Ir para conteúdo

23 DE MAIO DE 2018
ITÁLIA

Conferência histórica sobre medicina sem sangue na Universidade de Pádua

Conferência histórica sobre medicina sem sangue na Universidade de Pádua

ROMA – Na sexta-feira, dia 24 de novembro de 2017, profissionais da área médica, bioética e jurídica reuniram-se na Universidade de Pádua, uma das mais antigas universidades da Itália, para uma conferência com o tema: “A recusa de transfusão de sangue por pacientes adultos: Quais são as opções de tratamento? – Preservar o Sangue 2017.” A conferência foi patrocinada pelo Ministério da Saúde de Itália e por mais de 25 sociedades e associações científicas italianas.

Dr. Luca P. Weltert

É comum as transfusões de sangue serem consideradas inofensivas e a única opção de tratamento para salvar a vida de pacientes que passam por um procedimento médico ou cirúrgico complexo. No entanto, muitos oradores da conferência disseram que não concordam com esse ponto de vista. Um deles, o Dr. Luca P. Weltert, cirurgião cardiotorácico do Hospital Europeu, em Roma, declarou: “Vimos hoje que as transfusões podem ser prejudiciais e em muitos casos não são necessárias.”

O Dr. Luca e outros médicos presentes chegaram a essa conclusão com base na sua experiência clínica e em estudos científicos que comprovam que pacientes que recebem transfusão de sangue têm um risco maior de morrer e de contrair doenças, assim como, mais tempo de internamento e outros riscos sérios à saúde. *

“Vimos hoje que as transfusões podem ser prejudiciais e em muitos casos não são necessárias.” — Dr. Luca Weltert, cirurgião cardiotorácico, Hospital Europeu, Roma

Essas evidências científicas e os elevados custos das transfusões de sangue motivaram a Organização Mundial da Saúde (OMS), em 2010, a reconhecer a importância de criar um programa para gerir o sangue do paciente (PBM, sigla em inglês). Essa gestão é uma estratégia clínica que inclui todas as áreas médicas e concentra-se na saúde e segurança do paciente, em melhorar os resultados de cirurgias e em reduzir consideravelmente as transfusões de sangue. A OMS publicou uma resolução a pedir que todos os 193 países-membros das Nações Unidas colocassem em prática essa estratégia.

Professora Stefania Vaglio

A professora universitária Stefania Vaglio, responsável pela medicina transfusional do Hospital Universitário Sant’Andrea, em Roma, destacou a nova visão que os médicos têm sobre o PBM e disse que antes os tratamentos dependiam do manuseio e uso do sangue doado, mas agora “o foco mudou completamente para o sangue do próprio paciente, em vez do sangue doado”. Um dos objetivos do PBM é “diminuir a perda de sangue por colocar o paciente no centro do processo, [...] concentrando esforços e fazendo o que for preciso para preservar o sangue do paciente”. A professora Stefania esclareceu também que as técnicas médicas para preservar o sangue do paciente “resultam num tratamento de melhor qualidade”.

O Dr. Tommaso Campagnaro, cirurgião-geral do Hospital Universitário de Verona, reconheceu os benefícios de usar estratégias para evitar transfusões de sangue. Depois de fazer uma análise dos dados obtidos desde o final da década de 90, que envolveu pacientes que passaram por cirurgias abdominais complexas, ele concluiu: “Os pacientes que não receberam transfusões de sangue tiveram menos complicações, e a taxa de mortalidade foi menor em comparação com os que receberam transfusões.”

“Os pacientes que não receberam transfusões de sangue tiveram menos complicações, e a taxa de mortalidade foi menor em comparação com os que receberam transfusões.” — Dr. Tommaso Campagnaro, cirurgião-geral, Hospital Universitário de Verona

Professora associada Anna Aprile

O Dr. Tommaso e vários outros oradores agradeceram publicamente às Testemunhas de Jeová por ajudarem os médicos a desenvolver alternativas às transfusões de sangue. Anna Aprile, professora associada de direito médico da Universidade de Pádua, disse: “Agradecemos às Testemunhas de Jeová por terem levantado a questão do direito à recusa de transfusões, uma ajuda para todos refletirmos sobre este assunto e encararmos o desafio de usar menos sangue.”

“Agradecemos às Testemunhas de Jeová por terem levantado a questão do direito de recusar transfusões.” — Anna Aprile, professora associada de direito médico, Universidade de Pádua

Os oradores eram de várias especialidades médicas: anestesiologia, cardiologia, ginecologia, hematologia, oncologia e ortopedia. Mas todos concordaram que, em vista das experiências clínicas e da quantidade cada vez maior de dados publicados por especialistas da área, os estabelecimentos médicos, os legisladores e o público em geral devem estar mais dispostos a aceitar as estratégias da gestão do sangue do paciente.

Assistência durante uma das apresentações na sala de conferências Morgagni da Universidade de Pádua.

O Dr. Luca acrescentou: “Na atual prática cirúrgica, a reparação da dissecação aórtica é a maior cirurgia que se pode fazer no corpo humano. [...] Se [ela] pode ser realizada sem sangue, então é possível fazer qualquer coisa.”

Contactos para a comunicação social:

Internacional: David A. Semonian, Departamento de Informação Pública, tel. +1-845-524-3000

Itália: Christian Di Blasio, tel. +39-06-872941

^ par. 4 Por exemplo, durante a conferência foi citado um estudo recente realizado na Austrália Ocidental e publicado na revista Transfusion, uma das principais revistas sobre medicina transfusional. O estudo mostra os resultados de um projeto bem amplo, que durou seis anos, para colocar em prática um programa de gestão do sangue dos pacientes em todo o sistema de saúde. Foram analisados dados de 605 046 pacientes atendidos em quatro importantes hospitais especializados. O uso de produtos sanguíneos diminuiu 41% durante o período do estudo. No mesmo período, houve também uma redução de 28% no número de mortes em hospitais, de 15% na média de tempo de internamento, de 21% de infeções adquiridas em hospitais e de 31% nos casos de ataques cardíacos e derrames. Os resultados de colocar em prática as estratégias para gerir o sangue do paciente foram: melhores resultados clínicos, redução no uso de produtos sanguíneos e redução de custos relacionados com esses produtos.