As Boas Novas Segundo Marcos 13:1-37

13  Quando ele estava a sair do templo, um dos seus discípulos disse-lhe: “Instrutor, vê que pedras e que edifícios maravilhosos!”+  No entanto, Jesus disse-lhe: “Vês estes grandes edifícios? De modo algum ficará aqui pedra sobre pedra sem ser derrubada.”+  Quando ele estava sentado no monte das Oliveiras, com o templo à vista, Pedro, Tiago, João e André perguntaram-lhe em particular:  “Diz-nos: Quando é que acontecerão estas coisas e qual será o sinal de que todas estas coisas estão prestes a chegar a um fim?”+  Assim, Jesus começou a dizer-lhes: “Tenham cuidado para que ninguém vos engane.+  Muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu’, e enganarão muitos.  Além disso, quando ouvirem falar de guerras e notícias de guerras, não fiquem apavorados. Estas coisas têm de acontecer, mas ainda não é o fim.+  “Porque nação se levantará contra nação e reino contra reino;+ haverá terramotos num lugar após outro; também haverá falta de alimentos.+ Estas coisas são um começo das dores de aflição.+  “Quanto a vocês, tomem cuidado. As pessoas irão entregar-vos aos tribunais locais,+ e serão espancados nas sinagogas,+ e serão postos diante de governadores e reis, por minha causa, para lhes darem testemunho.+ 10  Também, em todas as nações, as boas novas têm de ser pregadas primeiro.+ 11  E, quando vos levarem para vos entregar, não fiquem preocupados* com o que dizer, mas digam o que vos for dado nessa hora. Pois quem fala não são vocês, mas é o espírito santo.+ 12  Além disso, irmão entregará irmão à morte, e o pai entregará o filho, e os filhos irão levantar-se contra os pais e farão com que sejam mortos.+ 13  E vocês serão odiados por todos, por causa do meu nome.+ Mas quem perseverar+ até ao fim+ será salvo.+ 14  “No entanto, quando virem a coisa repugnante que causa desolação+ estar* num lugar onde não devia (que o leitor use de discernimento), então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes.+ 15  O homem que estiver no terraço não desça, nem entre para tirar algo da sua casa,+ 16  e o homem que estiver no campo não volte ao que deixou atrás, para apanhar a sua capa. 17  Ai das mulheres grávidas e das que amamentarem nesses dias!+ 18  Persistam em orar para que isso não ocorra no inverno; 19  pois esses dias serão dias de tribulação,+ como nunca ocorreu desde o princípio da criação, que Deus criou, até agora,* nem ocorrerá de novo.+ 20  De facto, se Jeová não tivesse abreviado os dias, ninguém seria salvo. Mas, por causa dos escolhidos, que ele escolheu, abreviou os dias.+ 21  “Então, também, se alguém vos disser: ‘Vejam! Aqui está o Cristo!’ ou ‘Vejam! Ali está ele!’, não acreditem.+ 22  Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas,+ e farão sinais e milagres a fim de desencaminhar, se possível, os escolhidos. 23  Portanto, sejam vigilantes.+ Eu disse-vos tudo antecipadamente. 24  “Mas, nesses dias, depois dessa tribulação, o sol escurecerá, a lua não dará a sua luz,+ 25  as estrelas cairão do céu, e os poderes que estão nos céus serão abalados. 26  E, então, verão o Filho do Homem+ vir nas nuvens, com grande poder e glória.+ 27  E então ele enviará os anjos e reunirá os seus escolhidos desde os quatro ventos, desde a extremidade da terra até à extremidade do céu.+ 28  “Aprendam desta ilustração sobre a figueira: assim que os ramos novos ficam tenros e brotam folhas, vocês sabem que o verão está próximo.+ 29  Do mesmo modo, quando virem estas coisas a acontecer, saibam que ele está próximo, às portas.+ 30  Eu garanto-vos que esta geração de modo algum passará até que todas estas coisas aconteçam.+ 31  O céu e a terra passarão,+ mas as minhas palavras de modo algum passarão.+ 32  “A respeito desse dia ou dessa hora ninguém sabe, nem os anjos no céu, nem o Filho, mas somente o Pai.+ 33  Sejam vigilantes, mantenham-se despertos,+ pois não sabem quando é o tempo determinado.+ 34  É semelhante a um homem que, ao viajar para fora, deixou a sua casa e deu autoridade aos seus escravos,+ a cada um o seu trabalho, e ordenou ao porteiro que se mantivesse vigilante.+ 35  Portanto, mantenham-se vigilantes, pois não sabem quando é que virá o senhor da casa,+ quer tarde no dia, quer à meia-noite, quer antes do amanhecer, quer de manhã cedo,+ 36  a fim de que, quando ele vier de repente, não vos encontre a dormir.+ 37  Contudo, o que eu vos digo, digo a todos: Mantenham-se vigilantes.”+

Notas de rodapé

Ou: “ansiosos antecipadamente”.
Ou: “estar de pé”.
Ou: “até esse tempo”.

Notas de estudo

De modo algum ficará aqui pedra sobre pedra: A profecia de Jesus cumpriu-se de modo impressionante em 70 EC, quando os exércitos de Roma destruíram Jerusalém e o templo. Eles derrubaram tudo o que havia na cidade, e restaram apenas algumas partes da muralha.

De modo algum ficará aqui pedra sobre pedra: Veja a nota de estudo em Mt 24:2.

com o templo à vista: Ou: “de frente para o templo”. Marcos explica que do monte das Oliveiras era possível ver o templo, uma informação que para a maioria dos judeus seria desnecessária. — Veja a “Introdução a Marcos”.

fim: Ou: “fim completo”. A palavra grega usada aqui (télos) é diferente do substantivo grego syntéleia, traduzido como “final” em Mt 24:3, e do verbo grego synteléo, traduzido como “chegar a um fim” em Mr 13:4. — Veja as notas de estudo em Mt 24:3; Mr 13:4 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

fim: Ou: “fim completo; fim definitivo”. — Veja a nota de estudo em Mr 13:7.

chegar a um fim: Esta expressão traduz o verbo grego synteléo. O substantivo grego relacionado, syntéleia, significa “fim conjunto; fim combinado; término simultâneo” e é usado no relato paralelo de Mt 24:3. (A palavra grega syntéleia também aparece em Mt 13:39, 40, 49; 28:20 e He 9:26.) Esse “fim” refere-se a um período de tempo em que uma combinação de acontecimentos levaria ao “fim” completo (em grego, télos) mencionado em Mr 13:7, 13. — Veja as notas de estudo em Mr 13:7, 13 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

Sou eu: Ou seja, sou o Cristo, ou Messias. — Compare com o relato paralelo em Mt 24:5.

final: Ou: “conclusão”. Tradução da palavra grega syntéleia, que significa “fim conjunto; fim combinado; término simultâneo”. (Mt 13:39, 40, 49; 28:20; He 9:26) Esta palavra refere-se a um período de tempo em que vários eventos aconteceriam juntos, levando ao “fim” completo (em grego, télos) mencionado em Mt 24:6, 14. — Veja as notas de estudo em Mt 24:614 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

chegar a um fim: Esta expressão traduz o verbo grego synteléo. O substantivo grego relacionado, syntéleia, significa “fim conjunto; fim combinado; término simultâneo” e é usado no relato paralelo de Mt 24:3. (A palavra grega syntéleia também aparece em Mt 13:39, 40, 49; 28:20 e He 9:26.) Esse “fim” refere-se a um período de tempo em que uma combinação de acontecimentos levaria ao “fim” completo (em grego, télos) mencionado em Mr 13:7, 13. — Veja as notas de estudo em Mr 13:7, 13 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

fim: Ou: “fim completo”. A palavra grega usada aqui (télos) é diferente do substantivo grego syntéleia, traduzido como “final” em Mt 24:3, e do verbo grego synteléo, traduzido como “chegar a um fim” em Mr 13:4. — Veja as notas de estudo em Mt 24:3; Mr 13:4 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

todas as nações: Esta expressão, que mostra o alcance que a obra de pregação teria, deixou claro aos discípulos que eles pregariam a outros além dos judeus. Em sentido geral, a palavra grega para “nação” (éthnos) refere-se a um grupo de pessoas que tem algum parentesco de sangue e que fala a mesma língua. As pessoas que formam uma nação ou grupo étnico, geralmente, moram num território geográfico definido.

se levantará: Ou: “despertará; será instigada”. A palavra grega usada aqui transmite a ideia de “ir contra com hostilidade” e poderia ser traduzida também como “pegar em armas” ou “ir à guerra”.

nação: A palavra grega usada aqui, éthnos, é muito abrangente. Pode referir-se a pessoas que vivem numa região com limites políticos ou geográficos definidos, como um país, mas também se pode referir a um grupo étnico. — Veja a nota de estudo em Mr 13:10.

se levantará: Veja a nota de estudo em Mt 24:7.

dores de aflição: A palavra grega usada aqui refere-se literalmente às fortes dores que uma mulher sente quando está em trabalho de parto. Neste versículo, é usada de modo mais abrangente para se referir a sofrimento, dor e aflição em sentido geral. Mas o uso dessa palavra aqui talvez indique que, assim como acontece no caso das dores de parto, os problemas e o sofrimento vão aumentar em frequência, intensidade e duração antes dos “dias de tribulação” mencionados em Mr 13:19.

Supremo Tribunal: Refere-se ao Sinédrio inteiro – o tribunal em Jerusalém formado pelo sumo sacerdote e por 70 anciãos e escribas. Para os judeus, as decisões do Sinédrio eram definitivas. — Veja o Glossário, “Sinédrio”.

Sinédrio: Ou seja, o supremo tribunal judaico em Jerusalém. A palavra grega traduzida como “Sinédrio” (synédrion) significa literalmente “sentar-se com”. Embora fosse uma palavra genérica para uma assembleia ou reunião, em Israel, podia referir-se a um tribunal religioso. — Veja a nota de estudo em Mt 5:22 e o Glossário; veja a possível localização do Sinédrio no Apêndice B12-A.

tribunais locais: Na língua original, este versículo usa o plural da palavra synédrion. Nas Escrituras Gregas Cristãs, essa palavra, geralmente, refere-se ao Sinédrio, o supremo tribunal judaico em Jerusalém. (Veja o Glossário, “Sinédrio”, e as notas de estudo em Mt 5:22; 26:59.) No entanto, synédrion também era uma palavra genérica para uma assembleia ou reunião. Aqui, essa palavra refere-se aos tribunais locais que funcionavam nas sinagogas. Esses tribunais tinham a autoridade de aplicar punições como açoitamento e excomunhão (expulsar alguém de uma comunidade religiosa). — Mt 10:17; 23:34; Lu 21:12; Jo 9:22; 12:42; 16:2.

estas boas novas: A palavra grega euaggélion é formada por duas palavras: eu, que significa “bom; bem”, e aggélos, que significa “alguém que traz notícias; alguém que proclama (anuncia)”. (Veja o Glossário.) Em algumas Bíblias em português, essa palavra é traduzida como “evangelho”. Uma palavra relacionada, “evangelizador” (em grego, euaggelistés), significa “proclamador de boas novas (boas notícias)”. — At 21:8; notas de rodapé em Ef 4:11 e 2Ti 4:5.

todas as nações: Esta expressão, que mostra o alcance que a obra de pregação teria, deixou claro aos discípulos que eles pregariam a outros além dos judeus. Em sentido geral, a palavra grega para “nação” (éthnos) refere-se a um grupo de pessoas que tem algum parentesco de sangue e que fala a mesma língua. As pessoas que formam uma nação ou grupo étnico, geralmente, moram num território geográfico definido.

as boas novas: Veja a nota de estudo em Mt 24:14.

vos levarem: O verbo grego ágo é usado aqui como termo jurídico com o sentido de “prender; deter” e pode indicar o uso de força.

fim: Ou: “fim completo”. A palavra grega usada aqui (télos) é diferente do substantivo grego syntéleia, traduzido como “final” em Mt 24:3, e do verbo grego synteléo, traduzido como “chegar a um fim” em Mr 13:4. — Veja as notas de estudo em Mt 24:3; Mr 13:4 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

perseverar: Ou: “persevera”. O verbo grego traduzido como “perseverar” (hypoméno) significa literalmente “permanecer (ficar) em baixo”. Muitas vezes, é usado no sentido de “ficar em vez de fugir; manter-se firme; resistir; continuar decidido”. (Mt 10:22; Ro 12:12; He 10:32; Tg 5:11) Neste contexto, “perseverar” significa continuar a agir como discípulo de Cristo apesar de oposição ou dificuldades. — Mr 13:11-13.

fim: Ou: “fim completo; fim definitivo”. — Veja a nota de estudo em Mr 13:7.

Judeia: Ou seja, a província romana da Judeia.

para os montes: De acordo com o historiador Eusébio, que viveu no quarto século EC, os cristãos da Judeia e de Jerusalém cruzaram o rio Jordão e fugiram para Pela, uma cidade que ficava numa região montanhosa em Decápolis.

Judeia: Veja a nota de estudo em Mt 24:16.

para os montes: Veja a nota de estudo em Mt 24:16.

no terraço: As casas tinham um terraço que podia ser usado para várias coisas, como por exemplo, armazenar materiais (Jos 2:6), descansar (2Sa 11:2), dormir (1Sa 9:26) e celebrar as festividades religiosas (Ne 8:16-18). É por isso que a Lei mosaica exigia que os terraços tivessem um parapeito. (De 22:8) Normalmente, os terraços tinham uma escada exterior que permitia descer diretamente para a rua, sem ser preciso passar por dentro da casa. Isso ajuda a entender o que Jesus estava a dizer: os seus discípulos precisariam de fugir com a máxima urgência.

no terraço: Veja a nota de estudo em Mt 24:17.

no inverno: Nessa estação do ano ocorriam chuvas fortes e inundações, e fazia muito frio. Isso tornava mais difícil viajar e encontrar alimento e abrigo. — Esd 10:9, 13.

no inverno: Veja a nota de estudo em Mt 24:20.

se Jeová não tivesse abreviado os dias: Jesus estava a explicar aos seus discípulos o que o seu Pai faria durante a grande tribulação. Esta profecia de Jesus é parecida com profecias das Escrituras Hebraicas em que o nome de Deus aparece. (Is 1:9; 65:8; Je 46:28 [26:28, Septuaginta]; Am 9:8) A maioria dos manuscritos gregos usa aqui a palavra Kýrios (Senhor), mas há bons motivos para acreditar que o nome de Deus aparecia no texto original e foi, mais tarde, substituído pelo título “Senhor”. Assim, o nome “Jeová” é usado aqui no texto principal. — Veja o Apêndice C1 e o Apêndice C3 (introdução e Mr 13:20).

o Cristo: Em grego, ho Khristós, título que equivale a “o Messias” (do hebraico mashíahh). Tanto “Cristo” como “Messias” significam “ungido”. O historiador judeu Josefo escreveu que, no primeiro século EC, surgiram homens que afirmavam ser profetas ou libertadores e prometiam acabar com a opressão do Império Romano. Os seguidores desses homens talvez os encarassem como Messias políticos, ou seja, pessoas escolhidas por Deus para trazer liberdade política.

Sou eu: Ou seja, sou o Cristo, ou Messias. — Compare com o relato paralelo em Mt 24:5.

falsos cristos: Ou: “falsos messias”. A palavra grega pseudókhristos só aparece aqui e no relato paralelo em Mt 24:24. Essa palavra refere-se a qualquer pessoa que diz ser o Cristo, ou o Messias (lit.: “ungido”), mas, na verdade, não é. — Veja as notas de estudo em Mt 24:5; Mr 13:6.

verão: O verbo grego traduzido como “ver” pode significar literalmente “ver um objeto; olhar; observar”, mas também pode ser usado como uma metáfora com o sentido de “ver com a mente”, ou seja, “entender; perceber”. — Ef 1:18.

Filho do Homem: Ou: “Filho de um Humano”. Esta expressão aparece cerca de 80 vezes nos Evangelhos, e Jesus usava-a para se referir a ele próprio. Pelos vistos, ele queria destacar que era realmente um humano, nascido de uma mulher, e que era um equivalente perfeito de Adão. Assim, ele poderia dar a sua vida para livrar a humanidade do pecado e da morte. (Ro 5:12, 14, 15) A expressão também mostrava que Jesus era o Messias, ou o Cristo. — Da 7:13, 14; veja o Glossário.

verão: Veja a nota de estudo em Mt 24:30.

Filho do Homem: Veja a nota de estudo em Mt 8:20.

nas nuvens: As nuvens, normalmente, dificultam a visão em vez de a facilitar, mas os observadores ‘veriam’ em sentido figurado, ou seja, entenderiam o significado dos acontecimentos. — At 1:9.

os quatro ventos: Expressão idiomática que se refere aos quatro pontos cardeais (norte, sul, este e oeste) e quer dizer “todas as direções; todos os lugares”. — Je 49:36; Ez 37:9; Da 8:8.

os quatro ventos: Veja a nota de estudo em Mt 24:31.

ilustração: Ou: “parábola; lição”. — Veja a nota de estudo em Mt 13:3.

ilustração: Veja a nota de estudo em Mt 24:32.

ele: Ou seja, o Filho do Homem.

O céu e a terra passarão: Outros textos bíblicos mostram que o céu e a terra literais vão durar para sempre. (Gén 9:16; Sal 104:5; Ec 1:4) Por isso, estas palavras de Jesus podem ser entendidas como uma hipérbole. Mesmo que acontecesse o impossível (o céu e a terra realmente passassem, ou deixassem de existir), ainda assim as palavras dele iriam cumprir-se. (Compare com Mt 5:18.) Mas é bem possível que o céu e a terra mencionados aqui se refiram ao céu e à terra simbólicos, chamados “o céu anterior e a terra anterior” em Ap 21:1.

as minhas palavras de modo algum passarão: Ou: “as minhas palavras com certeza não passarão”. Aqui, o texto grego usa juntamente com o verbo duas palavras que significam “não”. Isso é feito para negar algo de modo enfático. Essa construção mostra claramente que as palavras de Jesus se cumpririam com certeza. Alguns manuscritos gregos usam apenas uma das palavras que significa “não”, mas a maioria dos manuscritos mais antigos e mais confiáveis apoia a opção mais enfática.

porteiro: Nos tempos antigos, porteiros tomavam conta das entradas das cidades, dos templos e de algumas casas. Além de se certificarem de que as portas e os portões estivessem fechados à noite, eles também trabalhavam como vigias. (2Sa 18:24, 26; 2Rs 7:10, 11; Est 2:21-23; 6:2; Jo 18:16) Jesus comparou o cristão ao porteiro de uma casa para mostrar que os cristãos precisam de ficar alertas e de se manter vigilantes, aguardando a vinda dele como Juiz. — Mr 13:26.

mantenham-se vigilantes: A palavra grega usada aqui tem o sentido básico de “ficar (continuar) acordado”, mas, em muitos contextos, quer dizer “ficar alerta; estar atento”. Mateus usa esta palavra em Mt 24:43; 25:13 e 26:38, 40, 41. Em Mt 24:44, ele relaciona essa atitude vigilante com a necessidade de estar “prontos”. — Veja a nota de estudo em Mt 26:38.

mantenham-se vigilantes: Lit.: “fiquem acordados”. Jesus já tinha avisado os seus discípulos de que era importante continuarem espiritualmente acordados, pois não sabiam em que dia e hora ele viria. (Veja as notas de estudo em Mt 24:42; 25:13.) Ele repete esse aviso aqui neste versículo e em Mt 26:41, onde diz que é importante perseverar em oração para continuar espiritualmente acordado. Outros livros das Escrituras Gregas Cristãs contêm avisos parecidos, mostrando que continuar espiritualmente desperto é vital para os verdadeiros cristãos. — 1Co 16:13; Col 4:2; 1Te 5:6; 1Pe 5:8; Ap 16:15.

mantenham-se vigilantes: Lit.: “fiquem acordados”. Jesus já tinha avisado os seus discípulos da importância de continuarem espiritualmente acordados, pois não sabiam em que dia e hora ele viria. (Veja as notas de estudo em Mt 24:42; 25:13; Mr 13:35.) Ele repete esse aviso aqui e em Mr 14:38, onde diz que, para se conseguir continuar espiritualmente acordado, é importante perseverar em oração. Outros livros das Escrituras Gregas Cristãs contêm avisos parecidos, mostrando que é essencial que os cristãos verdadeiros continuem espiritualmente acordados. — 1Co 16:13; Col 4:2; 1Te 5:6; 1Pe 5:8; Ap 16:15.

quarta vigília: Ou seja, de cerca das 3 horas da madrugada até ao nascer do sol, por volta das 6 horas da manhã. Essa divisão da noite é baseada no sistema de vigílias dos gregos e romanos, em que os vigias se revezavam em quatro turnos de cerca de três horas. Antes, os israelitas dividiam a noite em três vigílias, ou turnos, de cerca de quatro horas. (Êx 14:24; Jz 7:19) Mas, na época de Jesus, eles já usavam o sistema romano.

antes de o galo cantar: Os quatro Evangelhos mencionam esta declaração de Jesus, mas o Evangelho de Marcos é o único que acrescenta o detalhe de que o galo cantaria duas vezes. (Mt 26:74, 75; Mr 14:30, 72; Lu 22:34, 60, 61; Jo 13:38; 18:27) A Mishná indica que, nos dias de Jesus, as pessoas criavam galos em Jerusalém, e isso apoia o relato da Bíblia. É provável que o galo tenha cantado bem cedo de manhã.

antes de o galo cantar: Os quatro Evangelhos mencionam esta declaração de Jesus, mas o relato de Marcos é o único que acrescenta o detalhe de que o galo cantaria duas vezes. (Mt 26:34, 74, 75; Mr 14:72; Lu 22:34, 60, 61; Jo 13:38; 18:27) A Mishná indica que, nos dias de Jesus, as pessoas criavam galos em Jerusalém, o que apoia o relato da Bíblia. É provável que o galo tenha cantado ainda de madrugada. — Veja a nota de estudo em Mr 13:35.

um galo cantou: Os quatro Evangelhos mencionam este acontecimento, mas o Evangelho de Marcos é o único que acrescenta o detalhe de que o galo cantou pela segunda vez. (Mt 26:34, 74, 75; Mr 14:30; Lu 22:34, 60, 61; Jo 13:38; 18:27) A Mishná indica que, nos dias de Jesus, as pessoas criavam galos em Jerusalém, o que apoia o relato da Bíblia. É provável que o galo tenha cantado antes do amanhecer. — Veja a nota de estudo em Mr 13:35.

mantenham-se vigilantes: A palavra grega usada aqui tem o sentido básico de “ficar (continuar) acordado”, mas em muitos contextos quer dizer “ficar alerta; estar atento”. Marcos também usa esta palavra em Mr 13:34, 37 e 14:34, 37, 38. — Veja as notas de estudo em Mt 24:42; 26:38; Mr 14:34.

tarde no dia: Este versículo faz referência às quatro vigílias, ou turnos, em que a noite era dividida pelos gregos e romanos. Eles dividiam o período que ia das 6 horas da tarde até às 6 horas da manhã em quatro vigílias, cada uma com cerca de três horas. (Veja também as próximas notas de estudo neste versículo.) Antes, os israelitas dividiam a noite em três vigílias de cerca de quatro horas (Êx 14:24; Jz 7:19), mas, na época de Jesus, já usavam o sistema romano. A expressão “tarde no dia” refere-se à primeira das quatro vigílias da noite, ou seja, do pôr do sol até cerca das 9 horas da noite. — Veja a nota de estudo em Mt 14:25.

à meia-noite: Esta expressão refere-se à segunda vigília da noite (de acordo com o sistema de vigílias dos gregos e dos romanos), ou seja, de cerca das 9 horas da noite até à meia-noite. — Veja a nota de estudo em tarde no dia neste versículo.

antes do amanhecer: Lit.: “quando o galo canta”. De acordo com o sistema de vigílias dos gregos e dos romanos, este era o nome da terceira vigília da noite. Refere-se ao período da meia-noite até cerca das 3 horas da madrugada. (Veja as notas de estudo anteriores neste versículo.) Provavelmente, foi nessa vigília da noite que “um galo cantou”. (Mr 14:72) Em geral, concorda-se que o canto do galo há muito tempo é usado nas terras a leste do mar Mediterrâneo como referência de tempo. — Veja as notas de estudo em Mt 26:34; Mr 14:30, 72.

de manhã cedo: Esta expressão refere-se à quarta vigília da noite (de acordo com o sistema de vigílias dos gregos e dos romanos), ou seja, de cerca das 3 horas da madrugada até ao nascer do sol. — Veja as outras notas de estudo neste versículo.

Multimédia

Pedras do Monte do Templo
Pedras do Monte do Templo

Acredita-se que estas pedras, encontradas na parte sul do Muralha Ocidental, fizessem parte do conjunto de edifícios que ficava no Monte do Templo no primeiro século EC. Servem de amarga lembrança da destruição de Jerusalém e do templo pelos romanos.

Monte das Oliveiras
Monte das Oliveiras

O monte das Oliveiras (1) é uma cadeia de colinas arredondadas de calcário, a leste de Jerusalém. O vale do Cédron fica entre essas colinas e Jerusalém. Uma dessas colinas, de aproximadamente 812 metros de altitude, fica de frente para o Monte do Templo (2). Quando a Bíblia menciona o monte das Oliveiras, geralmente, refere-se a essa colina. Foi no monte das Oliveiras que Jesus explicou o sinal da sua presença aos seus discípulos.