Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua angolana de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Abril de 2016

Abominemos o que é iníquo

Abominemos o que é iníquo

 Abominemos o que é iníquo

JEOVÁ é um Deus santo. Na antiguidade, ele era o “Santo de Israel”, e como tal exigia que Israel fosse puro, imaculado. (Salmo 89:18) Ele disse ao seu povo escolhido: “Tendes de mostrar ser santos, porque eu sou santo.” (Levítico 11:45) Quem quisesse “subir ao monte de Jeová” teria de estar “de mãos inocentes e de coração limpo”. (Salmo 24:3, 4) Isto significava mais do que apenas evitar atos pecaminosos. Significava “odiar o mal”. — Provérbios 8:13.

Jeová estabeleceu amorosamente leis pormenorizadas para que a nação de Israel pudesse identificar e evitar transgressões. (Romanos 7:7, 12) Essas leis incluíam orientações estritas sobre a moralidade. Adultério, atos homossexuais, relações incestuosas e bestialidade eram todos identificados como poluentes espiritualmente ímpios. (Levítico 18:23; 20:10-17) Os culpados de tais atos degradantes eram decepados da nação de Israel.

Quando a congregação dos cristãos ungidos se tornou “o Israel de Deus”, estabeleceram-se para eles normas similares de moral. (Gálatas 6:16) Os cristãos também deviam ‘abominar o que é iníquo’. (Romanos 12:9) As palavras que Jeová dirigiu a Israel também se aplicavam a eles: “Tendes de ser santos, porque eu sou santo.” (1 Pedro 1:15, 16) Práticas ímpias tais como a fornicação, o adultério, atos homossexuais, bestialidade e incesto não deviam corromper a congregação cristã. Os que se negassem a parar com tais coisas seriam excluídos do Reino de Deus. (Romanos 1:26, 27; 2:22; 1 Coríntios 6:9, 10; Hebreus 13:4) Nestes “últimos dias”, essas mesmas normas se aplicam também às “outras ovelhas”. (2 Timóteo 3:1; João 10:16) Em resultado disso, os cristãos ungidos e as outras ovelhas são um povo limpo e saudável, apto para levar o nome de seu Deus como Testemunhas de Jeová. — Isaías 43:10.

A congregação é mantida limpa

Em contraste, o mundo tolera todos os tipos de imoralidade. Embora os verdadeiros cristãos sejam diferentes, eles não se devem esquecer de que muitos dos que agora servem a Jeová faziam antes parte do mundo. Há também muitos que, antes de conhecerem nosso santo Deus, não viam motivo nenhum para não se entregar a desejos e fantasias da sua carne decaída, revolvendo-se num “antro vil de devassidão”. (1 Pedro 4:4) O apóstolo Paulo disse, depois de descrever as práticas repugnantes de pessoas degradadas das nações: “Isso é o que fostes alguns de vós.” No entanto, ele prosseguiu, dizendo: “Mas vós fostes lavados, mas vós fostes santificados, mas vós fostes declarados justos no nome de nosso Senhor Jesus Cristo e com o espírito de nosso Deus.” — 1 Coríntios 6:11.

Como esta declaração é consoladora! Não importa o que alguém tenha feito antes na vida, ele muda quando as gloriosas boas novas sobre o Cristo influenciam seu coração. Ele exerce fé e dedica-se a Jeová Deus. Daí em diante, leva uma vida moralmente pura, estando limpo aos olhos de Deus. (Hebreus 9:14) Os pecados que cometeu antes são perdoados, e ele pode ‘esticar-se para alcançar as coisas na frente’. * — Filipenses 3:13, 14; Romanos 4:7, 8.

Jeová perdoou o assassinato e o adultério ao arrependido Davi, e Ele perdoou ao arrependido Manassés a idolatria imoral e muito derramamento de sangue. (2 Samuel 12:9, 13; 2 Crônicas 33:2-6, 10:13) Podemos ser muito gratos de que Ele está pronto para também perdoar a nós, se estivermos arrependidos e nos dirigirmos a ele com sinceridade e humildade. Mesmo assim, apesar de Jeová ter perdoado a Davi e a Manassés, esses dois homens — e Israel com eles — tiveram de arcar com as conseqüências de seus atos pecaminosos. (2 Samuel 12:11, 12; Jeremias 15:3-5) De forma similar, embora Jeová perdoe a pecadores arrependidos, pode haver conseqüências inevitáveis das suas ações.

Conseqüências inevitáveis

Por exemplo, o homem que leva uma vida de devassa imoralidade e contrai Aids pode aceitar a verdade e mudar de vida, a ponto de se dedicar e ser batizado. Ele é então um cristão espiritualmente limpo, tendo uma relação com Deus e uma maravilhosa esperança do futuro; mas ainda tem Aids. Pode no fim morrer da doença, uma conseqüência lamentável, mas inescapável, da sua conduta anterior. No caso de alguns cristãos, os efeitos da anterior crassa imoralidade podem persistir de outra maneira. Durante anos após o seu batismo, talvez pelo resto da sua vida neste sistema de coisas, eles talvez tenham de combater os impulsos da carne, que querem fazê-los retornar ao seu anterior estilo de vida imoral. Muitos conseguem resistir a isso, com a ajuda do espírito de Jeová. Mas precisam travar uma luta constante. — Gálatas 5:16, 17.

Esses não pecam enquanto controlam seus impulsos. Mas, se forem homens, pode ser sábio não ‘procurar alcançar’ responsabilidades na congregação enquanto ainda têm de lutar com fortes impulsos carnais. (1 Timóteo 3:1) Por quê? Porque sabem que a congregação tem confiança nos anciãos. (Isaías 32:1; Hebreus 13:17) Dão-se conta de que os anciãos são consultados sobre muitos assuntos íntimos e têm de lidar com situações delicadas. Não seria nem amoroso, nem sábio ou razoável que alguém que trava uma luta constante contra desejos carnais, impuros, procure alcançar tal posição de responsabilidade. — Provérbios 14:16; João 15:12, 13; Romanos 12:1.

Para o homem que antes de ser batizado era molestador de crianças pode haver outra conseqüência. Quando aprende a verdade, ele se arrepende e muda, não introduzindo este pecado cruel na congregação. Talvez faça depois um bom progresso, vencendo totalmente seus impulsos errados, e até mesmo se incline para ‘procurar alcançar’ um cargo de responsabilidade na congregação. O que se dá, porém, se a comunidade ainda o conhece como ex-molestador de crianças? Seria ele “irrepreensível, . . . [tendo] testemunho excelente de pessoas de fora, . . . estando [livre] de acusação”? (1 Timóteo 3:1-7, 10; Tito 1:7) Não, não seria. Por isso, não estaria habilitado para ter privilégios na congregação.

Quando um cristão dedicado peca

Jeová entende que nós somos fracos e que mesmo após o batismo estamos sujeitos a cometer pecados. O apóstolo João escreveu aos cristãos dos seus dias: “Escrevo-vos estas coisas para que não cometais um pecado. Contudo, se alguém cometer um pecado, temos um ajudador junto ao Pai, Jesus Cristo, um justo. E ele é um sacrifício propiciatório pelos nossos pecados, contudo, não apenas pelos nossos, mas também pelos do mundo inteiro.” (1 João 2:1, 2) Deveras, à base do sacrifício de Jesus, Jeová perdoará os cristãos batizados que cometem pecado — se eles realmente se arrependerem e abandonarem seu proceder errado.

Viu-se um exemplo disso na congregação de Corinto, no primeiro século. O apóstolo Paulo soube dum caso de fornicação incestuosa naquela congregação recém-formada, e deu instruções para que o homem envolvido fosse desassociado. Mais tarde, o pecador arrependeu-se, e Paulo exortou a congregação a readmiti-lo. (1 Coríntios 5:1, 13; 2 Coríntios 2:5-9) Assim, pelo poder curativo da benevolência de Jeová e do grande valor do sacrifício resgatador de Jesus, o homem foi purificado do seu pecado. Algo similar pode acontecer hoje. Novamente, porém, mesmo que alguém batizado, que comete um pecado grave, se arrependa e seja perdoado aos olhos de Jeová, ainda pode haver conseqüências do seu pecado. — Provérbios 10:16, 17; Gálatas 6:7.

Por exemplo, quando uma moça dedicada comete fornicação, ela talvez lamente amargamente seu ato e por fim recupere a saúde espiritual com a ajuda da congregação. Mas o que se dá se ficou grávida por causa da sua imoralidade? Neste caso, toda a sua vida foi inescapavelmente mudada por aquilo que ela fez. O homem que comete adultério talvez se arrependa e não seja desassociado. Mas a sua esposa inocente tem base bíblica para se divorciar dele, e ela talvez decida fazer isso. (Mateus 19:9) Neste caso, o homem, embora perdoado por Jeová, passará o resto da sua vida com esta grave conseqüência do seu pecado. — 1 João 1:9.

Que dizer do homem que desamorosamente se divorcia da esposa para se casar com outra mulher? Pode ser que por fim se arrependa e seja readmitido na congregação. Com o decorrer dos anos, ele talvez progrida e ‘avance à madureza’. (Hebreus 6:1) Mas enquanto a sua primeira esposa viver sem cônjuge, ele não estará habilitado para servir num cargo de responsabilidade na congregação. Não é “marido de uma só esposa”, porque não tinha base bíblica para se divorciar da primeira esposa. — 1 Timóteo 3:2, 12.

Não são estes motivos fortes pelos quais o cristão deve fazer força para abominar o que é iníquo?

Que dizer do molestador de criança?

O que se dá quando um cristão adulto, batizado, molesta uma criança? É este pecador tão iníquo que Jeová nunca lhe perdoará? Não necessariamente. Jesus disse que “blasfemar contra o espírito santo” é imperdoável. E Paulo disse que não há mais nenhum sacrifício pelos pecados para aquele que pratica o pecado deliberadamente, apesar de conhecer a verdade. (Lucas 12:10; Hebreus 10:26, 27) Mas a Bíblia em parte alguma diz que o cristão adulto que abusa sexualmente duma criança — quer incestuosamente quer de outra forma — não possa ser perdoado. De fato, seus pecados podem ser apagados se ele se arrepender sinceramente, de coração, e mudar de comportamento. No entanto, ele talvez ainda tenha de lutar com os impulsos carnais, errados, que havia cultivado. (Efésios 1:7) E pode haver conseqüências que não possa evitar.

Dependendo das leis do país em que ele vive, é bem possível que o molestador sofra pena de prisão ou outras sanções impostas pelo Estado. A congregação não o protegerá disso. Também, esse homem demonstrou ter uma fraqueza séria, que doravante precisa ser levada em conta. Se ele parecer arrependido, será incentivado a fazer progresso espiritual, a participar no serviço de campo, e mesmo a ter parte na Escola do Ministério Teocrático e receber na Reunião de Serviço partes que não forem de ensino. No entanto, isto não significa que esteja habilitado para servir num cargo de responsabilidade na congregação. Quais são os motivos bíblicos disso?

Em primeiro lugar, o ancião precisa estar “dominando a si mesmo”. (Tito 1:8) É verdade que nenhum de nós tem perfeito autodomínio. (Romanos 7:21-25) Mas o cristão adulto, dedicado, que comete o pecado de abusar sexualmente de uma criança, revela ter uma fraqueza carnal, desnatural. A experiência tem mostrado que tal adulto pode molestar outras crianças. É verdade que nem todo molestador de criança repete esse pecado, no entanto, muitos o fazem. E a congregação não pode ver o que há no coração, para saber quem é e quem não é capaz de novamente molestar crianças. (Jeremias 17:9) Portanto, o conselho que Paulo deu a Timóteo se aplica com força especial no caso de adultos batizados que molestaram crianças: “Nunca ponhas as mãos apressadamente sobre nenhum homem; tampouco sejas partícipe dos pecados de outros.” (1 Timóteo 5:22) Para a proteção de nossos filhos, o homem de quem se sabe que foi molestador de criança não está habilitado para um cargo de responsabilidade na congregação. Além disso, ele nem pode ser pioneiro ou ter outro serviço especial de tempo integral. — Note o princípio disso em Êxodo 21:28, 29.

Alguém talvez pergunte: ‘Não tem havido alguns que cometeram outros tipos de pecado e aparentemente se arrependeram, mas que depois repetiram seu pecado?’ Sim, isso tem acontecido, mas há outros fatores a considerar. Por exemplo, quando alguém faz propostas imorais a outro adulto, este deve poder resistir às propostas dele ou dela. Crianças são muito mais fáceis de enganar, de deixar confusas ou aterrorizadas. A Bíblia diz que a criança tem falta de sabedoria. (Provérbios 22:15; 1 Coríntios 13:11) Jesus usou crianças como exemplo de humilde inocência. (Mateus 18:4; Lucas 18:16, 17) A inocência da criança inclui a ausência completa de experiência. A maioria das crianças são expansivas, gostam de agradar, e assim são vulneráveis a abusos por parte dum adulto ardiloso a quem conhecem e em quem confiam. Portanto, a congregação tem perante Jeová a responsabilidade de proteger as crianças.

Filhos bem treinados aprendem a obedecer e a honrar os pais, os anciãos e outros adultos. (Efésios 6:1, 2; 1 Timóteo 5:1, 2; Hebreus 13:7) Seria uma perversão chocante se uma dessas figuras de autoridade abusasse dessa confiança inocente da criança para seduzi-la ou para obrigá-la a se sujeitar aos atos sexuais dele ou dela. Aqueles que já foram molestados assim muitas vezes lutam por anos para vencer o resultante trauma emocional. Por isso, o molestador de criança está sujeito a uma severa disciplina congregacional e restrições. O que deve importar não é a sua posição como figura de autoridade, mas, antes, a pureza imaculada da congregação. — 1 Coríntios 5:6; 2 Pedro 3:14.

Se um molestador de criança se arrepender sinceramente, ele reconhecerá a sabedoria da aplicação dos princípios bíblicos. Se ele realmente aprender a abominar o que é iníquo, desprezará o que fez e se esforçará a evitar a repetição do seu pecado. (Provérbios 8:13; Romanos 12:9) Além disso, com certeza agradecerá a Jeová a grandeza do Seu amor, em resultado do qual um pecador arrependido, tal como ele é, ainda pode adorar nosso santo Deus e esperar estar entre “os retos” que residirão para sempre na Terra. — Provérbios 2:21.

[Nota(s) de rodapé]

^ parágrafo. 7 Veja “Perguntas dos Leitores”, em A Sentinela de 1.° de maio de 1996.

[Destaque na página 28]

Embora Jeová perdoe a pecadores arrependidos, pode haver conseqüências inevitáveis das suas ações