Ir para conteúdo

Ir para menu secundário

Ir para conteúdo

Testemunhas de Jeová

Língua Gestual Portuguesa

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Novembro 2016

Libertados da religião falsa

Libertados da religião falsa

“Saiam dela, meu povo.” — APO. 18:4.

CÂNTICOS: 101, 93

1. (a) Como sabemos que o povo de Deus seria libertado de Babilônia, a Grande? (b) Que perguntas vamos considerar neste artigo?

NO ARTIGO anterior, aprendemos como os cristãos fiéis entraram no cativeiro de Babilônia, a Grande. Mas o bom é que eles não ficariam ali para sempre. Como sabemos disso? Em Apocalipse 18:4 (leia), encontramos a ordem de Deus “saiam dela, meu povo”. Se ninguém pudesse escapar da influência de Babilônia, a Grande, essa ordem não faria o menor sentido. Queremos saber quando o povo de Deus ficou totalmente livre das garras de Babilônia. Mas primeiro é importante responder o seguinte: O que os Estudantes da Bíblia estavam decididos a fazer em relação a Babilônia, a Grande, antes de 1914? Será que eles estavam bem ocupados na pregação durante a Primeira Guerra Mundial? Por que o povo de Deus precisou de correção? Será que foi por isso que eles foram para o cativeiro babilônico?

“A QUEDA DE BABILÔNIA”

2. O que os Estudantes da Bíblia decidiram sobre a religião falsa?

2 Nos anos antes da Primeira Guerra Mundial, Charles Russell e outros Estudantes da Bíblia perceberam que as religiões que se diziam cristãs, ou a cristandade, não estavam ensinando as verdades da Bíblia. Assim, decidiram não ter nada a ver com a religião falsa. Em novembro de 1879, a revista A Torre de Vigia (agora A Sentinela), em inglês, explicou: “Toda igreja que diz que é noiva de Cristo, virgem e pura, mas que na verdade está em união com o mundo (a fera) e tem seu apoio, temos que condenar como sendo, em linguagem bíblica, uma igreja meretriz.” Ao falar “meretriz”, a revista se referia à prostituta Babilônia, a Grande, mencionada na Bíblia. — Leia Apocalipse 17:1, 2.

3. O que os Estudantes da Bíblia fizeram para mostrar que não faziam mais parte da religião falsa? (Veja a foto no começo do artigo.)

3 Homens e mulheres de coração sincero sabiam que não poderiam ter as bênçãos de Deus se continuassem a apoiar a religião falsa. Assim, muitos Estudantes da Bíblia escreveram cartas para sua igreja dizendo que não faziam mais parte dela. Em alguns casos, eles liam a carta em voz alta na frente de todos na igreja. Onde isso não era permitido, eles enviavam uma carta para cada pessoa da sua antiga congregação. Os Estudantes da Bíblia estavam mesmo decididos a não ter mais nada a ver com a religião falsa! Em outras épocas, quem fizesse algo assim poderia até ser morto. Mas, em 1870, as igrejas já vinham perdendo o apoio dos governos em muitos países. As pessoas nesses lugares podiam falar sobre religião sem ter medo de sofrer ataques; podiam até discordar das igrejas mais poderosas.

4. O que tudo o que os Estudantes da Bíblia fizeram mostra?

4 Como vimos, os Estudantes da Bíblia avisaram seus parentes e amigos e as pessoas da sua igreja de que eles não apoiavam mais a religião falsa. Mas eles entenderam que isso não era suficiente. O mundo inteiro precisava saber quem realmente era Babilônia, a Grande — uma prostituta! Por isso, entre dezembro de 1917 e o início de 1918, os milhares de Estudantes da Bíblia distribuíram 10 milhões de folhetos com o seguinte tema: “A Queda de Babilônia” (em inglês). Sem rodeios, esse folheto mostrava as mentiras das religiões que se diziam cristãs. Como era de esperar, os líderes das igrejas ficaram furiosos! Mas os Estudantes da Bíblia não se deixaram abalar e continuaram com a sua pregação. Eles estavam determinados a “obedecer a Deus como governante em vez de a homens”. (Atos 5:29) O que tudo isso mostra? Mostra que, durante a Primeira Guerra Mundial, aqueles cristãos não estavam entrando no cativeiro de Babilônia, a Grande. Muito pelo contrário, eles estavam se libertando da religião falsa e ajudando outros a fazer o mesmo.

PREGAÇÃO DURANTE A PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

5. Como sabemos que os irmãos fizeram o máximo na pregação durante a Primeira Guerra Mundial?

5 No passado, achávamos que Jeová tinha deixado seu povo ficar um tempo no cativeiro de Babilônia, a Grande, porque eles não tinham se esforçado na pregação durante a Primeira Guerra Mundial (1914-1918). Mas os irmãos que serviram a Jeová naquela época disseram que, como grupo, o povo de Deus fez o máximo para continuar com a pregação. E temos muitas provas de que eles se esforçaram mesmo. Estudar mais a fundo a história da nossa organização nos ajudou a ver que nosso entendimento de certos eventos registrados na Bíblia precisava ser ajustado.

6, 7. (a) Que desafios os Estudantes da Bíblia enfrentaram durante a Primeira Guerra Mundial? (b) Que exemplos mostram que os Estudantes da Bíblia estavam fazendo um trabalho e tanto na pregação?

6 Na verdade, o testemunho que os irmãos deram naquela época foi impressionante, levando em conta que havia apenas poucos deles durante a Primeira Guerra Mundial. Mas eles enfrentaram vários desafios. Vamos ver dois deles. Primeiro, eles tiveram de aprender a pregar usando apenas a Bíblia. Antes, os irmãos estavam acostumados a pregar só oferecendo publicações. Mas, no início de 1918, as autoridades proibiram o livro O Mistério Consumado, em inglês. Aí, pregar ficou mais difícil para muitos irmãos, afinal o livro como que falava por eles. Um segundo desafio foi o surto da gripe espanhola em 1918. Por causa dessa doença terrível e altamente contagiosa, ficou mais difícil ir de um lugar para outro. Apesar desses e de outros desafios, os Estudantes da Bíblia como grupo fizeram o melhor que puderam para continuar com a pregação.

Aqueles Estudantes da Bíblia fizeram um trabalho e tanto! (Veja os parágrafos 6 e 7.)

7 Nessa época, o pequeno grupo de Estudantes da Bíblia começou a apresentar o “Fotodrama da Criação”, que era uma produção de slides e filmes sincronizados com som. Isso foi uma grande novidade na época. O Fotodrama contava a história da humanidade desde a criação de Adão até o final do Reinado de Cristo. Só em 1914, mais de 9 milhões de pessoas assistiram ao Fotodrama! Consegue imaginar isso? Esse número é maior do que o número de publicadores no mundo todo hoje! Além disso, registros mostram que em 1916 mais de 809 mil pessoas assistiram às reuniões nos Estados Unidos, e em 1918 esse número aumentou para quase 950 mil! Aqueles Estudantes da Bíblia estavam mesmo fazendo um trabalho e tanto!

8. Como os irmãos da liderança cuidaram da espiritualidade dos Estudantes da Bíblia durante a Primeira Guerra Mundial?

8 Durante a Primeira Guerra Mundial, os irmãos da liderança fizeram de tudo para encorajar os Estudantes da Bíblia espalhados pelo mundo e ajudá-los a receber publicações bíblicas. Essas ajudas deram aos irmãos a força que precisavam para continuar com a pregação. Richard Barber era um dos que estavam bem ocupados na pregação naquela época. Ele disse: “Conseguimos continuar com alguns superintendentes viajantes, e não paramos de imprimir [A Sentinela]. Essa revista estava proibida no Canadá, mesmo assim dávamos um jeito de enviar a revista para lá. As autoridades tomaram o livro O Mistério Consumado de vários irmãos, e eu tive o privilégio de enviar esse livro em tamanho de bolso para alguns deles. O irmão Rutherford pediu que organizássemos congressos em várias cidades no lado oeste dos Estados Unidos e enviássemos oradores, tudo para que os irmãos ficassem fortes na fé.”

ELES PRECISARAM SER CORRIGIDOS

9. (a) Por que o povo de Deus precisava de correção entre os anos de 1914 e 1919? (b) Embora eles precisassem de correção, o que não seria correto pensar?

9 Mas nem tudo o que os Estudantes da Bíblia fizeram entre 1914 e 1919 estava de acordo com as Escrituras. Embora quisessem fazer o que era certo, eles não entendiam bem até que ponto deviam obedecer às autoridades. (Rom. 13:1) Por isso, como grupo, nem sempre foram neutros durante a guerra. Por exemplo, quando o presidente dos Estados Unidos ordenou que no dia 30 de maio de 1918 todos orassem pela paz, a revista A Sentinela disse para os Estudantes da Bíblia fazerem o mesmo. Alguns irmãos deram dinheiro para apoiar a guerra e outros até mesmo pegaram em armas e foram para os campos de batalha. É, eles precisavam de correção. Mesmo assim, não seria correto achar que os Estudantes da Bíblia entraram no cativeiro de Babilônia, a Grande, por causa disso. Pelo contrário, eles entendiam que tinham de se separar da religião falsa. Na verdade, durante a Primeira Guerra Mundial eles tinham se separado quase que completamente de Babilônia, a Grande. — Leia Lucas 12:47, 48.

10. Como os Estudantes da Bíblia mostraram respeito pela vida?

10 É verdade que nossos irmãos não entendiam totalmente a questão da neutralidade cristã na época da Primeira Guerra Mundial. Mas de uma coisa eles sabiam: a Bíblia diz que é errado matar. Mesmo os poucos irmãos que pegaram em armas e foram para a batalha se recusaram a matar alguém. Por isso, alguns deles foram mandados para a frente de batalha para serem mortos.

11. Como as autoridades reagiram à decisão dos Estudantes da Bíblia de não lutar na guerra?

11 A atitude dos irmãos em relação à guerra ainda precisava de alguns ajustes, mas mesmo assim sua lealdade a Jeová deixou o Diabo com muita raiva. Por isso, ele ‘tramou a desgraça em nome da lei’. (Sal. 94:20) Um general do exército dos Estados Unidos disse aos irmãos Rutherford e William Van Amburgh que o governo tinha tentado criar uma lei para condenar à morte quem se recusasse a lutar na guerra. Essa lei tinha como alvo os Estudantes da Bíblia, mas o presidente dos Estados Unidos não a aprovou. Cheio de raiva, o general disse ao irmão Rutherford: “Mas sabemos como pegar vocês, e vamos fazer isso!”

12, 13. (a) Por que oito irmãos foram condenados a vários anos de prisão? (b) Como sabemos que esses irmãos continuaram determinados a obedecer a Jeová?

12 Aquelas ameaças não foram da boca para fora. As autoridades prenderam os oito representantes da Sociedade Torre de Vigia (dos EUA). Entre esses oito irmãos estavam o irmão Rutherford e o irmão William Van Amburgh. O juiz que condenou esses irmãos disse: “A propaganda religiosa que esses homens espalham é mais perigosa do que um grupo de soldados alemães.” O juiz disse também que eles tinham desafiado não apenas o governo e o exército, mas também “todas as igrejas”. Por isso, ‘a punição deles devia ser severa’. [1] E a punição foi severa mesmo. Aqueles oito irmãos foram condenados a vários anos de prisão. Mas, quando a guerra acabou, eles foram libertados e as acusações foram retiradas.

13 Mesmo na prisão, os oito irmãos estavam determinados a obedecer à Bíblia. Eles escreveram ao presidente dos Estados Unidos pedindo que ele pensasse melhor sobre a condenação deles. Eles disseram: “As Escrituras deixam claro qual é a vontade de Deus, ao dizer: ‘Não matarás.’ Portanto, qualquer um [dos Estudantes da Bíblia] dedicado ao Senhor que decide não cumprir a promessa de ser leal a Deus perde o favor dele, e isso leva à sua total destruição. Assim, eles não podem de forma voluntária e em sã consciência tirar a vida de seres humanos.” Que palavras corajosas! Fica claro que aqueles irmãos estavam mesmo determinados a obedecer a Jeová!

FINALMENTE LIBERTADOS!

14. Como Malaquias 3:1-3 descreve o que aconteceu entre 1914 e 1919?

14 De acordo com uma profecia em Malaquias, “o verdadeiro Senhor” (Jeová) e “o mensageiro do pacto” (Jesus) iriam avaliar e purificar os “filhos de Levi” (os ungidos). (Leia Malaquias 3:1-3.) Isso aconteceu entre 1914 e o começo de 1919. Depois de Jeová corrigir e purificar o seu povo, eles estavam preparados para receber uma nova designação. Em 1919, Jesus designou um grupo para ser o “escravo fiel e prudente”, que daria alimento espiritual para a família de Deus. (Mat. 24:45) Finalmente o povo de Deus estava livre da influência de Babilônia, a Grande! Desde então, os servos de Jeová têm aprendido cada vez mais sobre a vontade dele. Por isso, eles passaram a amá-lo ainda mais. Eles são muito gratos pela grande bondade de Jeová. [2]

15. O que devemos fazer já que fomos libertados de Babilônia, a Grande?

15 Que alívio termos sido libertados de Babilônia, a Grande! Os esforços de Satanás de acabar com o verdadeiro cristianismo foram um fracasso total. Mas não podemos nos esquecer de que Jeová nos deu essa liberdade com um objetivo. (2 Cor. 6:1) Muitas pessoas ainda são controladas pela religião falsa e nós precisamos ajudá-las. Sendo assim, vamos imitar nossos irmãos do passado e fazer tudo o que pudermos para ajudar as pessoas a encontrar o caminho da liberdade!

^ [1] (parágrafo 12) Do livro Faith on the March (A Fé em Marcha), de A. H. Macmillan, página 99.

^ [2] (parágrafo 14) Há muitas coisas parecidas entre o cativeiro de 70 anos dos judeus em Babilônia e o que aconteceu com os cristãos depois da morte dos apóstolos. Mas o cativeiro dos judeus não era um tipo profético do que aconteceu com os cristãos ungidos. Um exemplo disso é que a duração do cativeiro é diferente. Assim, não devemos tentar achar um significado profético em cada detalhe do cativeiro dos judeus, como se isso, de alguma forma, se aplicasse ao que aconteceu com os cristãos ungidos nos anos antes de 1919.