Ir para conteúdo

Ir para índice

 CAPÍTULO 6

Como escolher diversão sadia

Como escolher diversão sadia

“Façam todas as coisas para a glória de Deus.” — 1 CORÍNTIOS 10:31.

1, 2. Que escolha precisamos de fazer a respeito do entretenimento?

IMAGINE que vai comer uma peça de fruta deliciosa, mas nota que parte dela está podre. O que faria? Bem, pode comê-la toda, incluindo a parte estragada; pode deitá-la fora na totalidade, não aproveitando nada; ou pode cortar a parte estragada e comer a parte boa. O que escolheria fazer?

2 De certa forma, as diversões são como essa fruta. Não acha que muitas das formas de entretenimento hoje disponíveis são moralmente más, ou “podres”? Sendo assim, o que decidirá fazer quando se quiser divertir? Alguns toleram o que é mau e aceitam todos os tipos de diversão que este mundo oferece. Outros talvez evitem todas as formas de entretenimento para não correrem o risco de ficarem expostos a algo que os prejudique. Ainda outros talvez tenham o cuidado de evitar entretenimento prejudicial e, de vez em quando, divertem-se com algo que é relativamente sadio. Que escolha é que cada um de nós deve fazer para se manter no amor de Deus?

3. O que vamos analisar agora?

3 A maioria de nós escolheria a terceira opção. Reconhecemos que precisamos de recreação, mas queremos limitar a nossa diversão ao que é moralmente puro. Por isso, é importante considerar como podemos saber o que  é e o que não é saudável. Primeiro, porém, vamos analisar que efeito a nossa escolha de diversão pode ter na adoração que prestamos a Jeová.

“FAÇAM TODAS AS COISAS PARA A GLÓRIA DE DEUS”

4. Como é que a nossa dedicação deve influenciar a nossa escolha de diversão?

4 Há algum tempo, um irmão idoso, batizado em 1946, disse: “Faço questão de estar presente em todos os discursos de batismo e de prestar atenção a cada um deles, como se fosse o discurso do meu batismo.” Porque é que ele faz isso? Ele explicou: “Manter a minha dedicação bem clara na mente tem sido um passo importante para continuar fiel.” Não concorda com ele? Sem dúvida, quando se lembra de que prometeu a Jeová que usaria toda a sua vida para servi-lo, isso motiva-o a perseverar. (Leia Eclesiastes 5:4.) De facto, meditar na dedicação que fez a Jeová influenciará não só a sua atitude para com o ministério cristão, mas também todos os outros aspetos da sua vida – incluindo a diversão. O apóstolo Paulo destacou essa verdade quando escreveu aos cristãos dos seus dias: “Quer comam, quer bebam, quer façam qualquer outra coisa, façam todas as coisas para a glória de Deus.” — 1 Coríntios 10:31.

5. Como é que Levítico 22:18-20 nos ajuda a entender o aviso indireto contido em Romanos 12:1?

 5 Tudo o que você faz na vida está relacionado com a sua adoração a Jeová. Na carta que escreveu aos romanos, Paulo usou uma expressão de profundo significado para ajudar os seus companheiros de adoração a entender a importância dessa verdade. Ele incentivou-os: “Apresentem os vossos corpos como sacrifício vivo, santo e aceitável a Deus, prestando assim um serviço sagrado com a vossa faculdade de raciocínio.” (Romanos 12:1) O seu corpo inclui a mente, o coração e a força física, enfim, tudo o que você usa para servir a Deus. (Marcos 12:30) Paulo fala desse serviço prestado de toda a alma como sendo um sacrifício. Tal expressão contém um aviso indireto. Sob a Lei mosaica, um sacrifício defeituoso era rejeitado por Deus. (Levítico 22:18-20) Do mesmo modo, se o sacrifício espiritual de um cristão estiver de alguma forma contaminado, será rejeitado por Deus. Mas como poderia isso acontecer?

6, 7. Como pode um cristão poluir o seu corpo, e quais são as consequências?

6 Paulo aconselhou os cristãos em Roma: “Não [...] continuem a apresentar os vossos corpos ao pecado.” Paulo também lhes disse para ‘entregarem à morte as práticas do corpo’. (Romanos 6:12-14; 8:13) Um pouco antes na sua carta, ele tinha dado alguns exemplos dessas “práticas do corpo”. Referindo-se à humanidade pecadora, ele escreveu: “A sua boca está cheia de maldições.” “Os seus pés são velozes para derramar sangue.” “Não há temor de Deus diante dos seus olhos.” (Romanos 3:13-18) Um cristão estaria a poluir o seu corpo se usasse os seus membros – ou partes do corpo – para praticar essas coisas erradas. Por exemplo, se um cristão deliberadamente vê coisas depravadas – como pornografia – ou violência sádica,  ele está ‘a apresentar os [seus olhos] ao pecado’ e, consequentemente, a contaminar todo o seu corpo. Qualquer adoração prestada por ele deixa de ser um sacrifício santo e torna-se inaceitável para Deus. (Deuteronómio 15:21; 1 Pedro 1:14-16; 2 Pedro 3:11) Que preço alto a pagar por se escolher diversão prejudicial!

7 Fica claro que a escolha de entretenimento de um cristão traz sérias consequências. Então, com certeza, queremos escolher formas de diversão que contribuam para prestarmos a Deus um sacrifício de boa qualidade em vez de contaminá-lo. Vamos analisar agora como podemos saber o que é e o que não é saudável.

“ABOMINEM O QUE É MAU”

8, 9. (a) Em que duas categorias podem ser divididas as diversões? (b) Que tipos de diversão rejeitamos, e porquê?

8 Em linhas gerais, as diversões podem ser divididas em duas categorias. Uma inclui as diversões que os cristãos definitivamente não aceitam; a outra envolve tipos de diversão que podem ou não ser aceitáveis para os cristãos. Vamos considerar a primeira categoria – as diversões que os cristãos não aceitam.

9 Como vimos no capítulo 1, alguns tipos de diversão destacam práticas expressamente condenadas na Bíblia. Pense, por exemplo, nas páginas da Internet, filmes, programas de televisão e músicas que contêm sadismo, demonismo, pornografia ou que promovem práticas depravadas e imorais. Visto que esses tipos degradantes de diversão apresentam práticas que violam as leis e os princípios bíblicos como algo aceitável, devem ser evitados pelos cristãos verdadeiros. (Atos 15:28, 29; 1 Coríntios 6:9, 10; Apocalipse 21:8) Esteja decidido a rejeitar esse tipo de diversão prejudicial. Desse modo, mostrará a Jeová que realmente ‘abomina o que é mau’ e que se ‘desvia do mal’ de modo  firme. Assim, demonstrará que tem “fé sem hipocrisia”. — Romanos 12:9; Salmo 34:14; 1 Timóteo 1:5.

10. Que tipo de raciocínio sobre diversão é perigoso, e porquê?

10 No entanto, alguns talvez achem que não há nada de mal em ver algo imoral. Talvez pensem: ‘Eu até posso ver isto em filmes ou na televisão, mas nunca faria nada assim.’ Esse raciocínio é enganoso e perigoso. (Leia Jeremias 17:9.) Será que realmente ‘abominamos o que é mau’ se achamos divertido ver o que Jeová condena? Se nos expusermos à conduta errada, o nosso senso do que é certo e do que é errado ficará prejudicado. (Salmo 119:70; 1 Timóteo 4:1, 2) Isso poderia influenciar as nossas ações ou o modo como encaramos o comportamento errado dos outros.

11. Como tem sido comprovada a veracidade do princípio de Gálatas 6:7 no que diz respeito à diversão?

11 Na verdade, isso já aconteceu. Alguns cristãos cometeram imoralidade porque ficaram influenciados pelo que costumavam ver nos filmes, na televisão ou na Internet. Eles aprenderam, de forma dolorosa, que “o que a pessoa semear, isso também colherá”. (Gálatas 6:7) Como é que alguém pode evitar passar por isso? Semeie na sua mente o que é puro e limpo. Se o fizer, terá a felicidade de colher bons resultados na sua vida. — Veja o quadro “ Que diversão devo escolher?”.

DECISÕES PESSOAIS BASEADAS EM PRINCÍPIOS BÍBLICOS

12. Como é que Gálatas 6:5 pode ser aplicado à diversão, e que orientação temos para tomar decisões pessoais?

12 Analisemos agora a segunda categoria – as diversões que a Bíblia nem condena nem aprova, de modo específico. Ao escolher essas diversões, cada cristão deve decidir o que acha aceitável. (Leia Gálatas 6:5.) No entanto, quando nos confrontamos com essa escolha, não nos falta orientação. A Bíblia contém princípios, ou verdades  fundamentais, que nos ajudam a entender o modo de pensar de Jeová. Por darmos atenção a esses princípios, poderemos saber “qual é a vontade de Jeová” em todas as coisas, incluindo a escolha de diversão. — Efésios 5:17.

13. O que nos fará evitar tipos de diversão que poderiam desagradar a Jeová?

13 É compreensível que nem todos os cristãos tenham o mesmo senso moral, ou discernimento. (Filipenses 1:9) Além disso, os cristãos sabem que, no que diz respeito  à diversão, os gostos variam. Por isso, não se espera que todos os cristãos tomem a mesma decisão neste assunto. Mesmo assim, quanto mais permitirmos que os princípios bíblicos orientem a nossa mente e coração, mais desejaremos evitar qualquer forma de diversão que poderia desagradar a Jeová. — Salmo 119:11, 129; 1 Pedro 2:16.

14. (a) Que aspeto devemos considerar ao escolher uma diversão? (b) Como podemos dar sempre prioridade aos interesses do Reino?

14 Existe outro aspeto importante que deve considerar ao escolher uma diversão para si: o seu tempo. O tipo de divertimento que escolhe revela aquilo que considera aceitável; a quantidade de tempo que gasta com esse divertimento revela quais são as suas prioridades. É claro que, para um cristão, os assuntos espirituais são os mais importantes. (Leia Mateus 6:33.) O que pode, então, fazer para garantir que os interesses do Reino tenham sempre prioridade na sua vida? O apóstolo Paulo disse: “Estejam bem atentos para não andarem como tolos, mas como sábios, usando o vosso tempo do melhor modo possível.” (Efésios 5:15, 16) De facto, estabelecer limites claros de quanto tempo vai gastar com a sua diversão irá ajudá-lo a ter o tempo necessário para as “coisas mais importantes” – as atividades que contribuem para o seu bem-estar espiritual. — Filipenses 1:10.

15. Porque é bom estabelecer uma margem de segurança ao escolher uma diversão?

15 Ao escolher uma diversão, também é bom estabelecer uma margem de segurança. O que significa isso? Considere novamente o exemplo da peça de fruta. O que faria para não comer a parte podre da fruta sem querer? Não só removeria a parte estragada, mas também cortaria um bom pedaço à sua volta. Da mesma forma, é sensato ter uma margem de segurança ao escolher uma diversão. Um cristão que tem discernimento evita não  só o entretenimento que viola claramente os princípios bíblicos, mas também os tipos de diversão questionáveis ou que talvez incluam coisas que poderiam prejudicar a espiritualidade. (Provérbios 4:25-27) Apegar-se à Palavra de Deus irá ajudá-lo a fazer isso.

“TUDO O QUE É CASTO”

Aplicar princípios bíblicos ao escolhermos a nossa diversão protege-nos contra a ruína espiritual

16. (a) Como podemos mostrar que temos o ponto de vista de Jeová sobre a moralidade? (b) Como é que a aplicação de princípios bíblicos pode tornar-se o seu modo de vida?

16 Ao escolher uma diversão, um verdadeiro cristão, primeiro, leva em conta o ponto de vista de Jeová. A Bíblia revela os padrões e os sentimentos dele. Por exemplo, o Rei Salomão alistou várias coisas que Jeová odeia, tais como ‘língua mentirosa e mãos que derramam sangue inocente, o coração que planeia tramas perversas e pés que correm rapidamente para a maldade’. (Provérbios 6:16-19) Como é que o ponto de vista de Jeová deve influenciar os seus conceitos? “Vocês, os que amam a Jeová”, aconselhou o salmista, “odeiem o que é mau”. (Salmo 97:10) A sua escolha de diversão deve deixar bem claro que realmente odeia o que Jeová odeia. (Gálatas 5:19-21) Lembre-se, também, de que o que faz em particular, mais do que em público, revela o tipo de pessoa que realmente é. (Salmo 11:4; 16:8) Portanto, se tiver o desejo sincero de refletir, em todos os aspetos da sua vida,  os sentimentos de Jeová em questões de moral, fará sempre escolhas de acordo com os princípios bíblicos. Fazer isso tornar-se-á o seu modo de vida. — 2 Coríntios 3:18.

17. Antes de escolher uma diversão, o que nos devemos perguntar?

17 O que pode fazer mais para garantir que agirá em harmonia com o modo de pensar de Jeová ao escolher uma diversão? Reflita da seguinte maneira: ‘Como é que essa diversão me afetará a mim e ao meu relacionamento com Jeová?’ Por exemplo, antes de decidir se vai ou não ver um determinado filme, pergunte-se: ‘Como é que o conteúdo deste filme afetará a minha consciência?’ Vamos considerar que princípios se aplicam neste caso.

18, 19. (a) Como é que o princípio encontrado em Filipenses 4:8 nos ajuda a determinar se o entretenimento que escolhemos é sadio? (b) Que outros princípios o podem ajudar a escolher bem a sua diversão? (Veja a nota.)

18 Há um importante princípio que se encontra em Filipenses 4:8, que diz: “Tudo o que é verdadeiro, tudo o que é de séria preocupação, tudo o que é justo, tudo o que é casto, tudo o que é amável, tudo de que se fala bem, tudo o que é virtuoso e tudo o que é digno de louvor, continuem a considerar estas coisas.” É verdade que Paulo não estava a falar sobre diversão, mas sobre as reflexões do coração, que se devem centralizar em coisas que agradam a Deus. (Salmo 19:14) Mesmo assim, o princípio encontrado nas suas palavras pode aplicar-se ao entretenimento. Como?

19 Pergunte-se: ‘Será que os filmes, videojogos, músicas e outros tipos de entretenimento que escolho enchem a minha mente com “tudo o que é casto”?’ Por exemplo, depois de ver um filme, que imagens ficam gravadas na sua mente? Se as imagens forem agradáveis e puras e tiverem um efeito reanimador, poderá ter a certeza de que a diversão foi saudável. Mas se o filme o faz pensar em coisas que não são castas, o entretenimento foi prejudicial. (Mateus  12:33; Marcos 7:20-23) Porquê? Porque pensar em coisas moralmente impuras perturba a sua paz interior, fere a sua consciência treinada pela Bíblia e pode prejudicar o seu relacionamento com Deus. (Efésios 5:5; 1 Timóteo 1:5, 19) Visto que esse tipo de entretenimento tem um efeito nocivo na sua personalidade, esteja decidido a evitá-lo. * (Romanos 12:2) Tenha a atitude do salmista que orou a Jeová: “Desvia os meus olhos daquilo que não tem valor.” — Salmo 119:37.

PROCURE A VANTAGEM DOS OUTROS

20, 21. Como se relaciona 1 Coríntios 10:23, 24 com a escolha de diversão sadia?

20 Paulo mencionou um importante princípio bíblico que deve ser considerado quando tomamos decisões sobre assuntos pessoais. Ele disse: “Tudo é permitido, mas nem tudo edifica. Que cada um persista em procurar não a sua própria vantagem, mas a da outra pessoa.” (1 Coríntios 10:23, 24) Como é que esse princípio se relaciona com a escolha de entretenimento sadio? Pergunte-se: ‘Como é que a diversão que escolho afetará outras pessoas?’

21 Talvez ache, na sua consciência, que certo tipo de diversão é “permitido”, ou aceitável. Mas, se notar que outros irmãos com consciência mais sensível consideram essa diversão objetável, talvez decida não optar por ela. Porquê? Porque não quer ‘pecar contra o seu irmão’ – ou até mesmo ‘pecar contra Cristo’, conforme disse Paulo – por tornar mais difícil para o seu companheiro de adoração manter a fidelidade a Deus. Leve a sério a seguinte advertência: “Não se tornem motivo de tropeço.” (1 Coríntios  8:12; 10:32) Hoje em dia, os cristãos verdadeiros acatam o conselho equilibrado e sensato de Paulo por evitarem tipos de entretenimento que talvez sejam ‘permitidos’, mas não ‘edificam’. — Romanos 14:1; 15:1.

22. Porque é que entre os cristãos pode haver pontos de vista diferentes em questões pessoais?

22 Porém, quando se trata de procurar a vantagem dos outros, existe o outro lado da questão. Um cristão que tenha uma consciência mais sensível não deve insistir para que todos os irmãos na congregação tenham o mesmo ponto de vista restrito que ele tem sobre o que é entretenimento aceitável. Se ele fizesse isso, estaria a agir como um motorista numa autoestrada que exige que todos os outros motoristas conduzam à velocidade que ele quer. Isso não seria razoável. Uma pessoa que tenha uma consciência mais sensível e seja motivada pelo amor cristão deve respeitar os irmãos cujo ponto de vista sobre diversão é diferente do seu, mas não viola nenhum princípio bíblico. Assim, a pessoa deixa que a sua “razoabilidade seja conhecida por todos os homens”. — Filipenses 4:5; Eclesiastes 7:16.

23. Como pode escolher formas de diversão que sejam sadias?

23 Em resumo, como pode escolher formas de diversão que sejam sadias para si? Rejeite todo o tipo de entretenimento que apresente práticas degradantes e imorais que são claramente condenadas na Palavra de Deus. Siga os princípios bíblicos que se aplicam aos tipos de diversão que não são especificados na Bíblia. Evite o tipo de entretenimento que fere a sua consciência e esteja disposto a abrir mão de diversões que poderiam ferir a consciência de outros, em especial dos nossos irmãos. Que a sua determinação de fazer isso traga glória a Deus e o mantenha, a si e à sua família, no amor dele!

^ par. 19 Outros princípios que se aplicam ao entretenimento encontram-se em Provérbios 3:31; 13:20; Efésios 5:3, 4 e Colossenses 3:5, 8, 20.