Ir para conteúdo

Ir para índice

Não julgue pelas aparências

Não julgue pelas aparências

“Parem de julgar pelas aparências, mas façam um julgamento justo.” — JOÃO 7:24.

CÂNTICOS: 142 e 123

1. Porque é que a profecia de Isaías sobre Jesus nos dá consolo?

ISAÍAS fez uma profecia sobre Jesus Cristo que nos dá esperança. Ele disse que Jesus “não julgará pelas aparências, nem repreenderá simplesmente pelo que ouve”. Pelo contrário, Jesus “julgará os de condição humilde com justiça”. (Isa. 11:3, 4) Saber disso dá-nos muito consolo, já que vivemos num mundo dominado pelo preconceito. Todos precisamos de Jesus, o Juiz perfeito que nunca nos vai julgar pela aparência.

2. Que ordem é que Jesus nos deu, e o que vamos ver neste estudo?

2 Nós, humanos, estamos sempre a julgar-nos uns aos outros. Mas, como somos imperfeitos, não conseguimos julgar os assuntos assim como Jesus consegue. A nossa tendência é julgar pelo que os nossos olhos veem. Foi por isso que Jesus disse: “Parem de julgar pelas aparências, mas façam um julgamento justo.” (João 7:24) A ordem aqui foi clara. Temos de ser como Jesus e não julgar os outros pela aparência. Neste estudo, vamos ver três coisas que podem fazer-nos julgar pelas aparências: (1) a raça ou nacionalidade de uma pessoa, (2) a quantidade de dinheiro que tem e (3) a idade. Vamos ver em cada uma destas áreas como podemos obedecer à ordem de Jesus.

 NÃO JULGUE PELA RAÇA OU NACIONALIDADE

3, 4. (a) O que fez o apóstolo Pedro mudar de opinião sobre os não judeus? (Veja a imagem no início do estudo.) (b) O que é que Jeová ajudou Pedro a entender?

3 Imagine como o apóstolo Pedro se sentiu quando foi chamado para ir a Cesareia visitar a casa de Cornélio, um não judeu. (Atos 10:17-29) Assim como todos os judeus daquela época, Pedro cresceu a acreditar que os não judeus eram impuros. Mas ele passou por algumas situações que fizeram mudar o seu modo de pensar. Por exemplo, Deus fez Pedro ter uma visão. (Atos 10:9-16) Nessa visão, ele viu descer do céu vários animais impuros em algo semelhante a um lençol. Depois, ele ouviu uma voz do céu dizer: “Levanta-te, Pedro, mata e come!” Pedro negou-se a fazer isso, mas a voz do céu dizia: “Para de chamar impuras as coisas que Deus purificou.” Quando a visão acabou, Pedro ficou muito confuso. O que é que aquela voz estava a tentar dizer-lhe? Nesse preciso momento, chegaram homens enviados por Cornélio. Quando Pedro recebeu uma instrução do espírito santo, ele foi com os homens até à casa de Cornélio.

4 Se Pedro tivesse julgado a situação pela aparência, ele nunca teria entrado na casa de Cornélio. Afinal, um judeu jamais entraria na casa de quem não fosse judeu. Então, porque é que ele foi lá? Apesar de antes ter preconceitos contra não judeus, Pedro entendeu pela visão e pela orientação do espírito santo que era necessário mudar. Depois de ouvir o que Cornélio contou, Pedro disse: “Agora entendo claramente que Deus não é parcial, mas, em todas as nações, ele aceita aquele que o teme e faz o que é certo.” (Atos 10:34, 35) Pedro deve ter ficado emocionado com esse novo entendimento. E tudo o que aconteceu nessa ocasião serve para ensinar uma lição importante a todos os cristãos.

5. (a) O que é que Jeová quer que todos os cristãos entendam? (b) Apesar de conhecermos a verdade, o que é que ainda pode existir no nosso íntimo?

5 Jeová quer que todos os cristãos entendam que ele é imparcial. Isso quer dizer que, para ele, não importa a raça, o país, a tribo ou a língua de uma pessoa. Se essa pessoa teme a Deus e faz o que é certo, ele aceita-a. (Gál. 3:26-28; Apo. 7:9, 10) Sem dúvida, isto é algo que você já sabe. No entanto, o que dizer se você tiver crescido numa região ou numa família preconceituosa? Até pode ser que se considere uma pessoa sem preconceitos. Mas, no seu íntimo, talvez ainda exista algum tipo de preconceito. Até mesmo Pedro, que viu de perto como Deus é imparcial, se deixou levar pelo preconceito em outra ocasião. (Gál. 2:11-14) O que podemos fazer para imitar Jesus e não julgar pelas aparências?

6. (a) O que podemos fazer para saber se ainda temos algum tipo de preconceito? (b) O que é que o relatório enviado por um irmão revelou sobre ele?

6 Para saber se ainda temos algum tipo de preconceito, podemos comparar a nossa atitude com o que aprendemos na Palavra de Deus. (Sal. 119:105) Também podemos perguntar a um amigo de confiança se já viu em nós alguma atitude preconceituosa. (Gál. 2:11, 14) Às vezes, podemos ficar tão habituados a ter esses sentimentos que nem nos apercebemos de que somos preconceituosos. Foi isso o que aconteceu a um irmão que tinha muitas responsabilidades na  organização. Ele enviou um relatório sobre um casal zeloso que estava no serviço de tempo integral. O marido era de um grupo étnico que muitas pessoas consideravam inferior. O irmão que fez o relatório disse muitas coisas boas sobre o marido. Mas ele terminou o relatório com as palavras: “Apesar de ele ser [de tal nacionalidade], o seu comportamento e modo de vida ajudam outros a entender que ser [dessa nacionalidade] não significa ter um modo de vida sujo ou inferior, assim como muitos [dessa nacionalidade] têm.” Aparentemente, o irmão que fez o relatório nem se apercebeu de que ele próprio tinha preconceitos contra aquele grupo étnico. O que aprendemos disso? Mesmo que tenhamos muitas responsabilidades no serviço de Jeová, devemos examinar-nos com cuidado para ver se ainda há algum tipo de preconceito dentro de nós. Também devemos ser humildes e aceitar ajuda para mudar.

7. Como podemos mostrar que ‘abrimos amplamente o coração’?

7 Se ‘abrirmos amplamente o coração’, o amor vai substituir o preconceito. (2 Cor. 6:11-13) Será que você se costuma associar apenas com quem é da sua raça, nacionalidade, tribo ou língua? Porque é que não tenta ‘alargar-se’ e passar mais tempo com outras pessoas? Pode convidar irmãos de origens diferentes para ir à pregação, ir à sua casa ou para uma refeição. (Atos 16:14, 15) Se fizer isso, o seu coração vai ficar tão cheio de amor que não vai sobrar nenhum espaço para o preconceito. Mesmo assim, a nossa tendência de julgar pelas aparências pode aparecer de outros modos. Vamos ver mais um.

NÃO JULGUE PELA CONDIÇÃO FINANCEIRA

8. De acordo com Levítico 19:15, como é que a condição financeira de alguém pode afetar a nossa opinião sobre ela?

8 Outra coisa que nos pode fazer julgar uma pessoa é a quantidade de dinheiro que ela tem. Levítico 19:15 diz: “Não mostres parcialidade a favor do pobre nem favoreças o rico. Deves julgar o teu próximo com justiça.” Mas como é que a condição financeira de alguém poderia fazer-nos encará-lo de modo diferente?

9. Que triste verdade escreveu Salomão, e o que é que isso nos ensina?

9 Jeová inspirou Salomão a escrever uma triste verdade sobre humanos imperfeitos. Em Provérbios 14:20, ele disse: “O pobre é odiado até pelo seu próximo, mas muitos são os amigos do rico.” O que é que este provérbio nos ensina? Se não tivermos cuidado, vamos querer ser amigos apenas de quem é rico e desprezar os que são pobres. Porque é tão perigoso medir as pessoas pela quantidade de dinheiro que têm?

10. Sobre que problema é que Tiago nos avisou?

10 Se tratarmos os irmãos de modo diferente só porque são ricos ou pobres, a congregação pode ficar dividida por classes sociais. Esse problema aconteceu em algumas congregações do primeiro século, e o discípulo Tiago avisou os cristãos sobre isso. (Leia Tiago 2:1-4.) Não podemos deixar que esse tipo de divisão exista na nossa congregação. O que nos pode ajudar a não julgarmos os outros pela condição financeira?

11. Como sabemos que para Jeová não importa a quantidade de dinheiro que uma pessoa tem?

11 Temos de ver os nossos irmãos assim como Jeová os vê. Não é ser rico ou pobre  que vai tornar alguém precioso para Jeová. A nossa amizade com Deus não tem nada a ver com o que temos ou não temos em sentido material. Embora Jesus tenha dito que ‘seria difícil para um rico entrar no Reino dos céus’, ele não disse que seria impossível. (Mat. 19:23) Ele também disse: “Felizes são vocês, pobres, pois vosso é o Reino de Deus”. (Luc. 6:20) Será que isso quer dizer que todas as pessoas pobres iriam escutá-lo ou receberiam bênçãos especiais? Não. Houve muitas pessoas pobres que não se tornaram seguidoras de Jesus. O ponto é: não podemos julgar a relação de uma pessoa com Jeová pelas coisas que ela tem.

12. Que conselhos dá a Bíblia a ricos e pobres?

12 É muito bom termos na congregação irmãos e irmãs que amam e servem a Jeová, não importa se são ricos ou pobres. A Bíblia aconselha os que são ricos: ‘Não baseiem a vossa esperança nas riquezas incertas, mas em Deus.’ (Leia 1 Timóteo 6:17-19.) Ao mesmo tempo, a Palavra de Deus diz-nos a todos nós, ricos ou pobres, para não amarmos o dinheiro. (1 Tim. 6:9, 10) Se aprendermos a ver os irmãos assim como Jeová os vê, não corremos o risco de julgá-los pela condição financeira. O que dizer, porém, da idade de uma pessoa? Será que é um bom modo de avaliar alguém?

NÃO JULGUE PELA IDADE

13. O que é que a Bíblia diz sobre respeitar os mais velhos?

13 A Bíblia destaca muitas vezes que devemos mostrar respeito pelos mais velhos. Levítico 19:32 diz: “Levanta-te diante do cabelo branco, honra o homem idoso e tem temor do teu Deus.” Provérbios 16:31 diz também que “os cabelos brancos são uma coroa de beleza quando se encontram no caminho da justiça”. E Paulo aconselhou Timóteo a não criticar um homem idoso, mas a tratá-lo como um pai. (1 Tim. 5:1, 2) Embora Timóteo tivesse alguma autoridade sobre esses irmãos mais velhos, ele devia tratá-los com compaixão e respeito.

14. Em que situação é que talvez seja necessário corrigir alguém que é mais velho do que nós?

14 Imagine que um irmão idoso está a praticar um pecado ou está a incentivar outros a fazer algo que Jeová não gosta. Será que por ele ser mais velho não se deve fazer nada? Note o que Jeová diz em Isaías 65:20: “O pecador será amaldiçoado, mesmo que tenha cem anos.” Essa ideia também está em Ezequiel 9:5-7. Jeová não vai deixar passar o pecado de uma pessoa só porque ela é idosa. Temos de nos lembrar de que a nossa maior preocupação deve ser respeitar o Antigo de Dias, Jeová Deus. (Dan. 7:9, 10, 13, 14) Se isso estiver claro na nossa mente, não teremos medo de corrigir uma pessoa que precise de algum conselho, não importa a sua idade. — Gál. 6:1.

Mostra respeito pelos irmãos mais jovens? (Veja o parágrafo 15.)

15. O que é que o exemplo do apóstolo Paulo nos ensina sobre respeitar os irmãos mais jovens?

15 O que dizer dos irmãos mais jovens da congregação? Como é que você os encara? O apóstolo Paulo escreveu a Timóteo: “Nunca deixes que ninguém te menospreze por seres jovem. Em vez disso, torna-te exemplo para os fiéis no falar, na conduta, no amor, na fé, na castidade.” (1 Tim. 4:12) Quando Paulo escreveu isso, é provável que Timóteo tivesse cerca de 30 anos. Mesmo assim, foi a ele que Paulo escolheu para cuidar de grandes responsabilidades. Qualquer que seja o motivo de Paulo ter dado esse  conselho, o ponto é claro. Não devemos julgar um irmão jovem só por causa da sua idade. Não se esqueça de que o próprio Jesus fez todo o seu trabalho na Terra quando tinha 30 e poucos anos.

16, 17. (a) Como é que os anciãos decidem se um irmão pode ser recomendado como servo ministerial ou ancião? (b) Como é que opiniões pessoais ou a cultura local podem ir contra o que a Bíblia diz?

16 Em alguns lugares, as pessoas não respeitam muito homens mais jovens. Por causa disso, os anciãos da congregação talvez não recomendem um irmão jovem para ser servo ministerial ou ancião, mesmo que esse irmão cumpra os requisitos bíblicos. Contudo, os anciãos devem lembrar-se de que a Bíblia não especifica nenhuma idade mínima para um homem ser designado servo ministerial ou ancião. (1 Tim. 3:1-10, 12, 13; Tito 1:5-9) Se um ancião criar uma regra baseada na cultura, não está a obedecer à Palavra de Deus. Um homem deve ser avaliado, não por opiniões pessoais ou por costumes locais, mas sim pelos padrões que a Bíblia estabelece. — 2 Tim. 3:16, 17.

17 Se os anciãos não seguirem os padrões da Bíblia, eles talvez não recomendem um irmão que se qualifica para ser servo ministerial ou ancião. Veja o que aconteceu com um servo ministerial num certo país. Ele cuidava bem de muitas responsabilidades na congregação, e os anciãos concordavam que ele cumpria os requisitos da Bíblia para ser ancião. Mas alguns anciãos mais velhos diziam que ele parecia ser demasiado jovem para ser recomendado. Infelizmente, o servo ministerial não foi recomendado só por causa da aparência jovem dele. Este é apenas um caso, mas este pensamento ainda existe em muitas congregações no mundo. Isto mostra como é importante confiar na Bíblia, e não nas nossas opiniões ou na cultura local. Só assim vamos conseguir obedecer a Jesus e parar de julgar outros pela aparência.

‘FAÇA UM JULGAMENTO JUSTO’

18, 19. O que devemos fazer para ver os outros assim como Jeová os vê?

18 Apesar de sermos imperfeitos, podemos aprender a ver os outros como Jeová os vê, sem nenhum preconceito. (Atos 10:34, 35) Mas temos de nos esforçar e prestar atenção aos lembretes que a Palavra de Deus nos dá constantemente. Assim, vamos conseguir obedecer à ordem de Jesus de não julgarmos pelas aparências. — João 7:24.

19 Em breve, o nosso Rei, Jesus Cristo, vai julgar todas as pessoas. Só que ele nunca nos vai julgar pela aparência, mas sim ‘julgar com justiça’. (Isa. 11:3, 4) Desejamos muito que esse tempo chegue!