Ir para conteúdo

Ir para menu secundário

Ir para conteúdo

Testemunhas de Jeová

Língua Gestual Portuguesa

A Bíblia — Qual É a Sua Mensagem?

SECÇÃO 13

Reis bons e reis maus

Reis bons e reis maus

Israel está dividido. Com o tempo, muitos reis governam os israelitas e a maioria deles é infiel. Jerusalém é destruída pelos babilônios

ASSIM como Jeová havia predito, a nação de Israel foi dividida depois que Salomão abandonou a adoração pura. Seu filho e sucessor, Roboão, era um tirano. Como reação, dez das tribos de Israel se revoltaram e criaram o reino de Israel, no norte. Duas tribos permaneceram leais ao rei do “trono de Davi” em Jerusalém, formando o reino de Judá, no sul.

Os dois reinos tiveram uma história tumultuada, em grande parte por causa de reis sem fé e desobedientes. Israel teve mais dificuldades do que Judá, pois seus reis promoveram a adoração falsa desde o início. Apesar das obras poderosas realizadas por profetas como Elias e Eliseu — que até mesmo ressuscitaram pessoas — Israel sempre recaía no mau proceder. Por fim, Deus permitiu que o reino do norte fosse destruído pela Assíria.

Judá durou uns cem anos mais do que Israel, mas também sofreu a punição divina. Poucos reis de Judá acataram os avisos dos profetas de Deus e tentaram levar a nação de volta para Jeová. O Rei Josias, por exemplo, decidiu livrar Judá da adoração falsa e restaurou o templo de Jeová. Quando foi encontrada uma cópia bem antiga da Lei de Deus dada por meio de Moisés, Josias ficou profundamente comovido, levando-o a intensificar sua campanha de reforma.

Infelizmente, os sucessores de Josias não seguiram o bom exemplo desse rei. De modo que Jeová permitiu que a nação de Babilônia conquistasse Judá e destruísse Jerusalém e seu templo. Os sobreviventes foram exilados em Babilônia. Deus predisse que esse exílio duraria 70 anos. Judá ficou desabitada todo esse tempo — até que, como prometido, a nação teve permissão de voltar para sua própria terra.

No entanto, nenhum outro rei da dinastia de Davi governaria até o reinado do prometido Libertador, o predito Messias. A história da maioria dos reis que ocuparam o “trono de Davi” em Jerusalém prova que humanos imperfeitos não são qualificados para governar. Apenas o Messias estaria perfeitamente qualificado para isso. Assim, Jeová disse ao último desses reis davídicos: “Retira a coroa. . . . Certamente não virá a ser de ninguém, até que venha aquele que tem o direito legal, e a ele é que terei de dá-lo.” — Ezequiel 21:26, 27.

— Baseado em 1 Reis; 2 Reis; 2 Crônicas, capítulos 10 a 36; Jeremias 25:8-11.