Ir para conteúdo

Ir para índice

Entenda Melhor

Entenda Melhor

  1 PRINCÍPIOS

As leis de Deus baseiam-se nos seus princípios. Esses princípios são verdades básicas que estão na Bíblia. Eles ajudam-nos a entender como Deus pensa e como é que ele se sente em relação aos assuntos. Os princípios ajudam-nos a tomar boas decisões na vida e a fazer o que é certo. Ajudam-nos especialmente quando não existe nenhuma lei de Deus a dizer exatamente o que fazer.

Capítulo 1, parágrafo 8

 2 OBEDIÊNCIA

Obedecer a Jeová significa fazer de coração o que ele nos pede. Jeová quer que a nossa obediência seja motivada por amor. (1 João 5:3) Se amarmos a Deus e confiarmos nele, obedeceremos aos seus conselhos em todas as situações. Faremos isso, mesmo quando não for fácil. Para nós, é muito bom obedecer a Jeová, porque ele ensina-nos a termos uma vida feliz agora e promete dar-nos muitas bênçãos no futuro. — Isaías 48:17.

Capítulo 1, parágrafo 10

 3 LIBERDADE DE ESCOLHA

Jeová deu-nos a todos liberdade de escolha, ou seja, podemos tomar as nossas próprias decisões. Ele não nos criou como robôs. (Deuteronómio 30:19; Josué 24:15) Podemos usar a nossa liberdade para tomar boas decisões. Mas, se não tivermos cuidado, podemos tomar más decisões. Ter liberdade de escolha significa que cada um de nós tem de decidir se quer ser leal a Jeová e provar que realmente o ama.

Capítulo 1, parágrafo 12

 4 ORIENTAÇÕES SOBRE O QUE É CERTO E ERRADO

Jeová deu-nos orientações sobre o que é certo e errado, e sobre como agir. Na Bíblia, podemos aprender essas orientações e ver como nos  ajudam a agradar a Jeová e a ter uma vida feliz. (Provérbios 6:16-19; 1 Coríntios 6:9-11) Essas orientações ensinam-nos como Deus pensa. Também nos ajudam a ser amorosos, a tomar boas decisões e a ser bondosos com outros. Embora o modo de agir do mundo continue a piorar, o que Jeová diz que é certo e errado não muda. (Deuteronómio 32:4-6; Malaquias 3:6) Obedecer às orientações de Jeová protege-nos de muita dor e sofrimento.

Capítulo 1, parágrafo 17

 5 CONSCIÊNCIA

A consciência é a capacidade que temos dentro de nós de perceber se uma coisa é certa ou errada. Jeová deu uma consciência a cada um de nós. (Romanos 2:14, 15) Para funcionar bem, a consciência precisa de ser treinada de acordo com o que Deus diz que é certo e errado. Assim, ela vai poder ajudar-nos a tomar decisões que deixem Jeová feliz. (1 Pedro 3:16) A consciência pode avisar-nos quando estamos prestes a tomar uma má decisão. E, quando fazemos uma coisa errada, podemos ficar com a consciência pesada. A nossa consciência pode ficar fraca, mas, com a ajuda de Jeová, pode voltar a ficar forte. Uma boa consciência permite-nos ter paz mental e respeito próprio.

Capítulo 2, parágrafo 3

 6 TEMOR A DEUS

Temer a Deus significa que amamos e respeitamos tanto a Deus que não queremos fazer nada que o deixe triste. Esse temor ajuda-nos a fazer o que é certo e a não fazer o que é errado. (Salmo 111:10) Por causa disso, prestamos atenção a tudo o que Jeová diz. Temer a Deus também nos ajuda a cumprir o que prometemos a Jeová, visto que o respeitamos muito. O temor a Deus influencia o nosso modo de pensar, como tratamos os outros e as escolhas que fazemos todos os dias.

Capítulo 2, parágrafo 9

  7 ARREPENDIMENTO

O arrependimento inclui a grande tristeza que uma pessoa sente por ter feito algo errado. Os que amam a Deus ficam muito tristes quando percebem que fizeram algo que vai contra o que Jeová diz que é certo. Quando erramos, temos de pedir perdão a Jeová por meio do sacrifício de resgate de Jesus. (Mateus 26:28; 1 João 2:1, 2) Quando nos arrependemos de coração e paramos de fazer o que é errado, podemos ter a certeza de que Jeová vai perdoar-nos. Não precisamos de nos preocupar com o que fizemos no passado. (Salmo 103:10-14; 1 João 1:9; 3:19-22) Temos de nos esforçar para aprender com os erros, mudar pensamentos errados e viver de acordo com o que Jeová diz que é certo.

Capítulo 2, parágrafo 18

 8 SER DESASSOCIADO

Quando alguém comete um pecado grave, não se arrepende e não quer seguir as orientações de Jeová, não pode continuar a ser membro da congregação. Ele tem de ser desassociado. Quando alguém é desassociado, paramos de ter contacto com ele e de falar com ele. (1 Coríntios 5:11; 2 João 9-11) Desassociar alguém protege o nome de Jeová e a congregação. (1 Coríntios 5:6) É uma forma de disciplina que ajuda a pessoa a arrepender-se para poder voltar para Jeová. — Lucas 15:17.

Capítulo 3, parágrafo 19

 9 ORIENTAÇÃO E CONSELHO

Jeová ama-nos e quer ajudar-nos. É por isso que ele nos dá orientação e conselho por meio da Bíblia e de pessoas que amam a Deus. Somos imperfeitos e não podemos viver sem essa ajuda. (Jeremias 17:9) Quando ouvimos com respeito as pessoas que Jeová usa para nos orientar, mostramos que respeitamos a Jeová e que queremos obedecer-lhe. — Hebreus 13:7.

Capítulo 4, parágrafo 2

  10 ORGULHO E HUMILDADE

Somos imperfeitos e, por isso, é fácil sermos egoístas e orgulhosos. No entanto, Jeová espera que sejamos humildes. Normalmente, começamos a entender o que é a humildade quando nos comparamos com Jeová e vemos como somos pequenos. (Jó 38:1-4) Ser humilde também é aprendermos a pensar mais nos outros e no que será bom para eles, em vez de pensarmos em nós próprios. O orgulho costuma fazer a pessoa pensar que é melhor do que os outros. Quem é humilde olha para si próprio de modo honesto e vê as suas qualidades e fraquezas. Não tem medo de reconhecer os seus erros, de pedir desculpas e de aceitar sugestões e conselhos. Quem é humilde confia em Jeová e obedece às orientações dele. — 1 Pedro 5:5.

Capítulo 4, parágrafo 4

 11 AUTORIDADE

Ter autoridade significa ter o direito de dar ordens e de tomar decisões. Jeová tem a maior autoridade que existe no céu e na Terra. Ele criou todas as coisas e, por isso, é a Pessoa mais poderosa do Universo. Ele usa sempre a sua autoridade para ajudar outros. Jeová deu a alguns humanos a responsabilidade de cuidar de nós. Por exemplo, os pais, os anciãos e os governos têm autoridade, e Jeová quer que cooperemos com eles. (Romanos 13:1-5; 1 Timóteo 5:17) Mas, quando as leis dos homens nos pedem para fazer algo que vai contra as leis de Deus, nós obedecemos a Deus. (Atos 5:29) Quando obedecemos às pessoas que Jeová colocou numa posição de autoridade, mostramos a Jeová que respeitamos as decisões dele.

Capítulo 4, parágrafo 7

 12 ANCIÃOS

Os anciãos são irmãos experientes que Jeová usa para cuidar da congregação. (Deuteronómio 1:13; Atos 20:28) Eles ajudam-nos a manter uma amizade forte com Jeová. Ajudam-nos, também, a adorar a Jeová de modo organizado e em paz. (1 Coríntios 14:33, 40) Para os anciãos  serem designados por espírito santo, eles têm de ter as qualificações que estão na Bíblia. (1 Timóteo 3:1-7; Tito 1:5-9; 1 Pedro 5:2, 3) Nós confiamos na organização de Deus e apoiamo-la. Por isso, sentimo-nos felizes por cooperar com os anciãos. — Salmo 138:6; Hebreus 13:17.

Capítulo 4, parágrafo 8

 13 CHEFE DE FAMÍLIA

Jeová deu aos pais a responsabilidade de cuidar dos filhos e dos que moram na sua casa. No entanto, a Bíblia explica que o marido é o cabeça, ou chefe da família. Quando a família não tem pai, a mãe passa a ter essa responsabilidade. O chefe de família tem a responsabilidade de dar à família coisas como comida, roupa e um lugar para morar. É muito importante que o chefe de família tome a iniciativa em ajudar a família a adorar a Jeová. Por exemplo, ele certifica-se de que todos na família assistem às reuniões, participam na pregação e estudam a Bíblia juntos. O chefe de família também é o responsável por tomar decisões. Ele tenta sempre imitar Jesus por ser bondoso e equilibrado, nunca violento ou cruel. Quando ele faz isso, o lar torna-se um lugar de amor em que todos podem sentir-se seguros e fortalecer a sua amizade com Jeová.

Capítulo 4, parágrafo 12

 14 CORPO GOVERNANTE

O Corpo Governante é o grupo de homens, com esperança de viver no céu, que Deus usa para orientar o seu povo. No tempo dos apóstolos, Jeová usou um corpo governante para orientar os primeiros cristãos na sua adoração e na pregação. (Atos 15:2) Hoje, o grupo de irmãos que serve como Corpo Governante toma a liderança em ensinar, orientar e proteger o povo de Deus. Esses irmãos confiam na orientação da Bíblia e do espírito santo ao tomarem decisões. Jesus chamou “escravo fiel e prudente” a esse grupo de homens ungidos. — Mateus 24:45-47.

Capítulo 4, parágrafo 15

  15 COBRIR A CABEÇA

Às vezes, pode ser preciso pedir a uma irmã para fazer algo na congregação que, normalmente, seria feito por um irmão. Quando isso acontece, ela mostra que respeita o modo de Jeová fazer as coisas por cobrir a cabeça. No entanto, ela só precisa de fazer isso em algumas situações. Por exemplo, se uma irmã for dirigir um estudo bíblico e o seu marido ou um irmão batizado estiver presente, ela deve cobrir a cabeça. — 1 Coríntios 11:11-15.

Capítulo 4, parágrafo 17

 16 NEUTRALIDADE

Quando somos neutros, não aceitamos envolver-nos em assuntos políticos. (João 17:16) O povo de Jeová apoia o Reino de Deus. Somos neutros nos assuntos do mundo, assim como Jesus foi.

Jeová diz-nos que temos de ser “obedientes a governos e autoridades”. (Tito 3:1, 2; Romanos 13:1-7) No entanto, a lei de Deus também diz que é errado matar. Por isso, a consciência de um cristão não permite que ele preste serviço militar ou vá para a guerra. Se existir a opção de fazer serviço cívico alternativo, ou seja, um trabalho que não tenha nada a ver com serviço militar, um cristão precisa de pensar se a sua consciência lhe permite fazer isso.

Jeová é o nosso Criador. Por isso, nós só o adoramos a ele. É verdade que mostramos respeito pelo país onde vivemos, mas não adoramos a bandeira nem cantamos o hino nacional. (Isaías 43:11; Daniel 3:1-30; 1 Coríntios 10:14) Além disso, cada servo de Jeová decide por si próprio não escolher nenhum partido ou candidato nas eleições. Nós já escolhemos o governo de Deus. — Mateus 22:21; João 15:19; 18:36.

Capítulo 5, parágrafo 2

 17 ESPÍRITO DO MUNDO

O mundo incentiva as pessoas a pensar como Satanás. Esse modo de pensar é comum entre as pessoas que não obedecem a Jeová e que  não o amam nem o imitam. (1 João 5:19) Esse modo de pensar e de agir é descrito como ‘o espírito do mundo’. (Efésios 2:2) O povo de Jeová faz tudo o que pode para não ser enganado por esse espírito. (Efésios 6:10-18) Em vez disso, amamos o modo de Jeová agir e esforçamo-nos para pensar como ele.

Capítulo 5, parágrafo 7

 18 APOSTASIA

Apostasia é opor-se à verdade da Bíblia. Os apóstatas são rebeldes e não querem obedecer a Jeová e a Jesus, que é o Rei do Reino de Deus. Os apóstatas também tentam influenciar outros para ficarem do lado deles. (Romanos 1:25) Eles querem criar dúvidas na cabeça dos que adoram a Jeová. No tempo dos primeiros cristãos, alguns tornaram-se apóstatas, e o mesmo acontece hoje. (2 Tessalonicenses 2:3) Os que são leais a Jeová não têm nada a ver com os apóstatas. Não queremos deixar que a curiosidade ou a pressão de outros nos leve a ler ou ouvir ideias apóstatas. Somos leais a Jeová e só o adoramos a ele.

Capítulo 5, parágrafo 9

 19 EXPIAÇÃO (PERDÃO DE PECADOS)

De acordo com a Lei de Moisés, quando a nação de Israel pedia perdão a Jeová pelos pecados, levava para o templo sacrifícios de animais, e ofertas de azeite e de cereais. Esses sacrifícios eram sacrifícios de expiação. Isso lembrava os israelitas de que Jeová podia perdoar os pecados tanto da nação como de cada pessoa. Mais tarde, depois de Jesus dar a sua vida para cobrir, ou perdoar, os nossos pecados, esses sacrifícios deixaram de ser necessários. Jesus ofereceu o sacrifício perfeito “de uma vez para sempre”. — Hebreus 10:1, 4, 10.

Capítulo 7, parágrafo 6

 20 RESPEITO PELA VIDA DOS ANIMAIS

No tempo da Lei de Moisés, o povo podia usar animais como alimento. Eles também usavam animais para fazer sacrifícios a Jeová.  (Levítico 1:5, 6) No entanto, Jeová nunca permitiu que o seu povo fosse cruel com os animais. (Provérbios 12:10) Aliás, a Lei tinha regras que protegiam os animais de maus-tratos. A Lei dizia que os israelitas tinham de cuidar bem dos animais. — Deuteronómio 22:6, 7.

Capítulo 7, parágrafo 6

 21 FRAÇÕES DE SANGUE E PROCEDIMENTOS MÉDICOS

Frações de sangue. O sangue tem quatro partes principais: glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plaquetas e plasma. Essas quatro partes principais podem ser separadas em partes menores, chamadas frações de sangue. *

Os cristãos não aceitam transfusões de sangue total nem de nenhuma das quatro partes principais do sangue. Mas será que podem aceitar frações de sangue? A Bíblia não fala especificamente sobre isso. Portanto, cada cristão tem de tomar a sua própria decisão com base na sua consciência treinada pela Bíblia.

Alguns cristãos decidem não aceitar nenhuma fração de sangue. Eles talvez digam que a Lei de Moisés exigia que qualquer sangue tirado de um animal fosse derramado “na terra”. — Deuteronómio 12:22-24.

Já outros não pensam assim. A consciência deles permite-lhes aceitar algumas frações de sangue. Eles talvez pensem que aquela fração já não representa a vida da pessoa ou do animal de onde o sangue foi tirado.

Ao tomar decisões sobre frações de sangue, pense nos seguintes pontos:

  • Será que entendo que não aceitar nenhuma fração de sangue significa que não aceito alguns remédios que combatem doenças ou que podem ajudar a parar uma hemorragia?

  •   Talvez aceite uma ou mais frações de sangue, e não aceite outras. Como é que explicaria isso a um médico?

Procedimentos médicos. Como cristãos, não doamos sangue nem guardamos o nosso próprio sangue para ser usado depois de uma cirurgia. Mas existem outros procedimentos que usam o sangue do próprio paciente. Cada cristão tem de decidir por conta própria como quer que o seu sangue seja usado durante a realização de uma cirurgia, de um exame ou de um tratamento. Durante esses procedimentos, o próprio sangue do paciente talvez seja totalmente separado do corpo durante algum tempo. — Para mais informações, veja A Sentinela de 15 de outubro de 2000, páginas 30 e 31.

Por exemplo, existe um procedimento chamado hemodiluição, em que, imediatamente antes da cirurgia, parte do sangue do paciente é desviado do corpo e é substituído por um expansor de volume (talvez um líquido). Mais tarde, durante a cirurgia ou logo a seguir, o sangue desviado é novamente colocado no paciente.

 Outro procedimento é a recuperação intraoperatória de células. Neste procedimento, o sangue que o paciente perde durante a cirurgia é recuperado, lavado e, depois, devolvido ao paciente durante a cirurgia ou logo a seguir.

Dependendo do médico, a maneira como esses procedimentos são feitos pode variar um pouco. Por isso, antes de aceitar qualquer cirurgia, exame ou tratamento, um cristão precisa de saber exatamente o que será feito com o seu próprio sangue.

Ao tomar decisões sobre procedimentos médicos que usam o seu próprio sangue, pense nos seguintes pontos:

  • Parte do meu sangue talvez seja desviado para fora do meu corpo, com a possibilidade de o fluxo de sangue ser interrompido durante algum tempo. Será que a minha consciência me permite encarar esse sangue como ainda fazendo parte de mim, não exigindo assim que seja ‘derramado na terra’? — Deuteronómio 12:23, 24.

  • Durante um procedimento médico, pode acontecer que parte do meu sangue seja retirado, modificado e recolocado (ou aplicado) no meu corpo. Será que isso iria perturbar a minha consciência?

  • Será que entendo que, se recusar todos os procedimentos que usam o meu próprio sangue, não aceito fazer análises ao sangue, hemodiálise e o uso da máquina coração-pulmão?

 Antes de tomarmos uma decisão sobre frações de sangue e tratamentos médicos que usam o nosso próprio sangue, precisamos de orar a Jeová e pedir a sua orientação, e, depois, pesquisar sobre o assunto. (Tiago 1:5, 6) Depois disso, temos de usar a nossa consciência treinada pela Bíblia para tomar uma decisão. Não devemos perguntar a outros o que fariam se estivessem na nossa situação. Além disso, ninguém deve tentar influenciar a nossa decisão. — Romanos 14:12; Gálatas 6:5.

Capítulo 7, parágrafo 11

 22 SER LIMPO EM SENTIDO MORAL

Ser limpo em sentido moral significa que tudo o que fazemos é puro, ou limpo, aos olhos de Deus. Envolve o que pensamos, dizemos e fazemos. Jeová diz para nos afastarmos de todo o tipo de impureza ou imoralidade sexual. (Provérbios 1:10; 3:1) Temos de estar decididos a manter-nos puros aos olhos de Deus, antes mesmo de sermos tentados a fazer algo errado. Precisamos sempre de pedir a Jeová para nos ajudar a ter pensamentos puros. Temos de estar decididos a fugir da tentação de fazer coisas imorais. — 1 Coríntios 6:9, 10, 18; Efésios 5:5.

Capítulo 8, parágrafo 11

 23 CONDUTA INSOLENTE E IMPUREZA

Conduta insolente é quando uma pessoa desobedece seriamente às leis de Deus pelo seu modo de falar ou de agir e mostra uma atitude desavergonhada. A pessoa que faz isso mostra que não respeita as leis de Deus. Quando alguém se envolve em conduta insolente, uma comissão judicativa cuida do assunto. Impureza inclui vários tipos de pecados sérios. Dependendo da gravidade da situação, alguns assuntos que envolvem impureza talvez tenham de ser tratados pelos anciãos numa comissão judicativa. — Gálatas 5:19-21; Efésios 4:19; para mais informações, veja “Perguntas dos Leitores” em A Sentinela de 15 de julho de 2006.

Capítulo 9, parágrafo 7; capítulo 12, parágrafo 10

  24 MASTURBAÇÃO

Jeová criou o sexo para ser um modo puro de o marido e a esposa mostrarem que se amam. Mas, quando alguém se masturba, ou estimula os órgãos sexuais para ter prazer, está a usar o sexo de um modo impuro. Esse hábito pode prejudicar a amizade da pessoa com Jeová. Pode criar desejos sexuais que não são normais e fazer com que a pessoa tenha uma opinião errada sobre o sexo. (Colossenses 3:5) Quem tem esse hábito impuro e acha difícil parar não deve desistir. (Salmo 86:5; 1 João 3:20) Se você estiver nesta situação, ore a Jeová e peça-lhe ajuda. Fuja de coisas como pornografia, que só o vão fazer ter pensamentos errados. Converse com os seus pais cristãos ou com um amigo maduro que respeita as leis de Jeová. (Provérbios 1:8, 9; 1 Tessalonicenses 5:14; Tito 2:3-5) Tenha a certeza de que Jeová vê os seus esforços para se manter limpo em sentido moral e dá valor a isso. — Salmo 51:17; Isaías 1:18.

Capítulo 9, parágrafo 9

 25 POLIGAMIA

Poligamia é quando alguém tem mais do que um marido ou esposa. Jeová criou o casamento para ser a união de um só homem com uma só mulher. No passado, em Israel, Deus deixou que os homens tivessem mais de uma esposa, mas essa não era a vontade dele no princípio. Hoje, Jeová não permite a poligamia entre o seu povo. O marido só pode ter uma esposa, e a esposa só pode ter um marido. — Mateus 19:9; 1 Timóteo 3:2.

Capítulo 10, parágrafo 12

 26 SEPARAÇÃO E DIVÓRCIO

Jeová queria que o marido e a esposa ficassem juntos durante a vida toda. (Génesis 2:24; Malaquias 2:15, 16; Mateus 19:3-6; 1 Coríntios 7:39) Ele só permite o divórcio quando o marido ou a esposa comete adultério. Nesse caso, Jeová dá ao marido ou à esposa  inocente o direito de decidir se quer divorciar-se ou não. — Mateus 19:9.

No entanto, às vezes, alguns cristãos decidem separar-se, mesmo quando nenhum deles cometeu imoralidade sexual. (1 Coríntios 7:11) Abaixo, temos algumas situações que poderiam levar um cristão a decidir separar-se:

  • Quando o marido se recusa a sustentar a família, chegando ao ponto de a família ficar sem dinheiro e sem comida. — 1 Timóteo 5:8.

  • Quando o marido ou a esposa sofre sérias agressões físicas a ponto de ele ou ela achar que a sua vida está em perigo. — Gálatas 5:19-21.

  • Quando o marido ou a esposa torna impossível que a outra pessoa sirva a Jeová. Isso coloca a amizade que a pessoa tem com Jeová totalmente em risco. — Atos 5:29.

Capítulo 11, parágrafo 19

 27 ENCORAJAR E DAR ELOGIOS

Todos precisamos de ser encorajados e elogiados. (Provérbios 12:25; 16:24) Podemos fortalecer-nos e consolar-nos uns aos outros com palavras amorosas e bondosas. Palavras assim podem ajudar os irmãos a perseverar e a continuar a servir a Jeová apesar de grandes dificuldades. (Provérbios 12:18; Filipenses 2:1-4) Se alguém estiver desanimado, precisamos de ouvi-lo com atenção e tentar entender como é que ele se sente, para sabermos o que dizer para ajudá-lo. (Tiago 1:19) Tenha o alvo de conhecer bem os seus irmãos para que possa, realmente, entender de que é que eles precisam. Assim, poderá ajudá-los a procurar a ajuda do Deus de todo o consolo e encorajamento, aquele que dá verdadeiro alívio. — 2 Coríntios 1:3, 4; 1 Tessalonicenses 5:11.

Capítulo 12, parágrafo 16

 28 FESTAS DE CASAMENTO

A Bíblia não contém regras específicas sobre como um casamento deve ser feito. O que a lei exige e os costumes locais variam de um lugar para outro. (Génesis 24:67; Mateus 1:24; 25:10; Lucas 14:8) A parte mais importante do casamento são os votos que um casal faz diante de Jeová. Quando vão fazer os votos, muitos casais decidem convidar familiares e amigos próximos. Muitos também pedem a um ancião para fazer um discurso bíblico. É o casal que decide se vai fazer uma festa de casamento. (Lucas 14:28; João 2:1-11) Não importa como o casal decida organizar a sua festa de casamento, tem de ter a certeza de que a festa vai dar honra a Jeová. (Génesis 2:18-24; Mateus 19:5, 6) Os princípios da Bíblia podem ajudar os noivos a tomar boas decisões. (1 João 2:16, 17) Se o casal decidir servir bebidas alcoólicas, tem de ter a certeza de que a festa se mantém controlada. (Provérbios 20:1; Efésios 5:18) Se decidirem que na festa vai haver música ou algum tipo de diversão, é preciso ter cuidado para que nada deixe Jeová triste. Mas, em vez de se preocupar só com o dia do casamento, um casal cristão precisa de se concentrar na sua amizade com Deus e no seu próprio relacionamento. — Provérbios 18:22; para mais sugestões, veja A Sentinela de 15 de outubro de 2006, páginas 18-23, 23-27, 28-31.

Capítulo 13, parágrafo 18

 29 TOMAR BOAS DECISÕES

Queremos tomar boas decisões, que estejam de acordo com os princípios da Bíblia. Por exemplo, imagine uma irmã que não tem um marido cristão. O marido dela convida-a para comer na casa de alguns familiares durante um feriado do mundo. O que é que você faria se estivesse nessa situação? Se a sua consciência lhe permitir ir, pode explicar ao seu marido ou esposa que, se nessa ocasião houver algum costume relacionado com a religião falsa, você não vai participar. Se decidir ir, também precisa de pensar em como isso vai afetar a consciência de outros. — 1 Coríntios 8:9; 10:23, 24.

 Ou talvez o seu patrão lhe ofereça um bónus na época do fim do ano. Será que não pode aceitar o bónus? Não necessariamente. Aceitar ou não o bónus pode depender, até certo ponto, de como o seu patrão vê isso. Será que ele acha que o bónus faz parte da comemoração do fim do ano? Ou é só uma forma de ele mostrar apreço pelo seu trabalho? Pensar nisso e em outros pontos vai ajudá-lo a decidir se deve aceitar o bónus.

Outra situação é quando alguém lhe dá um presente na época do fim do ano e diz: “Sei que não comemoras estas coisas, mas quero dar-te isto.” Talvez a pessoa só esteja a ser bondosa. Por outro lado, é bom perguntar-se: ‘Será que ela quer testar a minha fé ou quer que eu participe nestas comemorações?’ Depois de pensar nisso, a decisão de aceitar ou não o presente é sua. Em todas as nossas decisões, queremos ter uma consciência limpa e ser fiéis a Jeová. — Atos 23:1.

Capítulo 13, parágrafo 22

 30 NEGÓCIOS E ASSUNTOS JURÍDICOS

Na maioria das vezes, os desentendimentos não precisam de se transformar em grandes problemas, desde que sejam tratados de modo rápido e pacífico. (Mateus 5:23-26) Para todos os cristãos, dar glória a Jeová e manter a congregação unida deve estar em primeiro lugar. — João 13:34, 35; 1 Coríntios 13:4, 5.

Se houver um desentendimento sobre assuntos comerciais entre cristãos, eles devem tentar resolver o assunto sem levar isso a tribunal. Em 1 Coríntios 6:1-8, Paulo deu um conselho sobre irmãos processarem outros irmãos. Levar um irmão a tribunal pode fazer com que outros pensem mal de Jeová e da congregação. Em Mateus 18:15-17, lemos sobre três passos que os cristãos devem dar para resolver acusações graves, como calúnia e fraude: (1) primeiro, devem tentar resolver o assunto entre si; (2) se isso não funcionar, podem pedir ajuda a um ou dois irmãos maduros; (3) depois, se necessário, podem pedir ao corpo de anciãos para cuidar do assunto. Se a situação chegar a esse ponto, os anciãos vão usar os  princípios da Bíblia para tentar ajudar todos os envolvidos a chegar a um acordo amigável. Se algumas das pessoas envolvidas não estiverem dispostas a seguir o que a Bíblia diz, talvez seja necessário os anciãos tomarem uma ação judicativa.

Existem algumas situações em que um processo judicial talvez seja necessário, como divórcio, guarda de filhos, pensão de alimentos, indemnização de seguros, falência ou testamentos. Se um cristão usar os meios jurídicos para resolver o assunto da forma mais pacífica possível, ele não estará a desobedecer ao conselho de Paulo.

E se um crime sério tiver sido cometido, como violação, abuso de crianças, agressão física, roubo ou assassinato? Nesse caso, o cristão que denuncia isso às autoridades não está a desobedecer ao conselho de Paulo.

Capítulo 14, parágrafo 14

 31 ARMADILHAS DE SATANÁS

Satanás tenta enganar os humanos desde a época do jardim do Éden. (Génesis 3:1-6; Apocalipse 12:9) Ele sabe que, se conseguir mudar o nosso modo de pensar, pode influenciar-nos a fazer o que é errado. (2 Coríntios 4:4; Tiago 1:14, 15) Por meio da política, religião, comércio, diversão, educação e muitas outras coisas, Satanás promove o seu modo de pensar e faz com que esse modo de pensar pareça certo. — João 14:30; 1 João 5:19.

Satanás sabe que tem pouco tempo para enganar as pessoas. Por isso, está a fazer tudo o que consegue para enganar o maior número possível de pessoas. Mas quem ele mais quer enganar são os servos de Jeová. (Apocalipse 12:12) Se não tivermos cuidado, o Diabo pode aos poucos influenciar o nosso modo de pensar. (1 Coríntios 10:12) Por exemplo, Jeová quer que o casamento dure a vida toda. (Mateus 19:5, 6, 9) No entanto, muitos hoje veem o casamento como um acordo de pouca importância, que pode facilmente ser desfeito. Filmes e programas de televisão também  promovem essa ideia. Não podemos deixar que a maneira como o mundo vê o casamento nos influencie.

Outra maneira de Satanás tentar enganar-nos é por incentivar uma atitude de independência. (2 Timóteo 3:4) Se não tivermos cuidado, podemos perder o respeito pelas pessoas que Jeová colocou em posição de autoridade. Por exemplo, um irmão talvez comece a ir contra as orientações dos anciãos. (Hebreus 12:5) Ou uma irmã talvez comece a não querer obedecer ao princípio da chefia que Jeová estabeleceu para a família. — 1 Coríntios 11:3.

Temos de estar decididos a não deixar que o Diabo influencie o nosso modo de pensar. Em vez disso, queremos pensar como Jeová e ter a “mente fixa nas coisas de cima”. — Colossenses 3:2; 2 Coríntios 2:11.

Capítulo 16, parágrafo 9

 32 TRATAMENTOS DE SAÚDE

Todos queremos ser saudáveis e receber o melhor tratamento de saúde possível quando estamos doentes. (Isaías 38:21; Marcos 5:25, 26; Lucas 10:34) Hoje, muitos médicos e outros oferecem vários tratamentos de saúde. Ao decidir que tratamento aceitar, é importante seguir os princípios da Bíblia. Sabemos que só o Reino de Deus vai curar todas as doenças. Não queremos concentrar-nos na saúde a ponto de deixarmos a nossa adoração a Jeová de lado. — Isaías 33:24; 1 Timóteo 4:16.

Temos de ter cuidado para não aceitar nenhum tratamento que pareça ter a ver com demónios. (Deuteronómio 18:10-12; Isaías 1:13) Portanto, antes de aceitar um tratamento ou um remédio, precisamos de descobrir tudo o que pudermos sobre ele e ver se tem alguma ligação com o ocultismo. (Provérbios 14:15) Não nos podemos esquecer de que Satanás quer enganar os servos de Jeová e fazer com que eles se envolvam no ocultismo. Se tivermos alguma dúvida sobre se um tratamento está relacionado com ocultismo, é melhor não o aceitarmos. — 1 Pedro 5:8.

Capítulo 16, parágrafo 18

^ par. 98 Alguns médicos talvez encarem as quatro partes principais do sangue como frações de sangue. Portanto, talvez tenha de explicar ao seu médico a sua decisão de não aceitar transfusões de sangue total nem das suas quatro partes principais: glóbulos vermelhos, glóbulos brancos, plaquetas e plasma.