Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Novembro de 2014

Perguntas dos Leitores

Perguntas dos Leitores

Como são designados os anciãos e servos ministeriais nas congregações?

No primeiro século EC, o apóstolo Paulo disse aos anciãos da congregação em Éfeso: “Prestai atenção a vós mesmos e a todo o rebanho, entre o qual o espírito santo vos designou superintendentes para pastorear a congregação de Deus, que ele comprou com o sangue do seu próprio Filho.” (Atos 20:28) Que papel o espírito santo desempenha na designação de anciãos e servos ministeriais hoje?

Primeiro, o espírito santo inspirou os escritores da Bíblia a registrar as qualificações que anciãos e servos ministeriais deveriam ter. Dezesseis requisitos para anciãos estão alistados em 1 Timóteo 3:1-7. Há outros em textos como Tito 1:5-9 e Tiago 3:17, 18. Os requisitos para servos ministeriais estão descritos em 1 Timóteo 3:8-10, 12, 13. Segundo, tanto os que fazem essas recomendações como os que designam os irmãos oram para que o espírito de Jeová os oriente ao decidir se um irmão preenche razoavelmente os requisitos bíblicos. Terceiro, quem é recomendado precisa estar demonstrando o fruto do espírito santo de Deus em sua vida. (Gál. 5:22, 23) Assim, o espírito de Deus está envolvido em todos os aspectos do processo de designação.

Mas, na prática, quem designa esses irmãos? No passado, todas as recomendações que envolviam a designação de anciãos e servos ministeriais eram enviadas à filial do país. Irmãos designados pelo Corpo Governante analisavam essas recomendações e faziam as devidas designações. A seguir, a filial notificava o corpo de anciãos. Então os anciãos informavam o irmão recém-designado de sua designação, perguntando a ele se estava disposto e realmente qualificado para aceitá-la. Por fim, dava-se um anúncio à congregação.

Como essas designações eram feitas no primeiro século? Às vezes, os apóstolos faziam designações para tarefas específicas. Por exemplo, numa ocasião, eles designaram sete homens para cuidar da distribuição diária de alimento para as viúvas. (Atos 6:1-6) No entanto, é possível que esses homens já servissem como anciãos antes de receberem essa designação adicional.

Embora as Escrituras não descrevam em detalhes o processo de designação daquela época, podemos ter uma ideia de como isso era feito. Quando estavam voltando para casa depois de sua primeira viagem missionária, Paulo e Barnabé “designaram . . . anciãos em cada congregação, e, oferecendo orações com jejuns, encomendaram-nos a Jeová, em quem se tinham tornado crentes”. (Atos 14:23) Anos mais tarde, Paulo escreveu a Tito, seu companheiro de viagem: “[Eu] te deixei em Creta, para que corrigisses as coisas defeituosas e fizesses designações de anciãos numa cidade após outra, conforme te dei ordens.” (Tito 1:5) Timóteo, que fez muitas viagens com o apóstolo Paulo, pelo visto também tinha essa autoridade. (1 Tim. 5:22) Fica claro, então, que essas designações eram feitas pelos superintendentes viajantes, não pelos apóstolos e anciãos em Jerusalém.

Com base nesse precedente bíblico, o Corpo Governante das Testemunhas de Jeová ajustou a maneira de se designar anciãos e servos ministeriais. A partir de 1.° de setembro de 2014, as designações passam a ser feitas da seguinte maneira: o superintendente de circuito analisa com atenção as recomendações feitas em seu circuito. Durante suas visitas às congregações, ele procura conhecer os irmãos recomendados, trabalhando com eles no ministério sempre que possível. Depois de considerar as recomendações com o corpo de anciãos local, o superintendente de circuito tem a responsabilidade de designar os anciãos e os servos ministeriais nas congregações em seu circuito. Dessa forma, nos aproximamos mais do procedimento-padrão do primeiro século.

Anciãos analisando com o superintendente de circuito as qualificações bíblicas de um irmão (Malaui)

Qual é a função de cada um dos envolvidos nesse processo? Como sempre, “o escravo fiel e discreto” tem a responsabilidade principal de alimentar os domésticos. (Mat. 24:45-47) Isso inclui pesquisar as Escrituras, com a ajuda do espírito santo, a fim de discernir princípios bíblicos que indicam como a congregação mundial deve estar organizada. Daí, ele fornece orientações sobre como esses princípios devem ser aplicados. O escravo fiel também designa todos os superintendentes de circuito e membros de Comissão de Filial. Cada filial, por sua vez, fornece ajuda para que as orientações sejam aplicadas. Já o corpo de anciãos tem o sério dever de analisar cuidadosamente se os irmãos que eles recomendam preenchem as qualificações bíblicas para receber uma designação na congregação de Deus. Cada superintendente de circuito tem a pesada responsabilidade de considerar com atenção e oração as recomendações feitas pelos anciãos e então designar os irmãos que se qualificam.

Quando entendemos o processo de designação, compreendemos melhor a participação do espírito santo nesse processo. Temos então mais confiança e respeito por aqueles que são designados na congregação cristã. — Heb. 13:7, 17.

Quem são as duas testemunhas mencionadas no capítulo 11 de Revelação?

Revelação 11:3 fala de duas testemunhas que profetizariam por 1.260 dias. O relato diz então que a fera ‘as venceria e as mataria’. Mas, após “três dias e meio”, essas duas testemunhas seriam trazidas de volta à vida, para a surpresa de todos que presenciassem isso. — Rev. 11:7, 11.

Quem são essas duas testemunhas? Os detalhes do relato nos ajudam a identificá-las. Primeiro, lemos que elas “são simbolizadas pelas duas oliveiras e pelos dois candelabros”. (Rev. 11:4) Isso nos lembra do candelabro e das duas oliveiras descritas na profecia de Zacarias. Essa profecia diz que essas oliveiras representam “os dois ungidos”, ou seja, o Governador Zorobabel e o Sumo Sacerdote Josué, “de pé ao lado do Senhor de toda a terra”. (Zac. 4:1-3, 14) Segundo, as duas testemunhas são descritas como realizando sinais similares aos de Moisés e Elias. — Compare Revelação 11:5, 6 com Números 16:1-7, 28-35 e 1 Reis 17:1; 18:41-45.

O que essas duas profecias têm em comum? Em cada caso, o relato se refere a ungidos de Deus que estavam na dianteira durante um período de provações. Assim, no cumprimento do capítulo 11 de Revelação, os irmãos ungidos que estavam na dianteira quando o Reino de Deus foi estabelecido no céu em 1914 pregaram ‘trajados de saco’ por três anos e meio literais.

No fim desse período, esses ungidos foram simbolicamente mortos. Isso se deu quando ficaram presos por três dias e meio simbólicos, o que indica um período menor que os três anos e meio literais. Para os inimigos do povo de Deus, a obra daqueles ungidos estava morta, o que deixou aqueles opositores muito felizes. — Rev. 11:8-10.

No entanto, de acordo com a profecia, as duas testemunhas seriam trazidas de volta à vida no fim dos três dias e meio. Isso realmente se cumpriu. Além de aqueles ungidos serem libertados da prisão, os que dentre eles permaneceram fiéis receberam uma designação especial de Deus por meio do Senhor deles, Jesus Cristo. Em 1919, eles estavam entre os que foram designados para servir como um “escravo fiel e discreto” a fim de cuidar das necessidades espirituais do povo de Deus nos últimos dias. — Mat. 24:45-47; Rev. 11:11, 12.

É interessante que Revelação 11:1, 2 relaciona esses acontecimentos com uma época em que o templo espiritual seria medido, ou avaliado. O capítulo 3 de Malaquias menciona uma inspeção similar do templo espiritual, seguida por um período de purificação. (Mal. 3:1-4) Quanto tempo durou essa inspeção e purificação? De 1914 à parte inicial de 1919. Esse período inclui tanto os 1.260 dias literais (42 meses) como os três dias e meio simbólicos mencionados no capítulo 11 de Revelação.

Ficamos muito felizes por Jeová ter providenciado que um povo especial fosse purificado para realizar obras excelentes. (Tito 2:14) E somos gratos pelo exemplo deixado por esses ungidos fiéis que estavam na dianteira durante aquela época de provação e assim serviram como as simbólicas duas testemunhas. *

^ parágrafo 18 Para mais informações, veja A Sentinela de 15 de julho de 2013, página 22, parágrafo 12.