Ir para conteúdo

Ir para índice

 CAPÍTULO 7

As nações “terão de saber que eu sou Jeová”

As nações “terão de saber que eu sou Jeová”

EZEQUIEL 25:17

PONTO PRINCIPAL: O que aprendemos do contacto de Israel com as nações que não respeitaram o nome de Jeová

1, 2. (a) Em que sentido é que Israel foi como uma ovelha no meio de lobos? (Veja a imagem no início do capítulo.) (b) O que é que os israelitas e os reis deixaram acontecer?

DURANTE centenas de anos, Israel foi como uma ovelha no meio de lobos, cercada por nações inimigas. A leste ficavam os amonitas, os moabitas e os edomitas, que ameaçavam Israel. O oeste era dominado pelos filisteus, inimigos de longa data dos israelitas. A norte ficava a rica e poderosa cidade de Tiro, que dominava um grande império comercial. A sul ficava o Egito, governado pelo Faraó, que era visto como um deus.

2 Quando os israelitas confiavam em Jeová, ele protegia-os dos inimigos. Mas, vez após vez, o povo e os reis deixaram-se contaminar pelas nações ao seu redor. O rei Acabe é um exemplo disso. Ele era um governante muito influenciável. Acabe governava o reino das dez tribos de Israel e viveu nos dias do rei Jeosafá, de Judá. Ele casou-se com Jezabel, filha do rei de Sídon, que controlava a poderosa cidade de Tiro. Essa mulher fez tudo o que podia para promover a adoração de Baal em Israel e, por causa dela, Acabe contaminou a  adoração pura como nunca antes tinha acontecido. — 1 Reis 16:30-33; 18:4, 19.

3, 4. (a) Contra quem é que Ezequiel começou a profetizar? (b) Que perguntas vamos analisar agora?

3 Jeová tinha avisado o seu povo de que, se fosse desleal, haveria consequências. Só que, agora, a sua paciência tinha chegado ao fim. (Jer. 21:7, 10; Eze. 5:7-9) Em 609 AEC, o exército babilónico voltou à Terra Prometida pela terceira vez, quase dez anos depois da última invasão. Desta vez, eles iam destruir as muralhas de Jerusalém e esmagar os que se rebelassem contra Nabucodonosor. As profecias de Ezequiel sobre o cerco cumpriram-se até ao último detalhe. Depois do início do cerco, Ezequiel começou a profetizar contra as nações ao redor da Terra Prometida.

As nações que desprezaram o nome de Jeová iam causar dano a si próprias

4 Jeová disse que os inimigos de Judá se iam alegrar com a destruição de Jerusalém e perseguir os sobreviventes. Mas aquelas nações iam pagar por isso. Elas tinham desprezado o nome de Jeová, e tinham perseguido e desviado os israelitas de servir a Deus. Que lições aprendemos do contacto de Israel com aquelas nações? E como é que as profecias de Ezequiel sobre as nações nos dão esperança?

Familiares que trataram Israel com “profundo desprezo”

5, 6. Que relação existia entre os amonitas e os israelitas?

5 Amom, Moabe, Edom e Israel eram, por assim dizer, familiares e tinham um passado em comum. Apesar dessa relação com Israel, essas nações mostraram vez após vez que odiavam o povo de Deus, tratando-o com “profundo desprezo”. — Eze. 25:6.

6 Veja o caso dos amonitas. Eles eram descendentes de Ló, sobrinho de Abraão, por meio da filha mais nova de Ló. (Gén. 19:38) A língua deles era tão parecida com o hebraico que, provavelmente, os israelitas podiam entendê-la. Por causa dessa relação, Jeová disse aos israelitas para não entrarem em guerra com Amom. (Deut. 2:19) Mesmo assim, nos dias dos juízes, os amonitas juntaram-se a Eglom, rei de Moabe, para maltratar Israel. (Juí. 3:12-15, 27-30) Mais tarde, no tempo do rei Saul, os amonitas atacaram Israel. (1 Sam. 11:1-4) E, nos dias do rei Jeosafá, eles juntaram-se novamente a Moabe para invadir a Terra Prometida. — 2 Cró. 20:1, 2.

7. Como é que os moabitas trataram os israelitas?

7 Os moabitas também eram descendentes de Ló, mas por meio da filha mais velha dele. (Gén. 19:36, 37) Jeová disse aos israelitas para não entrarem em guerra com Moabe. (Deut. 2:9) No entanto, os moabitas não tiveram a mesma consideração. Em vez de ajudarem os israelitas, que estavam a fugir da escravidão no Egito, eles tentaram impedi-los de entrar na  Terra Prometida. Como? Balaque, rei de Moabe, prometeu pagar a Balaão para que ele amaldiçoasse Israel, e Balaão disse a Balaque como podia fazer com que os israelitas caíssem na imoralidade e na idolatria. (Núm. 22:1-8; 25:1-9; Apo. 2:14) Os moabitas maltrataram os israelitas durante centenas de anos, até aos dias de Ezequiel. — 2 Reis 24:1, 2.

8. (a) Porque é que Jeová se referiu aos edomitas e aos israelitas como irmãos? (b) Como é que os edomitas trataram os israelitas?

8 Os edomitas eram descendentes de Esaú, irmão gémeo de Jacó. A ligação entre eles e os israelitas era tão forte que Jeová se referiu a eles como irmãos. (Deut. 2:1-5; 23:7, 8) Mesmo assim, os edomitas foram inimigos de Israel desde que os israelitas saíram do Egito até à destruição de Jerusalém, em 607 AEC. (Núm. 20:14, 18; Eze. 25:12) Quando Jerusalém foi destruída, os edomitas alegraram-se com o sofrimento de Israel. Eles não só incentivaram os babilónios a acabar com Jerusalém, como também bloquearam as estradas para capturar os israelitas que fugissem e para entregá-los aos inimigos. — Sal. 137:7; Obd. 11, 14.

9, 10. (a) O que aconteceu a Amom, Moabe e Edom? (b) Que exemplos mostram que nem todas as pessoas dessas nações trataram mal o povo de Deus?

9 Todos esses familiares de Israel iam ter de prestar contas a Jeová pela forma como trataram o Seu povo. Jeová disse que daria os amonitas “como propriedade aos orientais, para que os amonitas não [fossem] lembrados entre as nações”. Também disse: “Vou executar o julgamento contra Moabe, e terão de saber que eu sou Jeová.” (Eze. 25:10, 11) Cerca de cinco anos depois da queda de Jerusalém, quando os babilónios conquistaram Amom e Moabe, essas profecias começaram a cumprir-se. Sobre Edom, Jeová disse que ‘eliminaria dele tanto homens como animais’ e que faria “o país ficar desolado”. (Eze. 25:13) Como predito, Amom, Moabe e Edom, com o tempo, deixaram de existir. — Jer. 9:25, 26; 48:42; 49:17, 18.

10 No entanto, nem todas as pessoas dessas nações trataram mal o povo de Deus. Por exemplo, Zeleque era amonita e Itma era moabita, mas os dois eram guerreiros do rei David. (1 Cró. 11:26, 39, 46; 12:1) E Rute, que era moabita, tornou-se uma serva leal de Jeová. — Rute 1:4, 16, 17.

Ceder a pressões é como tropeçar à beira de um precipício

11. O que aprendemos do contacto que Israel teve com Amom, Moabe e Edom?

11 Que lições aprendemos do contacto que Israel teve com essas nações? Primeiro, quando os israelitas baixaram a guarda, a religião falsa dos seus familiares começou a infiltrar-se na vida deles. Eles chegaram a adorar deuses falsos, como Baal de Peor (deus de Moabe) e Moloque (deus de Amom). (Núm. 25:1-3; 1 Reis 11:7) Algo parecido poderia acontecer a cada um de nós. A pressão de familiares que não são cristãos pode  fazer-nos baixar a guarda. Por exemplo, eles talvez não entendam por que motivo não comemoramos coisas tais como o Natal ou a Páscoa nem participamos em costumes relacionados com a religião falsa. Com boas intenções, eles talvez tentem convencer-nos a abrir mão daquilo em que acreditamos, nem que seja por um instante. Jamais devemos deixar que isso aconteça! Como mostra a história de Israel, ceder a pressões é como tropeçar à beira de um precipício: pode acabar numa tragédia.

12, 13. (a) Que tipo de oposição podemos enfrentar? (b) O que poderá acontecer se continuarmos leais?

12 Aprendemos outra lição do contacto que Israel teve com Amom, Moabe e Edom. Talvez enfrentemos forte oposição de familiares que não são cristãos. Jesus avisou que a mensagem que pregamos, às vezes, iria “causar divisão: o homem contra o pai, a filha contra a mãe”. (Mat. 10:35, 36) Jeová disse aos israelitas para não entrarem em guerra contra os seus familiares, e nós não queremos discutir com familiares que não são cristãos. Mas não ficamos surpreendidos quando surge oposição. — 2 Tim. 3:12.

13 Mesmo que os nossos familiares não nos tentem impedir de servir a Jeová, não podemos deixar que eles sejam mais importantes para nós do que Deus. Porque não? Porque Jeová merece vir em primeiro lugar na nossa vida. (Leia Mateus 10:37.) Além disso, se formos leais a Jeová, talvez alguns dos nossos familiares comecem a adorar a Jeová, assim como Zeleque, Itma e Rute. (1 Tim. 4:16) Dessa forma, também vão ter a maravilhosa oportunidade de servir o único Deus verdadeiro e sentir o seu amor e proteção.

Os inimigos de Jeová foram punidos

14, 15. Como é que os filisteus trataram os israelitas?

14 Outro povo que era inimigo de Israel eram os filisteus. Os filisteus tinham saído da ilha de Creta para morar em Canaã, terra que Jeová, mais tarde, prometeu dar a Abraão e aos seus descendentes. Abraão e Isaque tiveram contacto com esse povo. (Gén. 21:29-32; 26:1) Quando os israelitas entraram na Terra Prometida, os filisteus já eram uma grande nação, com um enorme exército. Eles adoravam deuses falsos, como Baal-Zebube e Dagom. (1 Sam. 5:1-4; 2 Reis 1:2, 3) Houve ocasiões em que Israel também adorou esses deuses. — Juí. 10:6.

15 Por causa de Israel não ter sido fiel, Jeová deixou que os filisteus maltratassem o seu povo durante muitos anos. (Juí. 10:7, 8; Eze. 25:15) Os filisteus sobrecarregaram os israelitas com várias restrições * e mataram muitos deles. (1 Sam. 4:10) Porém, quando Israel se arrependia e voltava para Jeová, ele  salvava-os. Jeová fez com que homens como Sansão, Saul e David livrassem o Seu povo. (Juí. 13:5, 24; 1 Sam. 9:15-17; 18:6, 7) Além disso, como predito por Ezequiel, os filisteus sofreram “furiosas punições” quando os babilónios e, depois, os gregos invadiram a terra deles. — Eze. 25:15-17.

16, 17. Que lições aprendemos do contacto de Israel com os filisteus?

16 Que lições aprendemos do contacto de Israel com os filisteus? Nos nossos dias, o povo de Jeová já enfrentou e ainda enfrenta oposição de algumas das nações mais poderosas da Terra. Mas, ao contrário de Israel, nós temos um histórico de lealdade a Jeová. Mesmo assim, às vezes, pode parecer que os inimigos da adoração pura estão a vencer. Por exemplo, no início dos anos 1900, o governo dos Estados Unidos tentou parar a obra do povo de Jeová e condenou os irmãos que estavam na liderança a muitos anos de prisão. Durante a Segunda Guerra Mundial, os nazis na Alemanha tentaram eliminar o povo de Deus por prenderem milhares e matarem centenas deles. Depois dessa guerra, a União Soviética fez uma campanha contra as Testemunhas de Jeová. Eles mandavam os irmãos para campos de trabalhos forçados ou obrigavam-nos a morarem em lugares isolados do país.

17 Os governos talvez continuem a proibir a obra de pregação e a prender os servos de Jeová, chegando ao ponto de matar alguns de nós. Será que isso nos deve fazer ter medo ou perder a fé? Não! Jeová vai proteger os seus servos leais. (Leia Mateus 10:28-31.) Governos poderosos e cruéis vão e vêm, mas o povo de Jeová continua a aumentar. Assim como aconteceu aos filisteus, em breve, os governos vão ter de saber quem é Jeová. Tal como os filisteus, eles vão deixar de existir.

 Ter “abundante riqueza” não é uma proteção

18. Que tipo de império é que a cidade de Tiro controlava?

18 A antiga cidade de Tiro * ficava no centro de um dos maiores impérios comerciais do mundo antigo. Pelo mar (a oeste), os navios de Tiro cobriam uma vasta rede comercial que cruzava o mar Mediterrâneo. Por terra (a leste), as suas rotas atravessavam fronteiras, ligando Tiro a impérios distantes. Ao longo de centenas de anos, a cidade acumulou uma enorme riqueza por negociar com essas terras remotas. Os seus mercadores e comerciantes ficaram tão ricos que se consideravam príncipes. — Isa. 23:8.

19, 20. Que diferença havia entre os habitantes de Tiro e os habitantes de Gibeão?

19 Israel teve muito contacto com os habitantes de Tiro durante a construção do palácio de David e do templo de Salomão. Isso aconteceu porque Tiro forneceu material e trabalhadores para a obra. (2 Cró. 2:1, 3, 7-16) Nessa época, Israel estava a viver o seu melhor momento. (1 Reis 3:10-12; 10:4-9) Pense na oportunidade que os milhares de habitantes de Tiro tiveram: aprender sobre a adoração pura, conhecer a Jeová e ver como é bom servir ao Deus verdadeiro!

20 Apesar dessa oportunidade, os habitantes de Tiro preferiram continuar no seu modo de vida materialista. Eles não imitaram o exemplo dos habitantes de Gibeão, uma cidade poderosa de Canaã. Só de ouvirem falar das coisas grandiosas que Jeová tinha feito, os gibeonitas sentiram-se motivados a servir a Deus. (Jos. 9:2, 3, 22–10:2) Na verdade, os habitantes de Tiro acabaram por se tornar inimigos do povo de Deus e até venderam alguns deles como escravos. — Sal. 83:2, 7; Joel 3:4, 6; Amós 1:9.

Jamais devemos achar que os bens materiais são uma muralha que nos vai proteger

21, 22. (a) Em que é que Tiro confiava? (b) O que aconteceu a Tiro?

21 Por meio de Ezequiel, Jeová disse a esses inimigos: “Estou contra ti, ó Tiro, e levantarei muitas nações contra ti,  assim como o mar levanta as suas ondas. Elas destruirão as muralhas de Tiro e derrubarão as suas torres. Rasparei o seu solo e farei dela uma rocha lisa.” (Eze. 26:1-5) Os habitantes de Tiro achavam que as riquezas eram a sua proteção. Eles pensavam que o dinheiro lhes dava a mesma segurança que as muralhas da ilha de Tiro, que tinham 46 metros de altura. Deviam ter prestado atenção ao aviso de Salomão: “A riqueza do rico é a sua cidade fortificada; na sua imaginação ela é como uma muralha protetora.” — Pro. 18:11.

22 A profecia de Ezequiel sobre Tiro cumpriu-se. Depois de destruir Jerusalém, os babilónios vieram contra Tiro, e a parte da cidade que ficava no continente foi derrotada, após um cerco de 13 anos. (Eze. 29:17, 18) A seguir, surgiram os gregos. Em 332 AEC, Alexandre, o Grande, cumpriu uma parte surpreendente da profecia de Ezequiel. * O seu exército lançou no mar as ruínas da parte continental de Tiro (como pedras, madeira e terra), e construiu um aterro até à ilha de Tiro. (Eze. 26:4, 12) Alexandre destruiu partes da muralha e saqueou a cidade. Milhares de pessoas foram mortas, e dezenas de milhares foram vendidas como escravos. Os habitantes de Tiro viram que nem as suas riquezas nem as suas muralhas puderam protegê-los. Eles foram obrigados a saber quem é Jeová e aprenderam da pior maneira que ter “abundante riqueza” não é uma proteção. — Eze. 27:33, 34.

Tiro parecia muito segura, mas foi destruída, como Ezequiel tinha predito (Veja o parágrafo 22.)

23. Que lição aprendemos dos habitantes de Tiro?

23 Que lição aprendemos dos habitantes de Tiro? Jamais queremos deixar que “o poder enganoso das riquezas” nos faça confiar nos bens materiais, por acharmos que são uma muralha que nos vai proteger. (Mat. 13:22) Não podemos ser “escravos de Deus e das Riquezas”. (Leia Mateus 6:24.) Apenas os que servem a Jeová de todo o coração estão realmente seguros. (Mat. 6:31-33; João 10:27-29) As profecias sobre o fim deste mundo mau vão cumprir-se em todos os detalhes, assim como as profecias contra Tiro se cumpriram. Quando Jeová destruir este sistema comercial ganancioso e egoísta, os que confiam nas riquezas vão ser obrigados a saber quem é Jeová.

O seu poder político era uma “haste seca”

24-26. (a) Porque é que se pode dizer que o Egito era uma “haste seca”? (b) De que maneira é que o rei Zedequias não obedeceu a Jeová? (c) O que aconteceu ao rei Zedequias?

24 Vamos ver mais um inimigo de Israel: o Egito. Desde antes dos dias de José até à altura em que os babilónios invadiram Jerusalém, o Egito sempre teve muita influência política na região da Terra Prometida. Por ser uma nação antiga, talvez parecesse estável, como uma árvore com raízes muito fortes. No entanto, o Egito não era nada em comparação com  Jeová; não passava de uma “haste [ou cana] seca”. — Eze. 29:6.

25 O apóstata rei Zedequias não reconheceu isso. Por meio do profeta Jeremias, Jeová disse a Zedequias para se sujeitar ao rei de Babilónia. (Jer. 27:12) Zedequias até jurou em nome de Jeová que não se ia rebelar contra Nabucodonosor. Mas, depois, desobedeceu a Jeová e não cumpriu o juramento que tinha feito a Nabucodonosor; Zedequias pediu ajuda ao Egito para lutar contra os babilónios. (2 Cró. 36:13; Eze. 17:12-20) Contudo, os israelitas que confiaram no poder do Egito causaram muito dano a si próprios. (Eze. 29:7) Quanto ao Egito, talvez parecesse ser tão poderoso como um “grande monstro marinho”. Porém, Jeová disse que lhe faria o mesmo que os caçadores faziam para capturar crocodilos no rio Nilo: ele ia ‘pôr ganchos nas suas mandíbulas’ e arrastá-lo para a destruição. Jeová fez isso quando enviou os babilónios para conquistar o Egito. — Eze. 29:3, 4, 9-12, 19.

26 O que aconteceu ao infiel Zedequias? Por ele se ter rebelado contra Jeová, Ezequiel predisse que esse governante perverso ia perder a coroa e que o seu governo ia acabar em ruína. No entanto, Ezequiel também deu alguma esperança. (Eze. 21:25-27) Ele predisse que um rei da família real de David, alguém com o “direito legal”, assumiria o trono. No próximo capítulo, vamos ver quem seria essa pessoa.

27. Que lição aprendemos do contacto de Israel com o Egito?

 27 Que lição aprendemos do contacto de Israel com o Egito? Os servos de Jeová hoje precisam de ter cuidado para não colocarem a sua confiança nos governos, achando que eles podem dar verdadeira proteção. Não queremos fazer “parte do mundo”, nem mesmo em pensamento! (João 15:19; Tia. 4:4) Os governos podem parecer fortes, mas, assim como o antigo Egito, não passam de uma haste seca. Não faria o menor sentido confiar em simples humanos em vez de confiarmos na Pessoa mais poderosa do Universo. — Leia Salmo 146:3-6.

Não tomamos partido em assuntos políticos, mesmo quando outros não nos estão a ver (Veja o parágrafo 27.)

As nações “terão de saber”

28-30. (a) De que maneira é que as nações “terão de saber” quem é Jeová? (b) Como provamos que conhecemos a Jeová?

28 No livro de Ezequiel, Jeová disse várias vezes sobre as nações: “Terão de saber que eu sou Jeová.” (Eze. 25:17) Sem dúvida, essas palavras cumpriram-se no passado quando Jeová destruiu os inimigos do seu povo. Mas elas terão um cumprimento ainda maior nos nossos dias. Como?

29 Assim como o povo de Deus no passado, estamos cercados por nações que acham que estamos desprotegidos, como uma ovelha no meio de lobos. (Eze. 38:10-13) Nos capítulos 17 e 18 deste livro, vamos ver que, em breve, as nações vão usar todos os seus recursos para atacar o povo de Deus. Porém, quando fizerem isso, elas vão descobrir o que é verdadeiro poder. Quando Jeová destruir as nações no Armagedon, elas serão obrigadas a saber quem é Jeová e a reconhecer a Sua soberania. — Apo. 16:16; 19:17-21.

30 Por outro lado, Jeová vai proteger-nos e abençoar-nos. Porquê? Porque nós aproveitamos a oportunidade que temos agora para provar que conhecemos a Jeová. Fazemos isso por confiar nele, por lhe obedecer e por lhe dar a adoração que só ele merece. — Leia Ezequiel 28:26.

^ par. 15 Uma das proibições dos filisteus era que nenhum ferreiro podia trabalhar em Israel. Por isso, os israelitas que eram lavradores tinham de ir ter com os filisteus para afiarem as suas ferramentas e pagavam muito caro por isso – o equivalente a vários dias de trabalho. — 1 Sam. 13:19-22.

^ par. 18 Parece que a cidade de Tiro foi construída numa ilha formada por rochas perto do continente, cerca de 50 quilómetros a norte do monte Carmelo. Foi só mais tarde, quando a cidade cresceu, que parte de Tiro foi construída no continente. Em hebraico, o nome da cidade (Sur) significa “rocha”.

^ par. 22 Isaías, Jeremias, Joel, Amós e Zacarias também profetizaram contra Tiro, e essas profecias cumpriram-se em todos os detalhes. — Isa. 23:1-8; Jer. 25:15, 22, 27; Joel 3:4; Amós 1:10; Zac. 9:3, 4.