Ir para conteúdo

O que é que a cronologia bíblica indica sobre o ano de 1914?

O que é que a cronologia bíblica indica sobre o ano de 1914?

A resposta da Bíblia

A cronologia bíblica indica que o Reino de Deus foi estabelecido nos céus em 1914. Uma profecia registada no capítulo 4 do livro de Daniel evidencia isso mesmo.

Visão geral. Deus fez com que o Rei Nabucodonosor tivesse um sonho profético a respeito de uma árvore enorme que foi derrubada. O toco dela foi impedido de crescer novamente por “sete tempos”, e após esse período a árvore nasceria outra vez. — Daniel 4:1, 10-16.

Cumprimento inicial. A enorme árvore representava o próprio Rei Nabucodonosor. (Daniel 4:20-22) Ele foi ‘derrubado’ em sentido figurativo quando perdeu temporariamente a sanidade e o reinado durante sete anos. (Daniel 4:25). Quando Deus o curou, Nabucodonosor recuperou o seu trono e reconheceu a soberania de Deus. — Daniel 4:34-36.

Evidências de um cumprimento maior. Essa profecia foi feita “para que todos os que vivem saibam que o Altíssimo é Governante no reino da humanidade e que ele o dá a quem quiser, e que, sobre ele, estabelece até mesmo o mais humilde dos homens”. (Daniel 4:17) Será que Deus escolheria o orgulhoso Nabucodonosor para ser o rei do Seu reino? Não, pois num outro sonho profético que Nabucodonosor teve, Deus já tinha dito que nenhum governante político teria essa função. Em vez disso, é o próprio Deus quem “estabelecerá um reino que nunca será destruído”. — Daniel 2:31-44.

Deus tinha anteriormente estabelecido a antiga nação de Israel para representar o seu governo na Terra. Deus permitiu que esse reino fosse ‘destruído’ porque os seus líderes tinham-se tornado infiéis, e predisse que daria o seu reino ‘àquele que tem o direito legal’. (Ezequiel 21:25-27) De acordo com a Bíblia, o único legalmente autorizado a receber esse reino eterno é Jesus Cristo. (Lucas 1:30-33) Ao contrário de Nabucodonosor, Jesus é “humilde de coração”, exatamente como foi profetizado. — Mateus 11:29.

O que representa a árvore de Daniel, capítulo 4? Às vezes, a Bíblia usa árvores para representar governos. (Ezequiel 17:22-24; 31:2-5) No cumprimento maior da profecia de Daniel, capítulo 4, a enorme árvore simboliza o governo de Deus.

O que significa ‘derrubar a árvore’? Assim como derrubar a árvore significou uma interrupção no reinado de Nabucodonosor, derrubar a árvore também representou uma interrupção no governo de Deus na Terra. Isso aconteceu quando Nabucodonosor destruiu Jerusalém, o lugar onde os reis de Israel se sentavam no “trono de Jeová” como representantes do próprio Deus. — 1 Crónicas 29:23.

O que são os “sete tempos”? Os “sete tempos” representam o período durante o qual as nações governaram sobre a Terra sem qualquer interferência do governo de Deus. De acordo com a cronologia bíblica, os “sete tempos” começaram em outubro de 607 AEC, quando Jerusalém foi destruída pelos babilónios. *2 Reis 25:1, 8-10.

Qual é a duração dos “sete tempos”? É impossível que sejam apenas sete anos, como aconteceu no caso de Nabucodonosor. Jesus indicou a resposta quando disse que ‘Jerusalém [símbolo do governo de Deus] seria pisada pelas nações, até se cumprirem os tempos determinados das nações’. (Lucas 21:24) “Os tempos determinados das nações”, o período em que Deus permitiu que o seu governo fosse ‘pisado’, são os mesmos “sete tempos” de Daniel, capítulo 4. Isso quer dizer que os “sete tempos” ainda estavam em andamento quando Jesus esteve na Terra.

A Bíblia ajuda a determinar a duração desses “sete tempos” proféticos ao dizer que três “tempos” e meio equivalem a 1260 dias. Assim, “sete tempos” equivalem ao dobro disso, 2520 dias. (Apocalipse 12:6, 14) Aplicando a regra profética de “um dia por um ano”, os 2520 dias representam 2520 anos. Assim sendo, os “sete tempos”, ou 2520 anos, terminaram em outubro de 1914. — Números 14:34; Ezequiel 4:6.

^ par. 10 Para mais detalhes sobre o motivo de se usar o ano 607 AEC, veja os artigos “Quando a Jerusalém antiga foi destruída? — Parte um”, em A Sentinela de 1 de outubro de 2011, páginas 26-31, e “Quando a Jerusalém antiga foi destruída? — Parte dois”, em A Sentinela de 1 de novembro de 2011, páginas 22-28.