Ir para conteúdo

Ir para índice

 A4

O Nome Divino nas Escrituras Hebraicas

O nome divino em letras hebraicas antigas, usadas antes do exílio babilónico

O nome divino em letras hebraicas usadas após o exílio babilónico

O nome divino, representado pelas consoantes hebraicas יהוה, ocorre quase 7 mil vezes nas Escrituras Hebraicas. Nesta tradução, essas quatro letras, chamadas Tetragrama, são vertidas como “Jeová”. Este é, de longe, o nome que mais aparece na Bíblia. Embora os escritores inspirados se refiram a Deus por meio de muitos títulos e termos descritivos, como “Todo-Poderoso”, “Altíssimo” e “Senhor”, o Tetragrama é o único nome pessoal usado por eles para identificar a Deus.

O próprio Jeová Deus orientou os escritores da Bíblia a usarem o seu nome. Por exemplo, ele inspirou o profeta Joel a escrever: “Todo aquele que invocar o nome de Jeová será salvo.” (Joel 2:32) Deus também inspirou um salmista a escrever: “Que as pessoas saibam que tu, cujo nome é Jeová, somente tu és o Altíssimo sobre toda a terra.” (Salmo 83:18) Só nos Salmos — um livro de escritos poéticos que eram cantados e recitados pelo povo de Deus —, o nome divino ocorre cerca de 700 vezes. Então, porque é que o nome de Deus não aparece em muitas traduções da Bíblia? Porque é que esta tradução usa a forma “Jeová”? E o que significa o nome divino, Jeová?

Trechos dos Salmos num Rolo do Mar Morto, datado da primeira metade do primeiro século EC. O texto tem o estilo das letras hebraicas usadas após o exílio babilónico, mas o Tetragrama ocorre várias vezes nas letras hebraicas antigas

Porque é que o nome de Deus não aparece em muitas traduções da Bíblia? Por várias razões. Alguns acham que o Deus Todo-Poderoso não precisa de um nome específico para o identificar. Outros provavelmente foram influenciados pela tradição judaica de evitar usar o nome de Deus com medo de o profanar. Ainda outros acreditam que, como ninguém pode saber com certeza a pronúncia exata do nome de Deus, é melhor usar um título, como “Senhor” ou “Deus”. No entanto, esses argumentos não têm base sólida pelos seguintes motivos:

  • Os que afirmam que o Deus Todo-Poderoso não precisa de um nome específico desconsideram o facto de que existem cópias  antigas da Sua Palavra que trazem o nome pessoal de Deus; algumas dessas cópias são datadas de antes da época de Cristo. Conforme já mencionado, Deus inspirou os escritores a incluir na sua Palavra o seu nome cerca de 7 mil vezes. Fica claro que ele quer que conheçamos e usemos o seu nome.

  • Os tradutores que removem o nome de Deus por respeito à tradição judaica esquecem-se de um facto muito importante: embora alguns escribas judeus se tenham recusado a pronunciar o nome de Deus, eles não o removeram das suas cópias da Bíblia. Nos rolos antigos descobertos em Qumran, perto do mar Morto, o nome de Deus ocorre muitas vezes. Alguns tradutores da Bíblia dão uma indicação de onde o nome divino aparecia no texto original por colocarem no seu lugar o título “SENHOR”, em letras maiúsculas. Contudo, a questão é: Se esses tradutores reconhecem que o nome ocorre milhares de vezes nos textos originais, o que os faz pensar que podem substituir ou remover da Bíblia o nome de Deus? Quem acham eles que lhes deu autoridade para fazer estas alterações? Só eles podem responder a essas perguntas.

  • Os que afirmam que o nome divino não deve ser usado porque não se sabe a pronúncia exata, não se importam de usar o nome Jesus. No entanto, os discípulos de Jesus no primeiro século pronunciavam o nome dele de uma forma bastante diferente do modo como a maioria dos cristãos o pronuncia hoje. Entre os cristãos judeus, o nome de Jesus provavelmente era pronunciado Yeshúa‛, e o título “Cristo” era pronunciado Mashíahh, isto é, “Messias”. Os cristãos que falavam grego chamavam-lhe Iesoús Khristós; e os cristãos que falavam latim, Iésus Chrístus. Sob inspiração, foi registada na Bíblia a tradução grega desse nome. Isso indica que os cristãos do primeiro século faziam o que era razoável: usavam a forma do nome mais comum no seu idioma. De modo similar, a Comissão da Tradução do Novo Mundo da Bíblia considera razoável usar a forma “Jeová”, mesmo que não tenha exatamente a mesma pronúncia que o nome divino tinha no hebraico antigo.

Porque é que a Tradução do Novo Mundo usa a forma “Jeová”? Em português, as quatro letras do Tetragrama (יהוה) são representadas pelas consoantes YHWH. O Tetragrama não tinha vogais, assim como todas as palavras escritas no hebraico antigo. Na época em que o hebraico antigo era o idioma do dia a dia, era fácil os leitores saberem que vogais deviam ser usadas.

Cerca de mil anos após as Escrituras Hebraicas terem sido completadas, eruditos judeus desenvolveram um sistema de sinais ou  pontos que indicavam as vogais que deveriam ser usadas na leitura do idioma hebraico. Todavia, naquela época, muitos judeus tinham a ideia supersticiosa de que era errado dizer em voz alta o nome de Deus e, por isso, pronunciavam outras expressões no seu lugar. Assim, ao copiarem o Tetragrama, parece que eles combinavam as vogais dessas expressões com as quatro consoantes que representam o nome divino. É por esse motivo que os manuscritos com esses sinais vocálicos não ajudam a determinar como o nome de Deus era originalmente pronunciado em hebraico. Alguns acham que era pronunciado “Iavé” ou “Javé”, enquanto outros sugerem outras possibilidades. Um Rolo do Mar Morto que contém um trecho, em grego, de Levítico translitera o nome divino como Iao. Além dessa forma, antigos escritores gregos também sugerem a pronúncia Iae, Iabé e Iaoué. No entanto, não há motivos para sermos dogmáticos. Simplesmente não sabemos como os servos de Deus no passado pronunciavam este nome em hebraico. (Génesis 13:4; Êxodo 3:15) O que sabemos é o seguinte: Deus usou o seu nome muitas vezes ao comunicar-se com os seus servos, eles também o usavam ao dirigir-se a ele e esse nome era usado sem restrições quando conversavam com outros. — Êxodo 6:2; 1 Reis 8:23; Salmo 99:9.

Então, porque é que esta tradução usa a forma “Jeová” do nome divino? Porque essa forma tem uma longa história em português.

O nome de Deus em Génesis 15:2 na tradução do Pentateuco de William Tyndale, 1530

A primeira edição da Bíblia completa em português num único volume, a versão Almeida, empregou milhares de vezes o nome de Deus na forma “JEHOVAH”. A comissão tradutora da Versão Brasileira (1917) também decidiu usar a forma “Jehovah”, e, na sua edição de 2010, a grafia foi atualizada para “Jeová”. A nota de rodapé de Êxodo 6:3 na tradução Matos Soares (oitava edição) declara: “O texto hebreu diz: ‘O meu nome Javé ou Jeová.’”

 Formas similares do nome divino também são encontradas em outros idiomas. Por exemplo, a primeira ocorrência, em inglês, do nome pessoal de Deus numa Bíblia foi em 1530, na tradução do Pentateuco de William Tyndale. Ele usou a forma “Iehouah”. Com o tempo, o idioma sofreu mudanças, e a grafia do nome divino foi modernizada.

Na sua obra Studies in the Psalms (Estudos dos Salmos), publicada em 1911, o respeitado erudito bíblico Joseph Bryant Rotherham usou o nome “Jehovah” em vez de “Yahweh”. Explicando o motivo, ele disse que queria empregar uma “forma do nome que fosse mais conhecida (e perfeitamente aceitável) pelos leitores da Bíblia em geral”. Na sua obra Apostilas aos Dicionários Portugueses, de 1906, o filólogo e lexicógrafo português Gonçalves Viana declarou: “A forma Jeová, porém, já está tão usual, que seria pedantismo empregar Iavé, ou Iaué, a não ser em livros de pura filologia semítica ou de exegese bíblica.”

O Tetragrama YHWH: “Ele faz com que venha a ser”

O verbo HWH: “vir a ser; tornar-se”

O que significa o nome Jeová? O nome Jeová, em hebraico, deriva de um verbo que significa “vir a ser; tornar-se”. Muitos eruditos acreditam que esse nome reflete a forma causativa desse verbo hebraico. Assim, a Comissão da Tradução do Novo Mundo da Bíblia entende que o nome de Deus significa “Ele faz com que venha a ser”. Visto que a opinião dos eruditos varia, não podemos ser dogmáticos sobre esse significado. No entanto, essa definição reflete bem o papel de Jeová como o Criador de todas as coisas e o Cumpridor do seu propósito. Ele não só fez com que o Universo e as criaturas inteligentes existissem, mas, com o desenrolar dos acontecimentos, ele também continua a fazer com que a sua vontade e o seu propósito se realizem.

Portanto, o significado do nome Jeová não se limita ao sentido transmitido pelo verbo relacionado encontrado em Êxodo 3:14, que diz: “Eu Vou Tornar-Me O Que Eu Me Decidir Tornar”, ou “Eu Mostrarei Ser O Que Eu Mostrar Ser”. Essas palavras não descrevem o pleno sentido do nome de Deus. Na verdade, elas revelam apenas um aspeto da personalidade dele: o de se tornar o que for necessário, em cada circunstância, para cumprir o seu propósito. Então, embora o nome Jeová inclua essa ideia, não está limitado àquilo em que ele se decide tornar. O nome Jeová inclui também a ideia de que ele causa, ou faz acontecer, o que ele decidir em relação à sua criação e ao cumprimento do seu propósito.