Ir para conteúdo

Um novo Salão de Assembleias na floresta amazónica

Um novo Salão de Assembleias na floresta amazónica

No coração da floresta amazónica encontramos um impressionante Salão de Assembleias das Testemunhas de Jeová. A maior parte dos 52 hectares da propriedade, que fica a norte da cidade de Manaus, no Brasil, é coberta pela floresta nativa. Nesta floresta, é possível ouvir o som de araras, tucanos e outras aves coloridas que ficam no topo de árvores de cupuaçu, de angelim-pedra e de enormes castanheiras. Porque é que foi construído um Salão de Assembleias aqui?

Manaus fica a 1450 quilómetros da foz do rio Amazonas. A população da cidade é de quase 2 milhões de habitantes. O novo Salão de Assembleias será usado pelas 7 mil Testemunhas de Jeová de Manaus e das cidades da região, incluindo povoações que se situam nas margens do rio Amazonas e dos seus afluentes. A cidade mais distante, São Gabriel da Cachoeira, fica a mais de 800 quilómetros a oeste de Manaus. Para assistir a uma assembleia ou a um congresso neste Salão de Assembleias, algumas Testemunhas de Jeová chegam a viajar três dias de barco!

Construir um Salão de Assembleias no meio da Amazónia não foi nada fácil. Envolveu enviar 13 contentores com materiais de construção para o estaleiro de obras. Esse material saiu do porto de Santos, em São Paulo, passou por toda a costa do Brasil e subiu pelo rio Amazonas até chegar ali.

Este é o 27. Salão de Assembleias construído no Brasil, e 1956 pessoas estiveram presentes no programa de dedicação no domingo, 4 de maio de 2014. Muitos estavam emocionados porque era a primeira vez que assistiam a uma reunião num Salão de Assembleias.

Na dedicação, a assistência pôde não apenas ouvir o orador, mas também vê-lo. Esta foi uma ótima mudança, pois no passado assembleias e congressos eram realizados em locais públicos onde muitos na assistência não conseguiam ver nem o palco nem o orador. Uma Testemunha de Jeová disse: “Há muitos anos que eu assisto aos congressos, e nunca conseguia ver o drama bíblico. Só conseguia ouvi-lo.” Agora, todos podem ver o palco.