Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua angolana de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Abril de 2017

“O Juiz de toda a terra” sempre faz o que é justo

“O Juiz de toda a terra” sempre faz o que é justo

“A Rocha — perfeito é tudo o que ele faz, pois todos os seus caminhos são justos.” — DEUT. 32:4.

CÂNTICOS: 138, 11

1. Como Abraão mostrou que confiava que Jeová era justo? (Veja a gravura no começo do artigo.)

“NÃO fará o Juiz de toda a terra o que é justo?” (Gên. 18:25) Abraão não perguntou isso porque estava com dúvida. Pelo contrário, com essa pergunta ele mostrou que confiava que Jeová ia julgar as cidades de Sodoma e Gomorra com justiça perfeita. Abraão tinha certeza que Jeová jamais ia ‘entregar à morte os justos junto com os maus’. Uns 400 anos mais tarde, Jeová disse sobre si mesmo: “A Rocha — perfeito é tudo o que ele faz, pois todos os seus caminhos são justos. Deus de fidelidade, que nunca é injusto; justo e reto é ele.” — Deut. 31:19; 32:4.

2. Por que podemos ter certeza que Jeová sempre fará o que é justo?

2 Por que Abraão podia ter certeza que Jeová sempre faria o que é justo? Porque Jeová é o maior exemplo de justiça que existe. Assim, podemos confiar que seus julgamentos são sempre justos. Além disso, a Bíblia diz que Jeová ‘ama a justiça’. — Sal. 33:5.

3. Dê um exemplo de injustiça que acontece no mundo hoje.

3 É muito bom saber que Jeová é sempre justo, já que a injustiça parece ser a regra neste mundo! Infelizmente, algumas pessoas foram vítimas de grandes injustiças. Por exemplo, no passado, alguns ficaram anos na prisão por crimes que não cometeram e só foram libertados depois que testes de DNA provaram que eram inocentes. Injustiças como essas deixam as pessoas frustradas e com muita raiva. Mas, para os cristãos, existe outro tipo de injustiça que pode ser ainda mais difícil de suportar.

INJUSTIÇA NA CONGREGAÇÃO

4. O que pode testar a nossa fé?

4 Como cristãos, a gente sabe que pode ser tratado com injustiça fora da congregação. Mas, quando vemos o que parece ser uma injustiça dentro da congregação, isso pode ser um teste e tanto para a nossa fé. Se um dia você achar que você ou outra pessoa foi tratado injustamente na congregação, o que você vai fazer? Vai tropeçar e deixar que isso afete seu serviço a Jeová?

5. Por que não vamos ficar surpresos se acontecer uma injustiça na congregação?

5 Todos nós somos imperfeitos e cometemos erros. Por isso, um irmão pode ser injusto com a gente e a gente pode ser injusto com um irmão. (1 João 1:8) Felizmente, situações assim não acontecem todo dia. Mas, se acontecerem, quem é fiel não vai ficar surpreso nem tropeçar por causa disso. Ainda bem que Jeová deu conselhos práticos na Bíblia que nos ajudam a continuar leais mesmo quando nossos irmãos nos tratam de modo injusto. — Sal. 55:12-14.

6, 7. (a) Como um irmão foi tratado de modo injusto na congregação? (b) Que qualidades ajudaram esse irmão a lidar com a situação da maneira correta?

6 Veja o que aconteceu com o irmão Willi Diehl. Em 1931, ele começou a servir no Betel da Suíça. Em 1946, ele fez parte da turma número 8 da Escola de Gileade, em Nova York, EUA. Um tempo depois, ele foi designado para servir como superintendente de circuito na Suíça. Em maio de 1949, o irmão Willi escreveu para Betel e disse que ia se casar. Qual foi a resposta? O único privilégio que ele e sua esposa poderiam ter depois de casados era servir como pioneiros regulares. O irmão Willi explicou: “Eu não podia dar discursos . . . Muitos pararam de nos cumprimentar, nos tratando como desassociados.”

7 Isso aconteceu porque na época alguns irmãos não tinham o entendimento correto sobre o casamento. Como o irmão Willi lidou com essa situação? Ele disse: “Nós sabíamos que a Bíblia não proíbe se casar, por isso oramos a Jeová e deixamos o assunto nas mãos dele.” Sua lealdade a Jeová foi recompensada. * Com o tempo, o entendimento errado que alguns tinham foi corrigido, e o irmão Willi voltou a ter privilégios na congregação. Podemos nos perguntar: ‘O que eu faria numa situação assim? Eu ia ter paciência e esperar em Jeová como o irmão Willi, ou ia resolver o assunto do meu jeito?’ — Pro. 11:2; leia Miqueias 7:7.

8. Por que podemos estar enganados se acharmos que aconteceu alguma injustiça na congregação?

8 Pode ser que você ache que você ou outro irmão foi tratado injustamente na congregação. Mas talvez você esteja enganado. Como assim? Já que somos imperfeitos, às vezes não vemos as coisas do ponto de vista correto ou não sabemos de todos os fatos. Seja como for, devemos orar a Jeová, confiar nele e continuar leais. Assim, nunca vamos ficar ‘furiosos com Jeová’ se acharmos que fomos tratados com injustiça. — Leia Provérbios 19:3.

9. Que exemplos vamos analisar neste e no próximo artigo?

9 Vamos analisar três exemplos de injustiça que aconteceram com alguns do povo de Jeová no passado. Neste artigo, vamos ver o que podemos aprender do exemplo de José, bisneto de Abraão. No próximo, vamos ver como Jeová lidou com Acabe, rei de Israel. Vamos ver também o que aconteceu com o apóstolo Pedro na Antioquia da Síria. Esses exemplos vão nos ajudar a nos concentrar na nossa amizade com Jeová e a não deixar que nada nos afaste dele, mesmo quando acharmos que fomos tratados com injustiça.

JOSÉ FOI TRATADO COM INJUSTIÇA

10, 11. (a) Que injustiças José sofreu? (b) Que oportunidade José teve enquanto esteve preso?

10 José, um servo fiel de Jeová, sofreu muitas injustiças. Mas o que doeu mais foi ser tratado com injustiça por seus próprios irmãos. Quando José tinha 17 anos, seus irmãos o sequestraram e o venderam como escravo. Por fim, ele foi parar no Egito. (Gên. 37:23-28; 42:21) Depois de um tempo nesse país, José foi acusado de tentar estuprar uma mulher e foi preso sem ter o direito de se defender. (Gên. 39:17-20) Ele sofreu como escravo e prisioneiro por uns 13 anos. Que lições podemos aprender de José que podem nos ajudar se um irmão nos tratar com injustiça?

11 Certo dia, José teve a oportunidade de explicar sua situação a outro prisioneiro. Esse prisioneiro tinha sido copeiro do rei. Na época, o copeiro era um homem de confiança, que podia falar diretamente com o rei. Lá na prisão, o copeiro teve um sonho, e José explicou o significado do sonho com a ajuda de Jeová. José disse que o copeiro ia voltar a trabalhar para Faraó. José aproveitou a oportunidade para explicar a sua situação para o copeiro. Podemos aprender lições importantes não apenas do que José disse, mas também do que ele não disse. — Gên. 40:5-13.

12, 13. (a) Será que José simplesmente aceitou sua situação e ficou de braços cruzados? Explique. (b) O que José não disse ao copeiro?

12 Gênesis 40:14, 15. José disse que tinha sido “raptado”, ou sequestrado. Em hebraico, essa palavra também pode significar “roubado”. Com certeza ele foi vítima de injustiça. José deixou claro que não tinha cometido nenhum crime e que não merecia estar na prisão. Por isso, ele pediu ao copeiro que falasse dele a Faraó, já que Faraó podia tirá-lo dali.

13 Será que as palavras de José indicam que ele simplesmente aceitou a situação e ficou de braços cruzados? Não. Ele sabia muito bem que tinha sido vítima de uma injustiça atrás da outra. Ele explicou sua situação para o copeiro, já que ele talvez pudesse ajudá-lo. Mas é interessante ver também o que ele não disse. Parece que ele não disse a ninguém, nem mesmo a Faraó, que ele tinha sido sequestrado por seus próprios irmãos. Aliás, quando os irmãos de José foram para o Egito e fizeram as pazes com ele, Faraó os recebeu bem e disse que eles podiam morar no Egito e aproveitar “o melhor de toda a terra”. — Gên. 45:16-20.

A fofoca pode fazer um problema fugir do controle (Veja o parágrafo 14.)

14. Se formos tratados com injustiça, o que vai nos ajudar a não falar mal dos irmãos?

14 Se um cristão achar que foi tratado com injustiça, ele deve tomar cuidado para não ficar fazendo fofoca sobre isso. É claro que, se a gente ficar sabendo que um irmão cometeu um pecado sério, devemos contar isso aos anciãos. (Lev. 5:1) Mas existem situações em que não aconteceu um pecado sério. Nesses casos, talvez dê para resolver o assunto com a pessoa sem falar com mais ninguém, nem mesmo com os anciãos. (Leia Mateus 5:23, 24; 18:15.) Queremos ser leais e resolver o assunto do jeito que a Bíblia ensina. Pode até ser que a gente perceba que foi só um mal-entendido e que na verdade não sofremos nenhuma injustiça. Agora, imagine se a gente tivesse falado mal do irmão para outros. A gente ia ficar sem graça depois de perceber que tudo não passou de um mal-entendido, não acha? Lembre-se: não importa se estamos certos ou errados, dizer coisas que magoam e falar mal do irmão só vai piorar a situação. A lealdade a Jeová e a nossos irmãos vai nos ajudar a não cair nesse erro. A Bíblia diz que a pessoa que agrada a Jeová “não usa a língua para caluniar. Não faz nenhum mal ao seu próximo e não difama [ou fala mal dos] seus amigos”. — Sal. 15:2, 3; Tia. 3:5.

NADA É MAIS IMPORTANTE DO QUE NOSSA AMIZADE COM JEOVÁ

15. Por que a amizade com Jeová fez toda a diferença na vida de José?

15 Nós aprendemos uma coisa ainda mais importante de José. Durante os 13 anos em que foi tratado com injustiça, José mostrou que conseguia ver as coisas do ponto de vista de Jeová. (Gên. 45:5-8) A amizade com Jeová fez toda a diferença na vida de José. Como assim? José nunca culpou a Jeová pelo que passou. É claro que ele não se esqueceu das injustiças que sofreu, mas também não ficou uma pessoa amarga. Mais importante ainda, ele não deixou que as imperfeições e os erros de outros o afastassem de Jeová. José foi leal, e por isso pôde ver Jeová corrigir as injustiças e abençoar a ele e a sua família.

16. Na sua opinião, por que é importante nos apegar ainda mais a Jeová se um irmão nos tratar com injustiça?

16 Assim como José, devemos dar muito valor à nossa amizade com Jeová. Queremos fazer de tudo para proteger essa amizade. A gente nunca deve permitir que as imperfeições dos nossos irmãos nos afastem do Deus que amamos e adoramos. (Rom. 8:38, 39) Em vez disso, se algum irmão nos tratar com injustiça, queremos ser como José e nos apegar ainda mais a Jeová, nos esforçando para ver as coisas do ponto de vista dele. Depois que tivermos feito de tudo para resolver a situação seguindo os conselhos da Bíblia, temos que deixar o assunto com Jeová, confiando que ele vai corrigir a situação na hora certa e do jeito que ele achar melhor.

CONFIE NO “JUIZ DE TODA A TERRA”

17. Como podemos mostrar que confiamos no “Juiz de toda a terra”?

17 Enquanto vivermos no mundo de Satanás, vamos sofrer injustiças. Também pode ser que a gente, ou alguém que a gente conhece, ache que sofreu uma injustiça na congregação. Se isso acontecer com você, não tropece por causa disso; não deixe que isso atrapalhe seu serviço a Jeová. (Sal. 119:165) Em vez disso, continue leal a Jeová, ore pedindo sua ajuda e confie nele. Ao mesmo tempo, é bom reconhecer que você talvez não tenha todos os fatos. Além disso, lembre-se que por causa da imperfeição às vezes não temos o ponto de vista correto da situação. Como vimos no caso de José, não é bom falar mal dos irmãos porque isso só vai piorar a situação. Em vez de tentar resolver o assunto do nosso jeito, queremos ser leais e esperar em Jeová para resolver as coisas. Se fizermos isso, vamos agradar a Jeová e ter as bênçãos dele, assim como aconteceu com José. Podemos ter a mesma certeza de Abraão: Jeová, “o Juiz de toda a terra”, sempre vai fazer o que é justo, “pois todos os seus caminhos são justos”. — Gên. 18:25; Deut. 32:4.

18. O que vamos ver no próximo artigo?

18 No próximo artigo, vamos ver mais dois exemplos de injustiça que aconteceram com alguns do povo de Jeová no passado. Esses exemplos vão nos ajudar a ver o que a humildade e o perdão têm a ver com a justiça de Jeová.

^ parágrafo. 7 Veja a biografia do irmão Willi Diehl, “‘Jeová é meu Deus, em quem vou confiar’”, na Sentinela de 1.° de novembro de 1991.