai trazer destruição com “grande furor”. (Leia Ezequiel 38:18.) Ele vai direcionar toda a sua ira não apenas sobre um exército ou uma nação, mas sobre um grande número de pessoas em toda a Terra. Nesse dia, “os mortos por Jeová estarão espalhados de uma extremidade da terra à outra extremidade da terra”. — Jer. 25:29, 33.

3 Porque é que Jeová, o Deus de amor, que a Bíblia descreve como “misericordioso e compassivo” e “paciente”, vai agir dessa forma, com “grande furor”? (Êxo. 34:6; 1 João 4:16) A resposta a esta pergunta vai dar-nos muito consolo, encher-nos de coragem e motivar-nos a continuar a obra de pregação.

 O que provoca o “grande furor” de Jeová?

4, 5. Como é que a ira de Jeová é diferente da ira de humanos imperfeitos?

4 Primeiro, temos de nos lembrar de que a ira de Jeová não é como a ira de humanos imperfeitos. Quando uma pessoa fica furiosa e perde a cabeça, dificilmente as coisas terminam bem. Por exemplo, Caim, o primeiro filho de Adão, ficou furioso quando Jeová rejeitou o sacrifício dele, mas aceitou a oferta de Abel. Qual foi o resultado? Caim matou o seu irmão, que era um homem justo. (Gén. 4:3-8; Heb. 11:4) Veja também o exemplo de David, um homem que agradava a Jeová. (Atos 13:22) Apesar de ser um homem bom, ele quase cometeu um crime terrível. David soube que Nabal, um rico proprietário de terras, tinha falado muito mal dele e dos seus soldados. Cheios de raiva, David e os seus homens colocaram “a espada na cintura”, decididos a matar não apenas Nabal, aquele homem ingrato, mas também todos os homens da casa dele. Felizmente, a esposa de Nabal, Abigail, conseguiu convencer David e os seus homens a não fazerem isso. (1 Sam. 25:9-14, 32, 33) Com muita razão, Jeová inspirou Tiago a escrever: “A ira do homem não produz a justiça de Deus.” — Tia. 1:20.

Jeová controla sempre a sua ira e age com justiça

5 Ao contrário dos humanos, Jeová controla sempre a sua ira. Por exemplo, quando ele luta contra os seus inimigos, ele nunca destrói “os justos com os maus”. (Gén. 18:22-25) Por isso, mesmo quando está furioso, Jeová age com justiça. Além disso, conseguimos saber claramente a razão de Jeová estar furioso. Os seus motivos são sempre justos. Vamos ver dois desses motivos e que lições podemos aprender.

6. Como é que Jeová reage quando o seu nome é manchado?

6 Motivo: Quando o nome de Jeová é manchado. Os que dizem representar a Jeová, mas fazem coisas erradas, mancham a reputação dele. Isso provoca a ira de Jeová. (Eze. 36:23) Como vimos nos capítulos anteriores deste livro, a nação de Israel manchou o nome de Deus. É compreensível a razão de ele ter ficado furioso. Mas Jeová nunca perdeu o controlo da sua ira; ele punia o seu povo de modo justo, não de modo exagerado. (Jer. 30:11) E, depois de a disciplina cumprir o seu objetivo, Jeová não ficava ressentido. — Sal. 103:9.

7, 8. Que lições aprendemos da forma como Jeová lidou com os israelitas?

7 Lições: A forma como Jeová lidou com os israelitas dá-nos um alerta muito sério. Assim como os israelitas, nós temos o privilégio de levar o nome de Deus. Somos Testemunhas de Jeová e, por isso, as nossas palavras e ações afetam o que as pessoas pensam sobre ele. (Isa. 43:10) Jamais queremos fazer coisas erradas de propósito e manchar o nome  do nosso Pai. Agir dessa forma vai acender a ira de Jeová e, mais cedo ou mais tarde, ele vai agir para proteger a sua reputação. — Heb. 3:13, 15; 2 Ped. 2:1, 2.

8 Vimos que Jeová pode demonstrar “grande furor”. Será que isso deveria impedir-nos de nos achegarmos a ele? Não. Sabemos que Jeová é paciente e perdoador. (Isa. 55:7; Rom. 2:4) No entanto, também sabemos que ele disciplina quando é necessário. Jeová fica muito zangado com os que fazem coisas erradas e não se arrependem; ele não vai permitir que essas pessoas continuem a fazer parte do seu povo. (1 Cor. 5:11-13) Saber disso ajuda-nos a ter profundo respeito por ele. Jeová diz-nos claramente o que provoca a sua ira. Portanto, não fazer coisas que o deixam furioso só depende de nós. — João 3:36; Rom. 1:26-32; Tia. 4:8.

9, 10. Como é que Jeová reage quando o seu povo é ameaçado? Dê exemplos.

9 Motivo: Quando o povo de Jeová é ameaçado. Jeová fica furioso quando inimigos atacam os seus servos leais, que procuram a sua proteção. Por exemplo, depois de os israelitas saírem do Egito, o Faraó e o seu exército perseguiram-nos. Eles pareciam indefesos e os egípcios encurralaram-nos diante do mar Vermelho. Jeová abriu um caminho no mar para os israelitas atravessarem. Quando o poderoso exército egípcio foi atrás deles, Jeová desprendeu as rodas dos carros de guerra e lançou os egípcios no mar. “Não [sobreviveu] nem sequer um deles.” (Êxo. 14:25-28) Por causa do “amor leal” que Jeová tem pelo seu povo, ele fez os egípcios sentirem a sua ira. — Leia Êxodo 15:9-13.

Assim como um anjo protegeu o povo de Deus contra os assírios nos dias de Ezequias, os anjos também nos vão proteger a nós (Veja os parágrafos 10 e 23.)

10 O amor de Jeová pelo seu povo também o levou a agir nos dias do rei Ezequias. Os assírios, o povo mais poderoso e cruel daquela época, estavam prontos para atacar Jerusalém. Os servos leais de Jeová corriam o risco de enfrentar um cerco que os faria sofrer uma morte lenta e dolorosa. (2 Reis 18:27) Em resposta, Jeová enviou um anjo, que matou 185 mil soldados inimigos numa única noite! (2 Reis 19:34, 35) Imagine o acampamento assírio na manhã seguinte – lanças, escudos e espadas que nem chegaram a ser usados. Ninguém tocou as trombetas; ninguém deu ordens aos soldados. Um silêncio assustador tomou conta do acampamento, e só se viam corpos espalhados por todo o lado.

11. Que lições aprendemos dos exemplos de como Jeová reage quando o seu povo é ameaçado?

11 Lições: Estes exemplos de como Jeová reage quando o seu povo é ameaçado dão um forte aviso aos nossos inimigos: “É uma coisa terrível cair nas mãos do Deus vivente” quando ele fica furioso. (Heb. 10:31) Mas, para nós, estes exemplos  dão-nos consolo e coragem. Eles mostram que o nosso principal inimigo, Satanás, não vai ser bem-sucedido. Em breve, o “pouco tempo” que ele tem vai acabar. (Apo. 12:12) Até lá, podemos servir a Jeová com coragem, tendo a plena certeza de que nenhuma pessoa, organização ou governo pode impedir-nos de fazer a vontade d’Ele. (Leia Salmo 118:6-9.) Temos a mesma confiança que o apóstolo Paulo: “Se Deus é por nós, quem será contra nós?” — Rom. 8:31.

12. Na grande tribulação, o que vai provocar a ira de Jeová?

12 Na grande tribulação, Jeová vai proteger-nos, assim como protegeu o seu povo durante a travessia do mar Vermelho e quando os assírios cercaram Jerusalém. Jeová ama-nos muito. Por isso, quando os inimigos tentarem destruir-nos, ele vai ficar furioso. Os que forem tolos o suficiente para nos atacar estarão como que a tocar na menina do olho de Jeová. Ele vai agir de modo rápido e definitivo. (Zac. 2:8, 9) Isso vai resultar numa destruição nunca antes vista. Porém, os inimigos  de Deus não terão nenhum motivo para ficarem surpreendidos quando Jeová trouxer sobre eles o seu furor. Porque não?

Que avisos é que Jeová tem dado?

13. Que avisos é que Jeová tem dado?

13 Jeová é paciente e, por isso, tem dado muitos avisos sobre a destruição dos que se opõem a ele e que ameaçam o seu povo. (Êxo. 34:6, 7) Jeová usou profetas como Jeremias, Ezequiel, Daniel e Jesus Cristo, bem como os apóstolos Pedro, Paulo e João, para avisar que viria uma grande batalha decisiva. — Veja o quadro “Jeová avisa que virá a grande batalha”.

14, 15. O que é que Jeová tem feito, e porquê?

14 Jeová fez com que esses avisos fossem registados na Bíblia. Ele também fez com que a Bíblia se tornasse o livro mais traduzido e distribuído da História. Em toda a Terra, ele tem um exército de voluntários que ajudam outros a tornarem-se  amigos de Deus e que avisam as pessoas do “grande dia de Jeová”. (Sof. 1:14; Sal. 2:10-12; 110:3) Ele tem motivado o seu povo não só a traduzir publicações bíblicas em centenas de línguas, mas também a dedicar centenas de milhões de horas, todos os anos, à obra de pregação. Assim, as promessas e os avisos da Bíblia são divulgados em toda a Terra.

15 Jeová tem feito tudo isso “porque não deseja que ninguém seja destruído, mas deseja que todos alcancem o arrependimento”. (2 Ped. 3:9) É um grande privilégio representar o nosso Deus amoroso e paciente, e poder participar nesta obra! No entanto, o tempo está a acabar para aqueles que não prestam atenção aos avisos.

Quando vai ‘acender-se o furor’ de Jeová?

16, 17. Como é que Jeová sabe quando será o ataque contra o seu povo?

16 Jeová já estabeleceu o dia para a guerra final. Ele sabe quando será o ataque contra o seu povo. (Mat. 24:36) Como é que Jeová sabe isso?

 17 Como vimos no capítulo 17 deste livro, Jeová diz a Gogue: “Porei ganchos nas tuas mandíbulas.” Jeová vai guiar os assuntos para que as nações ataquem o povo de Deus. (Eze. 38:4) Isso não quer dizer que é Jeová que vai fazer esse ataque, nem que ele vai forçar os inimigos a atacarem o seu povo. Mas Jeová pode ler corações e, por isso, ele sabe como os inimigos vão reagir diante das circunstâncias. — Sal. 94:11; Isa. 46:9, 10; Jer. 17:10.

18. Porque é que simples humanos vão lutar contra o Todo-Poderoso?

18 Vimos que Jeová não vai começar a batalha nem vai forçar os seus inimigos a fazer isso. Então, porque é que simples humanos vão lutar contra o Todo-Poderoso? Bem, pode ser que, nessa ocasião, eles estejam convencidos de que Deus não existe ou, então, não vai interferir nos assuntos humanos. Talvez pensem assim: ‘Nós acabámos de eliminar as religiões. Se Deus existisse, com certeza, teria defendido as religiões que diziam representá-lo.’ Só que eles não vão perceber um detalhe: é Jeová quem vai colocar no coração deles a ideia de  acabar com as religiões que, de forma tão descarada, mancham o Seu nome. — Apo. 17:16, 17.

19. O que é bem possível que aconteça depois de a religião falsa ser destruída?

19 Algum tempo depois de a religião falsa ser destruída, é bem possível que Jeová faça o seu povo divulgar uma forte mensagem. Em Apocalipse, ela é comparada a pedras de granizo de cerca de 20 quilos. (Apo. 16:21, nota) Talvez essa mensagem seja uma declaração de que os sistemas político e comercial do mundo estão prestes a acabar. Essa mensagem vai atormentar as pessoas a tal ponto que elas vão blasfemar contra Deus. É possível que essa mensagem faça com que as nações ataquem o povo de Deus numa tentativa de nos destruir para sempre. Elas vão achar que somos um alvo fácil, mas vão estar muito enganadas.

Como é que Jeová vai expressar o seu furor?

20, 21. (a) Quem é Gogue? (b) O que vai acontecer a Gogue?

20 Como vimos no capítulo 17 deste livro, Ezequiel usa o título “Gogue da terra de Magogue” para se referir a uma coligação, ou grupo, de nações que nos vai atacar. (Eze. 38:2) Mas a união entre os membros dessa coligação vai ser apenas uma fachada. Por fora, vai parecer que eles cooperam entre si, mas, na verdade, o que vai existir é um espírito nacionalista, de competição e de orgulho. Para Jeová, será muito fácil fazer com que a espada de cada um se volte “contra o seu próprio irmão”. (Eze. 38:21) No entanto, não são os homens que vão destruir as nações.

21 Antes de serem destruídos, os nossos inimigos vão ver o sinal do Filho do Homem, provavelmente, coisas sobrenaturais que vão mostrar o poder de Jeová e de Jesus. (Mat. 24:30) Os inimigos verão coisas que os deixarão com muito medo. Como Jesus predisse, “pessoas desfalecerão de medo, na expectativa das coisas que vêm sobre a terra habitada”. (Luc. 21:25-27) Os inimigos vão ficar desesperados quando perceberem que cometeram um grande erro ao atacar o povo de Jeová. Eles serão obrigados a reconhecer o papel do Criador como comandante militar, Jeová dos exércitos. (Sal. 46:6-11; Eze. 38:23) Jeová, sem dúvida, vai usar os seus exércitos celestiais e as forças da natureza tanto para proteger os seus servos leais como para destruir os inimigos. — Leia 2 Pedro 2:9.

Quando o seu povo for ameaçado, Jeová vai usar os exércitos celestiais para trazer o seu furor sobre os inimigos (Veja o parágrafo 21.)

22, 23. (a) Quem vai proteger o povo de Deus? (b) Como é que eles provavelmente se vão sentir por participarem nessa tarefa?

O que sabemos sobre o dia de Jeová deve motivar-nos a fazer o quê?

22 Imagine como Jesus deve estar ansioso para liderar o ataque contra os inimigos de Deus e proteger os que amam e servem o seu Pai. Imagine também como os ungidos vão sentir-se. Em algum momento antes de o Armagedon começar,  os ungidos que ainda estiverem na Terra vão receber a sua recompensa celestial. Dessa forma, todos os 144 mil vão poder lutar ao lado de Jesus na batalha. (Apo. 17:12-14) Sem dúvida, muitos dos ungidos têm feito boas amizades com membros das outras ovelhas ao trabalharem lado a lado com eles nestes últimos dias. No Armagedon, os ungidos vão ter a autoridade e o poder para defenderem aqueles que os apoiaram lealmente nos momentos difíceis. — Mat. 25:31-40.

23 Os anjos também vão fazer parte do exército celestial liderado por Jesus. (2 Tes. 1:7; Apo. 19:14) Eles já ajudaram Jesus a expulsar Satanás e os demónios do céu. (Apo. 12:7-9) Hoje, eles ajudam a reunir os sinceros que querem adorar a Jeová. (Apo. 14:6, 7) Faz todo o sentido Jeová usar os anjos para proteger os leais no futuro! E, o mais importante, todos os que fazem parte do exército de Jeová terão o privilégio de santificar e defender o nome de Jeová. Como? Por ajudarem a destruir os inimigos de Deus. — Mat. 6:9, 10.

24. Como é que os da grande multidão se vão sentir?

24 Esse exército poderoso está decidido a fazer a vontade de Jeová e vai proteger os da grande multidão. Por isso, os da grande multidão não precisarão de ter medo. Na verdade, eles vão ‘pôr-se de pé e levantar a cabeça’ porque o ‘livramento está a aproximar-se’. (Luc. 21:28) Assim, antes de o dia de Jeová chegar, é importante ajudarmos o máximo de pessoas possível a conhecer e a amar o nosso Pai, que é misericordioso e vai proteger-nos. — Leia Sofonias 2:2, 3.

O povo de Jeová não vai lutar no Armagedon. Os anjos vão proteger os servos d’Ele enquanto os inimigos lutam uns contra os outros. — Eze. 38:21. (Veja os parágrafos 22 a 24.)

25. O que vamos estudar no próximo capítulo?

25 As guerras humanas trazem confusão e grande sofrimento. Em contraste com isso, a guerra do Armagedon trará paz e felicidade. Imagine como será a vida quando a ira de Jeová acabar, os seus guerreiros já não tiverem de usar as suas espadas e essa grande batalha tiver terminado! Vamos estudar sobre esse maravilhoso futuro no próximo capítulo.