Ir para conteúdo

Ir para índice

 PARTE 3

Sentimentos feridos – Quando temos “razão para queixa”

Sentimentos feridos – Quando temos “razão para queixa”

“Uma irmã da minha congregação acusou-me injustamente de lhe ter roubado dinheiro. Outros na congregação souberam disso e começou a haver divisões entre os irmãos. Com o tempo, a irmã disse-me que recebeu novas informações que provavam que eu era inocente. Embora ela tenha pedido desculpa, no fundo do meu coração eu sentia que nunca a poderia perdoar por aquilo que eu tinha passado.” — Linda.

CONSEGUE identificar-se com Linda, que estava profundamente magoada pelas ações de uma irmã? Infelizmente, alguns têm ficado tão perturbados pelo comportamento de outros, que a sua rotina de adoração tem sido afetada. Já alguma vez passou por uma situação assim?

Pode alguém ‘separar-nos do amor de Deus’?

Temos de admitir que pode ser muito difícil perdoar um irmão que nos magoou. Afinal, os cristãos devem amar-se uns aos outros. (João 13:34, 35) Se tivermos sido tratados injustamente por um irmão, a desilusão e a dor podem ser arrasadoras. — Salmo 55:12.

Claro que a Bíblia reconhece que às vezes damos a outro cristão “razão para queixa contra” nós. (Colossenses 3:13) Ainda assim, quando sentimos isso na pele, pode ser muito complicado de lidar. O que é que nos pode ajudar? Analise três princípios bíblicos:

O nosso Pai Jeová está a par de tudo. Jeová observa tudo o que acontece, incluindo as injustiças que sofremos e a dor que isso causa. (Hebreus 4:13) Além disso, Jeová sofre quando nos vê sofrer. (Isaías 63:9) Ele não permite que nada – nem “tribulação”, nem “aflição”, nem mesmo outro adorador dele – possa ‘separar-nos do amor de Deus’. (Romanos 8:35, 38, 39) Não nos motiva isso a agir da mesma maneira? Que nunca permitamos que nada nem ninguém nos separe de Jeová.

Perdoar não é minimizar. Quando perdoamos aqueles que nos trataram injustamente, não estamos a minimizar, justificar, desculpar ou passar por alto as ações deles. Lembre-se de que Jeová nunca aprova o pecado, mas perdoa-o se tiver razões para isso. (Salmo 103:12, 13; Habacuque 1:13) Quando nos incentiva a perdoar os outros, Jeová está a pedir-nos que o imitemos. Ele não “fica ressentido para sempre”. — Salmo 103:9; Mateus 6:14.

Quando nos libertamos do ressentimento, é para o nosso próprio bem. Em que sentido? Imagine que pega numa pedra com cerca de um quilo e que a segura com o braço estendido. Provavelmente não terá problema em aguentar o braço assim por algum tempo. Mas e se continuar com o braço nessa posição? Quanto tempo acha que vai conseguir aguentar? Alguns minutos? Uma hora? Ou mais? Sem dúvida, o seu braço vai ficar muito cansado! Claro que o peso da pedra não mudou. Mas quanto mais tempo a segura, mais pesada lhe parece. O mesmo acontece com o ressentimento. Quanto mais tempo guardarmos rancor – por mais insignificante que nos pareça – mais nos vamos magoar. Não é de admirar que Jeová nos incentive  a pôr de lado o ressentimento. De facto, esquecer é para o nosso próprio bem. — Provérbios 11:17.

Quando nos libertamos do ressentimento, é para o nosso próprio bem

“Senti que era Jeová que estava a falar comigo”

O que ajudou Linda a não continuar ressentida por causa da maneira como tinha sido tratada por uma irmã? Entre outras coisas, ela meditou em razões bíblicas para perdoar. (Salmo 130:3, 4) Linda sentiu-se especialmente tocada por saber que quando nós perdoamos, Jeová, por sua vez, também nos perdoa. (Efésios 4:32–5:2) Ao explicar como esses sentimentos a afetaram, ela disse: “Senti que era Jeová que estava a falar comigo.”

Com o tempo, Linda conseguiu ultrapassar o ressentimento. Ela perdoou a irmã e agora elas são grandes amigas. Linda seguiu em frente e continuou a trabalhar para Jeová. Pode ter a certeza de que Jeová quer ajudá-lo a fazer o mesmo.