Ir para conteúdo

Ir para índice

 CAPÍTULO 10

Vocês “voltarão a viver”

Vocês “voltarão a viver”

EZEQUIEL 37:5

PONTO PRINCIPAL: A visão dos “ossos secos” que voltam a viver e o seu cumprimento maior no futuro

1-3. Que notícia muda o ânimo dos judeus em Babilónia? (Veja a imagem no início do capítulo.)

O ÂNIMO dos judeus em Babilónia muda completamente! Durante cerca de cinco anos, Ezequiel fez tudo o que pôde para avisar o povo de que Jerusalém seria destruída: ele fez encenações, contou ilustrações, divulgou mensagens, mas nada resultou. O povo simplesmente não queria acreditar que Jeová deixaria Jerusalém ser destruída. Mesmo quando souberam que a cidade tinha sido cercada pelo exército de Babilónia, eles ainda pensavam que as pessoas estariam seguras em Jerusalém.

2 No entanto, agora, dois anos depois do início do cerco, um homem que conseguiu escapar de Jerusalém chega a Babilónia com a seguinte notícia: “A cidade foi conquistada!” Isso deixa os exilados arrasados. Eles nem conseguem acreditar no que está a acontecer: a sua querida cidade, o templo de Jeová, a terra que eles tanto amam – tudo destruído! A esperança deles transforma-se em desespero. — Eze. 21:7; 33:21.

 3 Contudo, nesse momento difícil, Ezequiel recebe uma visão impressionante que dá esperança. Que mensagem é que a visão traz àqueles judeus arrasados? O que é que essa visão tem a ver com o povo de Deus hoje? Como é que a visão pode ajudar-nos pessoalmente? Para saber as respostas, vamos ver o que Jeová diz a Ezequiel.

“Profetiza a respeito destes ossos” e “profetiza ao vento”

4. Na visão, que duas coisas chamaram a atenção de Ezequiel?

4 Leia Ezequiel 37:1-10. Na visão, Ezequiel foi colocado num vale cheio de ossos. Jeová fez o profeta “andar à volta” dos ossos, que estavam espalhados por todo o lado. Parece que Jeová queria certificar-se de que Ezequiel ficava impressionado com a visão. Enquanto Ezequiel caminhava pelo vale, duas coisas chamaram muito a sua atenção: a quantidade e o estado dos ossos. “Havia uma enorme quantidade”, e “eles estavam muito secos”.

5. (a) Que duas coisas é que Jeová disse a Ezequiel para fazer? (b) O que aconteceu depois disso?

5 Então, Jeová disse a Ezequiel para fazer duas coisas que dariam início a uma restauração gradual. Primeiro, ele disse a Ezequiel para ‘profetizar a respeito dos ossos’ e dizer-lhes para ‘voltarem a viver’. (Eze. 37:4-6) Assim que Ezequiel profetizou, “começou um barulho, um ruído de estalos, e os ossos começaram a juntar-se uns aos outros”. A seguir, “tendões e carne” apareceram sobre os ossos, e “eles foram revestidos de pele”. (Eze. 37:7, 8) Depois, Jeová disse a Ezequiel para ‘profetizar ao vento’ e dizer ao vento para ‘soprar sobre’ os corpos. Quando Ezequiel fez isso, “entrou fôlego neles, e eles começaram a viver e puseram-se de pé, formando um exército extremamente grande”. — Eze. 37:9, 10.

“Os nossos ossos estão secos e a nossa esperança acabou”

6. Que palavras de Jeová ajudaram Ezequiel a entender a visão?

6 Em seguida, Jeová disse a Ezequiel como é que a visão devia ser entendida: “Estes ossos são toda a casa de Israel.” De facto, depois de os exilados terem sabido da destruição de Jerusalém, eles sentiram-se como que mortos. Desanimados, disseram: “Os nossos ossos estão secos e a nossa esperança acabou. Fomos completamente eliminados.” (Eze. 37:11; Jer. 34:20) Mas Jeová mostrou que a visão dos ossos, que inicialmente era sombria, na verdade, trazia uma radiante mensagem de esperança para Israel.

7. (a) O que é que Jeová garantiu em Ezequiel 37:12-14? (b) Como é que os exilados se sentiram por causa disso?

7 Leia Ezequiel 37:12-14. Por meio desta visão, Jeová garantiu aos exilados que os faria ‘voltar a viver’ e os levaria de volta para a sua terra. Além disso, Jeová mais uma vez  chamou-lhes “meu povo”. Essas palavras devem ter alegrado muito aqueles judeus desanimados. Porque é que eles podiam ter a certeza de que essa promessa de restauração ia cumprir-se? Porque foi o próprio Jeová que fez a promessa. Ele disse: “Fui eu, Jeová, que falei e fiz isso.”

8. (a) Como é que “toda a casa de Israel” ficou numa condição de morte espiritual? (b) Como é que Ezequiel 37:9 indica o motivo da morte espiritual de Israel? (Veja a nota 1.)

8 Como é que a parte sombria da visão se tinha cumprido na antiga nação de Israel? A ruína espiritual de Israel já tinha começado em 740 AEC, quando o reino de dez tribos caiu e muitos foram exilados. Cerca de 130 anos depois, quando o povo de Judá também foi para o exílio, “toda a casa de Israel” estava no cativeiro. (Eze. 37:11) Em sentido espiritual, os dois grupos de exilados estavam como os ossos da visão de Ezequiel: mortos. * Além disso, lembre-se de que Ezequiel não viu apenas ossos, mas ossos “muito secos”, o que indicava que a sua condição de morte espiritual duraria muito tempo. E, realmente, para Israel e Judá, essa condição durou, ao todo, mais de 200 anos, de 740 a 537 AEC. — Jer. 50:33.

9. Que coisas em comum aconteceram à antiga nação de Israel e ao “Israel de Deus”?

9 As profecias sobre a restauração de Israel, como as registadas por Ezequiel, têm um cumprimento maior. (Atos 3:21) Assim como a antiga nação de Israel foi ‘morta’ e continuou nessa condição durante um bom tempo, o “Israel de Deus”, ou seja, os cristãos ungidos, foram como que mortos e ficaram no cativeiro espiritual durante um bom tempo. (Gál.  6:16) Aliás, o cativeiro dos cristãos ungidos continuou por tanto tempo que a sua condição espiritual podia muito bem ser comparada à dos ossos que ficaram “muito secos”. (Eze. 37:2) Como vimos no capítulo anterior, o cativeiro dos cristãos ungidos começou no segundo século EC e continuou por centenas de anos, assim como Jesus tinha indicado com a ilustração do trigo e do joio. — Mat. 13:24-30.

Os ossos “muito secos” da visão de Ezequiel mostraram o longo período em que os ungidos ficaram no cativeiro espiritual (Veja os parágrafos 8 e 9.)

“Os ossos começaram a juntar-se”

10. (a) O que foi predito sobre o povo de Deus em Ezequiel 37:7, 8? (b) Que coisas devem ter restaurado aos poucos a fé dos exilados fiéis?

10 Jeová tinha predito que o seu povo seria restaurado à vida, ou ‘voltaria a viver’, aos poucos. (Eze. 37:7-10) Quais foram algumas das coisas que, aos poucos, restauraram a fé dos exilados fiéis de que eles voltariam para Israel? Algo que, com certeza, lhes deu esperança foram as promessas feitas por outros profetas. Por exemplo, Isaías tinha predito que um grupo, “uma descendência santa”, voltaria para Israel. (Isa. 6:13; Jó 14:7-9) Outra coisa que deve ter fortalecido a esperança deles foram as profecias de restauração que Ezequiel tinha escrito. Além disso, terem servos fiéis de Deus em Babilónia (como o profeta Daniel) e verem a impressionante queda dessa cidade em 539 AEC, sem dúvida, fortaleceu a esperança dos exilados de voltarem para a sua terra.

11, 12. (a) Como é que uma restauração feita aos poucos aconteceu ao “Israel de Deus”? (Veja também o quadro “A adoração pura é restaurada aos poucos”.) (b) Que pergunta surge ao lermos Ezequiel 37:10?

11 Como é que uma restauração parecida, feita aos poucos, aconteceu ao “Israel de Deus”, os cristãos ungidos? Centenas  de anos depois do começo do longo cativeiro espiritual, foi ouvido “um barulho, um ruído de estalos”, quando algumas pessoas sinceras lutaram para defender a adoração verdadeira. Por exemplo, no século 16, William Tyndale traduziu a Bíblia para o inglês. Os líderes da Igreja Católica Romana ficaram furiosos porque qualquer pessoa poderia ler a Bíblia. Tyndale foi morto. Mesmo assim, pessoas corajosas continuaram a traduzir a Bíblia para outras línguas. A luz da verdade foi iluminando cada vez mais este mundo sombrio.

12 Mais tarde, quando Charles T. Russell e os seus colaboradores começaram a restaurar as verdades da Bíblia, foi como se “tendões e carne” aparecessem sobre os ossos. A Torre de Vigia de Sião (em inglês) e outras publicações ajudaram pessoas de coração sincero a aprender verdades bíblicas, e essas verdades motivaram-nas a juntar-se aos ungidos para servir a Deus. No início dos anos 1900, ferramentas como o Fotodrama da Criação e o livro O Mistério Consumado (em inglês) deram ainda mais ânimo aos ungidos. Pouco depois, chegou o tempo de Deus fazer o seu povo colocar-se “de pé”. (Eze. 37:10) Quando é que isso aconteceu e como? Podemos encontrar a resposta por ver o que aconteceu em Babilónia.

 “Eles começaram a viver e puseram-se de pé”

13. (a) Como é que as palavras em Ezequiel 37:10, 14 começaram a cumprir-se a partir de 537 AEC? (b) Que textos mostram que algumas pessoas do reino de dez tribos voltaram para Israel?

13 A partir de 537 AEC, os judeus em Babilónia começaram a ver o cumprimento da visão. Como? Jeová trouxe-os de volta à vida e fez com que ficassem “de pé” quando os libertou do cativeiro e os levou de volta para Israel. Um grupo de 42 360 israelitas e cerca de 7000 não israelitas saiu de Babilónia para reconstruir Jerusalém e o templo, e estabelecer-se em Israel. (Esd. 1:1-4; 2:64, 65; Eze. 37:14) Cerca de 70 anos depois, quando Esdras voltou para Jerusalém, cerca de 1750 exilados voltaram com ele. (Esd. 8:1-20) Assim, mais de 44 000 judeus voltaram – realmente, um ‘exército grande’. (Eze. 37:10) Além disso, a Bíblia indica que pessoas do reino de dez tribos também voltaram para Israel para ajudar a reconstruir o templo. Eles eram descendentes dos judeus que tinham sido exilados pelos assírios no oitavo século AEC. — 1 Cró. 9:3; Esd. 6:17; Jer. 33:7; Eze. 36:10.

14. (a) Como é que Ezequiel 37:24 nos ajuda a entender quando a profecia teria um cumprimento maior? (b) O que aconteceu em 1919? (Veja também o quadro “Qual é a relação entre os ‘ossos secos’ e as ‘duas testemunhas’?”.)

14 Como é que essa parte da profecia de Ezequiel teve um cumprimento maior? Bem, numa outra profecia, Jeová disse a Ezequiel quando é que isso ia acontecer: algum tempo depois de o David Maior, Jesus Cristo, começar a reinar. * (Eze. 37:24) E, de facto, em 1919, Jeová colocou o seu  espírito santo no seu povo. O resultado foi que eles ‘voltaram a viver’ e foram libertados do cativeiro de Babilónia, a Grande. (Isa. 66:8) Depois disso, Jeová permitiu que eles se estabelecessem na sua “terra”, isto é, no paraíso espiritual. Mas como é que o povo de Jeová nos tempos modernos se tornou um ‘exército grande’?

15, 16. (a) Como é que o povo de Jeová nos tempos modernos se tornou um ‘exército grande’? (b) Como é que esta profecia de Ezequiel nos ajuda a lidar com situações difíceis na vida? (Veja o quadro “Ajuda para se levantar”.)

15 Não muito tempo depois de Cristo ter designado o escravo fiel em 1919, os servos de Deus começaram a ver o cumprimento das palavras do profeta Zacarias: “Muitos povos e poderosas nações virão procurar a Jeová.” Zacarias, que serviu entre os exilados que voltaram para Israel, descreveu as pessoas que procurariam a Jeová como “dez homens de todas as línguas das nações”. Esses homens ‘agarrariam firmemente a túnica de um judeu’ (o Israel espiritual) e diriam: “Queremos ir convosco, pois ouvimos que Deus está convosco.” — Zac. 8:20-23.

16 Hoje, o Israel espiritual (cristãos ungidos que ainda estão na Terra) e, por extensão, os “dez homens” (as outras ovelhas) formam “um exército extremamente grande”, com milhões de pessoas. (Eze. 37:10) Esse exército não para de crescer. Como soldados de Cristo, seguimos de perto o nosso Rei, Jesus, certos de que falta muito pouco para recebermos as bênçãos de Deus. — Sal. 37:29; Eze. 37:24; Fil. 2:25; 1 Tes. 4:16, 17.

17. O que vamos ver no próximo capítulo?

17 Essa restauração da adoração pura traria ao povo de Deus uma importante responsabilidade. Qual? Para descobrir, precisamos de analisar uma designação que Jeová deu a Ezequiel ainda antes de Jerusalém ser destruída. Vamos ver isso no próximo capítulo.

^ par. 8 Os ossos da visão de Ezequiel não eram de pessoas que tinham morrido de causas naturais, mas de pessoas que ‘foram mortas’. (Eze. 37:9) “Toda a casa de Israel” foi, por assim dizer, morta quando o povo foi conquistado e levado para o exílio: o reino de Israel (de dez tribos) pelos assírios, e o reino de Judá (de duas tribos) pelos babilónios.

^ par. 14 Esta profecia a respeito do Messias foi analisada no capítulo 8 deste livro.