Ir para conteúdo

Ir para índice

 CAPÍTULO 16

“Marca com um sinal a testa dos homens”

“Marca com um sinal a testa dos homens”

EZEQUIEL 9:4

PONTO PRINCIPAL: Como os fiéis nos dias de Ezequiel foram marcados para sobreviver e o que essa marca significa nos nossos dias

1-3. (a) Porque é que Ezequiel fica sem palavras, e o que é que ele descobre sobre a destruição de Jerusalém? (b) O que vamos analisar?

EZEQUIEL está sem palavras! Ele acaba de ter uma visão das coisas detestáveis que os judeus apóstatas estão a fazer no templo em Jerusalém. * Aqueles rebeldes estão a contaminar o centro da adoração pura em Israel. Mas eles não ficam por aí. A terra de Judá está tão cheia de violência que a situação está além de recuperação. Profundamente ofendido com o que o seu povo está a fazer, Jeová diz a Ezequiel: “Agirei com furor.” — Eze. 8:17, 18.

2 Ezequiel fica triste ao saber que o templo – que já foi um local tão sagrado – e Jerusalém vão sofrer a ira de Jeová e ser destruídos. Ezequiel talvez se pergunte: ‘O que vai acontecer aos fiéis que estiverem na cidade? Será que também serão destruídos? Se não, como serão salvos?’ Ezequiel descobre rapidamente a resposta. Depois de ouvir a terrível condenação de Jerusalém, ele escuta uma voz alta a convocar os que vão executar o julgamento de Jeová. (Eze. 9:1) Mas Ezequiel  fica aliviado por saber que os justos não serão destruídos juntamente com os maus. Eles vão ser salvos!

3 Sabemos que o fim deste sistema perverso está próximo, e pode ser que nos perguntemos quem vai sobreviver à grande destruição. Por isso, vamos analisar: (1) O que é que acontece a seguir na visão de Ezequiel? (2) Como é que essa visão se cumpriu naquele tempo? (3) O que é que essa visão significa para nós hoje?

“Convoquem os que trarão punição”

4. A seguir, o que é que Ezequiel viu e ouviu na visão?

4 A seguir, o que é que Ezequiel viu e ouviu na visão? (Leia Ezequiel 9:1-11.) Ele viu um grupo de homens “a virem da direção do portão superior que dá para o norte”, talvez perto do símbolo do ciúme ou de onde as mulheres estavam a chorar pelo deus Tamuz. (Eze. 8:3, 14) Era um grupo de sete homens. Eles entraram no pátio interno do templo e ficaram perto do altar de cobre para sacrifícios. Mas eles não estavam ali para oferecer sacrifícios. Jeová já não ia aceitar os sacrifícios oferecidos naquele templo. Seis dos homens tinham uma “arma esmagadora na mão”. O sétimo era diferente dos outros. Esse homem estava vestido de linho e, em vez de uma arma, tinha “um tinteiro de secretário”.

5, 6. O que aprendemos sobre os que foram marcados? (Veja a imagem no início do capítulo.)

5 O que é que o homem com o tinteiro tinha de fazer? Jeová deu-lhe uma designação importante: “Percorre a cidade, percorre Jerusalém, e marca com um sinal a testa dos homens que suspiram e gemem por causa de todas as coisas detestáveis que estão a ser feitas na cidade.” Ao ouvir isso, Ezequiel talvez se tenha lembrado da ocasião em que os israelitas fiéis colocaram sangue à volta das portas quando estavam no Egito. O sangue era um sinal de que os seus primogénitos não deviam ser mortos. (Êxo. 12:7, 22, 23) Será que, na visão de Ezequiel, a marca na testa, feita pelo homem com o tinteiro, tinha um objetivo parecido? Ou seja, será que era um sinal de que a pessoa ia sobreviver à destruição de Jerusalém?

6 A resposta fica clara quando pensamos em quem devia ser marcado: os que ‘suspiravam e gemiam’ por causa de todas as coisas detestáveis que ‘estavam a ser feitas na cidade’. O que é que isso nos ensina sobre os que foram marcados? Aprendemos que eles estavam profundamente tristes não só por causa da idolatria que havia no templo, mas também por causa da violência, imoralidade e corrupção que tomavam conta de Jerusalém. (Eze. 22:9-12) Além disso, é provável que eles não escondessem o que pensavam de toda aquela maldade.  As suas palavras e ações, sem dúvida, mostravam que eles faziam a vontade de Jeová e que detestavam tudo o que estava a acontecer no país. Por ser misericordioso, Jeová ia salvar aquelas pessoas de coração sincero.

7, 8. (a) Como é que os homens com as armas esmagadoras deviam cumprir a sua missão? (b) Qual foi o resultado?

7 Então, como é que os seis homens com as armas esmagadoras deviam cumprir a sua missão? Ezequiel ouviu as instruções de Jeová: eles tinham de seguir o homem com o tinteiro e destruir todos, menos os que tivessem sido marcados na testa. Jeová disse ainda: “Devem começar pelo meu santuário.” (Eze. 9:6) Aqueles homens tinham de começar a sua missão no coração de Jerusalém, o templo, que já não era um local sagrado para Jeová. Os primeiros a serem mortos deviam ser os “anciãos que estavam à frente da casa”, ou seja,  os 70 anciãos de Israel que estavam no templo a oferecer incenso a deuses falsos. — Eze. 8:11, 12; 9:6.

8 Qual foi o resultado? Na continuação da visão, Ezequiel viu o homem com o tinteiro a dizer a Jeová: “Fiz exatamente como me ordenaste.” (Eze. 9:11) O que aconteceu aos habitantes de Jerusalém? Será que algum fiel sobreviveu à destruição? Vamos descobrir.

Como é que a visão se cumpriu nos dias de Ezequiel?

9, 10. Quais foram alguns dos fiéis que sobreviveram à destruição de Jerusalém, e o que podemos concluir sobre eles?

9 Leia 2 Crónicas 36:17-20. A profecia de Ezequiel cumpriu-se em 607 AEC, quando o exército de Babilónia destruiu Jerusalém e o templo. Como um ‘cálice na sua mão’, Jeová usou os babilónios para punir a infiel Jerusalém, fazendo a cidade beber do seu furor. (Jer. 51:7) Será que todas as pessoas foram destruídas? Não. A visão de Ezequiel tinha predito que alguns não seriam mortos pelos babilónios. — Gén. 18:22-33; 2 Ped. 2:9.

10 Alguns fiéis sobreviveram, incluindo os recabitas, o etíope Ebede-Meleque, o profeta Jeremias e o secretário dele, Baruque. (Jer. 35:1-19; 39:15-18; 45:1-5) Ao analisarmos a visão de Ezequiel, podemos concluir que eles estavam ‘a suspirar e a gemer por causa de todas as coisas detestáveis’ que estavam a acontecer em Jerusalém. (Eze. 9:4) Tudo indica que, antes da destruição, eles mostraram que serviam somente a Jeová e que detestavam toda aquela maldade. Assim, eles puderam ser salvos.

11. Quem é que o homem com o tinteiro de secretário e os seis homens com as armas esmagadoras representavam?

11 Será que aqueles fiéis receberam mesmo uma marca na testa? Não há nada na Bíblia que indique que Ezequiel ou algum outro profeta tenha percorrido Jerusalém e marcado a testa dos fiéis. Pelos vistos, a visão de Ezequiel revela o que os anjos estavam a fazer – o que, portanto, era invisível aos humanos. O homem com o tinteiro de secretário e os seis homens com as armas esmagadoras representavam as criaturas espirituais de Jeová, que estão sempre prontas para fazer a vontade d’Ele. (Sal. 103:20, 21) Sem dúvida, Jeová usou os anjos para punir a infiel Jerusalém. Como se colocassem uma marca na testa dos que seriam salvos, os anjos garantiram que os justos não fossem destruídos juntamente com os infiéis.

O que é que a visão de Ezequiel significa nos nossos dias?

12, 13. (a) Porque é que Jeová derramou o seu furor sobre Jerusalém, e por que razão é natural esperar que ele tenha a mesma reação hoje? (b) Será que a infiel Jerusalém representa a cristandade? Porquê? (Veja o quadro “Será que Jerusalém representa a cristandade?”.)

12 Em breve, vamos ver um julgamento da parte de Deus nunca antes visto: a “grande tribulação, como nunca ocorreu  desde o princípio do mundo até agora, não, nem voltará a ocorrer”. (Mat. 24:21) No entanto, surgem algumas perguntas: “Será que alguém vai sobreviver à futura destruição? Será que os que adoram a Jeová serão, de alguma forma, marcados para sobreviver? Por outras palavras, será que a visão do homem com o tinteiro tem um cumprimento nos nossos dias?” A resposta a estas três perguntas é sim. Porque é que dizemos isso? Para descobrir, vamos voltar à visão de Ezequiel.

13 Lembra-se da razão de Jeová ter derramado o seu furor sobre a antiga Jerusalém? Veja novamente Ezequiel 9:8, 9. (Leia.) Ezequiel temia que a destruição acabasse com ‘todos os que restavam de Israel’. Por isso, Jeová citou quatro motivos para trazer a destruição. Primeiro, “o erro” da nação era “muito, muito grande”. * Segundo, a terra de Judá estava ‘cheia de derramamento de sangue’. Terceiro, Jerusalém, a capital do reino de Judá, estava “cheia de corrupção”. Quarto, o povo justificava os seus erros por achar que Jeová ‘não estava a ver’ as coisas erradas que fazia. Estas palavras aplicam-se muito bem ao mundo atual, onde as pessoas, na sua maioria, têm uma péssima moral, são violentas, corruptas e sem fé. Jeová “não muda”. Por isso, aquilo que provocou a sua ira nos dias de Ezequiel, com certeza, provoca a sua ira hoje. (Tia. 1:17; Mal. 3:6) Sendo assim, faz sentido dizer que os seis homens com as armas esmagadoras e o homem com o tinteiro terão um trabalho a fazer nos nossos dias.

Os seis homens com as armas esmagadoras, em breve, vão ter um trabalho a fazer (Veja os parágrafos 12 e 13.)

14, 15. Que exemplos mostram que Jeová avisa as pessoas antes de trazer a destruição?

14 Então, como é que a visão de Ezequiel se cumpre nos nossos dias? Se observarmos como a visão se cumpriu no passado, poderemos saber o que vai acontecer agora e no futuro. Vamos ver como a profecia de Ezequiel já se está a cumprir em alguns aspetos e como ainda se vai cumprir.

15 Jeová avisa as pessoas antes de trazer a destruição. Como vimos no capítulo 11 deste livro, Jeová designou Ezequiel “como vigia para a casa de Israel”. (Eze. 3:17-19) A partir de 613 AEC, Ezequiel avisou Israel da destruição que se aproximava. Outros profetas, como Isaías e Jeremias, também deram avisos sobre a destruição de Jerusalém. (Isa. 39:6, 7; Jer. 25:8, 9, 11) Hoje, Jeová está a avisar as pessoas a respeito da grande tribulação que, em breve, acontecerá. Para fazer isso, ele usa, por meio de Cristo, um pequeno grupo de cristãos ungidos. Além de dar esse aviso, esse grupo produz alimento espiritual para os domésticos, ou seja, todos os que adoram a Deus de modo puro. — Mat. 24:45.

16. Será que nós, como povo de Jeová, vamos marcar os que vão sobreviver? Porquê?

 16 O povo de Jeová não marca os que vão sobreviver. Lembre-se de que Jeová não disse a Ezequiel para percorrer Jerusalém e marcar as pessoas que iam sobreviver. Da mesma forma, hoje, Jeová não designa o seu povo para marcar os que vão sobreviver. Em vez disso, nós, os domésticos, temos a designação de pregar. Mostramos que levamos essa designação a sério por fazermos o máximo para pregar as boas novas do Reino e para avisar as pessoas de que o fim deste sistema perverso está muito próximo. (Mat. 24:14; 28:18-20) Assim, ajudamos as pessoas de coração sincero a adorar a Jeová de modo puro. — 1 Tim. 4:16.

17. O que é que as pessoas precisam de fazer agora para sobreviverem à futura destruição?

17 Para sobreviverem à futura destruição, as pessoas precisam de provar agora que têm fé. Como já vimos, os que sobreviveram à destruição de Jerusalém em 607 AEC mostraram, antes da destruição, que adoravam a Jeová de modo puro e que rejeitavam a maldade. Hoje não é diferente. Antes de a destruição acontecer, as pessoas precisam de mostrar que estão profundamente tristes, ‘a suspirar e a gemer’, por causa da maldade deste mundo. Além disso, em vez de esconderem o que acham deste mundo mau, elas têm de mostrar por palavras  e ações que adoram a Jeová de modo puro. Como podem fazer isso? Elas precisam de aceitar a pregação das boas novas, começar a desenvolver uma personalidade cristã, dedicar-se a Jeová e batizar-se, e apoiar lealmente os irmãos de Cristo. (Eze. 9:4; Mat. 25:34-40; Efé. 4:22-24; 1 Ped. 3:21) Apenas os que vivem de acordo com a vontade de Deus agora, e que no início da grande tribulação estiverem a adorar a Jeová de modo puro, serão marcados para sobreviver.

18. (a) Como e quando é que Jesus Cristo vai marcar os que merecem ser salvos? (b) Porque é que os ungidos não vão precisar de ser marcados para sobreviver ao Armagedon?

18 Jesus vai marcar os que merecem ser salvos. Nos dias de Ezequiel, os anjos participaram em marcar os fiéis para sobreviver. No cumprimento nos nossos dias, o homem com o tinteiro de secretário representa Jesus Cristo quando ele “vier na sua glória” para julgar todas as nações. (Mat. 25:31-33) A vinda de Jesus vai acontecer durante a grande tribulação, depois da destruição da religião falsa. * Nesse momento importante, imediatamente antes de o Armagedon começar, Jesus vai julgar as pessoas como ovelhas ou cabritos. Os da “grande multidão” serão julgados (ou marcados) como ovelhas, o que mostra que “partirão [...] para a vida eterna”. (Apo. 7:9-14; Mat. 25:34-40, 46) Já os ungidos não vão precisar de ser  marcados para sobreviver ao Armagedon. Eles vão receber a sua selagem final, ou seja, a sua aprovação final, antes de morrerem ou antes do início da grande tribulação. Depois, em algum momento antes de o Armagedon começar, os ungidos que ainda estiverem na Terra vão receber a sua recompensa no céu. — Apo. 7:1-3.

19. Quem vai destruir este sistema de coisas? (Veja o quadro “Suspirar e gemer, marcar, esmagar – Quando e como?”.)

19 O Rei Jesus Cristo e o seu exército celestial vão destruir este sistema de coisas. Na visão de Ezequiel, os seis homens com as armas esmagadoras só começaram a destruir os maus depois de o homem com o tinteiro ter terminado o seu trabalho. (Eze. 9:4-7) Da mesma forma, a futura destruição só vai começar depois de Jesus julgar as pessoas de todas as nações e marcar as ovelhas para serem salvas. A seguir, durante a guerra do Armagedon, Jesus vai comandar o seu exército celestial (os anjos e os 144 mil) para destruir, por completo, este mundo mau e levar os verdadeiros adoradores para um novo mundo justo. — Apo. 16:14-16; 19:11-21.

20. O que aprendemos da visão de Ezequiel do homem com o tinteiro?

20 A visão de Ezequiel do homem com o tinteiro de secretário, com certeza, fortalece a nossa fé, e agradecemos muito a Jeová por isso. Podemos ter total confiança de que Jeová não vai destruir os justos juntamente com os maus. (Sal. 97:10) Sabemos o que temos de fazer para, no futuro, sermos marcados para sobreviver. Nós adoramos a Jeová e estamos decididos a fazer o nosso máximo para pregar as boas novas e avisar os que suspiram e gemem por causa da maldade do mundo de Satanás. Dessa forma, podemos ter o privilégio de ajudar os que têm “a disposição correta para com a vida eterna” a adorar a Jeová de modo puro e, assim, eles poderão ser marcados para sobreviver e entrar no novo mundo de Deus. — Atos 13:48.

^ par. 1 A visão de Ezequiel sobre as coisas detestáveis que estavam a acontecer no templo foi analisada no capítulo 5 deste livro.

^ par. 13 Certa obra de referência diz que a palavra hebraica traduzida como “erro” pode transmitir a ideia de “perversidade”. Outra obra de referência diz que essa palavra “tem um forte significado religioso, e, quase sempre, é usada para indicar culpa em sentido moral ou maldade diante de Deus”.

^ par. 18 Pelos vistos, a destruição de Babilónia, a Grande, não significa que todos os membros da religião falsa vão morrer. Nessa ocasião, talvez até alguns líderes religiosos abandonem a religião falsa e digam que nunca fizeram parte dela. — Zac. 13:3-6.