Ir para conteúdo

Ir para menu secundário

Ir para conteúdo

Testemunhas de Jeová

Língua Gestual Portuguesa

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Maio 2017

Ajude os filhos de “residentes estrangeiros”

Ajude os filhos de “residentes estrangeiros”

“Não tenho alegria maior do que esta: ouvir que os meus filhos continuam andando na verdade.” — 3 JOÃO 4.

CÂNTICOS: 41, 25

1, 2. (a) Que problema muitos filhos de imigrantes enfrentam? (b) Que perguntas vamos responder neste artigo?

“MEUS pais são imigrantes. * Desde pequeno eu falava o idioma deles em casa e na congregação”, conta Joshua. “Mas, quando fui pra escola, as coisas começaram a mudar: eu preferia usar o idioma do país. Em poucos anos, a mudança foi completa. Eu assistia às reuniões no idioma dos meus pais, mas não conseguia entender quase nada, e não me identificava com a cultura deles.” O que aconteceu com Joshua é bem comum.

2 Hoje, mais de 240 milhões de pessoas não moram no país onde nasceram. Se você é pai ou mãe e se mudou para outro país, qual a melhor maneira de ajudar seus filhos a amar a Jeová e ‘continuar andando na verdade’? (3 João 4) E como outros podem ajudar?

DEEM UM BOM EXEMPLO

3, 4. (a) Como os pais podem dar um bom exemplo aos filhos? (b) Que ideia errada os pais devem evitar?

3 Pais, o exemplo de vocês é essencial para que seus filhos se tornem amigos de Jeová e tenham a chance de viver para sempre. Quando seus filhos veem que vocês ‘buscam primeiro o Reino’, eles aprendem a depender de Jeová no dia a dia, confiando que ele vai dar tudo o que eles precisam. (Mat. 6:33, 34) Por isso, levem uma vida simples e se esforcem para não fazer dívidas. Como pais, vocês acabam fazendo sacrifícios pelos filhos. Mas façam os sacrifícios certos. Não vale a pena abrir mão da espiritualidade da família por causa de coisas materiais. É melhor se esforçar para ter ‘tesouros no céu’, ou seja, a aprovação de Jeová, e não para ter riquezas nem “a glória dos homens”. — Leia Marcos 10:21, 22; João 12:43.

4 Nunca estejam tão ocupados a ponto de não terem tempo para os filhos. Deixem que eles saibam que vocês ficam orgulhosos quando eles colocam Jeová em primeiro lugar em vez de querer ter destaque no mundo ou ficar ricos. Evitem ter aquela ideia de que os filhos têm que trabalhar muito para dar aos pais o melhor que o dinheiro pode comprar. A Bíblia diz: “Não se espera que os filhos acumulem para os pais, mas sim os pais para os filhos.” — 2 Cor. 12:14.

NÃO DEIXEM QUE O IDIOMA SEJA UMA BARREIRA

5. Por que os pais devem falar com seus filhos sobre Jeová?

5 Como a Bíblia predisse, pessoas de “todas as línguas das nações” estão vindo para a organização de Jeová. (Zac. 8:23) Mas, se seus filhos não entendem bem o idioma que vocês falam, pode ser difícil ensinar a verdade a eles. Seus filhos são seus estudantes da Bíblia mais importantes, e eles precisam conhecer a Jeová para ter vida eterna. (João 17:3) Para que seus filhos aprendam as orientações de Jeová, vocês devem “falar delas” em todos os momentos. — Leia Deuteronômio 6:6, 7.

6. Por que é bom os filhos aprenderem o idioma dos pais? (Veja a foto no começo do artigo.)

6 Seus filhos vão acabar aprendendo o idioma local na escola e no dia a dia. Mas eles só vão aprender o idioma que vocês falam se vocês conversarem regularmente com eles nesse idioma. Será que é importante os filhos falarem o idioma de vocês? Com certeza! Por exemplo, vai ser mais fácil vocês conversarem com eles sobre coisas que os preocupam, e eles vão poder se abrir com vocês. Além disso, falar mais de um idioma melhora a capacidade de raciocínio dos filhos e os ajuda a interagir melhor com outras pessoas. Também dá a eles a oportunidade de fazer mais na pregação. Carolina, que é filha de imigrantes, diz: “É muito divertido ser de uma congregação de língua estrangeira. E é legal ajudar onde tem mais necessidade.”

7. O que os pais podem fazer se os filhos não entendem bem o idioma deles?

7 Depois de aprenderem o idioma e a cultura do país, alguns filhos de imigrantes perdem a vontade de aprender o idioma dos pais. E alguns chegam a ponto de quase não saber mais se comunicar no idioma dos pais. Se seus filhos estão nessa situação, será que vocês poderiam aprender pelo menos um pouco do idioma local? Vai ser mais fácil criar seus filhos na verdade se vocês entenderem sobre o que eles conversam e com o que se divertem. Vão entender também o que eles estão aprendendo na escola e vão poder falar com os professores. É verdade que para aprender outro idioma é preciso tempo, esforço e humildade. Mas pensem bem: se seu filho ficasse surdo, vocês não iam aprender a língua de sinais para se comunicar com ele? Vocês não acham que, se seu filho entende melhor outro idioma, ele merece a mesma preocupação? *

8. O que os pais podem fazer mesmo que não consigam aprender bem o idioma dos filhos?

8 Dependendo das circunstâncias, alguns pais que são imigrantes talvez não consigam aprender bem o idioma dos filhos. Isso pode criar uma barreira entre eles. Por causa disso, os pais talvez tenham dificuldade de explicar as verdades da Bíblia para os filhos. (2 Tim. 3:15) Se vocês estão nessa situação, vocês ainda podem ajudar seus filhos a conhecer e amar a Jeová. Um ancião chamado Shan se lembra: “Minha mãe criou a gente sozinha. Ela não entendia muito bem o idioma que eu e minhas irmãs falávamos, e a gente não falava muito bem o idioma dela. Mas, quando a gente via nossa mãe estudando, orando e se esforçando pra fazer a adoração em família toda semana, a gente entendia que conhecer a Jeová era muito importante.”

9. O que os pais podem usar para ensinar os filhos sobre Jeová em dois idiomas?

9 Se os filhos falam um idioma na escola e outro em casa, eles talvez tenham que aprender sobre Jeová nos dois idiomas. Por isso, alguns pais usam publicações, vídeos e gravações de áudio nos dois idiomas para ensinar seus filhos. Isso mostra que, no caso de pais que são imigrantes, é preciso ainda mais tempo e esforço para ajudar os filhos a se tornar amigos de Jeová.

EM QUE IDIOMA A FAMÍLIA DEVE ASSISTIR ÀS REUNIÕES?

10. (a) Quem deve decidir em que idioma é melhor a família assistir às reuniões? (b) O que ele deve fazer antes de tomar uma decisão?

10 Pode ser que uma família de imigrantes more muito longe de uma congregação que usa o idioma deles. (Sal. 146:9) Nesse caso, eles precisam apoiar a congregação local. Mas e se houver uma congregação por perto no idioma deles? Daí surge a pergunta: Que idioma vai ser melhor para a família? O chefe da família deve decidir isso. É claro que, antes de tomar essa decisão, ele vai orar, pensar bem no assunto, e conversar com a esposa e os filhos. (1 Cor. 11:3) O que ele deve levar em conta? Que conselhos da Bíblia podem ajudá-lo?

11, 12. (a) Será que o idioma afeta o que os filhos aprendem nas reuniões? Explique. (b) Por que alguns filhos não querem aprender o idioma dos pais?

11 Os pais precisam ser honestos ao avaliar o que é melhor para a espiritualidade dos filhos. Alguns talvez achem que não faz diferença o idioma em que vão assistir às reuniões. É verdade que as poucas horas que os filhos passam nas reuniões não são suficientes para eles entenderem bem a verdade, não importa o idioma. Mas pense no seguinte: se os filhos assistirem às reuniões no idioma que entendem melhor, eles podem acabar aprendendo alguma coisa só por estarem ali, mais do que os pais imaginam. Já se a reunião for num idioma que o filho não entende bem, pode ser que isso não aconteça. (Leia 1 Coríntios 14:9, 11.) Outra coisa a se levar em conta é que, com o passar do tempo, uma criança pode não se identificar mais com o idioma que aprendeu quando ainda era bem pequena. Talvez aquele não seja mais o idioma em que ela pensa ou talvez nem seja o idioma que toque o seu coração. Na verdade, algumas crianças aprendem a dar comentários e a fazer apresentações e discursos no idioma dos pais sem expressar realmente o que pensam ou o que sentem.

12 Além do idioma, outras coisas podem influenciar o coração de uma criança, como a cultura. Joshua, já mencionado, disse que não se identificava com a cultura dos pais. Esther, irmã dele, explica: “Para uma criança pequena, o idioma, a cultura e a religião dos pais é tudo uma coisa só.” Quando os filhos não se identificam com a cultura dos pais, eles podem acabar não querendo aprender o idioma deles, nem sua religião. O que os pais que são imigrantes podem fazer?

13, 14. (a) Por que uma família de imigrantes se mudou para uma congregação no idioma local? (b) Como os pais mantiveram sua fé forte?

13 Os pais cristãos colocam a espiritualidade dos filhos na frente das suas preferências. (1 Cor. 10:24) Samuel, pai de Joshua e Esther, diz: “Eu e minha esposa ficamos observando pra ver em que idioma a verdade tocava o coração das crianças. Também oramos pedindo a ajuda de Jeová. A resposta não foi bem a nossa preferência. Mas, quando vimos que as crianças estavam aprendendo muito pouco nas reuniões em nosso idioma, decidimos nos mudar pra uma congregação no idioma local. Todos nós íamos juntos para as reuniões e o campo. A gente também convidava os irmãos da congregação pra passear ou fazer um lanche lá em casa. Tudo isso ajudou nossos filhos a conhecer melhor os irmãos e a Jeová. Eles passaram a ver Jeová não só como seu Deus, mas como seu Pai e Amigo. E pra nós isso era muito mais importante do que eles saberem falar bem o nosso idioma.”

14 Samuel diz também: “Para manter nossa fé forte, eu e minha esposa também assistíamos às reuniões no nosso idioma. A vida era corrida, e ficávamos cansados. Mas agradecemos a Jeová por ter abençoado nossos esforços e sacrifícios. Hoje nossos três filhos servem a Jeová no tempo integral.”

O QUE OS FILHOS PODEM FAZER

15. Por que Kristina decidiu se mudar para uma congregação no idioma que ela entendia melhor?

15 Quando ficam adultos, alguns filhos de imigrantes decidem mudar para uma congregação no idioma que entendem melhor porque percebem que assim vão poder servir melhor a Jeová. Nesse caso, os pais não precisam levar para o lado pessoal. Kristina diz: “Eu só sabia o básico do idioma dos meus pais. Daí, eu ficava boiando nas reuniões; eu não conseguia acompanhar direito. Quando fiz 12 anos, assisti a um congresso no meu idioma. Pela primeira vez, consegui ver que essa é a verdade! Outra coisa que me marcou muito foi quando comecei a orar no meu idioma. Eu conseguia falar com Jeová de coração!” (Atos 2:11, 41) Com 18 anos, Kristina conversou com os pais e decidiu mudar de congregação. Ela conta: “Aprender sobre Jeová no meu idioma me deu vontade de fazer mais no serviço dele.” Em pouco tempo, Kristina se tornou pioneira regular.

16. Por que Nadia gostou de ter ficado na congregação do idioma dos pais?

16 Jovens, vocês gostariam de ir para uma congregação no idioma local? Se a resposta for sim, pergunte-se: ‘Mudar de congregação vai me ajudar a ficar mais amigo de Jeová? (Tia. 4:8) Ou quero me mudar só para ter mais liberdade ou menos trabalho?’ Veja o caso de Nadia, que hoje serve em Betel. Quando ela e seus irmãos eram adolescentes, eles queriam se mudar para uma congregação no idioma local. Só que os pais não acharam que isso seria bom para a espiritualidade dos filhos. Nadia diz: “Hoje a gente fica feliz que nossos pais se esforçaram para nos ensinar o idioma deles e não deixaram a gente mudar de congregação. Isso expandiu nossos horizontes e nos deu mais oportunidades de ajudar outros a conhecer a Jeová.”

COMO OUTROS PODEM AJUDAR

17. (a) A quem Jeová deu o privilégio de criar os filhos na verdade? (b) O que os pais podem fazer se precisarem de ajuda para criar os filhos na verdade?

17 Jeová deu aos pais o privilégio de criar os filhos na verdade. Ele não deu essa tarefa aos avós nem a mais ninguém. (Leia Provérbios 1:8; 31:10, 27, 28.) Mas os pais que não entendem bem o idioma local talvez precisem de ajuda para tocar o coração dos filhos. Quando os pais pedem a ajuda de outros, isso não quer dizer que eles estão fugindo de sua responsabilidade. Na verdade, pedir ajuda faz parte de criar os filhos “na disciplina e na instrução de Jeová”. (Efé. 6:4) Por exemplo, os pais podem pedir sugestões aos anciãos de como fazer a adoração em família e como encontrar bons amigos para seus filhos.

É muito bom pais e filhos passarem tempo com os irmãos da congregação (Veja os parágrafos 18 e 19.)

18, 19. (a) Como irmãos de boa espiritualidade podem ajudar os jovens? (b) O que os pais têm que continuar fazendo?

18 De vez em quando, os pais podem convidar outras famílias para sua adoração em família. Além disso, é muito bom para os jovens quando eles fazem amizade com irmãos que são fortes espiritualmente, saem no campo com eles e fazem outras coisas juntos. (Pro. 27:17) Shan, já mencionado, diz: “Alguns irmãos meio que me adotaram. Nunca me esqueço da ajuda que me deram. Quando eles me ajudavam a preparar uma parte na Escola do Ministério, eu sempre aprendia mais. E eu gostava quando a gente saía pra fazer coisas juntos.”

19 É claro que quem os pais escolhem para ajudar seus filhos deve sempre incentivar os jovens a respeitar os pais. Eles devem falar bem dos pais e dar ajuda sem passar à frente deles. Além disso, eles devem tomar cuidado para não fazer nada que possa ser mal interpretado por alguém de dentro ou de fora da congregação. (1 Ped. 2:12) Também os pais não podem simplesmente largar a espiritualidade dos filhos na mão de outros. Eles têm que continuar ensinando seus filhos e acompanhar a ajuda que outros dão.

20. Como os pais podem ajudar os filhos a se tornar servos leais de Jeová?

20 Pais, peçam a ajuda de Jeová e façam o seu melhor. (Leia 2 Crônicas 15:7.) Lembrem-se que a amizade dos seus filhos com Jeová é mais importante do que as suas preferências. Façam o máximo para que a verdade toque o coração dos seus filhos. Nunca parem de acreditar que seus filhos podem ser servos leais de Jeová. Quando vocês virem que seus filhos imitam seu bom exemplo e obedecem à Palavra de Deus, vocês vão poder dizer o que o apóstolo João disse sobre os filhos espirituais dele: “Não tenho alegria maior do que esta: ouvir que os meus filhos continuam andando na verdade.” — 3 João 4.

^ par. 1 Um imigrante é uma pessoa que se mudou para outro país.

^ par. 7 Veja o artigo “Você pode aprender outro idioma!”, na Despertai! de março de 2007, páginas 10-12.