Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Junho de 2015

Viva de acordo com a oração-modelo — Parte I

Viva de acordo com a oração-modelo — Parte I

“Santificado seja o teu nome.” — MAT. 6:9.

1. Na pregação, como talvez usemos a oração registrada em Mateus 6:9-13?

MUITAS pessoas sabem de cor a oração do Pai-Nosso. Ao pregar de casa em casa, geralmente usamos essa oração para ajudar os moradores a entender que o Reino de Deus é um governo real que trará mudanças maravilhosas à Terra. Ou talvez mencionemos o primeiro pedido dessa oração para mostrar que Deus tem um nome, o qual deve ser santificado, ou “tratado como santo”. — Mat. 6:9, nota.

2. Como sabemos que Jesus não queria que a oração-modelo fosse repetida palavra por palavra?

2 Será que Jesus queria que repetíssemos essa oração palavra por palavra toda vez que orássemos, como fazem muitos na cristandade? Não. Pouco antes de apresentar essa oração, Jesus disse: “Ao orares, não digas as mesmas coisas vez após vez.” (Mat. 6:7) Em outra ocasião, ele repetiu a oração, mas com palavras diferentes. (Luc. 11:1-4) Jesus nos ajudou assim a saber que tipo de coisas devemos pedir e qual a ordem de importância delas. Por isso, é apropriado o nome “oração-modelo”.

3. Em que perguntas podemos meditar ao analisar a oração-modelo?

3 Neste e no próximo artigo, vamos analisar o conteúdo da oração-modelo. À medida que fizermos isso, pergunte-se: ‘Como esse modelo pode me ajudar a melhorar minhas orações?’ E, mais importante: ‘Estou vivendo de acordo com essa oração?’

“NOSSO PAI NOS CÉUS”

4. O que a expressão “nosso Pai” nos lembra, e em que sentido Jeová é “Pai” dos que têm esperança terrestre?

4 A expressão “nosso Pai” — e não “meu Pai” — nos lembra que pertencemos a uma fraternidade de pessoas que realmente amam umas às outras. (1 Ped. 2:17) Que grande privilégio! Os cristãos ungidos, que foram adotados como filhos de Deus e têm esperança celestial, corretamente chamam Jeová de “Pai” no sentido pleno da palavra. (Rom. 8:15-17) Os cristãos que têm a esperança de viver para sempre na Terra também podem chamar Jeová de “Pai”. Foi ele quem lhes deu a vida e amorosamente supre as necessidades de todos os adoradores verdadeiros. Os que têm esperança terrestre se tornarão filhos de Deus em pleno sentido depois que alcançarem a perfeição e tiverem provado sua lealdade no teste final. — Rom. 8:21; Rev. 20:7, 8.

5, 6. Que ajuda muito importante os pais podem dar aos filhos, e o que os filhos, por sua vez, devem fazer? (Veja a gravura no início do artigo.)

5 Algo muito importante que os pais podem fazer pelos filhos é ensiná-los a orar e ajudá-los a encarar a Jeová como um amoroso Pai celestial. Um irmão que serve como superintendente de circuito na África do Sul diz: “Desde que nossas filhas nasceram, eu orava com elas toda noite, a menos que não estivesse em casa. Elas dizem que não se lembram exatamente das palavras que eu usava naquelas orações, mas se lembram do ambiente sagrado e da tranquilidade e segurança que sentiam quando nos comunicávamos com nosso Pai, Jeová. Quando elas já conseguiam orar sozinhas, eu as incentivava a orar em voz alta para que eu pudesse ouvi-las expressar seus pensamentos e sentimentos a Jeová. Era uma ótima oportunidade para saber o que elas tinham no coração. Daí, eu podia ensiná-las com carinho a incluir aspectos importantes da oração-modelo; assim, suas orações teriam uma base sólida.”

6 Não é de admirar que as filhas desse irmão tenham feito excelente progresso espiritual. Elas têm um casamento feliz e servem a Deus por tempo integral com seus maridos. Não há nada mais importante que os pais possam ensinar aos filhos do que cultivar uma amizade forte e achegada com Jeová. É claro que os filhos precisam fazer sua parte para manter essa valiosa amizade. Isso inclui aprender a amar o nome de Deus e tratá-lo com todo o respeito. — Sal. 5:11, 12; 91:14.

“SANTIFICADO SEJA O TEU NOME”

7. Que privilégio o povo de Deus tem, mas que responsabilidade isso traz?

7 Temos o grande privilégio não só de conhecer, mas também de levar o nome de Deus como “um povo para o seu nome”. (Atos 15:14; Isa. 43:10) Imploramos ao nosso Pai celestial: “Santificado seja o teu nome.” Isso pode nos motivar a pedir a ajuda de Jeová para não fazermos ou dizermos algo que desonre o seu santo nome. Não queremos ser como alguns do primeiro século que não agiam de acordo com o que pregavam. O apóstolo Paulo escreveu sobre eles: “O nome de Deus está sendo blasfemado entre as nações por causa de vós”. — Rom. 2:21-24.

8, 9. Cite um exemplo de como Jeová abençoa aqueles que querem santificar o Seu nome.

8 Queremos santificar o nome de Deus. Uma irmã na Noruega, depois da morte inesperada de seu marido, ficou sozinha com seu filho de dois anos. “Foi uma época muito difícil”, diz ela. “Eu orava todo dia, praticamente toda hora, pedindo forças para não perder o equilíbrio emocional. Eu não queria dar motivo para Satanás zombar de Jeová por causa de alguma decisão insensata ou ato de infidelidade. Meu desejo era santificar o nome de Jeová, e eu queria que meu filho reencontrasse o pai no Paraíso.” — Pro. 27:11.

9 Essa irmã não estava pensando apenas em si mesma. Como Jeová respondeu às suas orações? Ela foi ajudada pelo convívio regular com os amorosos irmãos da congregação. Cinco anos mais tarde, ela se casou com um ancião. Seu filho hoje tem 20 anos e é batizado. Ela diz: “Sou muito grata por meu marido ter me ajudado a criá-lo.”

10. O que é necessário para que o nome de Deus seja completamente santificado?

10 Para que o nome de Deus seja completamente santificado e livrado de toda a desonra, o que é necessário? Jeová precisa eliminar todos os que deliberadamente rejeitam sua soberania. (Leia Ezequiel 38:22, 23.) A humanidade aos poucos chegará à perfeição. Sem dúvida, aguardamos ansiosamente o tempo em que todas as criaturas inteligentes santificarão o nome de Jeová. Por fim, nosso amoroso Pai celestial será “todas as coisas para com todos”. — 1 Cor. 15:28.

“VENHA O TEU REINO”

11, 12. Com a ajuda de Jeová, o que os cristãos verdadeiros passaram a entender em 1876?

11 Antes de Jesus subir ao céu, seus apóstolos perguntaram: “Senhor, é neste tempo que restabeleces o reino a Israel?” Jesus mostrou que não era a hora para eles saberem quando o Reino de Deus começaria a governar. Ele disse que seus discípulos deviam se concentrar na importante obra de pregação que precisavam fazer. (Leia Atos 1:6-8.) Mesmo assim, Jesus ensinou que seus seguidores deviam ficar na expectativa da vinda do Reino de Deus. Por isso, desde a época dos apóstolos, os cristãos têm orado pedindo que ele venha.

12 Quando estava chegando o tempo para Jesus começar a reinar no céu, Jeová ajudou seu povo a compreender onde estavam na corrente do tempo. Em 1876, o artigo “Os Tempos dos Gentios: quando terminam?”, escrito por Charles Taze Russell, foi publicado na revista Bible Examiner. Esse artigo explicou que 1914 seria um ano marcante. Ele mostrou a relação entre os “sete tempos” da profecia de Daniel e “os tempos designados das nações” mencionados por Jesus. * — Dan. 4:16; Luc. 21:24.

13. O que aconteceu em 1914, e o que os acontecimentos mundiais desde então confirmam?

13 Em 1914, nações europeias entraram em guerra — uma guerra que se espalhou pelo mundo todo. Quando ela terminou, em 1918, a humanidade tinha passado por terríveis períodos de fome e estava enfrentando uma epidemia de gripe que tiraria mais vidas do que a guerra em si. Assim, começou a se cumprir “o sinal” que Jesus deu para identificar sua presença invisível como o novo Rei sobre a Terra. (Mat. 24:3-8; Luc. 21:10, 11) Há muitas evidências de que, no ano de 1914, ‘foi dada uma coroa’ ao Senhor Jesus Cristo. Ele “saiu vencendo e para completar a sua vitória”. (Rev. 6:2) Numa guerra contra Satanás e seus demônios, ele limpou o céu, lançando-os para a Terra. Desde então, a humanidade tem sentido os efeitos destas palavras inspiradas: “Ai da terra e do mar, porque desceu a vós o Diabo, tendo grande ira, sabendo que ele tem um curto período de tempo.” — Rev. 12:7-12.

14. (a) Por que ainda é importante orarmos para que venha o Reino de Deus? (b) Que privilégio temos hoje?

14 Assim, a profecia registrada em Revelação 12:7-12 explica por que o nascimento do Reino de Deus praticamente coincidiu com o início dos acontecimentos desastrosos que continuam a afligir a humanidade. Jesus, o Rei do Reino de Deus, começou a governar no meio dos seus inimigos. Até que ele complete sua vitória e acabe com a maldade na Terra, continuaremos a orar para que venha o Reino de Deus. Ao mesmo tempo, devemos viver de acordo com esse pedido por participar no cumprimento de um aspecto impressionante do “sinal”. Jesus predisse: “Estas boas novas do reino serão pregadas em toda a terra habitada, em testemunho a todas as nações; e então virá o fim.” — Mat. 24:14.

“REALIZE-SE A TUA VONTADE . . . NA TERRA”

15, 16. Como podemos viver de acordo com o pedido para que a vontade de Deus seja feita na Terra?

15 Cerca de 6 mil anos atrás, a vontade de Deus era feita na Terra de modo perfeito. É por isso que Jeová, olhando para o belo começo que tinha dado à humanidade, pôde dizer que tudo “era muito bom”. (Gên. 1:31) Então Satanás se rebelou e, até hoje, relativamente poucos humanos fazem a vontade de Deus na Terra. Mas nós temos o privilégio de viver numa época em que cerca de 8 milhões de servos de Jeová não apenas oram para que a vontade de Deus seja feita na Terra, mas também se esforçam para viver de acordo com essa oração. Eles fazem isso por meio de sua conduta e pelo seu zelo na obra de fazer discípulos.

Você está ajudando seus filhos a viver de acordo com o pedido: “Realize-se a tua vontade . . . na terra”? (Veja o parágrafo 16.)

16 Por exemplo, uma irmã que se batizou em 1948 e foi missionária na África diz: “Em harmonia com essa parte da oração-modelo, costumo orar para que todas as pessoas semelhantes a ovelhas sejam contatadas e recebam ajuda para conhecer a Jeová antes que seja tarde demais. Também, antes de dar testemunho a alguém, peço sabedoria para tocar o seu coração. No caso dos sinceros que já foram contatados, oro para que Jeová abençoe nossos esforços de cuidar deles.” Não é de admirar que essa irmã de 80 anos seja bem-sucedida no ministério e, com o auxílio de outros, tenha ajudado muitos a se tornar Testemunhas de Jeová. Você com certeza conhece pessoas que ‘se derramam’ para fazer a vontade de Deus apesar das limitações da idade. — Leia Filipenses 2:17.

17. Como você se sente ao pensar no tempo em que a vontade de Jeová será plenamente realizada na Terra?

17 Até que os inimigos do Reino de Deus sejam eliminados da Terra, continuaremos orando para que a vontade de Deus seja feita. Daí, veremos a vontade de Deus ser realizada ainda mais plenamente à medida que bilhões de pessoas forem ressuscitadas no Paraíso terrestre. Jesus disse: “Não vos maravilheis disso, porque vem a hora em que todos os que estão nos túmulos memoriais ouvirão a [minha] voz e sairão.” (João 5:28, 29) Será maravilhoso estar lá para receber de volta nossos parentes e amigos que morreram! Deus “enxugará dos [nossos] olhos toda lágrima”. (Rev. 21:4) A maioria dos ressuscitados serão os “injustos”, isto é, os que morreram sem aprender a verdade sobre Jeová Deus e seu Filho. Será um privilégio transmitir aos ressuscitados o conhecimento sobre a vontade de Deus e Seu propósito, ajudando-os a estar habilitados para receber a “vida eterna”. — Atos 24:15; João 17:3.

18. Quais são as maiores necessidades da humanidade?

18 A paz e a harmonia no Universo dependem da santificação do nome de Jeová por meio do Reino de Deus. Assim, as maiores necessidades da humanidade serão supridas quando os três primeiros pedidos da oração-modelo forem respondidos de modo pleno. Mas, até que isso ocorra, temos outras necessidades vitais que são mencionadas nos outros quatro pedidos dessa oração. Eles serão considerados no próximo artigo.

^ parágrafo 12 Para saber como essa profecia se cumpriu em 1914 com o nascimento do Reino messiânico de Deus, veja o livro O Que a Bíblia Realmente Ensina?, páginas 215-218.