Ir para conteúdo

Ir para índice

 CAPÍTULO 13

“Descreve o templo”

“Descreve o templo”

EZEQUIEL 43:10

PONTO PRINCIPAL: O significado do glorioso templo da visão de Ezequiel

1-3. (a) Porque é que Ezequiel deve ter ficado consolado com a impressionante visão do templo? (Veja a imagem no início do capítulo.) (b) O que é que vamos ver neste capítulo?

IMAGINE Ezequiel com 50 anos de idade. Ele já está há quase 25 anos no exílio. O templo em Jerusalém foi destruído há muito tempo. Se Ezequiel tinha alguma esperança de servir como sacerdote em Jerusalém, esse sonho foi destruído juntamente com o templo. Ainda faltam cerca de 56 anos para o exílio acabar. Ezequiel sabe que dificilmente vai viver tempo suficiente para ver o povo de Jeová voltar à sua terra, e, muito menos, para ver o templo a ser reconstruído. (Jer. 25:11) Será que isso deixa Ezequiel triste?

2 É amoroso da parte de Jeová escolher este momento da vida de Ezequiel para lhe dar uma visão. Com certeza, ela vai dar consolo e esperança àquele homem fiel! Por meio desta visão, Ezequiel é transportado para a sua terra e colocado num monte muito alto. Neste lugar elevado, “um homem que parecia ter o aspeto de cobre” vem ter com ele. Esse anjo leva Ezequiel numa visita a um templo impressionante. (Leia Ezequiel 40:1-4.) É tudo tão real! Além de fortalecer a fé de  Ezequiel, a visão deve tê-lo deixado impressionado e, talvez, até um pouco intrigado. Embora o templo da visão tenha muitas características que Ezequiel já conhece, a maior parte dele é muito diferente do templo que ele viu em Jerusalém.

3 Esta fascinante visão encontra-se nos últimos nove capítulos do livro de Ezequiel. Agora, vamos ver que cuidado devemos ter ao estudar e entender esta visão. Depois, vamos considerar se o que Ezequiel viu foi o grande templo espiritual que Paulo explicou centenas de anos mais tarde. Por fim, vamos ver o que a visão significou para Ezequiel e para os outros exilados.

Como estudar esta visão?

4. (a) No passado, o que diziam as nossas publicações sobre a visão do templo? (b) O que é que um estudo mais profundo mostra?

4 No passado, as nossas publicações diziam que o templo que Ezequiel viu era o mesmo descrito por Paulo na sua carta aos hebreus: o grande templo espiritual. * Sendo assim, parecia fazer sentido atribuir um significado simbólico (os chamados tipos e antítipos) a muitas das características do templo da visão de Ezequiel, tendo como base a explicação que Paulo deu sobre o tabernáculo. No entanto, um estudo mais profundo, feito com oração e meditação, mostra que o templo da visão de Ezequiel tem uma explicação mais simples.

5, 6. (a) Pelos vistos, porque é que Paulo não deu um significado profético a cada um dos pormenores do tabernáculo? (b) Como é que Paulo mostrou humildade ao escrever sobre o tabernáculo? (c) Como podemos aplicar o que Paulo disse ao estudarmos o templo da visão de Ezequiel?

5 Parece sábio não procurar um significado profético em cada aspeto do templo da visão de Ezequiel. Porquê? Veja um exemplo. Quando Paulo falou sobre o tabernáculo e o templo espiritual, ele mencionou pormenores sobre o tabernáculo, como o incensário de ouro, a tampa da arca e o jarro de ouro com o maná. Será que ele deu um significado profético a cada um desses pormenores? Pelos vistos, o espírito santo não o orientou a fazer isso. Paulo escreveu: “Agora, [...] não é a ocasião para falar dessas coisas em pormenor.” (Heb. 9:4, 5) Paulo estava disposto a aceitar a orientação do espírito e esperar humildemente em Jeová. — Heb. 9:8.

6 O mesmo se aplica ao templo da visão de Ezequiel. Esta visão também tem muitos detalhes. Parece melhor esperar humildemente em Jeová para que ele esclareça as coisas caso isso seja necessário. (Leia Miqueias 7:7.) Mas será que o espírito de Jeová não tem dado nenhum esclarecimento adicional sobre esta visão? Longe disso!

Será que Ezequiel viu o grande templo espiritual?

7, 8. (a) Que entendimento foi agora ajustado? (b) Como é que o templo da visão de Ezequiel é diferente do templo que Paulo descreveu?

7 Como mencionado antes, durante muitos anos, as nossas publicações disseram que o templo que Ezequiel viu era o mesmo descrito por Paulo na sua carta aos hebreus: o grande templo  espiritual de Jeová. No entanto, um estudo mais profundo leva-nos a concluir que Ezequiel não poderia ter visto o grande templo espiritual. Porque não?

8 Primeiro, o templo que Ezequiel viu não se encaixa na explicação de Paulo. Como assim? Paulo mostrou claramente que o tabernáculo dos dias de Moisés era uma sombra, ou uma cópia, de algo maior. Assim como os templos de Salomão e de Zorobabel, que foram construídos seguindo basicamente o mesmo modelo, o tabernáculo tinha um “Santíssimo”. Paulo disse que aquele “lugar santo feito por mãos humanas” era “uma cópia da realidade”, não a realidade em si mesma. A realidade era o “próprio céu”. (Heb. 9:3, 24) Mas será que Ezequiel viu o céu? Não. Nada na visão de Ezequiel dá a entender isso. *

9, 10. No que diz respeito a sacrifícios, como é que o templo da visão de Ezequiel é diferente do grande templo espiritual que Paulo descreveu?

9 Outra grande diferença entre a visão de Ezequiel e a descrição de Paulo está relacionada com sacrifícios. Ezequiel ouviu várias orientações a serem dadas ao povo, aos maiorais (ou líderes) e aos sacerdotes sobre como oferecer sacrifícios. Eles tinham de oferecer sacrifícios pelos seus pecados. Também tinham de fazer sacrifícios de participação em comum, que eram sacrifícios em que a pessoa participava em comer da oferta, talvez num dos refeitórios do templo. (Eze. 43:18, 19; 44:11, 15, 27; 45:15-20, 22-25) Será que, no grande templo espiritual, são oferecidos sacrifícios vez após vez?

O templo da visão de Ezequiel não é o grande templo espiritual

10 A resposta é simples e clara. No grande templo espiritual, não são oferecidos vários sacrifícios, mas um só: o sacrifício de resgate do Sumo Sacerdote Maior, Jesus Cristo. Paulo explicou: “Quando Cristo veio como sumo sacerdote das coisas boas que já aconteceram, ele entrou na tenda maior e mais perfeita, que não foi feita por mãos humanas, isto é, não desta criação. Ele entrou no lugar santo, não com o sangue de bodes e de novilhos, mas com o seu próprio sangue, de uma vez para sempre, e obteve para nós um livramento eterno.” (Heb. 9:11, 12) Fica claro que o templo da visão de Ezequiel com os seus muitos sacrifícios de bodes e touros não era o grande templo espiritual.

11. Nos dias de Ezequiel, porque é que não era o momento certo para Deus revelar as verdades sobre o grande templo espiritual?

11 Isso leva-nos a um segundo motivo por que Ezequiel não poderia ter visto o grande templo espiritual: não era o momento certo para Deus revelar as verdades sobre o templo espiritual. Lembre-se de que a visão de Ezequiel foi dirigida primeiro aos judeus exilados em Babilónia. Eles tinham de obedecer à Lei de Moisés. Quando o exílio acabasse, eles teriam de voltar para Jerusalém e obedecer ao que a Lei dizia sobre a adoração pura por reconstruirem o templo e o altar. A seguir, eles  voltariam a oferecer sacrifícios ali, o que acabaram por fazer durante quase 600 anos. Imagine o que teria acontecido se a visão de Ezequiel tivesse mostrado o templo espiritual: um templo onde o sumo sacerdote oferece a sua própria vida como sacrifício, acabando para sempre com a necessidade de oferecer outros sacrifícios! Como é que eles iam entender essa visão? Será que perderiam a vontade de continuar a obedecer à Lei? Como sempre, Jeová só revela as suas verdades no momento certo e quando o seu povo tem condições de as entender.

12-14. De que forma é que o templo que Ezequiel viu está relacionado com a explicação de Paulo sobre o templo espiritual? (Veja o quadro “Templos diferentes, lições diferentes”.)

12 Assim sendo, como é que o templo da visão de Ezequiel está relacionado com o templo espiritual descrito por Paulo? É preciso lembrarmo-nos de que Paulo não baseou a sua explicação no templo da visão de Ezequiel, mas no tabernáculo dos dias de Moisés. É verdade que Paulo mencionou várias coisas que existiam tanto nos templos de Salomão e de Zorobabel como no templo da visão de Ezequiel. Mas, de modo geral, Paulo e Ezequiel concentraram-se em aspetos diferentes. * Em vez de um relato ser uma repetição do outro, eles complementam-se. Em que sentido?

 13 Esses dois relatos da Bíblia estão relacionados da seguinte forma: de Paulo, aprendemos qual é o arranjo que Jeová estabeleceu para a adoração pura; de Ezequiel, aprendemos quais são os padrões de Jeová para a adoração. Para ensinar sobre o arranjo da adoração pura, Paulo explica o significado de algumas características do templo espiritual, como o sumo sacerdote, os sacrifícios, o altar e o Santíssimo. Mas, para destacar os padrões de Jeová para a adoração pura, a visão do templo de Ezequiel dá-nos um quadro detalhado que grava na nossa mente e coração muitas lições sobre esses padrões elevados.

14 Será que esse novo entendimento significa que a visão de Ezequiel é menos importante para nós hoje? Certamente que não! Para sabermos como essa visão nos ajuda, vamos analisar como ela deve ter ajudado os judeus fiéis no passado.

O que é que a visão significou para os judeus exilados?

15. (a) Qual é o tema geral da visão de Ezequiel? (b) No livro de Ezequiel, que diferença encontramos entre o capítulo 8 e os capítulos 40 a 48?

15 Para sabermos a resposta da Bíblia a esta pergunta, vamos analisar três pontos que vão ajudar-nos a ter um quadro completo do assunto. Primeiro, qual é o tema geral da visão?  Dito de modo simples, é a restauração da adoração pura. Isso, com certeza, estava claro para Ezequiel. Ele já tinha escrito o que hoje é o capítulo 8 do seu livro, em que Jeová lhe mostrou claramente as coisas detestáveis que estavam a ser feitas no templo em Jerusalém. Mas ele deve ter ficado muito feliz por escrever em detalhe sobre algo totalmente diferente, o que hoje se encontra nos capítulos 40 a 48. Nestes capítulos, não vemos a adoração pura contaminada, mas, em vez disso, vemo-la como ela devia ser – completamente pura –, um exemplo perfeito de como Jeová devia ser adorado de acordo com a Lei de Moisés.

16. Como é que o templo da visão de Ezequiel confirma o que Isaías predisse mais de cem anos antes?

16 Para que a adoração pura de Jeová fosse restaurada à posição que ela merece, teria de ser colocada numa posição elevada. Mais de cem anos antes, o profeta Isaías foi inspirado a escrever: “Na parte final dos dias, o monte da casa de Jeová ficará firmemente estabelecido acima do cume dos montes, e será elevado acima das colinas.” (Isa. 2:2) Isaías predisse claramente que a adoração pura de Jeová seria restaurada e colocada numa posição elevada, como que acima dos mais altos montes. Como é que o templo da visão de Ezequiel confirma isso? Bem, na visão de Ezequiel, onde estava a casa de Jeová? Estava “sobre um monte muito alto”. (Eze. 40:2) Dessa forma, a visão de Ezequiel confirma que a adoração pura ia ser restaurada.

O templo que Ezequiel viu ficava num lugar alto e elevado (Veja o parágrafo 16.)

17. Os capítulos 40 a 48 de Ezequiel falam sobre o quê?

17 Veja uma breve descrição do que Ezequiel viu e ouviu, conforme registado nos capítulos 40 a 48. Ele viu um anjo medir os portões, a muralha, os pátios e o santuário do templo. (Eze. 40–42) Depois, aconteceu algo impressionante: a glória de Jeová encheu o templo! Jeová deu correção e instruções ao seu povo desobediente, aos sacerdotes e aos maiorais (ou líderes). (Eze. 43:1-12; 44:10-31; 45:9-12) Ezequiel viu um rio a sair do santuário, que trazia vida e bênçãos por onde passava até chegar ao Mar Morto. (Eze. 47:1-12) Ele viu a terra ser dividida em lotes de tamanhos exatos, com o centro da adoração pura localizado praticamente no meio do território. (Eze. 45:1-8; 47:13 – 48:35) O que é que tudo isso significava? Fica claro que Jeová estava a garantir ao seu povo que a adoração pura seria restaurada e exaltada. Ele abençoaria a sua casa de adoração com a sua presença. Além disso, tal como o rio que saía do santuário na visão de Ezequiel, Jeová faria fluir muitas bênçãos por meio da adoração pura, trazendo à terra restaurada cura, vida e paz.

O templo que Ezequiel viu era uma representação grandiosa de como Jeová iria restaurar a adoração pura (Veja o parágrafo 17.)

18. Será que a visão do templo era para ser entendida de modo literal? Explique.

18 Segundo, será que a visão era para ser entendida de modo literal? Não. Ezequiel e os exilados a quem ele contou  a visão, provavelmente, perceberam logo que a visão não era para ser entendida de modo literal. Porque não? Lembre-se de que Ezequiel viu o templo num “monte muito alto”. É verdade que isso se encaixa na profecia de Isaías, mas não tem nada a ver com a localização real do templo. O templo de Salomão tinha sido construído no monte Moriá, em Jerusalém, e era ali que um dia ele seria reconstruído. Mas será que o monte Moriá era um “monte muito alto”? Não. Na verdade, ele está rodeado por montes da mesma altura e até maiores. Outro ponto é que o templo que Ezequiel viu era enorme. O templo, toda a área ao redor dele e as suas muralhas externas eram demasiado grandes para caberem no topo do monte Moriá. Esse templo não caberia nem na cidade de Jerusalém dos dias de Salomão! Além disso, os exilados, com certeza, não achavam que um rio literal ia sair do santuário do templo e, a seguir, chegar ao Mar Morto, onde iria curar aquela água sem vida. Por fim, por causa do terreno cheio de montanhas da Terra Prometida, não era possível estabelecer os limites entre as tribos em linha reta, como acontece na visão. * Por isso, a visão não devia ser entendida de modo literal.

19-21. (a) Que efeito é que Jeová queria que a visão tivesse no seu povo? (b) Porque é que esta visão deveria tocar o coração de pessoas sinceras?

19 Terceiro, que efeito queria Jeová que a visão tivesse no seu povo? Quando meditasse nos elevados padrões de Jeová  para a adoração pura, o povo deveria ficar com vergonha dos seus erros. Jeová disse a Ezequiel para ‘descrever o templo à casa de Israel’. A descrição de Ezequiel tinha de ser tão detalhada que os israelitas poderiam, por assim dizer, “estudar a sua planta”. Porque é que o povo deveria meditar naquele templo? Fica claro que não era para construí-lo. Como Jeová disse, era para que eles ‘se envergonhassem dos erros que cometeram’. — Leia Ezequiel 43:10-12.

20 Porque é que essa visão deveria tocar o coração das pessoas sinceras e motivá-las a envergonharem-se dos seus erros? Veja a orientação que Ezequiel recebeu: “Filho do homem, presta atenção e observa. Escuta atentamente tudo o que te digo sobre os estatutos e as leis do templo de Jeová.” (Eze. 44:5) Vez após vez, Ezequiel ouviu falar sobre estatutos, decretos e leis. (Eze. 43:11, 12; 44:24; 46:14) Ezequiel também foi lembrado muitas vezes dos padrões de Jeová, até mesmo do padrão para a medida de um côvado e da necessidade de ter balanças exatas. (Eze. 40:5; 45:10-12; veja também Provérbios 16:11.) Aliás, na língua original, Ezequiel usa as palavras “medir” e “medida” e as suas variações mais de 50 vezes!

21 Medidas, pesos, leis, estatutos – o que é que Jeová estava a dizer ao seu povo? Jeová queria que eles nunca se esquecessem desta verdade muito importante: Ele é o único que estabelece os padrões para a adoração pura. Os que não estavam a seguir esses padrões tinham de se sentir envergonhados! Mas como é que a visão ensinou essas lições aos judeus? No próximo capítulo, vamos ver alguns exemplos. Isso vai ajudar-nos a ver mais claramente o que esta visão impressionante significa para nós hoje.

Porque é que a visão do templo ia motivar as pessoas sinceras a envergonhar-se dos seus erros? (Veja os parágrafos 19 a 21.)

^ par. 4 O templo espiritual é tudo o que Jeová tem feito com base no sacrifício de Jesus para que as pessoas possam adorá-Lo de modo puro. Entendemos que o templo espiritual passou a existir em 29 EC.

^ par. 8 Observe como a visão de Ezequiel é diferente da visão descrita no capítulo 7 de Daniel, em que Daniel viu o próprio céu. — Daniel 7:9, 10, 13, 14.

^ par. 12 Por exemplo, Paulo concentrou-se no sumo sacerdote e no que ele fazia anualmente no Dia da Expiação. (Heb. 2:17; 3:1; 4:14-16; 5:1-10; 7:1-17, 26-28; 8:1-6; 9:6-28) Mas, na visão de Ezequiel, não se menciona nada sobre o sumo sacerdote nem o Dia da Expiação.

^ par. 18 Veja o mapa no quadro 20A: “A distribuição da terra”.