Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua angolana de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Julho de 2016

Perguntas dos Leitores

Perguntas dos Leitores

Ezequiel, capítulo 37, fala sobre dois bastões se tornarem um só. O que isso significa?

Jeová deu a Ezequiel uma mensagem de esperança. Jeová prometeu que a nação de Israel voltaria a ser uma só nação depois que voltasse para a Terra Prometida. Essa profecia também indicava que o povo de Deus seria unificado no futuro, o que começaria a acontecer durante os últimos dias.

Jeová pediu que o profeta Ezequiel escrevesse em dois bastões. Em um bastão, ele devia escrever: “Para Judá e para os do povo de Israel que estão com ele.” No outro, ele escreveria: “Para José — bastão de Efraim — e para todos os da casa de Israel que estão com ele.” Os dois bastões se tornariam “um só” na mão de Ezequiel. — Eze. 37:15-17.

O que o “bastão de Efraim” representa? A tribo de Efraim era a principal do reino de dez tribos, ao norte. Aliás, o primeiro rei desse reino, Jeroboão, era da tribo de Efraim. (Deut. 33:13, 17; 1 Reis 11:26) Essa tribo vinha de Efraim, filho de José. Ela ganhou destaque porque José havia recebido uma bênção especial de seu pai, Jacó. (Núm. 1:32, 33) É por isso que o “bastão de Efraim” representa o reino das dez tribos. Qual era a situação do reino das dez tribos ao norte quando Ezequiel fez essa profecia? Em 740 antes de Cristo (a.C.), bem antes de Ezequiel fazer essa profecia, os assírios derrotaram o reino das dez tribos e levaram o povo como prisioneiros. (2 Reis 17:6) Depois, os assírios foram derrotados pelos babilônios. Assim, quando Ezequiel fez a profecia dos dois bastões, a maioria dos israelitas do reino das dez tribos estava espalhada pelo império de Babilônia.

E o que representa o bastão de “Judá”? O reino de duas tribos, ao sul, era governado por reis que vinham da tribo de Judá. E era em Judá que ficava o sacerdócio, visto que os sacerdotes serviam no templo em Jerusalém. (2 Crô. 11:13, 14; 34:30) Assim, o bastão de “Judá” representa o reino de duas tribos. Em 607 a.C., Babilônia conquistou o reino de duas tribos e levou os habitantes como prisioneiros. Pode ser que os babilônios também tenham levado os israelitas que restaram do reino das dez tribos.

Quando esses dois bastões se tornaram um só? Foi quando os israelitas voltaram a Jerusalém para reconstruir o templo em 537 a.C. Pessoas do reino de duas tribos e do reino de dez tribos voltaram juntas de Babilônia. Os filhos de Israel não estavam mais divididos. (Eze. 37:21, 22) Os israelitas voltaram a adorar a Jeová unidos. Os profetas Isaías e Jeremias também predisseram essa união. — Isa. 11:12, 13; Jer. 31:1, 6, 31.

O que essa profecia predisse sobre a adoração verdadeira? Que Jeová faria com que seus adoradores fossem unidos, ou “um só”. (Eze. 37:18, 19) Será que essa promessa se cumpriu em nossos dias? Sim. Essa profecia começou a se cumprir em 1919, quando o povo de Deus foi aos poucos reorganizado e unificado. Satanás bem que tentou, mas não conseguiu dividir o povo de Deus.

Naquela época, a maioria dos que foram unificados tinha esperança de se tornar rei e sacerdote com Jesus no céu. (Apo. 20:6) Eles eram como o bastão de Judá. No entanto, havia alguns que tinham esperança de viver na Terra. Com o tempo, o número de pessoas com essa esperança foi aumentando. Essas pessoas foram se juntando aos judeus espirituais, ou ungidos. (Zac. 8:23) Elas eram como o bastão de Efraim e não tinham a esperança de reinar com Cristo.

Hoje, os dois grupos servem juntos a Jeová e têm um só Rei, Jesus Cristo. Na profecia de Ezequiel, Jesus é chamado de “meu servo Davi”. (Eze. 37:24, 25) Jesus pediu em oração que todos os seus seguidores ‘fossem um, assim como o Pai está em união com ele e ele está em união com o Pai’. * (João 17:20, 21) Jesus também predisse que o pequeno rebanho de seguidores ungidos se tornaria “um só rebanho” com as “outras ovelhas”. Todos eles teriam “um só pastor”. (João 10:16) Essas palavras de Jesus descrevem muito bem a união que existe entre o povo de Jeová hoje, não importa que esperança tenham!

^ parágrafo. 6 É interessante notar a ordem em que Jesus contou as ilustrações que se tornaram parte do sinal da sua presença. Primeiro ele falou do “escravo fiel e prudente”, o pequeno grupo de irmãos ungidos que tomaria a liderança. (Mat. 24:45-47) Depois ele contou ilustrações que se referem principalmente aos que têm a esperança de viver no céu. (Mat. 25:1-30) E por fim ele falou sobre os que têm esperança de viver na Terra e que apoiariam os irmãos de Cristo. (Mat. 25:31-46) Da mesma forma, quando a profecia de Ezequiel começou a se cumprir em nossos dias, primeiro ela se aplicava aos que vão viver no céu. Em geral, o reino de dez tribos não representa os que esperam viver na Terra. Mas a unificação descrita na profecia nos lembra da união que existe entre os que têm esperança de viver na Terra e os que têm esperança de viver no céu.