As Boas Novas Segundo Mateus 23:1-39

23  Jesus disse então às multidões e aos seus discípulos:  “Os escribas e os fariseus sentaram-se no lugar de Moisés.  Portanto, façam e cumpram tudo o que eles vos dizem, mas não ajam como eles, pois falam, mas não praticam o que dizem.+  Amarram cargas pesadas e põem-nas sobre os ombros dos homens,+ mas eles mesmos não estão sequer dispostos a movê-las com o dedo.+  Fazem todas as suas obras para serem vistos pelos homens,+ pois ampliam as caixinhas com textos que usam como proteção+ e alongam as franjas das suas roupas.+  Gostam do lugar mais destacado nos banquetes, dos primeiros assentos nas sinagogas,+  dos cumprimentos nas praças públicas e de serem chamados ‘Rabi’ pelos homens.  Mas vocês não sejam chamados ‘Rabi’, pois um só é o vosso Instrutor,+ e todos vocês são irmãos.  Além disso, não chamem a ninguém na terra vosso pai, pois um só é o vosso Pai,+ o celestial. 10  Nem sejam chamados líderes, pois o vosso Líder é um só, o Cristo.+ 11  Porém, o maior entre vocês tem de ser o vosso servo.+ 12  Quem se enaltecer será humilhado,+ e quem se humilhar será enaltecido.+ 13  “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas! Porque fecham o Reino dos céus diante dos homens; pois vocês mesmos não entram, nem deixam entrar os que estão a caminho para entrar.+ 14  —— 15  “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas!+ Porque percorrem o mar e a terra para fazer um prosélito e, quando o conseguem, fazem dele alguém que é duas vezes mais merecedor da Geena do que vocês. 16  “Ai de vocês, guias cegos,+ que dizem: ‘Se alguém jurar pelo templo, isso não é nada; mas, se alguém jurar pelo ouro do templo, ele encontra-se sob a obrigação de cumprir o juramento.’+ 17  Tolos e cegos! Na verdade, o que é maior: o ouro ou o templo que santifica o ouro? 18  Além disso, vocês dizem: ‘Se alguém jurar pelo altar,+ isso não é nada; mas, se alguém jurar pela dádiva no altar, ele encontra-se sob a obrigação de cumprir o juramento.’ 19  Cegos! Na verdade, o que é maior: a dádiva ou o altar que santifica a dádiva? 20  Portanto, quem jura pelo altar está a jurar por ele e por todas as coisas sobre ele; 21  e quem jura pelo templo está a jurar por ele e por Aquele que habita nele;+ 22  e quem jura pelo céu está a jurar pelo trono de Deus e por Aquele que está sentado nele.+ 23  “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas! Porque dão o décimo da hortelã, do endro e do cominho,+ mas desconsideram as questões mais importantes da Lei, isto é, a justiça,+ a misericórdia+ e a fidelidade.* Estas eram as coisas que precisavam de ser feitas, mas sem desconsiderar as outras.+ 24  Guias cegos,+ que coam o mosquito,+ mas engolem o camelo!+ 25  “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas! Porque limpam por fora o copo e o prato,+ mas, por dentro, estes estão cheios de ganância*+ e de imoderação.+ 26  Fariseu cego, limpa primeiro a parte de dentro do copo e do prato, para que a parte de fora também fique limpa. 27  “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas!+ Porque são como sepulcros caiados,+ que por fora realmente parecem belos, mas por dentro estão cheios de ossos de mortos e de todo o tipo de impureza. 28  Do mesmo modo, por fora vocês parecem justos aos homens, mas por dentro estão cheios de hipocrisia e do que é contra a lei.+ 29  “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas!+ Porque constroem os sepulcros dos profetas e decoram os túmulos dos justos,+ 30  e dizem: ‘Se nós tivéssemos vivido nos dias dos nossos antepassados, não teríamos participado com eles em derramar o sangue dos profetas.’ 31  Portanto, vocês dão testemunho contra vocês mesmos de que são filhos daqueles que assassinaram os profetas.+ 32  Pois bem, completem a medida dos vossos antepassados. 33  “Serpentes, descendência de víboras,+ como é que fugirão do julgamento da Geena?+ 34  É por esta razão que eu vos estou a enviar profetas,+ sábios e instrutores públicos.+ A alguns deles vocês matarão+ e pregarão em estacas, e a outros açoitarão+ nas vossas sinagogas e perseguirão+ de cidade em cidade, 35  para que venha sobre vocês todo o sangue justo derramado na terra, desde o sangue do justo Abel+ até ao sangue de Zacarias, filho de Baraquias, a quem vocês assassinaram entre o santuário e o altar.+ 36  Garanto-vos: Todas estas coisas virão sobre esta geração. 37  “Jerusalém, Jerusalém, que mata os profetas e apedreja os que lhe são enviados+ . . . Quantas vezes eu quis ajuntar os teus filhos, assim como a galinha ajunta os seus pintainhos debaixo das asas! Mas vocês não quiseram.+ 38  Agora, a vossa casa ficará abandonada.+ 39  Pois digo-vos: De agora em diante, de modo algum vocês me verão, até que digam: ‘Bendito é aquele que vem em nome de Jeová!’”+

Notas de rodapé

Ou: “fé”.
Ou: “coisas saqueadas (roubadas)”.

Notas de estudo

sentaram-se no lugar de Moisés: Ou: “assumiram o lugar de Moisés”. Lit.: “sentaram-se na cadeira de Moisés”. Os escribas e os fariseus eram tão arrogantes que afirmavam que tinham a mesma autoridade que Moisés e, por isso, podiam interpretar a lei de Deus.

cargas pesadas: Pelos vistos, essas cargas eram as regras e as tradições orais criadas pelos líderes religiosos judaicos. Essas regras e tradições eram muito difíceis de seguir.

movê-las com o dedo: Esta expressão pode referir-se ao facto de que os líderes religiosos não estavam dispostos a mover, ou deixar de lado, nem sequer a menor das regras para aliviar a carga pesada que tinham colocado sobre as pessoas.

as caixinhas com textos que usam como proteção: Ou: “os seus filactérios”. Essas caixinhas eram de couro e tinham quatro passagens da Lei mosaica dentro delas. (Êx 13:1-10, 11-16; De 6:4-9; 11:13-21) Os homens judeus costumavam usar essas caixinhas na testa e no braço esquerdo. Esse costume começou porque alguns interpretaram literalmente a ordem que Deus tinha dado aos israelitas em Êx 13:9, 16; De 6:8 e 11:18. Jesus condenou os escribas e os fariseus porque eles faziam caixinhas maiores só para impressionar outros e porque achavam que essas caixinhas eram amuletos, ou talismãs, que poderiam protegê-los.

alongam as franjas: Em Núm 15:38-40, Jeová tinha mandado os israelitas fazerem franjas na barra das suas roupas. No entanto, para se exibirem, os escribas e os fariseus usavam franjas mais compridas do que as usadas por outros judeus.

primeiros assentos: Ou: “melhores assentos”. Os presidentes da sinagoga e os convidados importantes, pelos vistos, sentavam-se perto dos rolos das Escrituras, onde todos podiam vê-los. É provável que esses lugares especiais já estivessem reservados para essas pessoas de destaque.

nas praças públicas: Ou: “nos mercados; nos lugares de reunião”. A palavra grega agorá é usada aqui para se referir a uma área aberta que existia nas cidades do Antigo Oriente Próximo e de outras regiões influenciadas pelos impérios grego e romano. Essas praças públicas serviam como centro de compras e vendas, e como local de reuniões públicas.

Rabi: Lit.: “meu grande”. Vem da palavra hebraica rav, que significa “grande”. No uso comum, “Rabi” significava “instrutor” (Jo 1:38), mas, com o tempo, transformou-se num título de honra. Alguns escribas, instrutores da Lei e outros homens instruídos exigiam que as pessoas usassem esse título ao falar com eles.

pai: Aqui, Jesus proibiu que os seus seguidores usassem a palavra “pai” como um título formal ou religioso para algum homem. Isso também se aplica à palavra “padre”, que vem do latim e significa “pai”.

Cristo: Este título vem da palavra grega Khristós e equivale ao título “Messias” (do hebraico mashíahh). Tanto a palavra grega como a hebraica significam “ungido”. É uma referência a uma cerimónia que existia nos tempos bíblicos: quando um governante era escolhido, alguém o ungia, ou seja, derramava óleo na sua cabeça.

o Cristo: Aqui, Mateus usou o artigo definido em grego antes do título “Cristo”. Provavelmente, ele fez isso para destacar o papel de Jesus como o Messias.

líderes: A palavra grega usada aqui tem o mesmo sentido da palavra grega para “instrutor” que aparece no versículo 8. Neste contexto, refere-se àqueles que orientam e instruem outros como líderes espirituais. É provável que essa palavra fosse usada como título religioso.

Líder: Nenhum humano imperfeito pode ser o Líder espiritual dos cristãos verdadeiros. Por isso, só Jesus tem o direito de usar esse título. — Veja a nota de estudo em líderes neste versículo.

o Cristo: Aqui, Mateus usou o artigo definido em grego antes do título “Cristo”, que significa “ungido”. Isso indicava que Jesus era o prometido Messias, aquele que foi ungido, ou escolhido, para um cargo especial. — Veja as notas de estudo em Mt 1:1 e 2:4.

servo: Ou: “ministro”. A Bíblia, muitas vezes, usa a palavra grega diákonos para se referir a uma pessoa que presta serviço a outros de modo humilde e perseverante. A Bíblia usa essa palavra para descrever Jesus (Ro 15:8); os ministros, ou servos, de Cristo (1Co 3:5-7; Col 1:23); e os servos ministeriais (Fil 1:1; 1Ti 3:8). A palavra também é usada para se referir a servos domésticos (Jo 2:5, 9) e a autoridades do governo (Ro 13:4).

servo: Ou: “ministro”. — Veja a nota de estudo em Mt 20:26.

hipócritas: A palavra grega hypokrités era usada originalmente para se referir aos atores do teatro grego (e, mais tarde, do romano) que usavam máscaras grandes que aumentavam o volume da voz. Depois, a palavra começou a ser usada como uma metáfora para se referir a pessoas que escondem as suas intenções ou a sua personalidade e fingem ser o que não são. Os “hipócritas” mencionados aqui por Jesus eram os líderes religiosos judaicos. — Mt 6:5, 16.

Ai de vocês: Este é o primeiro dos sete “ais” que Jesus declarou contra os líderes religiosos da sua época. Nessas declarações, Jesus chamou hipócritas e guias cegos a esses líderes.

hipócritas: Veja a nota de estudo em Mt 6:2.

fecham o: Ou: “fecham a porta do”. Ou seja, impedem as pessoas de entrar.

Alguns manuscritos adicionam estas palavras: “Ai de vocês, escribas e fariseus, hipócritas! Porque devoram as casas das viúvas e, para impressionar, fazem longas orações. Por causa disso receberão um julgamento mais severo.” Mas este versículo de Mateus não aparece nos manuscritos mais antigos e mais importantes. Palavras parecidas podem ser encontradas nos relatos inspirados por Deus em Mr 12:40 e em Lu 20:47. — Veja o Apêndice A3.

prosélito: Ou: “convertido”. A palavra grega prosélytos refere-se a uma pessoa de outra nação que se converte ao judaísmo. Se fosse um homem, tinha de ser circuncidado.

merecedor da Geena: Lit.: “filho da Geena”, ou seja, alguém que merece a destruição eterna. — Veja o Glossário, “Geena”.

Tolos e cegos!: Ou: “Seus tolos cegos!” A Bíblia geralmente usa a palavra “tolo” para se referir a uma pessoa que despreza o bom senso e segue um caminho que vai contra os padrões de moral de Deus.

décimo da hortelã, do endro e do cominho: A Lei mosaica dizia que os israelitas tinham de dar o dízimo das suas colheitas. (Le 27:30; De 14:22) A Lei não dizia especificamente que os israelitas deviam dar um décimo de ervas como a hortelã, o endro e o cominho, mas Jesus também não disse que essa tradição era errada. O que Jesus condenou foi o facto de que os escribas e os fariseus insistiam demais em detalhes da Lei que tinham pouca importância, mas não ensinavam os princípios por trás da Lei, como a justiça, a misericórdia e a fidelidade.

que coam o mosquito, mas engolem o camelo: Entre os animais impuros que os israelitas conheciam, o mosquito era um dos menores e o camelo era um dos maiores. (Le 11:4, 21-24) Usando uma hipérbole com um toque de humor, Jesus disse que os líderes religiosos filtravam as suas bebidas para não ficarem impuros por causa de um mosquito, mas, ao mesmo tempo, ‘engoliam um camelo’ por não darem atenção aos assuntos da Lei que eram realmente importantes.

sepulcros caiados: No Israel antigo, era comum que os sepulcros, ou túmulos, fossem pintados com cal para os deixar brancos e bem visíveis. Assim, as pessoas que passassem por eles não correriam o risco de ficarem impuras por terem ‘tocado numa sepultura’. (Núm 19:16) A Mishná judaica (Shekalim 1:1) diz que os sepulcros eram caiados uma vez por ano, um mês antes da Páscoa. Jesus usou essa metáfora para representar a atitude hipócrita daqueles líderes religiosos.

do que é contra a lei: A palavra grega traduzida como ‘o que é contra a lei’ não inclui apenas a ideia de violação das leis, mas também de desprezo por elas; de as pessoas agirem como se não existissem leis. Na Bíblia, essa palavra indica desrespeito pelas leis de Deus. — Mt 7:23; 2Co 6:14; 2Te 2:3-7; 1Jo 3:4.

do que é contra a lei: Veja a nota de estudo em Mt 24:12.

túmulos: Ou: “túmulos memoriais”. — Veja o Glossário.

completem a medida dos vossos antepassados: Ou: “terminem o trabalho que os vossos antepassados começaram”. O sentido literal desta expressão idiomática é “completar a medida que outra pessoa já começou a encher”. Jesus não estava a mandar os líderes religiosos terminarem o que os antepassados deles tinham começado. Na verdade, ele estava a ser irónico e a predizer que aqueles líderes iam matá-lo, assim como os antepassados deles tinham matado os profetas de Deus.

Geena: Palavra que vem da expressão hebraica ge hinnóm, que significa “vale de Hinom”. Esse vale ficava a sudoeste e a sul da Jerusalém antiga. (Veja o mapa “Jerusalém e Proximidades” no Apêndice B12-A.) Na época de Jesus, o vale era usado para queimar lixo. Por isso, a palavra “Geena” servia bem para simbolizar a destruição total. — Veja o Glossário.

Serpentes, descendência de víboras: Satanás, “a serpente original” (Ap 12:9), é o pai espiritual de todos os inimigos da adoração verdadeira. Por isso, Jesus tinha motivos para chamar àqueles líderes religiosos “serpentes, descendência de víboras”. (Jo 8:44; 1Jo 3:12) Eles eram pessoas más, e os que seguissem os ensinos falsos deles poderiam perder a sua amizade com Deus. João Batista também usou a expressão “descendência de víboras”. — Mt 3:7.

Geena: Veja a nota de estudo em Mt 5:22 e o Glossário.

instrutores públicos: Ou: “pessoas instruídas”. A palavra grega grammateús é traduzida como “escriba” quando se refere a um dos instrutores judaicos que eram peritos na Lei. Mas, neste versículo, esta palavra refere-se aos discípulos de Jesus que seriam enviados para ensinar outros.

sinagogas: Veja o Glossário.

desde o sangue do justo Abel até ao sangue de Zacarias: Com esta declaração, Jesus referiu-se a todos os servos de Jeová mencionados nas Escrituras Hebraicas que foram assassinados: desde Abel, que aparece no primeiro livro (Gén 4:8), até Zacarias, mencionado em 2Cr 24:20. Crónicas é o último livro do cânon tradicional judaico. Portanto, quando Jesus disse ‘desde Abel até Zacarias’, ele estava a dizer “do primeiro até ao último caso”.

filho de Baraquias: De acordo com 2Cr 24:20, o nome do pai de Zacarias era “Jeoiada”, não “Baraquias”. Alguns sugerem que o pai de Zacarias talvez tivesse dois nomes, como acontece no caso de outras personagens da Bíblia (compare Mt 9:9 com Mr 2:14), ou que Baraquias fosse avô ou outro antepassado de Zacarias.

a quem vocês assassinaram: Não foram aqueles líderes religiosos que mataram Zacarias, mas Jesus considerou-os culpados porque eles tinham o mesmo espírito assassino que os seus antepassados. — Ap 18:24.

entre o santuário e o altar: De acordo com 2Cr 24:21, Zacarias foi assassinado “no pátio da casa de Jeová”. O altar da oferta queimada ficava no pátio interno, em frente à entrada do santuário. (Veja o Apêndice B8.) Portanto, o que Jesus disse estava de acordo com o relato em 2Cr 24:21.

Garanto-vos: Ou: “Digo-vos a verdade.” Em grego, esta frase inclui a palavra amén. É uma transliteração da palavra hebraica ʼamén, que significa “assim seja” ou “com certeza”. Jesus usava muitas vezes essa palavra antes de fazer uma declaração importante, promessa ou profecia. Era uma forma de enfatizar que as suas palavras iam cumprir-se com certeza e que os seus ouvintes podiam confiar nelas. Alguns estudiosos afirmam que não há ninguém que use a palavra amén como Jesus, nem na Bíblia nem em outros livros sagrados. Quando a palavra aparece repetida (amén amén), como acontece várias vezes no Evangelho de João, a expressão é traduzida como “com toda a certeza”. — Veja a nota de estudo em Jo 1:51.

Garanto-vos: Veja a nota de estudo em Mt 5:18.

Jerusalém, Jerusalém: Jesus fez a declaração sobre Jerusalém que aparece neste versículo no dia 11 de nisã, durante a última semana do seu ministério. De acordo com Lu 13:34, Jesus tinha feito uma declaração muito parecida algum tempo antes, enquanto estava na Pereia. — Veja o Apêndice A7-G.

casa: Ou seja, o templo.

ficará abandonada: Alguns manuscritos muito antigos acrescentam a palavra “deserta”. Por isso, o texto também poderia ser traduzido “será deixada deserta”.

Jeová: Esta é uma citação direta do Sal 118:26. No texto hebraico original desse salmo, aparecem as quatro letras hebraicas que formam o nome de Deus (que equivalem a YHWH). — Veja o Apêndice C1.

Multimédia

Caixinha com textos, ou filactério
Caixinha com textos, ou filactério

O filactério é um pequeno estojo de couro onde se guardam tiras de pergaminho em que estão escritas quatro passagens das Escrituras: Êx 13:1-10, 11-16; De 6:4-9 e 11:13-21. Algum tempo depois de os judeus voltarem do exílio em Babilónia, surgiu o costume de os homens usarem, na testa ou no braço, essas caixinhas com textos durante a oração da manhã, exceto nos dias de festividade e no sábado. A fotografia mostra um filactério datado do primeiro século EC que foi encontrado numa das cavernas de Qumran. O desenho mostra como esse filactério talvez fosse quando era novo.

Sinagoga do primeiro século EC
Sinagoga do primeiro século EC

Esta representação inclui alguns detalhes de uma sinagoga do primeiro século EC encontrada em Gamla, cerca de 10 quilómetros a nordeste do mar da Galileia. Ela dá uma ideia de como era uma sinagoga antiga.

Primeiros assentos na sinagoga
Primeiros assentos na sinagoga

Esta animação baseia-se, em parte, nas ruínas de uma sinagoga do primeiro século EC em Gamla, cidade localizada cerca de 10 quilómetros a nordeste do mar da Galileia. Nenhuma sinagoga do primeiro século EC permaneceu intacta até aos dias de hoje. Por isso, não é possível confirmar os detalhes com exatidão. Mas esta representação inclui alguns detalhes que, provavelmente, faziam parte de muitas sinagogas daquela época.

1. Os primeiros (ou melhores) assentos da sinagoga talvez ficassem na plataforma do orador ou perto dela.

2. Plataforma de onde se liam as Escrituras. O local da plataforma talvez variasse de uma sinagoga para a outra.

3. Os assentos ao longo das paredes talvez fossem para pessoas de destaque na comunidade. Outras pessoas talvez se sentassem em esteiras no chão. Parece que a sinagoga em Gamla tinha quatro degraus de assentos ao longo das paredes.

4. Na parede do fundo, talvez ficasse a arca ou o armário onde eram guardados os rolos sagrados.

A organização dos lugares na sinagoga era um lembrete constante de que algumas pessoas eram consideradas mais importantes do que outras. Os discípulos de Jesus discutiram várias vezes sobre quem tinha mais destaque entre eles. — Mt 18:1-4; 20:20, 21; Mr 9:33, 34; Lu 9:46-48.

Lugares mais destacados nos banquetes
Lugares mais destacados nos banquetes

No primeiro século EC, as pessoas costumavam recostar-se à mesa para comer. Apoiavam o cotovelo esquerdo numa almofada e comiam com a mão direita. De acordo com o costume greco-romano, a sala de jantar geralmente tinha três divãs à volta de uma mesa baixa. Os romanos chamavam a esse tipo de sala de jantar triclinium. (Esta palavra latina vem de uma palavra grega que significa “sala com três divãs”.) Era comum três pessoas recostarem-se em cada divã, o que dava um total de nove pessoas. Mas, com o tempo, começaram a ser usados divãs maiores para acomodar mais de três pessoas. Segundo a tradição, cada posição na sala de jantar tinha um nível de honra diferente. Um dos divãs era o menos honroso (A), um tinha um nível de honra intermédio (B) e um era o mais honroso (C). As posições em cada divã também tinham níveis diferentes de importância. Cada pessoa era considerada mais importante do que quem estava à sua direita e menos importante do que quem estava à sua esquerda. Num banquete formal, o anfitrião costumava recostar-se no divã menos honroso, na primeira posição (1). Nesse caso, a posição mais importante de todas (2) ficava no divã do meio, à esquerda do anfitrião. Não se sabe exatamente até que ponto os judeus adotaram este costume, mas parece que Jesus estava a referir-se a ele quando ensinou aos seus seguidores que eles precisavam de ser humildes.

Vale de Hinom (Geena)
Vale de Hinom (Geena)

O vale de Hinom, chamado Geena em grego, é um vale profundo e estreito que se estendia do sul ao sudoeste da Jerusalém antiga. Na época de Jesus, esse local era usado para queimar lixo. Por isso, servia bem para simbolizar a destruição total.

Vale de Hinom hoje
Vale de Hinom hoje

Esta fotografia mostra o vale de Hinom (1), chamado Geena nas Escrituras Gregas Cristãs, e o Monte do Templo (2). O conjunto de edifícios do templo judaico do primeiro século EC ficava neste monte. Hoje em dia, a construção que se destaca no Monte do Templo é o santuário muçulmano chamado Cúpula da Rocha. — Veja o mapa no Apêndice B12-A.

Hortelã, endro e cominho
Hortelã, endro e cominho

Desde os tempos antigos, a hortelã tem sido usada para fins medicinais e como tempero. A palavra grega hedýosmon, traduzida como “hortelã”, significa literalmente “de cheiro agradável (doce)”. Provavelmente, incluía os diversos tipos de hortelã encontrados em Israel e na Síria, como a hortelã-silvestre (Mentha longifolia). O endro (Anethum graveolens) é cultivado por causa das suas sementes aromáticas, que são muito apreciadas como tempero e como remédio para tratar problemas de estômago. O cominho (Cuminum cyminum) é da família da cenoura e da salsa e é mais conhecido pelas suas sementes de aroma intenso. É usado no Médio Oriente e em outras regiões como especiaria para dar sabor e aroma a pães, bolos, estufados e até bebidas alcoólicas.

Camelo
Camelo

Na época de Jesus, o camelo era o maior animal domesticado da região. Acredita-se que o camelo mencionado na Bíblia seja o camelo-árabe, ou dromedário (Camelus dromedarius), que só tem uma bossa. A Bíblia menciona o camelo pela primeira vez quando relata que Abraão morou durante algum tempo no Egito. Ali, ele comprou vários desses animais de carga. — Gén 12:16.

Víbora-cornuda
Víbora-cornuda

Tanto João Batista como Jesus chamaram aos escribas e fariseus “descendência de víboras”, porque os seus ensinos falsos eram como veneno para as pessoas que acreditassem neles. (Mt 3:7; 12:34) Esta fotografia é de uma víbora-cornuda, que tem um pequeno corno, ou chifre, por cima de cada olho. Outras espécies perigosas de víboras nativas de Israel são a amódita (Vipera ammodytes) do vale do Jordão e a víbora palestina (Vipera palaestina).

Açoite
Açoite

O instrumento mais terrível usado para açoitar era conhecido como flagellum. Era um tipo de chicote com vários cordões ou tiras de couro amarradas a um cabo. Nas tiras havia pedaços pontiagudos de osso ou de metal, para que os golpes magoassem mais.

Galinha ajunta os seus pintainhos
Galinha ajunta os seus pintainhos

Para mostrar a sua preocupação com o povo de Jerusalém, Jesus usou uma comparação tocante: uma galinha a proteger os seus pintainhos debaixo das suas asas. Noutra ocasião, Jesus falou sobre um filho pedir um ovo ao pai. (Lu 11:11, 12) Isso indica que era comum criar galinhas em Israel no primeiro século EC. A palavra grega órnis, usada em Mt 23:37 e Lu 13:34 pode referir-se a qualquer ave, selvagem ou domesticada. Mas entende-se que neste contexto órnis se refere a uma galinha, que das aves domésticas é a mais comum e mais útil.