Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua angolana de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Maio de 2017

Ajude os “residentes estrangeiros” a servir a Jeová com alegria

Ajude os “residentes estrangeiros” a servir a Jeová com alegria

“Jeová protege os residentes estrangeiros.” — SAL. 146:9.

CÂNTICOS: 25, 50

1, 2. (a) Que dificuldades alguns dos nossos irmãos enfrentam? (b) Que perguntas surgem?

UM IRMÃO chamado Lije conta: “Quando a guerra civil começou em Burundi, nossa família estava na assembleia. A gente via pessoas correndo, atirando. Eu, meus pais e meus 10 irmãos fugimos só com a roupa do corpo. Depois de mais de 1.600 quilômetros, alguns da nossa família conseguiram chegar num campo de refugiados em Malauí. Eu e os outros da família ficamos espalhados por vários lugares.”

2 No mundo, mais de 65 milhões de pessoas tiveram que fugir das suas casas por causa de guerra e perseguição. Esse é o maior número de refugiados já registrado. * Milhares deles são Testemunhas de Jeová. Muitos refugiados perderam pessoas queridas na morte e quase tudo o que tinham. Que outras dificuldades alguns enfrentam? Como podemos ajudar os irmãos refugiados a ‘servir a Jeová com alegria’? (Sal. 100:2) E como podemos pregar aos refugiados que ainda não conhecem a Jeová?

A VIDA DE UM REFUGIADO

3. Como Jesus e muitos dos seus discípulos se tornaram refugiados?

3 Quando Jesus era criança, ele e seus pais se tornaram refugiados no Egito. Eles tiveram que fugir depois que um anjo avisou José que o rei Herodes queria matar Jesus. A família ficou ali até Herodes morrer. (Mat. 2:13, 14, 19-21) Muitos anos depois, os discípulos de Jesus “foram espalhados pelas regiões da Judeia e de Samaria” por causa de perseguição. (Atos 8:1) Jesus sabia que muitos dos seus seguidores teriam que fugir e deixar tudo pra trás. Ele disse: “Quando os perseguirem numa cidade, fujam para outra.” (Leia Mat. 10:23) Não importa o motivo, ter que fugir de casa não é nada fácil.

4. Que perigos os refugiados enfrentam quando estão fugindo?

4 Os refugiados enfrentam vários perigos enquanto estão fugindo e até quando estão num campo de refugiados. Gad, irmão mais novo de Lije, lembra: “A gente andou por várias semanas, passando por centenas de corpos. Eu tinha 12 anos. Meus pés ficaram tão inchados que eu disse pra minha família me deixar pra trás. Mas meu pai jamais ia me deixar ali pros rebeldes me pegarem, então ele me carregou. A gente lutava pra sobreviver um dia por vez, orando a Jeová e confiando nele. Às vezes, tudo que a gente tinha pra comer eram as mangas que a gente achava pelo caminho.” — Fil. 4:12, 13.

5. Quando estão num campo de refugiados?

5 A maior parte da família de Lije ficou anos em campos de refugiados da ONU. Mesmo ali eles não estavam seguros. Lije, que hoje é superintendente de circuito, conta: “A maioria das pessoas não tinha emprego e ficava muito tempo à toa. Por isso, elas ficavam fofocando, bebendo e fazendo apostas. Elas roubavam e levavam uma vida imoral.” Isso podia ser um perigo para a espiritualidade dos irmãos ali. Para se protegerem, eles se envolveram totalmente com a congregação. (Heb. 6:11, 12; 10:24, 25) Muitos aproveitaram bem o tempo servindo como pioneiros. Além disso, eles se lembravam que um dia iam sair do campo de refugiados, assim como os israelitas não ficaram para sempre no deserto. Pensar nisso os ajudou a ter uma atitude positiva. — 2 Cor. 4:18.

MOSTRE AMOR AOS REFUGIADOS

6. Quando os irmãos passam por situações difíceis, o que o amor por Jeová nos motiva a fazer?

6 Nosso amor por Deus nos motiva a mostrar amor pelos irmãos, especialmente em situações difíceis. (1 João 3:17, 18.) Veja um exemplo do tempo dos apóstolos. Quando os cristãos na Judeia passaram necessidade, os irmãos mandaram ajuda para eles. (Atos 11:28, 29) Os apóstolos Paulo e Pedro também incentivaram os irmãos a ser hospitaleiros. (Rom. 12:13; 1 Ped. 4:9) Se a gente precisa ser bondoso com irmãos que nos visitam, imagine então com irmãos que tiveram que fugir ou que foram perseguidos por servir a Jeová! — Leia Provérbios 3:27. *

7. Dê um exemplo.

7 Por exemplo, milhares de Testemunhas de Jeová — homens, mulheres e crianças — tiveram que fugir da guerra e da perseguição no leste da Ucrânia. Infelizmente, algumas delas foram mortas. Mas a maioria passou a morar com irmãos em outras partes da Ucrânia e na Rússia. Até hoje, os irmãos nos dois países continuam não se envolvendo em assuntos políticos, pois “não fazem parte do mundo”. Eles se esforçam para continuar pregando com coragem. — João 15:19; Atos 8:4.

AJUDE OS REFUGIADOS A FORTALECER A FÉ

8. Que desafios os refugiados podem enfrentar em outro país?

8 Alguns refugiados têm que viver em outra parte do seu próprio país, mas muitos acabam indo parar em outro país, num ambiente totalmente novo. É verdade que os governos talvez deem a eles comida, roupa e um lugar para morar. Mas ainda existem desafios. Por exemplo, a comida pode ser bem diferente do que eles estão acostumados. Os refugiados que são de lugares quentes talvez passem aperto por não saber que roupa usar em lugares frios. Dependendo de onde eles vêm, talvez não façam ideia de como usar eletrodomésticos modernos.

9. Por que precisamos tratar os refugiados com paciência e ajudá-los?

9 Alguns governos têm programas para ajudar os refugiados a se ajustar à vida no novo país. Mas, muitas vezes, espera-se que os refugiados consigam cuidar de si mesmos depois de alguns meses. Pense em quantas coisas eles precisam aprender ao mesmo tempo. Para começar, muitos precisam aprender um novo idioma. Também precisam aprender as leis do país. Por exemplo, alguns países têm leis que dizem que os pais devem mandar os filhos para a escola e não deixá-los faltar. Também existem leis sobre como disciplinar os filhos e como pagar impostos e contas. Além de ter que se ajustar a essas leis, os refugiados precisam entender os costumes do país sobre boas maneiras e pontualidade. Conhece irmãos nessa situação? Que tal tratá-los com paciência e respeito, e ajudá-los a enfrentar esses desafios? — Fil. 2:3, 4.

10. Como podemos fortalecer a fé dos refugiados? (Veja a foto no começo do artigo.)

10 Às vezes, nossos irmãos refugiados não conseguem entrar em contato com a congregação porque as autoridades fazem coisas que acabam dificultando isso. Algumas organizações do governo dizem que os irmãos não podem recusar um emprego só porque vão perder as reuniões. Se os irmãos não aceitarem, elas ameaçam parar de ajudá-los ou até mandá-los embora do país. Com medo e sem saber o que fazer, alguns irmãos acabam cedendo à pressão. Por isso, é muito importante entrar em contato com os irmãos refugiados o mais rápido possível. Esses irmãos precisam ver que nós nos preocupamos com eles e queremos ajudá-los; isso pode fortalecer a fé deles. — Pro. 12:25; 17:17.

DÊ AJUDA PRÁTICA AOS REFUGIADOS

11. (a) De início, o que a gente talvez tenha que dar aos irmãos refugiados? (b) Como os refugiados podem mostrar gratidão?

11 De início, a gente talvez tenha que dar aos irmãos refugiados comida, roupa e outras coisas básicas. * Até mesmo pequenos gestos, como dar uma gravata a um irmão, podem significar muito. E, quando os refugiados mostram gratidão, sem exigir nada, os irmãos ficam ainda mais felizes de poder ajudar. Sabemos que não é bom depender da bondade dos outros para sempre. Isso pode acabar com a autoestima de uma pessoa e prejudicar o relacionamento dela com outros. Por isso, é importante que com o tempo os refugiados cuidem das suas próprias necessidades. (2 Tes. 3:7-10) Mas, no começo, eles realmente precisam de ajuda prática.

Podemos ajudar nossos irmãos refugiados de várias maneiras (Veja os parágrafos 11-13.)

12. Como podemos dar ajuda prática aos refugiados?

12 Não precisamos ter muito dinheiro para ajudar os refugiados. O que eles mais precisam é nosso tempo e atenção. Pode ser algo simples, como mostrar a eles como usar o transporte público ou como comprar alimento saudável e barato. Você também pode ajudá-los a conseguir coisas que possam usar para ganhar algum dinheiro, como uma máquina de costura ou uma caixa de ferramentas. Mais importante ainda, você pode ajudá-los a se sentir parte da congregação. Se possível, ofereça carona para as reuniões. Explique como os irmãos costumam pregar no seu território e trabalhe com eles no campo.

13. Dê um exemplo.

13 Quando quatro jovens refugiados chegaram numa congregação, vários anciãos quiseram ajudar. Eles ensinaram os jovens a dirigir, a digitar e a fazer um currículo. Também mostraram como fazer uma programação que os ajudasse a colocar o serviço a Jeová em primeiro lugar. (Gál. 6:10) Não demorou muito e os quatro se tornaram pioneiros. Com a ajuda dos anciãos e seus próprios esforços, esses jovens progrediram espiritualmente e não se perderam no mundo de Satanás.

14. (a) Os refugiados precisam resistir a que tentação? (b) Dê um exemplo.

14 Como todos os cristãos, os irmãos refugiados precisam resistir à tentação e à pressão de dar mais importância às coisas materiais do que à sua amizade com Jeová. * Lije e seus irmãos lembram das lições importantes sobre fé que seu pai ensinou enquanto eles fugiam. Eles contam uma coisa que o pai deles fez: “Ele foi jogando fora as poucas coisas que tínhamos na sacola, uma por uma. Depois ele mostrou a sacola vazia e disse com um sorriso no rosto: ‘Estão vendo? Isso é tudo o que a gente precisa!’” Assim o pai ensinou que eles não precisavam de muita coisa para viver. — Leia 1 Timóteo 6:8.

AS NECESSIDADES MAIS IMPORTANTES

15. Como todos na congregação podem dar apoio espiritual aos irmãos refugiados?

15 Os refugiados precisam mais do que alimento e roupa; eles precisam de apoio espiritual e emocional. (Mat. 4:4) Como todos na congregação podem dar apoio espiritual a esses irmãos? Os anciãos podem conseguir publicações no idioma dos refugiados e ajudá-los a entrar em contato com irmãos que falam o idioma deles. E todos nós podemos ajudá-los a se sentir parte da congregação. Isso é importante porque os refugiados tiveram que fugir de repente e deixar tudo pra trás, como sua família, congregação e o lugar onde cresceram. Quando estão com os irmãos, eles precisam sentir o amor e o carinho de Jeová. Caso contrário, eles podem acabar se aproximando de parentes que não são cristãos ou de pessoas que são do seu próprio país, já que se identificam com a cultura e os costumes deles. (1 Cor. 15:33) Quando ajudamos esses irmãos, nós como que trabalhamos com Jeová em ‘proteger os residentes estrangeiros’. — Sal. 146:9.

16. Como podemos dar apoio emocional aos irmãos refugiados?

16 Lembre-se que quando Jesus era pequeno, sua família não pôde voltar para casa enquanto os que queriam matá-lo estavam governando. Da mesma forma, muitos refugiados não podem voltar para casa porque correm risco de vida. E muitos nem querem voltar. Lije conta: “Muitos pais que viram pessoas de sua família ser estupradas e assassinadas não têm coragem de levar seus filhos de volta para o lugar onde essas tragédias aconteceram.” Para ajudar os que passaram por traumas como esses, os irmãos de países que recebem refugiados precisam ter “empatia, amor fraternal, terna compaixão e humildade”. (1 Ped. 3:8) Por causa da perseguição, alguns refugiados costumam se isolar e às vezes têm vergonha de falar sobre o que passaram, especialmente na frente dos filhos. Pergunte-se: ‘Se eu estivesse no lugar deles, como eu gostaria de ser tratado?’ — Mat. 7:12.

COMO PREGAR AOS REFUGIADOS

17. Como a pregação traz consolo e paz para os refugiados?

17 Muitos refugiados vêm de países onde a obra é proibida ou os irmãos não têm muita liberdade para pregar. Os irmãos nos países que recebem refugiados aproveitam a oportunidade e pregam para eles. Assim, milhares de refugiados estão ouvindo “a palavra do Reino” pela primeira vez. (Mat. 13:19, 23) Muitos que estão “sobrecarregados” encontram consolo e paz em nossas reuniões e logo reconhecem: “Deus está realmente entre vocês.” — Mat. 11:28-30; 1 Cor. 14:25.

18. Que cuidados devemos ter ao pregar aos refugiados?

18 É importante ser ‘cauteloso’ e “prudente” ao pregar aos refugiados. (Mat. 10:16; Pro. 22:3) Ouça com atenção quando eles falarem sobre seus problemas, mas não fale sobre política. Siga as orientações de Betel e das autoridades; nunca faça nada que coloque você ou outros em perigo. Procure aprender sobre a religião e os costumes dos refugiados para não correr o risco de ofendê-los. Por exemplo, em algumas culturas as pessoas têm fortes opiniões sobre que tipo de roupa as mulheres devem usar. Por isso, quando você pregar aos refugiados, use roupas que não os ofenda.

19. Qual é a outra maneira de mostrar sabedoria ao pregar aos refugiados?

19 Queremos ajudar as pessoas que sofrem, mesmo as que não são nossos irmãos. Assim, imitamos o bom samaritano da história que Jesus contou. (Luc. 10:33-37) A melhor maneira de fazer isso é falar das boas novas para elas. Um ancião que já ajudou muitos refugiados disse: “É importante deixar claro logo de início que somos Testemunhas de Jeová e que nosso objetivo principal é dar ajuda espiritual, não material. Caso contrário, alguns podem estudar a Bíblia ou ir às reuniões só por interesse.”

BONS RESULTADOS

20, 21. (a) Dê um exemplo que mostra que tratar os refugiados com amor traz bons resultados. (b) O que vamos estudar no próximo artigo?

20 Tratar os refugiados com amor traz bons resultados. Uma irmã contou que sua família teve que fugir da perseguição na Eritreia. Depois de oito dias viajando pelo deserto, quatro de seus filhos chegaram no Sudão, mortos de cansados. A irmã disse: “Os irmãos trataram meus filhos como se fossem da família. Eles lhes deram comida, roupa, um lugar pra ficar e dinheiro para o transporte. Quem mais abriria as portas da sua casa pra pessoas que não conhece, só porque adoram o mesmo Deus? Só mesmo as Testemunhas de Jeová!” — Leia João 13:35.

21 Mas e os filhos de refugiados ou de imigrantes? Como podemos ajudá-los a servir a Jeová com alegria? Vamos ver isso no próximo artigo.

^ parágrafo. 2 Neste artigo, a palavra “refugiados” se refere àqueles que tiveram que deixar suas casas por causa de guerra, perseguição ou desastres naturais. Talvez eles tenham que viver em outro país ou em outra parte do seu próprio país. O Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) diz que “1 em cada 113 pessoas” no mundo é refugiada.

^ parágrafo. 6 Veja o artigo “Mostre bondade a pessoas de outros países”, em A Sentinela de outubro de 2016, páginas 8-12.

^ parágrafo. 11 Assim que um refugiado chega na congregação, os anciãos devem fazer o que diz o livro Organizados para Fazer a Vontade de Jeová, capítulo 8, parágrafo 30. Para entrar em contato com a ex-congregação do refugiado, os anciãos podem escrever à sede do seu próprio país usando o site jw.org. Enquanto isso, eles podem com jeito fazer perguntas ao refugiado sobre a ex-congregação e sobre o ministério dele. Assim vão conseguir saber como está a sua espiritualidade.

^ parágrafo. 14 Veja os artigos “Ninguém pode servir a dois amos” e “Tenha coragem — Jeová é seu ajudador!”, em A Sentinela de 15 de abril de 2014, páginas 17-26.