Ir para conteúdo

Ir para índice

 CAPÍTULO 12

“Farei deles uma só nação”

“Farei deles uma só nação”

EZEQUIEL 37:22

PONTO PRINCIPAL: A promessa de Jeová de reunir o seu povo; a profecia dos dois bastões

1, 2. (a) Porque é que os exilados talvez estivessem preocupados? (b) Porque é que eles teriam uma surpresa? (c) Que perguntas vamos ver agora?

CONFORME orientado por Deus, Ezequiel transmitiu várias profecias aos exilados em Babilónia por meio de encenações. A primeira profecia que ele encenou continha uma mensagem de julgamento, a segunda também, e assim por diante. (Eze. 3:24-26; 4:1-7; 5:1; 12:3-6) Na verdade, todas as profecias que Ezequiel encenou até agora transmitiam fortes condenações contra os judeus.

2 Imagine, então, como os exilados devem ter ficado preocupados quando Ezequiel se colocou diante deles para encenar mais uma profecia. Eles devem ter pensado: ‘Qual será a condenação que vamos receber desta vez?’ Mas eles teriam uma surpresa. A profecia que Ezequiel começa a encenar é muito diferente das outras. Ela contém não uma mensagem de condenação, mas de esperança. (Eze. 37:23) Que mensagem é que Ezequiel transmite aos exilados? O que significa? O que é que isso tem a ver com os servos de Deus hoje? Vamos ver isso agora.

 “Vão tornar-se um só na minha mão”

3. (a) O que representava o bastão “para Judá”? (b) Porque é que o “bastão de Efraim” representava o reino de dez tribos?

3 Jeová disse a Ezequiel para pegar em dois bastões; num, ele devia escrever “para Judá”, e, no outro, “para José – bastão de Efraim”. (Leia Ezequiel 37:15, 16.) O que é que estes dois bastões representavam? O bastão “para Judá” representava o reino de duas tribos, formado por Judá e Benjamim. Os reis que vinham de Judá governavam essas duas tribos. Também era em Judá que ficava o sacerdócio, já que os sacerdotes serviam no templo em Jerusalém, a capital de Judá. (2 Cró. 11:13, 14; 34:30) Portanto, no reino de Judá, ficavam os reis da linhagem de David e os sacerdotes da tribo de Levi. O “bastão de Efraim” representava o reino de Israel, de dez tribos. Porque podemos dizer isso? Porque o primeiro rei do reino de dez tribos foi Jeroboão, da tribo de Efraim. Com o tempo, Efraim tornou-se a principal tribo em Israel. (Deut. 33:17; 1 Reis 11:26) Mas note que o reino de Israel, de dez tribos, não tinha reis da linhagem de David nem sacerdotes da tribo de Levi.

4. O que é que a encenação de Ezequiel mostrava? (Veja a imagem no início do capítulo.)

4 Ezequiel também devia juntar os dois bastões ‘para que se tornassem um só’. Apreensivos com o que Ezequiel estava a fazer, os exilados perguntaram: “Não nos contarás o que significam estas coisas?” Ele respondeu que esta encenação mostrava o que o próprio Jeová ia fazer. Sobre os dois bastões, Jeová disse: “Farei deles um só bastão; vão tornar-se um só na minha mão.” — Eze. 37:17-19.

5. O que significava Ezequiel juntar os dois bastões? (Veja o quadro “Os dois bastões que se tornaram um só”.)

5 A seguir, Jeová explicou o que significava juntar os dois bastões. (Leia Ezequiel 37:21, 22.) Exilados do reino de Judá, de duas tribos, e exilados do reino de Israel, de dez tribos (Efraim), voltariam para a terra de Israel e iriam tornar-se “uma só nação”. — Jer. 30:1-3; 31:2-9; 33:7.

6. Que duas profecias que se complementam encontramos no capítulo 37 de Ezequiel?

6 Ezequiel 37 tem duas maravilhosas profecias de restauração que se complementam: a dos ossos secos e a dos dois bastões. Jeová vai provar que é um Deus que não apenas restaura a vida (versículos 1-14), mas também a união (versículos 15-28). Portanto, a animadora mensagem que essas duas profecias dão é: a vida pode ser recuperada e a união também.

Como é que Jeová ‘os reuniu’?

7. Como é que 1 Crónicas 9:2, 3 confirma que “para Deus todas as coisas são possíveis”?

7 Do ponto de vista humano, libertar e unificar os exilados parecia totalmente impossível. * Mas “para Deus todas as coisas são possíveis”. (Mat. 19:26) Jeová cumpriu a sua profecia. O cativeiro em Babilónia terminou em 537 AEC e, como Jeová  tinha predito, pessoas do reino de Israel (de dez tribos) e do reino de Judá (de duas tribos) foram unificadas. Elas voltaram para Jerusalém para restaurar a adoração pura. A Bíblia confirma isso: “Alguns dos descendentes de Judá, de Benjamim, de Efraim e de Manassés estabeleceram-se em Jerusalém.” — 1 Cró. 9:2, 3; Esd. 6:17.

8. (a) O que é que Isaías tinha predito? (b) Que dois pontos interessantes encontramos em Ezequiel 37:21?

8 Cerca de 200 anos antes, Isaías tinha predito o que ia acontecer a Israel e a Judá depois do cativeiro. Ele disse que Jeová ia começar a reunir “os dispersos de Israel” e “os espalhados de Judá dos quatro cantos da terra”, incluindo os ‘que sairiam da Assíria’. (Isa. 11:12, 13, 16) E, realmente, assim como Jeová tinha predito, ele reuniu “os israelitas dentre as nações”. (Eze. 37:21) Repare em dois pontos interessantes: Jeová já não se refere aos exilados como “Judá” ou “Efraim”, mas como “os israelitas” – um só grupo. Além disso, os israelitas foram descritos como vindo não de uma só nação (Babilónia), mas de várias – na verdade, “de todas as direções”.

9. Como é que Jeová ajudou os exilados que voltaram para Israel a ficarem unidos?

9 Depois de os exilados terem voltado para Israel, como é que Jeová os ajudou a ficarem unidos? Ele designou pastores espirituais, como Zorobabel, o Sumo Sacerdote Josué, Esdras e Neemias. Deus também designou os profetas Ageu, Zacarias e Malaquias. Esses homens fiéis esforçaram-se muito para incentivar a nação a obedecer às orientações de Deus. (Nee. 8:2, 3) Além disso, Jeová protegeu a nação de Israel.  Ele fez isso por impedir que os planos dos inimigos do Seu povo resultassem. — Ester 9:24, 25; Zac. 4:6.

Jeová designou pastores espirituais para ajudar o seu povo a ficar unido (Veja o parágrafo 9.)

10. Com o tempo, o que é que Satanás conseguiu fazer?

10 No entanto, apesar de todas as coisas boas que Jeová fez pelos israelitas, a maioria deles não continuou a adorá-lo de modo puro. O que eles fizeram está registado nos livros da Bíblia que foram escritos depois de os exilados terem voltado para a sua terra. (Esd. 9:1-3; Nee. 13:1, 2, 15) Na verdade, menos de cem anos depois de terem voltado, os israelitas já se tinham desviado tanto da adoração pura que Jeová teve de lhes dizer: “Voltem para mim.” (Mal. 3:7) Quando Jesus veio à Terra, a religião dos judeus estava dividida em várias seitas lideradas por pastores infiéis. (Mat. 16:6; Mar. 7:5-8) Satanás tinha conseguido impedir que a união fosse completa. Mesmo assim, a profecia de Jeová sobre trazer união ia, certamente, cumprir-se. Como?

“O meu servo David será o seu rei”

11. (a) O que disse Jeová sobre a profecia de trazer união entre o seu povo? (b) O que é que Satanás tentou, mais uma vez, fazer, depois de ter sido expulso do céu?

11 Leia Ezequiel 37:24. Jeová disse que a profecia sobre trazer união entre o seu povo só se ia cumprir plenamente depois de Jesus (o seu “servo David”) se tornar Rei, o que aconteceu em 1914. * (2 Sam. 7:16; Luc. 1:32) Nessa época, Israel, como nação, já tinha sido substituída pelo Israel espiritual, isto é, os ungidos. (Jer. 31:33; Gál. 3:29) Satanás, em especial depois de ter sido expulso do céu, tentou mais uma vez acabar com a união do povo de Deus. (Apo. 12:7-10) Por exemplo, depois da morte do irmão Russell em 1916, Satanás usou os que se tornaram apóstatas para tentar causar divisão entre os ungidos. Só que, pouco tempo depois, esses apóstatas saíram da organização. Além disso, Satanás fez com que os irmãos que exerciam liderança naquela época fossem presos, mas nem mesmo isso acabou com o povo de Jeová. Os ungidos que permaneceram fiéis a Jeová continuaram unidos.

12. Porque é que Satanás não conseguiu dividir o Israel espiritual?

12 Portanto, ao contrário do que tinha acontecido à nação de Israel, o Israel espiritual não se deixou vencer pelas tentativas de Satanás de causar divisão. Porque é que os esforços de Satanás não resultaram? Porque os ungidos fazem o seu melhor para obedecer às leis de Jeová. Por causa disso, eles são protegidos pelo seu Rei, Jesus Cristo, que continua a completar a sua vitória contra Satanás. — Apo. 6:2.

Jeová fará com que os seus adoradores se tornem “um só”

13. Que verdade importante aprendemos da profecia dos dois bastões?

13 O que significa a profecia dos dois bastões nos nossos dias? Lembre-se de que o objetivo da profecia era mostrar como os dois grupos ficariam unidos. Acima de tudo, a  profecia destaca que é Jeová quem traz essa união. Sendo assim, que verdade importante sobre a adoração pura é que se destaca na profecia dos dois bastões? Dito de modo simples, é o próprio Jeová que faz com que os seus adoradores se tornem “um só”. — Eze. 37:19.

14. Como é que a profecia dos dois bastões teve um cumprimento maior a partir de 1919?

14 A partir de 1919, depois de o povo de Deus ter sido purificado e ter entrado no paraíso espiritual, a profecia dos dois bastões que se tornaram um começou a ter um cumprimento maior. Naquela época, a maioria dos que foram unificados tinha esperança de se tornarem reis e sacerdotes no céu. (Apo. 20:6) Eles eram como o bastão “para Judá”, uma nação que tinha reis da linhagem de David e sacerdotes da tribo de Levi. Mas, com o tempo, cada vez mais pessoas com esperança de viver na Terra foram-se juntando aos judeus espirituais. Elas eram como o “bastão de Efraim”, uma nação que não tinha nem reis da linhagem de David nem sacerdotes da tribo de Levi. Juntos, os dois grupos servem a Jeová e têm um só Rei, Jesus Cristo. — Eze. 37:24.

“Eles serão o meu povo”

15. Como é que as palavras de Ezequiel 37:26, 27 estão a cumprir-se hoje?

15 A profecia de Ezequiel dá a entender que muitas pessoas iam querer adorar a Jeová de modo puro juntamente com os ungidos. Jeová disse sobre o seu povo: “Vou [...] fazê-los numerosos” e “a minha tenda estará sobre eles”. (Eze. 37:26, 27, segunda nota) Estas palavras lembram-nos do que o apóstolo João profetizou cerca de 700 anos depois dos dias de Ezequiel. João disse que ‘Aquele que está sentado no trono estenderia a sua tenda’ sobre uma “grande multidão”. (Apo. 7:9, 15) Hoje, os ungidos e a grande multidão servem juntos como uma só nação, o povo de Deus, protegidos debaixo da tenda dele.

16. O que profetizou Zacarias sobre a união entre os judeus espirituais e aqueles que têm esperança de viver na Terra?

16 Zacarias também profetizou sobre a união entre os judeus espirituais e aqueles que têm esperança de viver na Terra. Esse profeta, que era um dos que tinham voltado do exílio, disse que “dez homens [...] das nações” iam ‘agarrar firmemente a túnica de um judeu’ e dizer: “Queremos ir convosco, pois ouvimos dizer que Deus está convosco.” (Zac. 8:23) A expressão “um judeu” não se refere a uma pessoa só, mas a um grupo de pessoas. Isso é explicado no próprio texto, que usa a palavra “convosco”, no plural. Esse grupo de pessoas é representado hoje pelos ungidos que ainda estão na Terra, ou seja, os judeus espirituais. (Rom. 2:28, 29) Os “dez homens” representam os que têm esperança de viver na Terra para sempre. Eles ‘agarram firmemente a túnica’ dos ungidos e ‘vão com’ eles.  (Isa. 2:2, 3; Mat. 25:40) As expressões ‘agarrar firmemente’ e “ir convosco” mostram a completa união desses dois grupos.

17. Como descreveu Jesus a união que temos hoje?

17 Talvez Jesus tenha pensado na profecia dos dois bastões que se tornaram um quando disse as palavras em João 10:16 – ele seria o pastor que orientaria as suas ovelhas (os ungidos) e as “outras ovelhas” (os que têm esperança de viver na Terra) a tornarem-se “um só rebanho”. (Eze. 34:23; 37:24, 25) Estas palavras de Jesus e as dos profetas do passado descrevem bem a maravilhosa união que temos hoje, não importa qual seja a nossa esperança. Enquanto as religiões falsas estão divididas em numerosos grupos, nós temos uma união sem igual.

Hoje, os ungidos e as “outras ovelhas” adoram a Jeová em união como “um só rebanho” (Veja o parágrafo 17.)

‘O meu santuário está no meio deles para sempre’

18. De acordo com Ezequiel 37:28, porque é muito importante que o povo de Deus ‘não faça parte do mundo’?

18 O final da profecia de Ezequiel sobre a unificação do povo de Deus mostra por que motivo podemos ter a certeza de que a nossa união nunca vai acabar. (Leia Ezequiel 37:28.) O povo de Jeová é unido porque o santuário de Deus, ou a adoração pura, está “no meio deles”. Mas esse santuário só vai continuar no meio deles com uma condição: eles precisam de se manter santos (ou puros), isto é, não fazer parte do mundo de Satanás. (1 Cor. 6:11; Apo. 7:14) Jesus destacou como é importante fazer isso. Ele mostrou preocupação pelos seus discípulos quando orou ao seu Pai na noite antes de morrer:  “Santo Pai, vigia sobre eles [...], para que sejam um [...]. Eles não fazem parte do mundo [...]. Santifica-os por meio da verdade.” Observe que Jesus relaciona ser “um” (ou ‘estar em união’, nota) com ‘não fazer parte do mundo’. — João 17:11, 16, 17.

19. (a) Como mostramos que ‘imitamos a Deus’? (b) O que destacou Jesus sobre a união, na noite antes de morrer?

19 Esta é a única vez na Bíblia que Jesus chama “Santo Pai” a Deus. Jeová é totalmente puro e justo. Ele ordenou aos israelitas: “Sejam santos, porque eu sou santo.” (Lev. 11:45) Nós ‘imitamos a Deus’. Por isso, queremos obedecer à ordem de ser santos em tudo o que fazemos. (Efé. 5:1; 1 Ped. 1:14, 15) Quando a palavra “santo” se refere a humanos, ela quer dizer “separado”. Portanto, na noite antes de morrer, Jesus destacou que os seus discípulos só continuariam unidos se não fizessem parte deste mundo dividido.

“Que vigies sobre eles, por causa do Maligno”

20, 21. (a) O que aumenta a nossa confiança na proteção de Jeová? (b) Qual é a sua determinação?

20 Jesus pediu em oração: “Que vigies sobre eles, por causa do Maligno.” A prova de que Jeová respondeu a esta oração é a incrível união que existe entre as Testemunhas de Jeová em todo o mundo. (Leia João 17:14, 15.) Realmente, ver que Satanás não conseguiu acabar com a união do povo de Deus aumenta a nossa confiança na proteção de Jeová. Na profecia de Ezequiel, Jeová disse que dois bastões iriam tornar-se um só na sua mão. Sendo assim, foi o próprio Jeová que, de forma maravilhosa, uniu o seu povo debaixo da sua mão protetora, longe do alcance de Satanás.

21 Então, qual deve ser a nossa determinação? Queremos continuar a fazer o máximo para manter a união tão preciosa que temos hoje. De que modo importante é que cada um de nós pode fazer isso? Por continuarmos a adorar a Jeová de modo puro no seu templo espiritual. Vamos ver o que está envolvido nisso nos próximos capítulos.

^ par. 7 Quase 200 anos antes de Ezequiel receber esta profecia, os habitantes do reino de dez tribos (o “bastão de Efraim”) foram exilados pelos assírios. — 2 Reis 17:23.

^ par. 11 Esta profecia foi analisada no capítulo 8 deste livro.