Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua angolana de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Novembro de 2017

Imite a justiça e a misericórdia de Jeová

Imite a justiça e a misericórdia de Jeová

“Julguem com verdadeira justiça e tratem uns aos outros com amor leal e misericórdia.” — ZAC. 7:9.

CÂNTICOS: 21, 11

1, 2. (a) O que Jesus achava da Lei de Deus? (b) Qual era o problema dos fariseus e dos escribas?

JESUS amava a Lei mosaica. E não era para menos! A Lei tinha sido dada a Moisés por Jeová, a pessoa que Jesus mais amava. No Salmo 40:8, lemos uma profecia que indica o quanto Jesus daria valor às leis de Deus. Esse texto diz: “Fazer a tua vontade, ó meu Deus, é o meu prazer, e a tua lei está no meu íntimo.” Por palavras e ações, Jesus mostrou que a Lei era perfeita e que ela sempre ia se cumprir. — Mat. 5:17-19.

2 Jesus deve ter ficado muito triste ao ver que os fariseus e os escribas aplicavam a Lei de modo errado. Eles obedeciam a alguns detalhes da Lei, mas havia um problema. Jesus disse: “[Vocês] dão o décimo da hortelã, do endro e do cominho, mas desconsideram as questões mais importantes da Lei, isto é, a justiça, a misericórdia e a fidelidade.” (Mat. 23:23) Os fariseus gostavam de criar regras desnecessárias. Jesus era diferente. Ele entendia o que estava por trás da Lei e tentava ver o que cada mandamento ensinava sobre Jeová.

3. O que vamos aprender neste estudo?

3 Os cristãos não precisam obedecer à Lei mosaica. (Rom. 7:6) Então, por que Deus quis que a Lei fizesse parte da Bíblia? Jeová não quer que fiquemos prestando atenção a cada detalhezinho da Lei. Mas ele espera que nós entendamos os princípios, ou seja, o que está por trás de cada mandamento. Por exemplo, o que aprendemos com as cidades de refúgio? O estudo anterior falou o que um fugitivo precisava fazer e que lições aprendemos disso. Mas as cidades de refúgio também nos ensinam muito sobre Jeová e sobre como podemos imitá-lo. Então, neste estudo vamos ver o seguinte: O que as cidades de refúgio revelam sobre a misericórdia e a justiça de Jeová? Como elas nos ensinam o conceito de Jeová sobre a vida? Durante o estudo, pense em como você pode imitar o seu amoroso Pai celestial. — Leia Efésios 5:1.

“CIDADES CONVENIENTES” — UMA EVIDÊNCIA DE MISERICÓRDIA

4, 5. (a) O que era feito para ajudar um fugitivo a chegar à cidade de refúgio, e por quê? (b) O que isso nos ensina sobre Jeová?

4 As seis cidades de refúgio eram bem acessíveis. Jeová disse que os israelitas deviam escolher três cidades de um lado do rio Jordão e três do outro lado. Por quê? Para que qualquer um que precisasse fugir para lá pudesse fazer isso de modo rápido e fácil. (Núm. 35:11-14) Também era preciso manter em bom estado as estradas para essas cidades. (Deut. 19:3) Uma enciclopédia diz que eram colocadas placas ao longo das estradas para orientar os fugitivos. Assim, quem matava alguém sem querer não precisava buscar refúgio num país estrangeiro, onde talvez fosse tentado a adorar deuses falsos.

5 Agora pense no seguinte: de acordo com a Lei, quem matasse alguém de propósito tinha que morrer. Mas, no caso de quem matava alguém sem querer, Jeová fez todo o possível para a pessoa receber proteção. Um estudioso da Bíblia diz sobre as cidades de refúgio: “Tudo funcionava da maneira mais prática possível. Isso mostra a bondade de Deus.” E é verdade! Jeová não é um juiz cruel, que gosta de punir as pessoas. Pelo contrário, ele é “rico em misericórdia”. — Efé. 2:4.

6. O que mostra que os fariseus não imitavam a misericórdia de Jeová?

6 Os fariseus não imitavam a misericórdia de Jeová. De acordo com a tradição judaica, eles perdoavam uma pessoa pelo mesmo erro no máximo três vezes. Para mostrar que a atitude deles era errada, Jesus contou a ilustração de um fariseu que estava perto de um cobrador de impostos. O fariseu orava dizendo: “Ó Deus, eu te agradeço que não sou como todos os outros: extorsores, injustos, adúlteros; nem mesmo como este cobrador de impostos.” Os fariseus “consideravam os outros como nada”. Por isso, eles achavam que não precisavam ser misericordiosos. — Luc. 18:9-14.

Você abre o caminho para que as pessoas cheguem até você e peçam perdão? (Veja os parágrafos 4-8.)

7, 8. (a) Quando alguém faz algo contra você, como você pode imitar a Jeová? (b) O que é preciso para perdoar outros?

7 Não imite os fariseus. Imite a Jeová e mostre compaixão. (Colossenses 3:13.) Como? Uma maneira é deixando as pessoas à vontade para chegar até você e pedir perdão. (Luc. 17:3, 4) Pergunte-se: ‘Será que eu perdoo quem faz algo contra mim, até quando a pessoa comete o mesmo erro várias vezes? Será que eu me esforço para fazer as pazes com alguém que me ofendeu?’

8 Para perdoar outros, precisamos ser humildes. Os fariseus não perdoavam as pessoas porque se achavam melhores do que todo mundo. Como seguidores de Cristo, devemos ser humildes e ‘considerar os outros superiores a nós’. (Fil. 2:3) Isso nos ajuda a ser perdoadores. Você quer imitar a Jeová e ser humilde? Então, não fique ofendido por qualquer coisa. Seja misericordioso e deixe o caminho aberto para as pessoas pedirem perdão a você. — Ecl. 7:8, 9.

RESPEITE A VIDA, “E NÃO RECAIRÁ SOBRE VOCÊ CULPA DE SANGUE”

9. Como Jeová deixou claro que a vida humana é sagrada?

9 Um dos principais objetivos das cidades de refúgio era proteger os israelitas da culpa de sangue. (Deut. 19:10) Jeová dá muito valor à vida, e ele odeia “mãos que derramam sangue inocente”. (Pro. 6:16, 17) Por ser justo e santo, Jeová não podia ignorar um assassinato, mesmo que fosse por acidente. É verdade que a pessoa que matava alguém sem querer era tratada com misericórdia. Mesmo assim, ela tinha que buscar a ajuda dos anciãos e ficar na cidade de refúgio até a morte do sumo sacerdote. Isso talvez significasse passar o resto da vida lá. Assim, os israelitas entenderam que a vida humana é sagrada. E, para honrar a Fonte da vida, eles tinham que fazer de tudo para não colocar a vida de ninguém em risco.

10. Como os escribas e fariseus mostravam que não davam valor à vida de outros?

10 Os fariseus e os escribas não davam valor à vida de outros. Jesus disse a eles: ‘Vocês se apoderaram da chave do conhecimento. Vocês mesmos não entraram e tentam impedir os que estão entrando!’ (Luc. 11:52) Como líderes religiosos, a obrigação deles era ajudar o povo a entender a Palavra de Deus e andar no caminho da vida eterna. Mas, em vez disso, eles incentivavam as pessoas a rejeitar Jesus, “o Agente Principal da vida”. (Atos 3:15) Assim, eles guiavam o povo para a destruição eterna. Os fariseus e os escribas eram egoístas, cruéis e não davam a mínima para a vida das pessoas.

11. (a) Como o apóstolo Paulo mostrou que dava valor à vida das pessoas? (b) Como podemos imitar a atitude de Paulo?

11 Em vez de ser como os escribas e os fariseus, queremos imitar a Jeová e dar valor à vida. O apóstolo Paulo tinha respeito pela vida das pessoas. Por isso, ele fazia o máximo na pregação. Uma vez ele disse: “Estou limpo do sangue de todos os homens.” (Atos 20:26, 27.) Paulo não pregava simplesmente por obrigação ou para não se sentir culpado. Ele amava as pessoas. Para ele, a vida delas era preciosa. (1 Cor. 9:19-23) Assim como Paulo, devemos nos esforçar para ter o conceito de Jeová sobre a vida. Jeová “deseja que todos alcancem o arrependimento”. (2 Ped. 3:9) Você também deseja isso? Quem se esforça para ver as pessoas como Jeová vê faz mais na pregação e tem mais alegria no ministério.

12. Por que o povo de Jeová se preocupa com a segurança?

12 Também mostramos respeito pela vida por nos preocupar com a segurança. Sempre devemos dirigir e trabalhar com segurança, inclusive quando estamos participando na construção e manutenção de nossos locais de adoração. Também devemos lembrar que a segurança das pessoas é mais importante do que poupar dinheiro e cumprir prazos. Jeová sempre faz o que é certo, e nós queremos ser como ele. Os anciãos em especial se preocupam com a segurança, tanto a deles como a dos irmãos que trabalham com eles. (Pro. 22:3) Por isso, se um ancião lembrar você de uma norma de segurança, ouça o que ele diz. (Gál. 6:1) Assim como Jeová, dê valor à vida, “e não recairá sobre você culpa de sangue”. — Deut. 19:10.

‘JULGUE DE ACORDO COM ESSAS INSTRUÇÕES’

13, 14. Como os anciãos de Israel podiam imitar a justiça de Jeová?

13 Jeová exigia que os anciãos de Israel imitassem a sua justiça. Primeiro, eles tinham que confirmar os fatos. Para saber se um assassino merecia ser tratado com misericórdia, eles analisavam com cuidado a intenção, a atitude e as ações passadas dele. Os anciãos também tinham que descobrir se o assassino tinha agido “com ódio” ou “com má intenção”. (Números 35:20-24.) Quando uma pessoa era acusada de matar alguém de propósito, era preciso pelo menos duas testemunhas para comprovar isso. — Núm. 35:30.

14 Então, depois de analisar os fatos, os anciãos pensavam na pessoa, não apenas no que ela tinha feito. Eles precisavam de perspicácia, que é a capacidade de analisar um assunto de modo profundo, olhando além do óbvio. E o mais importante, eles precisavam do espírito santo de Jeová, que os ajudaria a agir com perspicácia, misericórdia e justiça. — Êxo. 34:6, 7.

15. (a) Como os fariseus viam os pecadores? (b) Como Jesus via os pecadores?

15 Os fariseus se concentravam apenas no que um pecador tinha feito, e não no que ele tinha no coração. Quando alguns fariseus viram Jesus na casa de Mateus, eles perguntaram aos discípulos: “Por que o seu instrutor come com cobradores de impostos e pecadores?” Jesus respondeu: “As pessoas saudáveis não precisam de médico, mas sim os doentes. Portanto, vão e aprendam o que significa: ‘Quero misericórdia, e não sacrifício.’ Pois eu não vim chamar os justos, mas os pecadores.” (Mat. 9:9-13) Será que Jesus fechava os olhos aos erros das pessoas? É claro que não! Na verdade, ele dizia para as pessoas se arrependerem. (Mat. 4:17) Jesus percebia que pelo menos alguns daqueles “cobradores de impostos e pecadores” queriam mudar. Eles não estavam na casa de Mateus só para comer. A Bíblia diz que ‘muitos deles seguiam Jesus’. (Mar. 2:15) Só que os fariseus não viam o lado bom das pessoas. Eles não imitavam a justiça e a misericórdia do Deus que diziam adorar. Pelo contrário, para eles aqueles pecadores eram um caso perdido.

16. O que os anciãos que participam numa comissão judicativa precisam descobrir?

16 Hoje também, os anciãos devem imitar a Jeová, que “ama a justiça”. (Sal. 37:28) Primeiro, eles precisam fazer “uma investigação e uma pesquisa cuidadosa” para saber se houve um pecado. Se houver, eles devem julgar o caso de acordo com as orientações da Bíblia. (Deut. 13:12-14) Os anciãos que participam numa comissão judicativa precisam descobrir se um cristão que cometeu um erro grave está arrependido. * Isso é importante porque, para ser tratado com misericórdia, o pecador precisa estar arrependido. Nem sempre é fácil perceber isso. Afinal, o verdadeiro arrependimento envolve o que o pecador tem no coração e o modo como ele vê o erro que cometeu. — Apo. 3:3.

17, 18. Como os anciãos podem saber se alguém está arrependido de verdade? (Veja a foto no começo do estudo.)

17 Jeová e Jesus podem ler corações, mas os anciãos não. Então, se você é ancião, como vai saber se uma pessoa está arrependida de verdade? Primeiro, ore pedindo sabedoria. (1 Reis 3:9) Depois, faça pesquisa na Bíblia e nas publicações do escravo fiel e prudente. Isso vai ajudar você a entender a diferença entre a “tristeza do mundo” e a “tristeza segundo a vontade de Deus”. (2 Cor. 7:10, 11) Além disso, veja como a Bíblia fala de pessoas que se arrependeram e de outras que não fizeram isso. Como ela descreve os sentimentos, a atitude e o modo de agir dessas pessoas?

18 Por fim, pense na pessoa que cometeu o erro, não apenas no erro dela. Leve em conta as intenções, as limitações, as ações passadas e a criação dela. A Bíblia profetizou como Jesus, o Cabeça da congregação, julgaria as pessoas. Ela diz: “Ele não julgará pelas aparências, nem repreenderá simplesmente pelo que ouve. Ele julgará os de condição humilde com justiça, e dará repreensão com retidão em benefício dos mansos da terra.” (Isa. 11:3, 4) Anciãos, Jesus designou vocês para cuidar da congregação, e ele vai ajudá-los a julgar com justiça. (Mat. 18:18-20) Nós ficamos felizes de ter anciãos amorosos que se esforçam para imitar a Cristo. E somos gratos por tudo o que eles fazem para imitar a misericórdia e a justiça de Jeová.

19. Que lição das cidades de refúgio você pretende colocar em prática?

19 A Lei mosaica tem “a estrutura do conhecimento e da verdade”. Em outras palavras, ela nos ajuda a aprender sobre Jeová e sobre o que ele considera justo. (Rom. 2:20) As cidades de refúgio, por exemplo, ensinam os anciãos a ‘julgar com verdadeira justiça’. Elas também nos ensinam a ‘tratar uns aos outros com amor leal e misericórdia’. (Zac. 7:9) É verdade que hoje não temos que obedecer à Lei mosaica. Mas, para Jeová, a justiça e a misericórdia ainda são qualidades importantes. Como é bom adorar um Deus tão amoroso! Então, vamos imitar as qualidades de Jeová e buscar a proteção dele!

^ parágrafo. 16 Veja “Perguntas dos Leitores”, em A Sentinela de 15 de setembro de 2006, p. 30.