Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Abril de 2015

Anciãos, estão treinando outros irmãos?

Anciãos, estão treinando outros irmãos?

“Para tudo há um tempo determinado.” — ECL. 3:1.

1, 2. Que situação os superintendentes de circuito têm notado em muitas congregações?

O SUPERINTENDENTE de circuito estava quase terminando a reunião com o corpo de anciãos. Ao olhar para aqueles pastores diligentes, alguns com idade para ser seu pai, sentiu muito carinho por eles. No entanto, ele também estava preocupado e lhes perguntou: “Irmãos, o que têm feito para ajudar outros a assumir mais responsabilidades na congregação?” Eles lembravam bem que, na visita anterior, o superintendente os havia incentivado a dar mais atenção ao treinamento de outros. Por fim, um dos anciãos disse: “Para ser sincero, temos feito muito pouco.” Os outros balançaram a cabeça, concordando.

2 Se você é um ancião, será que se identifica com o que aconteceu naquela reunião? Provavelmente. Superintendentes de circuito no mundo todo têm notado que em muitas congregações é necessário fazer mais para treinar irmãos — tanto os jovens como os mais velhos —, para que ajudem a cuidar do rebanho. Isso é um desafio. Por quê?

3. (a) Como a Bíblia mostra a importância de treinar outros, e por que isso é do interesse de todos? (Veja a nota.) (b) Por que alguns anciãos acham difícil treinar outros?

3 Como pastor do rebanho de Deus, sem dúvida você reconhece que o treinamento individual é importante. * Você sabe que são necessários mais irmãos para manter as congregações espiritualmente fortes e para que novas congregações sejam formadas. (Leia Isaías 60:22.) Você também sabe que a Palavra de Deus o incentiva a “ensinar outros”. (Leia 2 Timóteo 2:2.) Mas, assim como os anciãos mencionados na introdução, pode ser que ache difícil fazer isso. Depois de cuidar das necessidades da família, obrigações no trabalho, responsabilidades na congregação e outros assuntos importantes, simplesmente parece que não sobra tempo para dar treinamento. Por isso, vamos considerar que lugar deve ocupar o treinamento de outros.

O TREINAMENTO É UMA PRIORIDADE

4. Por que às vezes o treinamento é adiado?

4 Por que alguns anciãos acham difícil reservar tempo para treinar outros? Talvez pensem: ‘O treinamento é importante, mas não é tão urgente como outros assuntos congregacionais que simplesmente não podem esperar. Se eu tiver de adiá-lo um pouco, a congregação continuará funcionando.’ É verdade que há inúmeros assuntos que exigem atenção imediata, mas deixar o treinamento para depois pode prejudicar o bem-estar espiritual da congregação.

5, 6. Por que um motorista deve fazer a manutenção do seu carro, e como isso se aplica à congregação?

5 Pense neste exemplo: um motorista sabe que, para manter seu carro em boas condições e o motor funcionando, ele precisa trocar o óleo regularmente. Mas ele talvez ache que isso não é tão urgente quanto encher o tanque. Afinal, se ele não colocar combustível, o carro logo vai parar. Pode ser que ele pense: ‘Se eu não tiver tempo para trocar o óleo, o motor vai continuar funcionando, pelo menos por um tempo.’ Mas qual é o perigo? Se o motorista continuar adiando a manutenção do motor, um dia o carro vai parar completamente, e então ele vai ter de gastar muito tempo e dinheiro consertando o carro. O que aprendemos disso?

6 Os anciãos cuidam de muitos assuntos importantes que precisam de atenção imediata; se não fizessem isso, a congregação sofreria as consequências. Assim como o motorista já citado se certifica de colocar combustível no carro, os anciãos precisam ‘se certificar das coisas mais importantes’. (Fil. 1:10) No entanto, alguns anciãos ficam tão ocupados cuidando de assuntos urgentes que acabam deixando de lado o treinamento de outros — a manutenção do motor, por assim dizer. Mas, se eles continuarem adiando o treinamento necessário, com o tempo não haverá na congregação irmãos qualificados suficientes para cuidar de tudo que precisa ser feito.

7. Como devemos encarar os anciãos que reservam tempo para treinar outros?

7 Fica claro que devemos evitar o conceito de que o treinamento não é tão importante. Anciãos que pensam no futuro e investem tempo em treinar os menos experientes são administradores sábios e uma verdadeira bênção para toda a congregação. (Leia 1 Pedro 4:10.) Como a congregação é beneficiada?

UM INVESTIMENTO SÁBIO

8. (a) Que motivos os anciãos têm para treinar outros? (b) Que responsabilidade urgente têm os anciãos que servem onde há mais necessidade? (Veja o quadro “ Uma missão importante”.)

8 Mesmo o ancião mais experiente precisa ser modesto e reconhecer que a idade avançada limitará aos poucos o que ele pode fazer pela congregação. (Miq. 6:8) Também, deve se lembrar de que “o tempo e o imprevisto” podem de uma hora para outra comprometer sua capacidade de cuidar das responsabilidades congregacionais. (Ecl. 9:11, 12; Tia. 4:13, 14) Portanto, com sincera preocupação pelo bem-estar das ovelhas de Jeová, anciãos que pensam no futuro não perdem tempo, e compartilham com irmãos mais jovens a experiência que adquiriram no decorrer de anos de serviço fiel. — Leia Salmo 71:17, 18.

9. Que acontecimento futuro faz com que seja vital dar treinamento?

9 Os anciãos que dão treinamento são uma bênção para o rebanho por ainda outro motivo. Eles fortalecem as defesas da congregação. Como? Em resultado dos esforços desses anciãos, mais irmãos estarão prontos para ajudar a congregação a se manter firme e unida, não só agora, mas principalmente quando chegar a época turbulenta da grande tribulação. (Eze. 38:10-12; Miq. 5:5, 6) Portanto, queridos anciãos, nós os incentivamos fortemente a fazer do treinamento de outros uma parte regular do seu ministério, e isso o quanto antes.

10. O que um ancião talvez precise fazer para ter tempo de treinar outros?

10 Naturalmente, você talvez ache que cuidar de atividades importantes da congregação já ocupa todo o seu tempo. Por isso, pode ser necessário tirar um pouco desse tempo para dar treinamento. (Ecl. 3:1) Isso será um sábio investimento.

CRIE AS CONDIÇÕES IDEAIS

11. (a) O que é notável sobre as sugestões dadas por anciãos de países diferentes? (b) Segundo Provérbios 15:22, por que é de ajuda considerar as sugestões de outros anciãos?

11 Recentemente, foram entrevistados alguns anciãos com experiência em ajudar irmãos a progredir em sentido espiritual. * Perguntou-se que métodos eles usam para treinar outros. Embora as circunstâncias desses irmãos variem bastante, as sugestões que eles deram são muito parecidas. O que isso indica? Que o treinamento baseado na Bíblia funciona “em toda parte, em cada congregação” — assim como nos dias do apóstolo Paulo. (1 Cor. 4:17) Este artigo e o próximo apresentam sugestões dadas por esses anciãos. (Pro. 15:22) Para simplificar, chamaremos os que dão treinamento de “instrutores”, e os que recebem o treinamento de “aprendizes”.

12. O que um instrutor precisa criar, e por quê?

12 Um instrutor precisa criar as condições ideais para o treinamento. Assim como um jardineiro precisa cultivar, ou afofar, o solo antes de jogar as sementes, um instrutor precisa preparar, ou estimular, o coração de um aprendiz antes de lhe ensinar novas habilidades. Então, como os instrutores podem criar as condições ideais para treinar outros? Por seguir o exemplo de um profeta da antiguidade. Que exemplo foi esse?

13-15. (a) Que designação o profeta Samuel recebeu? (b) Como Samuel cumpriu essa designação? (Veja a gravura no início do artigo.) (c) Por que os anciãos devem se interessar por esse relato sobre Samuel?

13 Mais de 3 mil anos atrás, Jeová disse ao idoso profeta Samuel: “Amanhã, por volta desta hora, enviar-te-ei um homem da terra de Benjamim, e tu terás de ungi-lo como líder do meu povo Israel.” (1 Sam. 9:15, 16) Samuel percebeu que seu papel como líder tinha chegado ao fim e que Jeová o havia designado para ungir um sucessor. Samuel deve ter pensado: ‘Como posso preparar esse homem para essa posição?’ Ele teve uma ideia.

14 No dia seguinte, quando Samuel viu Saul, Jeová disse ao profeta: “Eis o homem.” Daí, Samuel colocou sua ideia em prática. Ele convidou Saul para uma refeição num refeitório. Ali, ele deu a Saul e seu ajudante os melhores lugares e a melhor porção da carne, e disse a Saul que aquilo havia sido reservado para ele. Depois, Samuel e Saul foram à casa do profeta, conversando enquanto caminhavam. Quando chegaram, Samuel quis aproveitar o ambiente descontraído criado na refeição e na caminhada e convidou Saul para ir ao seu terraço. Sentindo a brisa fresca do fim do dia, Samuel “continuou a falar com Saul no terraço da casa” até que foram dormir. No dia seguinte, Samuel ungiu Saul, deu-lhe um beijo e forneceu mais instruções. Após isso, ele dispensou Saul, que agora estava preparado para os acontecimentos à frente. — 1 Sam. 9:17-27; 10:1.

15 É claro que ungir alguém para ser líder de uma nação não é o mesmo que treinar um irmão para ser um ancião ou servo ministerial na congregação. Mesmo assim, os anciãos podem aprender várias lições importantes do exemplo de Samuel. Vejamos duas delas.

INSTRUTORES DISPOSTOS E AMIGOS VERDADEIROS

16. (a) Como Samuel se sentiu quando Israel pediu um rei? (b) Com que atitude Samuel cumpriu sua designação de ungir Saul?

16 Esteja disposto, não relutante. Quando os israelitas disseram a Samuel que queriam um rei humano, ele se sentiu desapontado e rejeitado por seu povo. (1 Sam. 8:4-8) Ele relutou tanto em atender à exigência dos israelitas que Jeová por três vezes achou necessário pedir que ele os escutasse. (1 Sam. 8:7, 9, 22) Mesmo assim, Samuel não permitiu que a amargura ou o ressentimento contra o homem que o substituiria criasse raízes em seu coração. Quando Jeová pediu que ele ungisse Saul, o profeta obedeceu com boa disposição e por amor, não por mera obrigação.

17. Como os anciãos imitam a disposição de Samuel, e que satisfação eles têm?

17 Assim como Samuel, anciãos experientes hoje demonstram uma disposição bondosa ao treinar outros. (1 Ped. 5:2) Esses anciãos não se refreiam de treinar outros, com medo de que os aprendizes acabem ficando com alguns de seus privilégios. Instrutores amorosos não encaram os aprendizes como concorrentes, mas como “colaboradores” — como valiosas dádivas para a congregação. (2 Cor. 1:24; Heb. 13:16) Esses instrutores abnegados sem dúvida sentem muita satisfação ao observar como os aprendizes usam suas habilidades para beneficiar a congregação. — Atos 20:35.

18, 19. Como um ancião pode preparar o coração de um aprendiz, e por que é tão importante fazer isso?

18 Seja um amigo, não apenas um instrutor. Quando Samuel encontrou Saul, o profeta poderia ter pegado seu frasco, derramado o óleo apressadamente na cabeça de Saul e mandado o novo rei embora — ungido, mas totalmente despreparado. Em vez disso, Samuel bondosamente reservou tempo para preparar aos poucos o coração de Saul. Só depois de uma refeição saborosa, uma caminhada agradável, uma longa conversa e uma boa noite de descanso é que o profeta sentiu que havia chegado a hora certa para ungir Saul.

Desenvolver um vínculo de amizade é o primeiro passo para treinar outros (Veja os parágrafos 18 e 19.)

19 Do mesmo modo, um instrutor hoje deve começar o treinamento reservando tempo para criar um clima descontraído e um vínculo de amizade com o aprendiz. Os passos que um ancião dá para desenvolver uma amizade variam de acordo com o país, as circunstâncias e os costumes locais. Mas não importa onde vive, mesmo sendo um ancião atarefado, se você reserva tempo para estar com um aprendiz, é como se dissesse: “Você é importante para mim.” (Leia Romanos 12:10.) Essa mensagem, mesmo que não seja dita claramente, será bem entendida e muito valorizada por aprendizes em todos os lugares.

20, 21. (a) Como poderíamos descrever um instrutor bem-sucedido? (b) O que será considerado no próximo artigo?

20 Anciãos, lembrem-se: um instrutor bem-sucedido não é apenas alguém que ama treinar outra pessoa, mas também alguém que ama a pessoa a quem está treinando. (Note João 5:20.) Isso é essencial, pois o aprendiz logo percebe essa preocupação amorosa e corresponde muito melhor ao treinamento. Portanto, queridos anciãos, à medida que treinam outros, sejam mais do que instrutores — sejam amigos. — Pro. 17:17; João 15:15.

21 Depois de preparar o coração do aprendiz, o ancião precisa ajudá-lo a desenvolver as habilidades necessárias. Que métodos ele pode usar? Isso será considerado no próximo artigo.

^ parágrafo 3 Este artigo e o próximo foram escritos especialmente para os anciãos; no entanto, todos na congregação devem se interessar pelo que será considerado. Por quê? Os homens batizados perceberão que é necessário ser treinados para ajudar os anciãos em seu trabalho. E esse treinamento beneficiará toda a congregação.

^ parágrafo 11 Esses anciãos são da África do Sul, Austrália, Bangladesh, Bélgica, Brasil, Coreia, Estados Unidos, França, Guiana Francesa, Japão, México, Namíbia, Nigéria, Reunião e Rússia.