As Boas Novas Segundo Mateus 7:1-29

7  “Parem de julgar,+ para que não sejam julgados;+  pois, com o julgamento com que julgam, serão julgados,+ e com a medida com que medem, serão medidos.+  Então, porque é que olhas para o cisco no olho do teu irmão, mas não percebes que há uma trave no teu próprio olho?+  Ou como é que podes dizer ao teu irmão: ‘Deixa-me tirar o cisco do teu olho’, quando há uma trave no teu próprio olho?  Hipócrita! Tira primeiro a trave do teu próprio olho e depois verás claramente como tirar o cisco do olho do teu irmão.  “Não deem aos cães o que é santo, nem lancem as vossas pérolas diante dos porcos,+ para que eles nunca as pisem com os pés e, voltando-se, vos dilacerem.+  “Persistam em pedir, e ser-vos-á dado;+ persistam em procurar, e encontrarão; persistam em bater, e ser-vos-á aberto;+  pois todo aquele que pede, recebe;+ e todo aquele que procura, encontra; e a todo aquele que bate, abrir-se-á.  Realmente, quem entre vocês entregará uma pedra ao seu filho, se este lhe pedir pão? 10  Ou quem lhe entregará uma serpente, se ele pedir um peixe? 11  Portanto, se vocês, embora maus, sabem dar coisas boas aos vossos filhos, quanto mais o vosso Pai, que está nos céus, dará coisas+ boas aos que lhe pedirem!+ 12  “Portanto, todas as coisas que querem que os homens vos façam, façam-nas também a eles.+ De facto, isto é o que a Lei e os Profetas querem dizer.+ 13  “Entrem pelo portão estreito,+ porque largo é o portão e espaçosa é a estrada que conduz à destruição, e muitos entram por ele; 14  ao passo que estreito é o portão e apertada a estrada que conduz à vida, e poucos a encontram.+ 15  “Tenham cuidado com os falsos profetas,+ que se aproximam de vocês em pele de ovelha,+ mas que por dentro são lobos vorazes.+ 16  Pelos seus frutos, vocês irão reconhecê-los. Será que se colhem uvas dos espinheiros ou figos dos abrolhos?+ 17  Do mesmo modo, toda a árvore boa produz bons frutos, mas toda a árvore má* produz frutos imprestáveis.+ 18  A árvore boa não pode dar frutos imprestáveis, nem pode a árvore má produzir bons frutos.+ 19  Toda a árvore que não produz bons frutos é cortada e lançada ao fogo.+ 20  Realmente, então, pelos seus frutos reconhecerão esses homens.+ 21  “Nem todo o que me disser: ‘Senhor, Senhor’, entrará no Reino dos céus, mas apenas aquele que fizer a vontade do meu Pai, que está nos céus.+ 22  Muitos me dirão nesse dia: ‘Senhor, Senhor,+ não profetizámos em teu nome, não expulsámos demónios em teu nome e não fizemos muitas obras poderosas* em teu nome?’+ 23  Mas, então, eu vou declarar-lhes: ‘Nunca vos conheci!* Afastem-se de mim, vocês que fazem o que é contra a lei!’+ 24  “Portanto, todo aquele que ouve estas minhas palavras e as pratica será como um homem prudente, que construiu a sua casa sobre a rocha.+ 25  E caiu a chuva, vieram as inundações, e os ventos sopraram com força contra aquela casa, mas ela não se desmoronou, pois tinha sido fundada sobre a rocha. 26  Além disso, todo aquele que ouve estas minhas palavras e não as pratica será como um homem tolo, que construiu a sua casa sobre a areia.+ 27  E caiu a chuva, vieram as inundações, e os ventos sopraram e bateram contra aquela casa,+ e ela desmoronou-se, e foi grande a sua queda.” 28  Quando Jesus acabou de dizer estas palavras, o efeito foi que as multidões ficaram maravilhadas com o seu modo de ensinar,+ 29  pois ele ensinava-as como quem tinha autoridade,+ e não como os seus escribas.

Notas de rodapé

Ou: “podre”.
Ou: “muitos milagres”.
Ou: “reconheci”.

Notas de estudo

Continuem a perdoar, e serão perdoados: Ou: “Continuem a livrar, e serão livrados”. A palavra grega traduzida como “perdoar” significa literalmente “libertar; mandar embora; livrar (um prisioneiro, por exemplo)”. Aqui, a palavra grega foi usada em contraste com “julgar” e “condenar”. Assim, transmite a ideia de absolver e perdoar uma pessoa, mesmo que pareça haver motivos para uma punição.

Parem de julgar: Ou: “Parem de condenar”. Jesus sabia que humanos imperfeitos têm a tendência de julgar os outros, e muitos fariseus dos dias de Jesus davam um mau exemplo nesse sentido. Eles julgavam de forma dura os que não viviam de acordo com a Lei mosaica e os que não seguiam as tradições humanas que eles defendiam. Jesus disse que qualquer pessoa que tivesse o costume de julgar os outros devia parar de fazer isso. Em vez de procurarem defeitos nas pessoas, os discípulos de Jesus devem ‘continuar a perdoar’ as falhas delas. Ao fazerem isso, eles motivam outros a também serem perdoadores. — Veja a nota de estudo em Lu 6:37.

o teu irmão: Em alguns casos, a palavra grega adelfós (irmão) é usada em sentido literal. No entanto, aqui, onde o contexto fala da adoração prestada no templo de Jeová nos dias de Jesus, essa palavra, evidentemente, é usada para se referir a um irmão em sentido espiritual, um companheiro de adoração. Em ainda outros casos, a palavra pode ter um sentido mais amplo e referir-se a uma pessoa em geral, ou seja, ao próximo.

cisco [...] trave: Jesus usou esta hipérbole para expor a tolice de uma pessoa que critica o seu irmão. Ele comparou uma pequena falha a um “cisco”. A palavra grega traduzida como “cisco” (kárfos) também pode referir-se a uma palha ou a um pedaço muito pequeno de madeira. Por isso, algumas traduções noutras línguas usam aqui “farpa” ou “serradura”. Uma pessoa crítica dá a entender que a visão espiritual do seu irmão está comprometida a ponto de afetar o seu conceito do que é certo e errado, e a sua capacidade de tomar decisões. Ela mostra orgulho quando se oferece para “tirar o cisco”, porque acha que pode ajudar o seu irmão a ver as coisas de uma forma mais clara e a tomar boas decisões. No entanto, Jesus disse que ela própria está com um problema na sua visão espiritual. No seu olho, ela tem uma “trave”, uma longa viga que poderia ser usada para sustentar o telhado de uma casa. (Mt 7:4, 5) Neste contraste, que chega a ter um toque de humor, Jesus usou elementos que, segundo alguns, indicam que ele conhecia bem o trabalho de carpinteiro.

do teu irmão: Aqui, a palavra grega adelfós (irmão) refere-se a um irmão em sentido espiritual, um companheiro de adoração. Esta palavra também pode ser usada num sentido mais amplo para se referir a uma pessoa em geral, ou seja, ao próximo. — Veja a nota de estudo em Mt 5:23.

Hipócrita!: Em Mt 6:2, 5, 16, Jesus usou esta palavra para se referir aos líderes religiosos judaicos. Mas, neste versículo, o “hipócrita” é o discípulo que está sempre a apontar os erros dos outros em vez de ver os seus próprios erros.

Não deem aos cães o que é santo, nem lancem as vossas pérolas diante dos porcos: De acordo com a Lei mosaica, os porcos e os cães eram impuros. (Le 11:7, 27) Os israelitas podiam atirar aos cães a carne de um animal morto por um animal selvagem. (Êx 22:31) Mas a tradição judaica dizia que era proibido dar aos cães “carne sagrada”, ou seja, a carne de animais sacrificados a Jeová. Em Mt 7:6, os “cães” e os “porcos” representam pessoas que não reconhecem o valor das verdades preciosas da Palavra de Deus. Assim como um porco não dá nenhum valor às pérolas, esse tipo de pessoa não dá valor às verdades da Palavra de Deus. Essas pessoas até podem maltratar aqueles que querem partilhar essa mensagem preciosa com elas.

Persistam em pedir, [...] procurar, [...] bater: A expressão “persistam em” é usada aqui porque o tempo verbal grego indica uma ação contínua. Esta expressão mostra que uma pessoa nunca deve desistir de orar. O uso de “pedir”, “procurar” e “bater” em sequência intensifica a ação que ela deve tomar. Jesus disse algo parecido na ilustração em Lu 11:5-8.

serpente [...] peixe: O peixe era um alimento básico das pessoas que moravam perto do mar da Galileia. Algumas serpentes pequenas talvez se parecessem com os peixes que, geralmente, eram comidos com pão. Com essa pergunta retórica, Jesus estava a dizer que um pai que ama o filho jamais faria uma coisa dessas.

pedra [...] pão: Jesus deve ter usado o pão na sua ilustração porque era um alimento básico dos judeus e dos povos vizinhos. É possível que Jesus tenha comparado pães com pedras porque o tamanho e o formato de um pão podiam lembrar o tamanho e o formato de uma pedra. A resposta óbvia à pergunta retórica de Jesus era: “Seria um absurdo um pai fazer uma coisa dessas!” — Veja a nota de estudo em Mt 7:10.

serpente [...] peixe: O peixe era um alimento básico das pessoas que moravam perto do mar da Galileia. Algumas serpentes pequenas talvez se parecessem com os peixes que, geralmente, eram comidos com pão. Com essa pergunta retórica, Jesus estava a dizer que um pai que ama o filho jamais faria uma coisa dessas.

vocês, embora maus: Como todos os humanos herdaram o pecado, todos são imperfeitos e, de certa forma, são maus.

quanto mais: Jesus usava muito esse tipo de raciocínio. Primeiro, ele falava de um facto muito óbvio ou de algo que todos conheciam bem. Depois, usava esse facto para ajudar os seus ouvintes a entender uma verdade maior e mais importante. — Mt 10:25; 12:12; Lu 11:13; 12:28.

a Lei [...] os Profetas: “A Lei” são os livros de Génesis a Deuteronómio. “Os Profetas” são os livros das Escrituras Hebraicas escritos pelos profetas. No entanto, quando as duas expressões são mencionadas juntas, podem referir-se a todos os livros das Escrituras Hebraicas. — Mt 7:12; 22:40; Lu 16:16.

a Lei e os Profetas: Veja a nota de estudo em Mt 5:17.

Entrem pelo portão estreito: Antigamente, as pessoas entravam nas cidades muradas por estradas que iam dar aos portões da cidade. A Bíblia usa expressões como estrada ou “caminho” para descrever o tipo de vida que uma pessoa leva. Quando Jesus disse que existem duas estradas diferentes, ele indicou que existem dois estilos de vida: um que agrada a Deus e outro que não agrada. Uma pessoa só vai poder entrar no Reino de Deus se andar pela estrada certa. — Sal 1:1, 6; Je 21:8; Mt 7:21.

largo é o portão e espaçosa é a estrada: Alguns manuscritos dizem apenas “larga e espaçosa é a estrada”. Mas a frase mais longa, que inclui “é o portão”, aparece num número maior de manuscritos mais antigos. Além disso, as expressões “largo é o portão” e “espaçosa é a estrada” fazem um paralelo com as expressões “estreito é o portão” e “apertada a estrada”, usadas no versículo seguinte (Mt 7:14). — Veja o Apêndice A3.

em pele de ovelha: Ou: “vestidos de ovelha”. Essas pessoas tentam parecer mansas e inocentes para fazer todos pensarem que são ovelhas inofensivas do “rebanho” de Deus.

lobos vorazes: Jesus citou lobos ferozes e famintos como uma metáfora para se referir aos falsos profetas, que são extremamente gananciosos e tentam aproveitar-se das pessoas.

frutos: Neste contexto, esta palavra representa o que as pessoas fazem ou dizem. Também pode referir-se aos resultados do que elas fazem ou dizem.

do que é contra a lei: A palavra grega traduzida como ‘o que é contra a lei’ não inclui apenas a ideia de violação das leis, mas também de desprezo por elas; de as pessoas agirem como se não existissem leis. Na Bíblia, essa palavra indica desrespeito pelas leis de Deus. — Mt 7:23; 2Co 6:14; 2Te 2:3-7; 1Jo 3:4.

o que é contra a lei: Veja a nota de estudo em Mt 24:12.

prudente: A palavra grega usada aqui transmite a ideia de alguém que tem entendimento e é perspicaz, prevenido, discernidor, sensato, sábio e prático. A mesma palavra grega é usada em Mt 7:24 e 25:24, 8, 9. A Septuaginta usa esta palavra em Gén 41:33, 39 para se referir a José.

prudente: Veja a nota de estudo em Mt 24:45.

chuva [...] inundações [...] ventos: Tempestades repentinas são comuns em Israel durante o inverno (principalmente no mês de tebete, que corresponde a dezembro/janeiro). Essas tempestades trazem ventanias, chuvas torrenciais e enxurradas. — Veja o Apêndice B15.

ficaram maravilhadas: O verbo grego usado aqui pode significar “estar tão impressionado a ponto de ficar fora de si”. No grego, o tempo verbal indica algo contínuo, dando a entender que as palavras de Jesus foram inesquecíveis para os seus ouvintes.

o seu modo de ensinar: Esta expressão, que também pode ser traduzida como “os seus ensinos”, refere-se não apenas ao modo como Jesus ensinou, mas também às coisas que ele ensinou no Sermão do Monte.

não como os seus escribas: Os escribas tinham o costume de citar rabinos respeitados para apoiar os seus ensinos. Mas Jesus citava a Palavra de Deus quando ensinava. Ele falava como um representante de Jeová e, por isso, ensinava como quem tinha autoridade. — Jo 7:16.

Multimédia

Lobo
Lobo

O lobo (Canis lupus) é um animal feroz, valente e insaciável. É comum os lobos matarem mais ovelhas do que conseguem comer ou arrastar. Os lobos de Israel saem para caçar principalmente à noite. (Hab 1:8) Na Bíblia, os animais, as suas características e os seus hábitos, muitas vezes, são usados para representar características humanas, tanto positivas como negativas. Por exemplo, numa profecia no seu leito de morte, Jacó comparou a tribo de Benjamim a um lobo, indicando que seriam guerreiros valentes. (Gén 49:27) Mas, na maioria das vezes, o lobo é usado em comparações por causa das suas características negativas, por ser feroz, insaciável e traiçoeiro. Alguns exemplos de pessoas que a Bíblia compara com lobos são: os falsos profetas (Mt 7:15), os ferozes opositores da obra de pregação (Mt 10:16; Lu 10:3) e os falsos instrutores, que seriam um perigo para a congregação cristã (At 20:29, 30). Os pastores sabiam muito bem que os lobos eram animais perigosos. Jesus falou de um “empregado” contratado para cuidar de um rebanho de ovelhas. Quando esse empregado “vê o lobo chegar, abandona as ovelhas e foge”. Mas Jesus é diferente desse empregado que “não se importa com as ovelhas”. Ele é o “bom pastor”, que deu “a sua vida pelas ovelhas”. — Jo 10:11-13.

Figueira, videira e espinheiro
Figueira, videira e espinheiro

Jesus escolhia muito bem as plantas que usava nas suas ilustrações. Por exemplo, a figueira (1) e a videira (2) são mencionadas juntas em muitos textos, e as palavras de Jesus em Lu 13:6 mostram que era comum plantar figueiras em vinhas. (2Rs 18:31; Jl 2:22) A expressão ‘sentar-se debaixo da sua videira e da sua figueira’ simbolizava paz, prosperidade e segurança. (1Rs 4:25; Miq 4:4; Za 3:10) Por outro lado, quando Jeová amaldiçoou o solo depois do pecado de Adão, ele disse que o solo produziria espinhos e abrolhos. (Gén 3:17, 18) Não é possível identificar com certeza o tipo de espinheiro que Jesus tinha em mente em Mt 7:16. Uma possibilidade é a planta mostrada aqui (Centaurea iberica) (3), que é nativa de Israel.