Pular para conteúdo

Pular para sumário

“Jeová, nosso Deus, é um só Jeová”

“Jeová, nosso Deus, é um só Jeová”

“Escute, ó Israel: Jeová, nosso Deus, é um só Jeová.” — DEUT. 6:4.

CÂNTICOS: 138, 2

1, 2. (a) Por que os judeus hoje conhecem tão bem o que diz Deuteronômio 6:4? (b) Por que Moisés falou essas palavras?

POR centenas de anos, pessoas da religião judaica usam as seis palavras de Deuteronômio 6:4 em hebraico como uma oração especial. Essa oração é chamada de Shema, que é a primeira palavra do versículo. Eles fazem essa oração todos os dias, de manhã e à noite. Com essa oração, os judeus dizem que adoram somente a Deus.

2 Essas palavras fazem parte do último discurso que Moisés fez para a nação de Israel, em 1473 antes de Cristo. Os israelitas estavam reunidos nas planícies de Moabe, prestes a atravessar o rio Jordão e conquistar a Terra Prometida. (Deut. 6:1) Depois de liderar Israel por 40 anos, Moisés sabia que o povo precisaria de coragem para enfrentar os desafios que teriam. Eles precisariam confiar em Jeová e ser fiéis a ele. Sem dúvida, as últimas palavras de Moisés teriam um grande impacto sobre o povo. Por isso, depois de relembrar os Dez Mandamentos e outras leis de Jeová, Moisés mencionou algo muito importante em Deuteronômio 6:4, 5. (Leia.)

3. Que perguntas vamos responder neste artigo?

3 Será que os israelitas reunidos ali não sabiam que Jeová era “um só Jeová”? Claro que sabiam. Eles conheciam e adoravam apenas um Deus — o Deus de seus antepassados Abraão, Isaque e Jacó. Então, por que Moisés quis destacar que Jeová é “um só Jeová”? O que isso tem a ver com amar a Deus de todo o coração, alma e força, como diz o versículo 5? E o que as palavras de Deuteronômio 6:4, 5 significam para nós hoje?

NOSSO DEUS É “UM SÓ JEOVÁ”

4, 5. (a) O que a expressão “um só Jeová” pode significar? (b) Como Jeová mostrou que é diferente dos deuses das nações?

4 Jeová é único. A palavra “um” em hebraico e em muitos outros idiomas pode significar bem mais do que apenas um simples número. Pode significar único, sem igual. Parece que aqui Moisés não estava querendo provar que Jeová não fazia parte de uma trindade. Ele estava lembrando os israelitas que eles deviam adorar apenas a Jeová, pois ele é o Criador do céu e da Terra, o Soberano do Universo. Não há nenhum outro deus igual a ele; ele é o único Deus verdadeiro. (2 Sam. 7:22) Assim, os israelitas não deviam adorar os vários deuses e deusas das nações em volta deles. Para essas pessoas, alguns desses deuses falsos controlavam as forças da natureza.

5 Por exemplo, os egípcios adoravam Rá (o deus do Sol), Nut (a deusa do céu), Geb (o deus da Terra), Hápi (o deus do Nilo) e muitos animais. Jeová humilhou esses deuses quando trouxe as Dez Pragas. Já o deus principal dos cananeus era Baal, o deus da fertilidade, e que às vezes era encarado como deus do céu, da chuva e das tempestades. Cidades inteiras acreditavam que Baal era sua proteção, uma espécie de padroeiro. (Núm. 25:3) No entanto, os israelitas deviam se lembrar de que seu Deus, o “verdadeiro Deus”, é “um só Jeová”. — Deut. 4:35, 39.

6, 7. (a) O que a palavra “um” também pode significar? (b) Como Jeová provou que é leal e não muda?

6 Jeová é leal e não muda. A palavra “um” também pode significar que Jeová não usa dois pesos e duas medidas no que diz respeito a seus objetivos e suas ações. Ele não é indeciso, nem imprevisível. Ao contrário, ele não muda; é sempre fiel, leal e verdadeiro. Jeová tinha prometido a Abraão que seus descendentes iriam morar na Terra Prometida, e ele fez milagres poderosos para cumprir essa promessa. Mesmo depois de 430 anos, a promessa de Jeová ainda era a mesma. — Gên. 12:1, 2, 7; Êxo. 12:40, 41.

7 Centenas de anos mais tarde, quando Jeová chamou os israelitas de suas testemunhas, ele disse: “Eu sou o mesmo. Antes de mim não foi formado nenhum Deus e depois de mim continuou a não haver nenhum.” Para destacar que seus objetivos nunca mudam, Jeová também disse: “Sempre sou o mesmo.” (Isa. 43:10, 13; 44:6; 48:12) Sem dúvida, aqueles israelitas tinham um grande privilégio: eram servos de Jeová, o Deus que nunca muda e que é sempre leal! Nós também temos esse privilégio. — Mal. 3:6; Tia. 1:17.

8, 9. (a) O que Jeová espera de seus adoradores? (b) Como Jesus mostrou que as palavras de Moisés eram importantes?

8 Assim, com essas palavras, Moisés lembrou aos israelitas que o amor e o cuidado de Jeová por eles nunca mudam. Mas o que os israelitas deviam fazer para retribuir o amor de Jeová? Eles deviam adorar somente a Jeová e amá-lo de todo o coração, alma e força, em todas as situações. Até mesmo as crianças tinham que aprender a adorar somente a Jeová. Por isso, seus pais deviam aproveitar toda oportunidade para ensiná-las. — Deut. 6:6-9.

9 Visto que a vontade de Jeová não muda, o que ele espera de seus adoradores hoje também não mudou. Para que Jeová aceite nossa adoração, devemos adorar somente a ele e amá-lo de todo o coração, mente e força. De fato, isso é tão importante que, quando perguntaram a Jesus qual era o maior mandamento de todos, Jesus repetiu o que Moisés disse. (Leia Marcos 12:28-31.) Portanto, nossas ações podem mostrar se, para nós, “Jeová, nosso Deus, é um só Jeová”. Vamos ver como.

ADORE SOMENTE A JEOVÁ

10, 11. (a) O que significa adorar somente a Jeová? (b) Como Daniel e outros jovens provaram que adoravam somente a Jeová?

10 Para que Jeová seja nosso único Deus, devemos adorar somente a ele. Não podemos dividir nossa adoração a Jeová com nenhum outro deus, nem permitir que ela seja manchada por outros tipos de adoração. Temos de lembrar que Jeová não é apenas um deus no meio de muitos; também não é o maior ou o mais poderoso dos deuses. Jeová é o único Deus verdadeiro. Somente ele deve ser adorado. — Leia Apocalipse 4:11.

11 O livro de Daniel fala sobre Daniel, Hananias, Misael e Azarias, jovens hebreus que provaram que adoravam somente a Jeová. Como? Além de se recusarem a comer alimentos proibidos pela Lei, eles também se negaram a adorar a estátua de ouro de Nabucodonosor. Fica claro que adorar a Jeová vinha em primeiro lugar na vida deles. Desobedecer estava totalmente fora de cogitação. — Dan. 1:1–3:30.

12. Para adorarmos somente a Jeová, com o que devemos tomar cuidado?

12 Para adorarmos somente a Jeová, devemos tomar cuidado para não permitir que nada ocupe em nossa vida, mesmo que em parte, o lugar que pertence só a ele. Que coisas seriam essas? Nos Dez Mandamentos, Jeová deixou claro que os israelitas não deviam ter nenhum outro deus além dele e que eles não deviam praticar nenhum tipo de idolatria. (Deut. 5:6-10) Hoje, a idolatria pode aparecer de muitas formas, e algumas delas não são fáceis de reconhecer. Mas as leis de Jeová não mudaram — ele ainda é “um só Jeová”. Vamos ver o que isso deve significar para nós.

13. O que poderia tomar o lugar de nosso amor a Deus?

13 Em Colossenses 3:5 (leia), há conselhos bem diretos aos cristãos sobre coisas que poderiam levá-los a deixar de adorar somente a Jeová. Note que o texto relaciona ganância com idolatria. Como assim? Quando uma pessoa deseja muito uma coisa, como riquezas ou luxo, esse desejo pode acabar dominando a vida dela como se fosse um deus. E, quando lemos o versículo todo, não fica difícil entender que todos os pecados mencionados ali estão de certa forma ligados com a ganância, que é idolatria. O forte desejo por essas coisas pode facilmente tomar o lugar de nosso amor a Deus. Se isso acontecesse, Jeová não seria mais “um só Jeová” para nós. Sem dúvida, não queremos que isso aconteça!

14. Que aviso o apóstolo João deu?

14 O apóstolo João destacou basicamente o mesmo ponto. Ele avisou que se alguém ama as coisas do mundo — “o desejo da carne, o desejo dos olhos e a ostentação de posses” — então “o amor do Pai não está nele”. (1 João 2:15, 16) Por isso, precisamos sempre examinar nosso coração para ver se amamos o mundo. Pode ser que nos sintamos atraídos pelas diversões, pelas pessoas ou pelo modo de vestir do mundo. Ou pode ser que estejamos tentando alcançar “grandes coisas”, como por meio do ensino superior. (Jer. 45:4, 5) Já estamos bem perto da linha de chegada para o novo mundo. Assim, não podemos nunca nos esquecer das palavras de Moisés. Se nós entendermos e acreditarmos que “Jeová, nosso Deus, é um só Jeová”, vamos fazer tudo o que pudermos para adorar somente a ele e servi-lo do modo que ele quer. — Heb. 12:28, 29.

MANTENHA A UNIÃO CRISTÃ

15. Por que Paulo lembrou os cristãos que eles têm um só Deus?

15 A expressão “um só Jeová” também significa que Jeová espera que seus servos sejam unidos e tenham o mesmo objetivo na vida. Entre os cristãos do primeiro século havia judeus, gregos, romanos e pessoas de outras nacionalidades. Eles tinham diferentes costumes, preferências e formações religiosas. Por causa disso, alguns tiveram dificuldade de aceitar a nova forma de adoração ou de abandonar as práticas que tinham antes. Assim, Paulo achou necessário lembrá-los que os cristãos têm apenas um Deus, Jeová. — Leia 1 Coríntios 8:5, 6.

16, 17. (a) Que profecia está se cumprindo hoje? (b) Qual é o resultado do cumprimento dessa profecia? (c) Que coisas poderiam enfraquecer a união entre nós?

16 E que dizer dos cristãos hoje? O profeta Isaías predisse que, “na parte final dos dias”, pessoas de todas as nações se ajuntariam para adorar a Jeová. Elas diriam: “[Jeová] nos instruirá sobre os seus caminhos, e nós andaremos nas suas veredas.” (Isa. 2:2, 3) Nós ficamos muito felizes de ver de perto o cumprimento dessa profecia. O resultado é que, em muitas congregações, há irmãos de diferentes raças, culturas e línguas, todos louvando a Jeová. Mas, se não tomarmos cuidado, essa variedade pode ter seus próprios desafios.

Você está fazendo sua parte para manter a união da congregação? (Veja os parágrafos 16-19.)

17 Por exemplo, como você se sente em relação a irmãos de uma cultura bem diferente da sua? Pode ser que você não esteja acostumado com o idioma, o modo de vestir, os costumes e a comida deles. Será que você os evita e tem mais amizade com quem tem uma formação parecida com a sua? E se na sua região há anciãos mais novos que você ou de uma raça ou cultura diferentes da sua? Será que vamos permitir que coisas como essas enfraqueçam a união que Jeová quer que exista entre seu povo?

18, 19. (a) Que conselho Paulo deu em Efésios 4:1-3? (b) Como podemos ajudar a manter a união entre nós?

18 O que pode nos ajudar a evitar problemas como esses? Paulo deu conselhos práticos aos cristãos em Éfeso, uma cidade rica e com pessoas de várias formações. (Leia Efésios 4:1-3.) Note que primeiro Paulo mencionou qualidades como humildade, brandura, paciência e amor. Essas qualidades são como as colunas que fazem uma casa ficar de pé. Mas, além de colunas fortes, uma casa precisa de manutenção constante. Senão, podem surgir rachaduras. Assim, Paulo mostrou aos cristãos em Éfeso que era importante cada um deles se esforçar para “manter a unidade do espírito”.

19 Manter a congregação unida é algo muito importante, e cada um de nós é responsável por isso. Como podemos fazer nossa parte? Primeiro, precisamos desenvolver e mostrar as qualidades que Paulo mencionou: humildade, brandura, paciência e amor. Segundo, devemos nos esforçar bastante para promover o “vínculo unificador da paz”. Devemos fazer o máximo para consertar qualquer “rachadura”, ou seja, qualquer desentendimento que surja. Se fizermos isso, vamos ajudar a manter a paz e a união entre nós.

20. Se Jeová for “um só Jeová” para nós, o que estaremos decididos a fazer?

20 “Jeová, nosso Deus, é um só Jeová.” Que declaração de peso! Esse lembrete ajudou os israelitas a ter coragem para enfrentar as dificuldades que surgiriam ao entrar na Terra Prometida. Esse lembrete também nos dará coragem para enfrentar a grande tribulação que está chegando e nos ajudará a manter a paz e a união no Paraíso. Por isso, todos nós devemos estar decididos a fazer duas coisas: primeiro, adorar somente a Jeová, amando-o de todo o coração, mente e força. Segundo, fazer nosso máximo para manter a paz e a união da congregação. Se fizermos isso, Jesus nos julgará como ovelhas, e veremos o cumprimento destas palavras: “Venham vocês, abençoados por meu Pai, herdem o Reino preparado para vocês desde a fundação do mundo.” — Mat. 25:34.