Ir para conteúdo

Ir para índice

João Batista – Um exemplo de como manter a alegria

João Batista – Um exemplo de como manter a alegria

EXISTE alguma designação na congregação que gostaria de ter, mas que, neste momento, está fora do seu alcance? Talvez seja uma responsabilidade que outro irmão tem. Ou então uma designação ou privilégio que você já teve no passado, mas que já não tem por causa da idade, de problemas de saúde ou de dificuldades financeiras. Ou ainda uma responsabilidade que teve durante muitos anos, mas que precisou de deixar por causa de mudanças na organização. Independentemente do motivo, talvez ache que não está a fazer tudo o que gostaria no seu serviço a Deus. Em situações assim, pode ser que se sinta dececionado. O que é que pode fazer para impedir que emoções negativas, como o desânimo e o ressentimento, criem raízes no seu coração? O que pode fazer para não perder a alegria?

Podemos aprender muito com o exemplo de João Batista. João teve grandes privilégios no seu serviço a Jeová. Apesar disso, a vida dele tomou um rumo que ele provavelmente não esperava. Ele talvez nunca tivesse imaginado que passaria mais tempo na prisão do que no seu ministério. No entanto, ele não perdeu a alegria. Continuou positivo até ao fim da sua vida. O que ajudou João? E o que podemos fazer para não perder a alegria, mesmo quando nos sentimos dececionados?

UMA DESIGNAÇÃO ALEGRE

Por volta de abril do ano 29 EC, João Batista começou a sua designação de preparar as pessoas para a chegada do Messias. Ele dizia: “Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo.” (Mat. 3:2; Luc. 1:12-17) Muitas pessoas reagiram bem. Multidões de vários lugares viajavam grandes distâncias para ouvir a mensagem de João, e muitos arrependeram-se dos seus pecados e foram batizados. João também foi corajoso ao criticar os líderes religiosos que se achavam justos, e avisou que, se não mudassem de atitude, eles sofreriam um julgamento. (Mat. 3:5-12) O ponto alto do ministério de João foi por volta de outubro do ano 29 EC, quando ele batizou Jesus. A partir desse momento, João dizia às pessoas para seguirem Jesus, o Messias prometido. — João 1:32-37.

O trabalho de João Batista foi realmente especial. Tanto é que Jesus disse: “Entre os nascidos  de mulheres, não surgiu ninguém maior do que João Batista.” (Mat. 11:11) Sem dúvida, João sentia-se feliz com as bênçãos que tinha recebido. Assim como João, muitos irmãos hoje receberam grandes bênçãos de Jeová. Veja o exemplo de um irmão chamado Terry. Ele e a sua esposa, Sandra, já estão no serviço de tempo integral há mais de cinquenta anos. Terry diz: “Eu tive muitos privilégios maravilhosos. Fui pioneiro, betelita, pioneiro especial, superintendente de circuito, superintendente de distrito e, agora, novamente, pioneiro especial.” Receber privilégios na organização é algo que dá muita alegria. No entanto, manter essa alegria quando as nossas circunstâncias mudam exige esforço, como vamos aprender com o exemplo de João Batista.

SEJA GRATO

Um dos segredos para João Batista nunca perder a alegria foi continuar grato pelos privilégios que tinha. Por exemplo, logo depois do batismo de Jesus, o ministério de João começou a diminuir, mas o de Jesus começou a aumentar. Preocupados com isso, discípulos de João foram até ele e disseram: ‘O homem de quem deste testemunho está a batizar, e todos vão até ele.’ (João 3:26) Então, João respondeu: “Quem tem a noiva é o noivo. Mas, quando o amigo do noivo está por perto e o ouve, sente muita alegria por causa da voz do noivo. Por isso, a minha alegria ficou completa.” (João 3:29) João não competiu com Jesus nem achou que o seu privilégio tinha perdido o valor só porque o trabalho de Jesus era mais importante. Pelo contrário, João continuou alegre porque dava valor ao privilégio de ser “amigo do noivo”.

A atitude positiva de João ajudou-o a ficar contente apesar de todos os desafios que a sua designação trazia. Por exemplo, João era nazireu desde o nascimento e, por isso, não podia beber vinho. (Luc. 1:15) Sobre a vida simples de João, Jesus disse: “João veio sem comer e sem beber.” Por outro lado, Jesus e os seus discípulos não precisavam de seguir essas restrições e tinham uma vida mais normal. (Mat. 11:18, 19) Além disso, João não realizou milagres, mas ele sabia que os discípulos de Jesus, incluindo alguns que tinham sido seus próprios discípulos, tinham recebido esse poder. (Mat. 10:1; João 10:41) Em vez de deixar que essas diferenças o distraíssem, João continuou a cumprir com zelo a designação que tinha recebido de Jeová.

Isso ensina-nos uma lição: se dermos valor ao que fazemos atualmente no serviço de Jeová, protegeremos a nossa alegria. Terry, mencionado antes, diz: “Eu concentrei-me em cada uma das designações que recebi.” Quando olha para trás e pensa na sua vida no serviço de tempo integral, ele afirma: “Não tenho nenhum arrependimento; só lembranças maravilhosas.”

Algo que também vai aumentar a nossa alegria é meditar naquilo que realmente faz qualquer designação ou responsabilidade ter valor: o privilégio de sermos “colaboradores de Deus”. (1 Cor. 3:9) Assim como um objeto valioso de metal mantém o brilho quando é polido, meditar na grande honra que temos por servir a Deus impede que pensamentos errados manchem a nossa alegria. Não vamos comparar os nossos sacrifícios com os sacrifícios de outros, nem achar que os nossos privilégios valem menos do que os privilégios que outros recebem. — Gál. 6:4.

CONCENTRE-SE EM COISAS ESPIRITUAIS

João Batista talvez soubesse que o seu trabalho não duraria muito tempo, mas é provável que não imaginasse que terminaria de uma forma tão repentina. (João 3:30) No ano 30 EC, cerca de seis meses depois de batizar Jesus, João foi preso por ordem do rei Herodes. Mesmo na prisão, João fez o que pôde para continuar a pregar. (Mar. 6:17-20) O que ajudou João a não perder a alegria apesar dessa mudança? Ele concentrou-se em coisas espirituais.

Na prisão, João recebia notícias sobre as coisas que Jesus estava a fazer. (Mat. 11:2; Luc. 7:18) João não tinha dúvidas de que Jesus era o Messias. Mas ele talvez se perguntasse como é que Jesus cumpriria tudo aquilo que as Escrituras diziam sobre o Messias. Já que o Messias se tornaria rei, será que o reinado dele ia começar  dentro de pouco tempo? Será que Jesus ia libertá-lo da prisão? Ansioso para entender melhor o que Jesus ia fazer, João enviou dois discípulos para lhe perguntar: “És Aquele Que Vem, ou devemos esperar outro?” (Luc. 7:19) Quando os discípulos voltaram, João deve ter escutado com muita atenção enquanto eles falavam sobre as curas que Jesus tinha feito e sobre as palavras de Jesus para ele: “Os cegos agora veem, os coxos estão a andar, os leprosos estão a ser purificados, os surdos estão a ouvir, os mortos estão a ser levantados e as boas novas estão a ser anunciadas aos pobres.” — Luc. 7:20-22.

João Batista, com certeza, deve ter ficado encorajado com o que os discípulos contaram. Ele teve uma prova de que Jesus estava a cumprir as profecias sobre o Messias. Embora Jesus não fosse libertar João da prisão, João sabia que o seu serviço não tinha sido em vão. Apesar das circunstâncias, ele tinha motivos para se sentir feliz.

Os relatórios sobre a pregação no mundo todo podem ajudar-nos a não perder a alegria

Assim como João, se nos concentrarmos em assuntos espirituais, vamos conseguir perseverar com alegria e paciência. (Col. 1:9-11) Para termos perseverança, precisamos de ler a Bíblia e meditar nela. Isso vai lembrar-nos de que nenhum esforço que fazemos no serviço de Jeová é perdido. (1 Cor. 15:58) Sandra diz: “Algo que faço para manter a minha amizade com Jeová é ler um capítulo da Bíblia todos os dias. Isso ajuda-me a concentrar-me em Jeová, e não em mim.” Outra coisa que pode ajudar-nos são os relatórios sobre as atividades de pregação. Eles fazem-nos olhar para além das nossas circunstâncias e ajudam-nos a focar a nossa atenção naquilo que Jeová está a fazer. Sandra diz: “Os programas mensais do JW Broadcasting® fazem-nos sentir mais próximos da organização de Jeová e ajudam-nos a não perder a alegria na nossa designação.”

Durante o seu curto ministério, João Batista pregou com “o espírito e o poder de Elias”. Assim como Elias, João “era um homem com sentimentos iguais aos nossos”. (Luc. 1:17; Tia. 5:17) Se nós mostrarmos a mesma gratidão que ele mostrou e nos concentrarmos em coisas espirituais, também continuaremos alegres no nosso serviço a Jeová, aconteça o que acontecer.