Ir para conteúdo

Ir para menu secundário

Ir para conteúdo

Testemunhas de Jeová

Língua Gestual Portuguesa

A Sentinela — Edição de Estudo  |  Outubro 2016

Mostre bondade a pessoas de outros países

Mostre bondade a pessoas de outros países

“Não se esqueçam da bondade com estranhos.” — HEB. 13:2, nota.

CÂNTICOS: 124, 79

1, 2. (a) Que desafios muitos estrangeiros enfrentam hoje? (Veja a foto no começo do artigo.) (b) O que aprendemos em Hebreus 13:2? (c) Que perguntas vamos analisar neste artigo?

MAIS de 30 anos atrás, Osei [1] saiu de Gana e foi morar na Europa. Nessa época, ele ainda não era Testemunha de Jeová. Ele conta: “Logo vi que a maioria das pessoas não estava nem aí pra mim. O clima também foi um choque. Quando saí do aeroporto e senti frio pela primeira vez na vida, comecei a chorar.” Já que Osei não falava bem o idioma, demorou mais de um ano para ele conseguir um emprego decente. E, por estar longe de casa, ele tinha muita saudade da família e se sentia sozinho.

2 Se você estivesse no lugar de Osei, como gostaria de ser tratado? Com certeza gostaria que as pessoas no Salão do Reino o recebessem bem, sem ligar para a sua nacionalidade ou a cor da sua pele. Na verdade, a Bíblia diz para os cristãos verdadeiros: “Não se esqueçam da bondade com estranhos.” [2] (Heb. 13:2, nota) Por isso, é bom pensar no seguinte: Será que Jeová se preocupa com pessoas de outros países? Por que a gente talvez precise mudar nosso ponto de vista sobre essas pessoas? E como podemos ajudar alguém de outro país a se sentir à vontade na nossa congregação?

JEOVÁ SE PREOCUPA COM PESSOAS DE OUTROS PAÍSES

3, 4. De acordo com Êxodo 23:9, como Deus queria que os israelitas tratassem os estrangeiros? Por quê?

3 Quando Jeová libertou seu povo do Egito, muitos que não eram israelitas foram junto com eles. Jeová se preocupava com esses estrangeiros, tanto que deu leis específicas sobre como tratar essas pessoas. (Êxo. 12:38, 49; 22:21) Ele sabia que a vida nem sempre é fácil para os estrangeiros e por isso criou leis para cuidar deles. Por exemplo, eles tinham o direito de pegar o que sobrasse da colheita. Isso se chamava respiga. — Lev. 19:9, 10.

4 Jeová queria que os israelitas respeitassem os estrangeiros não por obrigação, mas de coração. (Leia Êxodo 23:9.) Por isso, ele lembrou ao seu povo que eles ‘sabiam o que era ser um estrangeiro’. Parece que, mesmo antes de serem escravos no Egito, os israelitas sofriam preconceito da parte dos egípcios. (Gên. 43:32; 46:34; Êxo. 1:11-14) Os israelitas tiveram uma vida sofrida como estrangeiros no Egito. Mesmo assim, Jeová queria que eles tratassem os estrangeiros “como um israelita”, ou seja, como se fossem um deles. — Lev. 19:33, 34.

5. O que vai nos ajudar a mostrar preocupação com os estrangeiros, assim como Jeová faz?

5 A Bíblia diz que Jeová não muda. Hoje ele também se preocupa com os estrangeiros que assistem às reuniões conosco. (Deut. 10:17-19; Mal. 3:5, 6) Podemos parar e pensar nos desafios que eles enfrentam, como preconceito e dificuldades com o idioma. Se fizermos isso, vamos pensar em maneiras de ser bondosos e de mostrar que eles podem contar com a gente. — 1 Ped. 3:8.

PRECISAMOS MUDAR NOSSO PONTO DE VISTA?

6, 7. O que mostra que os cristãos judeus venceram o preconceito contra pessoas de outras nações?

6 No tempo dos apóstolos, os judeus tinham um forte preconceito contra pessoas de outras nações. Mas os judeus que se tornaram cristãos conseguiram vencer esse preconceito. Por exemplo, na festividade do Pentecostes de 33, os cristãos judeus que moravam em Jerusalém mostraram hospitalidade às pessoas de outros países que tinham acabado de se tornar cristãs. (Atos 2:5, 44-47) Esse cuidado que tiveram mostra que eles sabiam o significado da palavra grega para “hospitalidade”, ou seja, “bondade com estranhos”.

7 A congregação cristã foi crescendo e, com o tempo, surgiu um problema: os judeus que falavam grego reclamaram que suas viúvas não estavam sendo tratadas de forma justa. (Atos 6:1) Os apóstolos escolheram sete homens para cuidar desse assunto. O interessante é que todos eles tinham nome grego. Essa escolha indica que os apóstolos queriam que as viúvas que falavam grego se sentissem mais tranquilas. — Atos 6:2-6.

8, 9. (a) Que perguntas vão nos ajudar a saber se temos preconceito ou orgulho da nossa cultura? (b) O que devemos arrancar do coração? Por quê? (Veja 1 Pedro 1:22.)

8 Mesmo que a gente não perceba, todos nós somos muito influenciados pela nossa cultura. (Rom. 12:2) Além disso, muitas vezes ouvimos nossos vizinhos, colegas de trabalho ou de escola falarem mal ou fazerem piada de pessoas de outro país, tribo ou cor. Será que essas ideias preconceituosas estão nos influenciando? E como reagimos quando alguém faz piada sobre nosso país, talvez exagerando alguma característica da nossa cultura?

9 Por um tempo, o apóstolo Pedro teve preconceito contra quem não era judeu. Mas aos poucos ele conseguiu vencer isso. (Atos 10:28, 34, 35; Gál. 2:11-14) Da mesma forma, se percebermos que, lá no fundo, temos preconceito ou achamos que nossa cultura é melhor do que outra, devemos nos esforçar para arrancar esse sentimento do coração. (Leia 1 Pedro 1:22.) Podemos lembrar que nenhum de nós merece a salvação; ninguém é perfeito, não importa de que país seja. (Rom. 3:9, 10, 21-24) Assim, será que temos motivos para achar que somos melhores do que outros? (1 Cor. 4:7) Devemos pensar como o apóstolo Paulo, que disse aos seus irmãos ungidos: “Vocês não são mais estranhos e estrangeiros, mas . . . membros da família de Deus.” (Efé. 2:19) Para desenvolvermos a nova personalidade, precisamos nos esforçar para nos livrar de qualquer preconceito. — Col. 3:10, 11.

SEJA BONDOSO COM PESSOAS DE OUTROS PAÍSES

10, 11. Como Boaz mostrou consideração por Rute, imitando a Jeová?

10 Boaz imitou a Jeová por mostrar consideração pela moabita Rute. Certa vez, ele foi aos seus campos verificar a colheita e viu uma mulher estrangeira trabalhando bastante, fazendo a respiga. Aquilo chamou a sua atenção. Depois ele ficou sabendo de mais um detalhe: apesar de Rute ter todo o direito de respigar, ela tinha pedido permissão para isso. Ele ficou tão impressionado que até mandou seus trabalhadores deixarem mais grãos para ela respigar. — Leia Rute 2:5-7, 15, 16.

11 O que aconteceu logo depois mostra que Boaz estava preocupado com Rute, pois ele sabia como era difícil a situação de um estrangeiro. Ele disse para Rute ficar junto de suas servas para que ela não fosse incomodada pelos homens que trabalhavam no campo. Ele até providenciou que Rute tivesse o que beber e o que comer, assim como seus trabalhadores contratados. Além disso, Boaz tratou essa estrangeira pobre com respeito e a tranquilizou. — Rute 2:8-10, 13, 14.

12. Que efeito nossa bondade pode ter sobre pessoas de outros países?

12 Boaz ficou impressionado não só com o amor sincero de Rute pela sogra dela, Noemi, mas também por ela ter se tornado serva de Jeová. Rute ‘foi buscar refúgio debaixo das asas do Deus de Israel’. (Rute 2:12, 20) A bondade que Boaz mostrou a Rute foi, na verdade, uma forma de Jeová mostrar seu amor leal a ela. (Pro. 19:17) Da mesma forma hoje, quando somos bondosos, ajudamos “todo tipo de pessoas” a aprender a verdade e a ver que Jeová as ama muito. — 1 Tim. 2:3, 4.

Estamos recebendo bem os que se mudaram para o nosso país? (Veja os parágrafos 13 e 14.)

13, 14. (a) Por que devemos tomar a iniciativa de cumprimentar pessoas de outros países? (b) O que podemos fazer se ficarmos sem jeito de falar com alguém de outra cultura?

13 Podemos ser bondosos com pessoas de outros países por cumprimentá-las e fazê-las se sentir bem-vindas no Salão do Reino. Quando chegam a um novo país, geralmente as pessoas ficam sem graça e se sentem deslocadas. Por causa da sua criação ou condição social, elas podem achar que têm menos valor do que pessoas de outra raça ou de outro país. Por isso, em vez de esperar que elas venham falar com a gente, devemos tomar a iniciativa de mostrar que estamos interessados nelas. Uma dica é usar o aplicativo JW Language para aprender como cumprimentar essas pessoas no idioma delas. — Leia Filipenses 2:3, 4.

14 Você talvez fique meio sem jeito de falar com alguém de outra cultura. Uma coisa que pode ajudar é contar algo sobre você. Pode ser que perceba que vocês têm mais coisas em comum do que você imaginava, e que toda cultura tem seus pontos fortes e seus pontos fracos.

FAÇA COM QUE TODOS SE SINTAM EM CASA

15. Como podemos ajudar os estrangeiros a se sentirem em casa na nossa congregação?

15 Para ajudar os estrangeiros a se sentirem em casa na nossa congregação, pergunte-se: ‘Se eu estivesse em outro país, como eu gostaria de ser tratado?’ (Mat. 7:12) Tenha paciência com aqueles que estão se adaptando a outro país. Pode ser que, de início, a gente não entenda muito bem por que eles pensam ou agem de certa maneira. Mas, em vez de querer que eles mudem para se encaixar na nossa cultura, não seria melhor aceitá-los do jeito que são? — Leia Romanos 15:7, nota.

16, 17. (a) O que podemos fazer para ter mais amizade com pessoas de outros países? (b) Que ajudas práticas podemos dar a pessoas de outros países em nossa congregação?

16 Pode ser mais fácil conversar com pessoas que são de outros países quando aprendemos alguma coisa sobre sua cultura ou o lugar de onde vieram. Talvez possamos usar uma parte de nossa adoração em família para pesquisar sobre a cultura dos estrangeiros de nossa congregação ou do território. Outra maneira de fazer mais amizade com pessoas de outros países é convidá-las para um lanche na nossa casa. Jeová ‘abriu para as nações a porta da fé’. Se ele fez isso, nós também podemos abrir as portas da nossa casa para os estrangeiros que “fazem parte da nossa família na fé”. — Atos 14:27; Gál. 6:10; Jó 31:32.

Estamos sendo hospitaleiros com os que se mudaram para o nosso país? (Veja os parágrafos 16 e 17.)

17 Quando passamos tempo com pessoas que se mudaram para o nosso país, damos mais valor ao esforço que fazem para se ajustar à nossa cultura. Mas a gente talvez perceba que elas precisam de ajuda prática. Por exemplo, pode ser que elas precisem de ajuda para aprender nosso idioma. Também podemos indicar organizações que ajudam imigrantes a encontrar um lugar para morar ou um emprego. Ajudar dessa forma pode fazer uma grande diferença na vida do nosso irmão. — Pro. 3:27.

18. Que exemplo as pessoas que se mudaram para outro país podem imitar?

18 É claro que as pessoas que se mudaram para outro país também vão fazer o seu melhor para se adaptar à cultura da região. Rute deu um ótimo exemplo nisso. Primeiro, quando pediu permissão para respigar, ela mostrou respeito pelos costumes do seu novo país. (Rute 2:7) Rute não achou que, por ter esse direito, os outros tinham a obrigação de ajudá-la. Segundo, ela mostrou gratidão por tudo que fizeram por ela. (Rute 2:13) Quando um cristão que se mudou para outro país age assim, fica mais fácil para ele ganhar o respeito dos seus irmãos e dos moradores da região.

19. Que motivos temos para receber bem os que se mudaram para o nosso país?

19 Jeová mostrou grande bondade por permitir que pessoas de todos os lugares ouçam as boas novas, e isso nos deixa muito felizes. Pode ser que essas pessoas, no seu país de origem, não pudessem ter um estudo bíblico ou ir às nossas reuniões. Mas agora elas têm a oportunidade de se reunir com o povo de Jeová, e queremos ajudá-las a se sentir em casa. Talvez não possamos dar muita ajuda material ou prática, mas a bondade que demonstramos mostra o amor que Jeová tem por elas. Como “imitadores de Deus”, vamos fazer o máximo para receber bem os que se mudaram para o nosso país. — Efé. 5:1, 2.

^ [1] (parágrafo 1) O nome foi mudado.

^ [2] (parágrafo 2) Um “estranho” é alguém que não conhecemos. Neste artigo, um estranho é um estrangeiro que se mudou para o nosso país.