Ir para conteúdo

Ir para menu secundário

Ir para conteúdo

Testemunhas de Jeová

Língua Gestual Portuguesa

Como Ter uma Vida Satisfatória

 Parte 5

Como Conhecer a Deus

Como Conhecer a Deus

QUANDO você precisa de conselho, não procura alguém de confiança? Quando o conselho vem de uma fonte confiável, fica mais propenso a segui-lo, quer os benefícios sejam imediatos quer não. Para que realmente consiga se beneficiar dos conselhos práticos contidos na Bíblia, você deve conhecer seu Autor. Pode ser que até venha a ser considerado “amigo” dele. — Isaías 41:8.

O nome divino que aparece no texto hebraico do livro de Isaías

2 Se pretende ser amigo de alguém, sem dúvida deseja saber o nome dessa pessoa. Será que o Deus da Bíblia tem nome? Ele declarou: “Eu sou Jeová. Este é meu nome; e a minha própria glória não darei a outrem, nem o meu louvor a imagens entalhadas.” (Isaías 42:8) O nome dele é “Jeová”, que no idioma hebraico é grafado יהוה (lê-se da direita para a esquerda). Esse nome aparece quase 7 mil vezes nas Escrituras Hebraicas da Bíblia. Entende-se que o significado do nome divino seja “Ele Causa que Venha a Ser”, o que dá a entender que Jeová se torna o que for necessário para realizar seus propósitos. Além disso, dá a entender que ele causa, ou faz acontecer, o que ele decidir em relação à sua criação, a fim de que sua vontade se cumpra. A forma gramatical do nome Jeová no idioma hebraico denota uma ação em processo de realização. O que significa isso? Que Jeová sempre faz com que sua vontade seja realizada. Ele é um Deus vivente, não uma força impessoal.

3 Jeová tornou-se o Criador. (Gênesis 1:1) Ele é “o Deus vivente, que fez o céu e a terra, e o mar, e todas as coisas neles”. (Atos 14:15) Jeová criou tudo, inclusive o primeiro casal humano, Adão e Eva. Assim, Deus é “a fonte da vida”. (Salmo 36:9) Ele também se tornou o Sustentador da vida. Dessa maneira, ‘não se deixou sem testemunho, por fazer o bem, dando-nos chuvas do céu e estações frutíferas, enchendo os nossos corações plenamente de alimento e de bom ânimo’. (Atos 14:17) Na África e na Ásia, muitas pessoas adoram seus ancestrais pelo fato de estes lhes terem transmitido a vida. Não deviam sentir obrigação ainda maior para com o Criador e Sustentador da vida, Aquele que criou o primeiro casal e lhes deu a faculdade de procriação? Por meditar nisso, talvez se sinta motivado a dizer: “Digno és, Jeová, sim, nosso Deus, de receber a glória, e a honra, e o poder, porque criaste todas as coisas e porque elas existiram e foram criadas por tua vontade.” — Revelação (Apocalipse) 4:11.

4 Por meio das páginas da Bíblia, você pode conhecer seu Criador, Jeová, e aprender que tipo de Deus ele é. A Bíblia declara que “Deus é amor”. (1 João 4:16; Êxodo 34:6, 7) À medida que ler a Bíblia, de Gênesis a Revelação, encontrará inúmeros relatos que mostram que ele realmente é um Deus amoroso. Por que não cria o hábito de ler a Palavra de Deus diariamente com o objetivo de conhecer seu Criador? Estude a Bíblia detalhadamente com a ajuda daqueles que a conhecem. (Atos 8:26-35) Ao fazer isso, verá que ele é também um Deus de justiça, que não permitirá a perversidade para sempre. (Deuteronômio 32:4) Conciliar amor com justiça não é fácil para o homem, mas na sua sabedoria Jeová faz isso com perfeição. (Romanos 11:33; 16:27) Pelo fato de ser o Todo-Poderoso, Deus tem o poder de fazer o que quiser para cumprir seus propósitos. (Gênesis 17:1) Procure colocar em prática os conselhos sábios que encontrar na Bíblia. Isso fará com que tenha ainda mais apreço por seu Criador, porque verá que os conselhos dele sempre visam o nosso bem.

Por que não se achega a Jeová por meio da oração?

5 Existe ainda outro modo de se aproximar de Deus. É por meio das orações. Jeová é o “Ouvinte de oração”. (Salmo 65:2) Ele pode “fazer mais do que superabundantemente além de todas as coisas que peçamos ou concebamos”. (Efésios 3:20) Contudo, o que pensaria de um “amigo” que o procura somente quando precisa de um favor seu? Provavelmente não o prezaria muito. De acordo com esse raciocínio, você certamente não usaria o privilégio da oração apenas para pedir a Deus o que precisa, mas também para agradecer-lhe e louvá-lo. — Filipenses 4:6, 7; 1 Tessalonicenses 5:17, 18.