As Boas Novas Segundo Lucas 21:1-38

21  Ao levantar os olhos, ele viu os ricos a porem as suas dádivas nos cofres do tesouro.+  Viu também uma viúva necessitada pôr neles duas pequenas moedas de pouquíssimo valor+  e disse: “Digo-vos a verdade: Esta viúva pobre pôs nos cofres do tesouro mais do que todos eles.+  Pois todos eles puseram dádivas* do que lhes sobrava, mas ela, da sua carência,* pôs tudo o que tinha para viver.”+  Mais tarde, quando alguns falavam sobre o templo, sobre como estava decorado com belas pedras e com dádivas oferecidas a Deus,*+  ele disse: “Quanto a estas coisas que estão a ver, virão os dias em que não ficará pedra sobre pedra sem ser derrubada.”+  Perguntaram-lhe então: “Instrutor, quando é que acontecerão realmente estas coisas e qual será o sinal de que estas coisas estão prestes a ocorrer?”+  Ele disse: “Tenham cuidado para não serem enganados,+ pois muitos virão em meu nome, dizendo: ‘Sou eu’, e: ‘Está próximo o tempo devido.’ Não vão atrás deles.+  Além disso, quando ouvirem falar de guerras e tumultos,* não fiquem apavorados. Pois estas coisas têm de acontecer primeiro, mas o fim não ocorrerá imediatamente.”+ 10  Então, disse-lhes: “Nação irá levantar-se contra nação+ e reino contra reino.+ 11  Haverá grandes terramotos e, num lugar após outro, falta de alimentos e pestilências;+ e as pessoas verão coisas atemorizantes e grandes sinais do céu. 12  “Mas, antes que tudo isto aconteça, vocês serão presos e perseguidos,+ serão entregues às sinagogas e às prisões, e serão levados diante de reis e governadores por causa do meu nome.+ 13  Isto resultará numa oportunidade para darem testemunho. 14  Portanto, resolvam no coração não ensaiar antecipadamente como fazer a vossa defesa,+ 15  porque eu vos darei palavras e sabedoria, às quais todos os vossos opositores juntos não poderão resistir, nem contestar.+ 16  Além disso, vocês serão entregues* até mesmo por pais, irmãos, parentes e amigos, e eles entregarão alguns de vocês à morte,+ 17  e vocês serão odiados por todos, por causa do meu nome.+ 18  Mas nem um único fio de cabelo da vossa cabeça se perderá.+ 19  Pela vossa perseverança, preservarão a vossa vida.+ 20  “No entanto, quando virem Jerusalém cercada por exércitos acampados,+ então, saibam que está próxima a sua destruição.+ 21  Então, os que estiverem na Judeia fujam para os montes,+ os que estiverem no meio dela saiam, e os que estiverem nos campos não entrem nela, 22  porque esses serão dias para se executar a justiça, a fim de que se cumpram todas as coisas escritas. 23  Ai das mulheres grávidas e das que amamentarem nesses dias!+ Porque haverá grande aflição nesta terra e ira contra este povo. 24  E eles cairão pelo fio da espada e serão levados cativos para todas as nações;+ e Jerusalém será pisada pelas nações até se cumprirem os tempos determinados das nações.+ 25  “Além disso, haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas;+ e, na terra, angústia de nações, que não saberão o que fazer por causa do rugido do mar e da sua agitação. 26  Pessoas desfalecerão de medo, na expectativa das coisas que vêm sobre a terra habitada, pois os poderes dos céus serão abalados.+ 27  E, então, verão o Filho do Homem+ vir numa nuvem, com poder e grande glória.+ 28  Contudo, quando estas coisas começarem a ocorrer, ponham-se de pé e levantem a cabeça, porque o vosso livramento se aproxima.” 29  Com isso, contou-lhes uma ilustração: “Reparem na figueira e em todas as outras árvores.+ 30  Quando começam a brotar, vocês veem-nas e sabem que o verão já está próximo. 31  Do mesmo modo, quando virem estas coisas a acontecer, saibam que o Reino de Deus está próximo. 32  Eu garanto-vos que esta geração de modo algum passará até que todas as coisas aconteçam.+ 33  O céu e a terra passarão, mas as minhas palavras de modo algum passarão.+ 34  “Tenham cuidado para que o vosso coração nunca fique sobrecarregado com o excesso no comer e no beber+ e com as ansiedades da vida,*+ e, de repente, esse dia vos apanhe de surpresa, 35  como uma armadilha.+ Pois ele virá sobre todos os que moram na face de toda a terra. 36  Portanto, mantenham-se despertos,+ e façam súplicas+ continuamente para que consigam escapar de todas essas coisas que têm de ocorrer e consigam ficar de pé diante do Filho do Homem.”+ 37  Assim, de dia, ele ensinava no templo, mas, depois de anoitecer, saía e passava a noite no chamado monte das Oliveiras. 38  E todo o povo se dirigia a ele, de manhã cedo, para o ouvir no templo.

Notas de rodapé

Ou: “contribuíram para as dádivas”.
Ou: “pobreza”.
Ou: “com coisas dedicadas”.
Ou: “desordens; insurreições”.
Ou: “traídos”.
Ou: “ansiedades quanto ao sustento; preocupações do dia a dia”.

Notas de estudo

cofres do tesouro: Antigas fontes judaicas dizem que o formato desses cofres lembrava uma trombeta, ou uma buzina de chifre, e, evidentemente, tinham uma pequena abertura no topo. As pessoas depositavam nesses cofres contribuições para diversos objetivos. A palavra grega usada aqui também pode ser traduzida como “local onde ficavam os cofres do tesouro”, como ocorre em Jo 8:20. Parece que esse local ficava na área do templo chamada Pátio das Mulheres. (Veja a nota de estudo em Mt 27:6 e o Apêndice B11.) De acordo com escritos rabínicos, havia 13 cofres do tesouro ao longo dos muros do Pátio das Mulheres. Acredita-se que o templo também tinha uma grande sala do tesouro, onde se guardava o dinheiro trazido dos cofres.

cofres do tesouro: Veja a nota de estudo em Mr 12:41.

necessitada: Ou: “pobre”. Esta é a única vez que a palavra grega penikhrós aparece nas Escrituras Gregas Cristãs. Esta palavra transmite a ideia de alguém que não tem o suficiente para as suas necessidades básicas ou que leva uma vida muito difícil.

duas pequenas moedas de pouquíssimo valor: Lit.: “dois léptons”. A palavra grega leptón significa “algo pequeno e fino”. O lépton era uma moeda que valia muito pouco. Seriam necessários 128 léptons para completar um denário. Pelos vistos, o lépton era a menor moeda de cobre ou bronze usada em Israel. — Veja o Glossário, “Lépton” e o Apêndice B14-B.

duas pequenas moedas de pouquíssimo valor: Lit.: “dois léptons”. A palavra grega leptón significa “algo pequeno e fino”. O lépton era uma moeda que valia muito pouco. Seriam necessários 128 léptons para completar um denário. Pelos vistos, o lépton era a menor moeda de cobre ou bronze usada em Israel. — Veja o Glossário, “Lépton” e o Apêndice B14-B.

tudo o que tinha para viver: A viúva colocou nos cofres do tesouro “dois léptons” (veja a nota de estudo em Lu 21:2), um valor 64 vezes menor do que o salário de um dia de trabalho. O lépton era a moeda de menor valor usada em Israel. De acordo com Mt 10:29, uma pessoa precisava de um assário (moeda que equivalia a oito léptons) para conseguir comprar dois pardais, uma das aves mais baratas vendidas como alimento. Portanto, os dois léptons da viúva eram apenas metade do valor de um pardal, ou seja, mal dariam para uma refeição.

De modo algum ficará aqui pedra sobre pedra: A profecia de Jesus cumpriu-se de modo impressionante em 70 EC, quando os exércitos de Roma destruíram Jerusalém e o templo. Eles derrubaram tudo o que havia na cidade, e restaram apenas algumas partes da muralha.

não ficará pedra sobre pedra: Veja a nota de estudo em Mt 24:2.

Sou eu: Ou seja, sou o Cristo, ou Messias. — Compare com o relato paralelo em Mt 24:5.

Sou eu: Veja a nota de estudo em Mr 13:6.

fim: Ou: “fim completo”. A palavra grega usada aqui (télos) é diferente da palavra syntéleia, usada em Mt 24:3 e traduzida como “final”. — Veja a nota de estudo em Mt 24:3 e o Glossário, “Final do sistema de coisas”.

tumultos: Ou: “desordens; insurreições”. A palavra grega akatastasía tem o sentido básico de “indisciplina”, mas também pode referir-se a “oposição às autoridades; rebelião; tumulto político”. Em 2Co 6:5, esta palavra é usada para descrever a violenta oposição que o apóstolo Paulo enfrentou.

fim: Ou: “fim completo”. — Veja a nota de estudo em Mt 24:6.

nação: A palavra grega usada aqui, éthnos, é muito abrangente. Pode referir-se a pessoas que vivem numa região com limites políticos ou geográficos definidos, como um país. Mas também se pode referir a um grupo étnico. — Veja a nota de estudo em Mt 24:14.

se levantará: Ou: “despertará; será instigada”. A palavra grega usada aqui transmite a ideia de “ir contra com hostilidade” e poderia ser traduzida também como “pegar em armas” ou “ir à guerra”.

Nação: Veja a nota de estudo em Mt 24:7.

irá levantar-se: Veja a nota de estudo em Mt 24:7.

pestilências: Ou: “doenças em grande escala; epidemias”. Dos três Evangelhos que registaram esta profecia de Jesus, apenas Lucas menciona que as pestilências fariam parte do “sinal” do tempo do fim. (Lu 21:7; Mt 24:3, 7; Mr 13:4, 8) Na verdade, os três relatos complementam-se. A palavra grega para “pestilências” aparece na Bíblia apenas mais uma vez, em At 24:5, onde é usada em sentido figurado para se referir a uma pessoa que é vista como “uma praga”, alguém que causa problemas, uma ameaça para as pessoas à sua volta.

coisas atemorizantes: Esta é a única vez que a palavra grega fobéo aparece nas Escrituras Gregas Cristãs. Vem de um verbo que significa “temer” e, ao que tudo indica, refere-se a acontecimentos que deixariam as pessoas apavoradas.

palavras: Ou: “fala poderosa”. Lit.: “uma boca”. Aqui, a palavra grega stóma é usada como sinónimo de fala ou poder da fala.

até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados: Calcula-se que cada pessoa tenha em média mais de 100 000 fios de cabelo. O facto de Jeová conhecer os discípulos de Jesus até nos mínimos detalhes mostra o quanto Jeová se importa com eles.

nem um único fio de cabelo da vossa cabeça se perderá: Jesus usou esta hipérbole para mostrar que os seus seguidores podiam ter a certeza de que seriam protegidos apesar de serem “odiados por todos”. (Lu 21:17) O contexto mostra que Jesus não estava a dizer que os seus discípulos seriam protegidos de qualquer dano físico. (Lu 21:16) A proteção que eles receberiam seria principalmente contra danos espirituais, que podem ter consequências eternas. Assim, os discípulos de Jesus não esperam ser livrados milagrosamente quando são maltratados ou até quando a sua vida está em perigo. Por outro lado, eles podem ter confiança no poder de Jeová de ressuscitar os mortos. (Mt 10:39) O texto original usa aqui duas palavras que significam “não” juntamente com o verbo grego traduzido como “se perderá”, mostrando de modo enfático que seria impossível que as palavras de Jesus não se cumprissem. Noutra ocasião, Jesus disse algo parecido aos seus discípulos: “Até mesmo os cabelos da vossa cabeça estão todos contados.” — Lu 12:7; veja a nota de estudo em Mt 10:30.

perseverança: A palavra grega que aparece aqui, hypomoné, é usada na Bíblia para se referir à perseverança corajosa, constante ou paciente demonstrada por quem não perde a esperança diante de obstáculos, perseguições, provações ou tentações. O verbo grego relacionado (hypoméno), que muitas vezes é traduzido como “perseverar”, significa literalmente “permanecer (ficar) em baixo”. É usado com frequência no sentido de “ficar em vez de fugir; manter-se firme; resistir; continuar decidido”. — Mt 10:22; Ro 12:12; He 10:32; Tg 5:11.

preservarão a vossa vida: Ou: “obterão (ganharão) a vossa vida (alma)”. O significado da palavra grega psykhé, traduzida como “alma” nas edições anteriores da Tradução do Novo Mundo, varia de acordo com o contexto. (Veja o Glossário, “Alma”.) Muitas vezes, refere-se à vida atual ou futura da pessoa. Aqui, também poderia ser traduzida como “vossa vida futura” ou “vossa verdadeira vida”.

sua: Ou seja, de Jerusalém. Neste contexto, o nome “Jerusalém” em grego é um substantivo feminino, mas, em outros contextos, é um substantivo neutro.

sua: Ou seja, de Jerusalém. Neste contexto, o nome “Jerusalém” em grego é um substantivo feminino, mas, em outros contextos, é um substantivo neutro.

Judeia: Ou seja, a província romana da Judeia.

para os montes: De acordo com o historiador Eusébio, que viveu no século 4 EC, os cristãos da Judeia e de Jerusalém cruzaram o rio Jordão e fugiram para Pela, uma cidade que ficava numa região montanhosa em Decápolis. — Veja o Apêndice B10.

dela [...] nela: Ou seja, Jerusalém. — Veja a nota de estudo em Lu 21:20.

dias para se executar a justiça: Ou: “dias de vingança”. Ou seja, dias da vingança e do julgamento de Deus. De acordo com Lu 4:16-21, numa ocasião anterior, na sinagoga de Nazaré, Jesus citou parte da profecia de Is 61 e disse que estava a cumprir aquela profecia. O relato não diz que Jesus citou a parte sobre o “dia de vingança” de Deus. (Is 61:1, 2) No entanto, na ocasião mencionada aqui, Jesus proclamou “dias de vingança” quando predisse que Jerusalém seria cercada por exércitos acampados. A vingança de Deus estava entre as coisas escritas nas Escrituras Hebraicas. A palavra grega traduzida aqui como “executar a justiça” (ou: “vingança”) também é usada na Septuaginta em De 32:35; Je 46:10 (26:10, LXX) e Os 9:7. As palavras correspondentes que aparecem no texto hebraico original desses versículos são traduzidas como “vingança” e “ajuste de contas”.

tempos determinados das nações: Ou: “tempos dos gentios”. A palavra grega para “tempo determinado” (kairós) pode referir-se a um ponto na corrente do tempo, a um período definido ou determinado, ou a uma “época” ou “estação” marcada por certas características. (Mt 13:30; 21:34; Mr 11:13) A mesma palavra é usada para se referir ao “tempo determinado” para Jesus iniciar o seu ministério (Mr 1:15) e ao “tempo determinado” da morte de Jesus (Mt 26:18). A palavra kairós também é usada para se referir a tempos ou épocas futuras dentro do cronograma ou planeamento de Deus, especialmente com respeito à presença de Jesus e ao seu Reino. (At 1:7; 3:19; 1Te 5:1) O modo como a palavra kairós é usada na Bíblia indica que a expressão “tempos determinados das nações” se refere a um período fixo de tempo (com início e fim), e não a um período vago ou indefinido de tempo. A palavra grega traduzida como “nações” ou “gentios” é a forma plural da palavra éthnos, que muitas vezes foi usada pelos escritores bíblicos judeus para se referir aos outros povos.

a terra habitada: A palavra grega para “terra habitada” (oikouméne) refere-se às partes da Terra em que há pessoas a morar. — Lu 4:5; At 17:31; Ro 10:18; Ap 12:9; 16:14.

verão: O verbo grego traduzido como “ver” pode significar literalmente “ver um objeto; olhar; observar”, mas também pode ser usado como uma metáfora com o sentido de “ver com a mente”, ou seja, “entender; perceber”. — Ef 1:18.

Filho do Homem: Ou: “Filho de um Humano”. Esta expressão aparece cerca de 80 vezes nos Evangelhos, e Jesus usava-a para se referir a ele próprio. Pelos vistos, ele queria destacar que era realmente um humano, nascido de uma mulher, e que era um equivalente perfeito de Adão. Assim, ele poderia dar a sua vida para livrar a humanidade do pecado e da morte. (Ro 5:12, 14, 15) A expressão também mostrava que Jesus era o Messias, ou o Cristo. — Da 7:13, 14; veja o Glossário.

nas nuvens do céu: As nuvens, geralmente, dificultam a visão em vez de a facilitar, mas os observadores ‘veriam’ em sentido figurado, ou seja, entenderiam o significado dos acontecimentos. — At 1:9.

verão: Veja a nota de estudo em Mt 24:30.

Filho do Homem: Veja a nota de estudo em Mt 8:20.

numa nuvem: Veja a nota de estudo em Mt 24:30.

ilustrações: Ou: “parábolas”. A palavra grega parabolé significa literalmente “colocar ao lado (junto)”, e pode referir-se a uma parábola, um provérbio ou uma comparação. Jesus, muitas vezes, explicava uma coisa por ‘colocá-la ao lado’ de algo, ou seja, por compará-la com outra coisa parecida. (Mr 4:30) As ilustrações de Jesus eram curtas, e, muitas vezes, eram histórias fictícias que ensinavam uma lição de moral ou uma verdade espiritual.

ilustração: Ou: “parábola; lição”. — Veja a nota de estudo em Mt 13:3.

o céu e a terra passarão: Outros textos bíblicos mostram que o céu e a terra literais vão durar para sempre. (Gén 9:16; Sal 104:5; Ec 1:4) Portanto, estas palavras de Jesus podem ser entendidas como uma hipérbole. Ou seja, mesmo que acontecesse o impossível (o céu e a terra de facto passassem, ou deixassem de existir), ainda assim, as palavras dele iriam cumprir-se. (Compare com Mt 5:18.) No entanto, é muito provável que o céu e a terra mencionados aqui se refiram ao céu e à terra simbólicos, chamados “o céu anterior e a terra anterior” em Ap 21:1.

as minhas palavras de modo algum passarão: Ou: “as minhas palavras com certeza não passarão”. Aqui, o texto grego usa juntamente com o verbo duas palavras que significam “não”, negando de modo enfático a ideia apresentada. Esta construção deixa bem claro que as palavras de Jesus se cumpririam com certeza.

O céu e a terra passarão: Veja a nota de estudo em Mt 24:35.

as minhas palavras de modo algum passarão: Veja a nota de estudo em Mt 24:35.

ficar de pé: Na Bíblia, esta expressão é às vezes usada para indicar que alguém (ou um grupo) está numa posição aprovada ou favorecida diante de alguém que tem autoridade. (Sal 1:5; 5:5; Pr 22:29; Lu 1:19) Por exemplo, Ap 7:9, 15 fala de uma grande multidão “de pé diante do trono e diante do Cordeiro”, indicando que a multidão tem o favor ou a aprovação de Deus e de Jesus.

passava a noite no [...] monte: Nos últimos quatro dias da sua vida como humano, Jesus realizava as suas atividades em Jerusalém durante o dia. À noite, ele e os seus discípulos iam para Betânia, uma aldeia na encosta leste do monte das Oliveiras. Ao que tudo indica, Jesus ficava hospedado na casa de Marta, Maria e Lázaro. — Mt 21:17; Mr 11:11.

Multimédia

A viúva e os cofres do tesouro
A viúva e os cofres do tesouro

De acordo com escritos rabínicos, o templo construído por Herodes tinha 13 “cofres do tesouro”, chamados “cofres chofar”. A palavra hebraica shohfár significa “chifre de carneiro”. Isso talvez indique que os cofres tinham um formato que, pelo menos em parte, lembrava uma trombeta ou uma buzina de chifre. Quando Jesus condenou as pessoas que ‘tocavam a trombeta’ ao dar algo a um pobre, os seus ouvintes talvez se tenham lembrado do barulho das moedas a serem colocadas nesses cofres com formato de trombeta. (Mt 6:2) As duas pequenas moedas da viúva não devem ter feito muito barulho no cofre, mas Jesus mostrou que Jeová dava grande valor à viúva e à contribuição dela.

Pedras do Monte do Templo
Pedras do Monte do Templo

Acredita-se que estas pedras, encontradas na parte sul do Muralha Ocidental, fizessem parte do conjunto de edifícios que ficava no Monte do Templo no primeiro século EC. Servem de amarga lembrança da destruição de Jerusalém e do templo pelos romanos.

Moeda “Judaea Capta”
Moeda “Judaea Capta”

Na sua profecia sobre o que aconteceria a Jerusalém e ao seu templo, Jesus predisse que os habitantes da Judeia seriam “levados cativos para todas as nações”. (Lu 21:21, 24) A moeda mostrada na fotografia comemora a conquista da Judeia pelos romanos, e é uma prova de que as palavras de Jesus se cumpriram. Moedas como esta começaram a ser produzidas em 71 EC. Num dos lados da moeda, aparece a imagem de Tito, filho do imperador Vespasiano. Foi Tito quem completou a conquista da Judeia, iniciada pelo seu pai. No outro lado, aparece uma imagem com um homem judeu com as mãos amarradas atrás das costas, uma palmeira e uma mulher judia de luto. A inscrição que aparece na moeda, “IVDAEA CAPTA”, significa “Judeia Capturada”.

Espada romana
Espada romana

Jesus predisse que os habitantes de Jerusalém e da Judeia ‘cairiam pelo fio da espada’. (Lu 21:24) A espada que aparece na fotografia (por baixo do desenho) tem cerca de 2000 anos. Provavelmente pertencia a um dos soldados romanos que estavam em Jerusalém em 66 EC, quando a revolta dos judeus contra Roma começou. A espada tem cerca de 60 centímetros de comprimento e ainda está dentro da sua bainha, feita de couro. A descoberta da espada foi informada em 2011. Ela foi encontrada enquanto arqueólogos escavavam num canal de drenagem entre a Cidade de David e o Parque Arqueológico de Jerusalém, que fica perto do Muro das Lamentações. Pelos vistos, o canal de drenagem foi usado como esconderijo pelos moradores de Jerusalém durante o difícil período que a cidade enfrentou antes da sua queda em 70 EC.