Ir para conteúdo

Ir para índice

 SAIBA MAIS 10B

Qual é a relação entre os “ossos secos” e as “duas testemunhas”?

Qual é a relação entre os “ossos secos” e as “duas testemunhas”?
VISUALIZAÇÃO

DUAS profecias que estão relacionadas cumpriram-se em 1919: a dos “ossos secos” e a das “duas testemunhas”. A visão dos “ossos secos” predisse um longo período (na verdade, centenas de anos), que terminou quando um grande grupo de servos de Deus voltou à vida. (Eze. 37:2-4; Apo. 11:1-3, 7-13) A profecia sobre as “duas testemunhas” referia-se a um período curto (desde o final de 1914 até ao início de 1919) que terminou quando um pequeno grupo de servos de Deus voltou à vida. As duas profecias descrevem uma ressurreição simbólica e as duas tiveram um cumprimento moderno em 1919. Nesse ano, Jeová fez os ungidos ficarem “de pé”, tirou-os do cativeiro de Babilónia, a Grande, e ajuntou-os na congregação cristã restaurada. — Eze. 37:10.

Mas o cumprimento destas duas profecias tem uma diferença importante. A profecia dos “ossos secos” referia-se a todos os cristãos ungidos que estavam na Terra. Já a profecia das “duas testemunhas” referia-se a alguns desses ungidos: os que estavam a exercer a liderança na organização e que foram designados como o “escravo fiel e prudente”. — Mat. 24:45; Apo. 11:6. *

“Um vale [...] cheio de ossos” — Eze. 37:1

  1. DEPOIS DO ANO 100 EC

    A partir do segundo século EC: Quando os cristãos ungidos foram como que mortos, o “vale” ficou “cheio de ossos”

  2. INÍCIO DE 1919

    1919: Os “ossos secos” voltam à vida: Jeová tirou todos os ungidos do cativeiro de Babilónia, a Grande, e ajuntou-os na congregação cristã restaurada

“Duas testemunhas” — Apo. 11:3

  1. FINAL DE 1914

    pregam vestidas “de serapilheira”

    1914: As “duas testemunhas” pregaram vestidas “de serapilheira” durante três anos e meio; no final desse período, elas foram como que mortas

  2. morte simbólica

  3. INÍCIO DE 1919

    1919: As “duas testemunhas” voltam à vida: Um pequeno grupo de cristãos ungidos que estava a exercer a liderança na congregação foi designado como “escravo fiel e prudente”

^ par. 4 Veja A Sentinela de março de 2016, “Perguntas dos Leitores”.