Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Novembro de 2014

‘Agora vocês são povo de Deus’

‘Agora vocês são povo de Deus’

“Vós, outrora, não éreis povo, mas agora sois povo de Deus.” — 1 PED. 2:10.

1, 2. Que mudança ocorreu no Pentecostes de 33 EC, e quem passou a fazer parte do novo povo de Jeová? (Veja a gravura no início do artigo.)

O PENTECOSTES de 33 EC foi um marco na história do povo de Jeová na Terra. Nesse dia, houve uma grande mudança. Por meio do seu espírito, Jeová produziu uma nova nação — o Israel espiritual, ou “o Israel de Deus”. (Gál. 6:16) Pela primeira vez desde os dias de Abraão, a circuncisão física não seria mais um requisito para o povo de Deus. Paulo escreveu o seguinte sobre os membros dessa nova nação: “A sua circuncisão é a do coração, por espírito.” — Rom. 2:29.

2 Os primeiros membros da nova nação de Deus foram os apóstolos e mais de cem discípulos de Cristo que estavam reunidos num sobrado em Jerusalém. (Atos 1:12-15) O espírito santo foi derramado sobre eles, tornando-os filhos de Deus gerados pelo espírito. (Rom. 8:15, 16; 2 Cor. 1:21) Isso provou que o novo pacto, mediado por Cristo e validado pelo seu sangue, havia entrado em vigor. (Luc. 22:20; leia Hebreus 9:15.) Aqueles discípulos se tornaram assim membros da nova nação, ou povo, de Jeová. O espírito santo os habilitou a pregar nas várias línguas faladas pelos judeus e prosélitos que tinham vindo de todo o Império Romano a Jerusalém para celebrar a Festividade das Semanas, ou Pentecostes. Essas pessoas puderam ouvir em sua própria língua “as coisas magníficas de Deus” ensinadas pelos cristãos gerados por espírito. — Atos 2:1-11.

O NOVO POVO DE DEUS

3.(a) O que Pedro disse aos judeus no dia do Pentecostes?

3 Jeová usou o apóstolo Pedro para abrir o caminho para que judeus e prosélitos se tornassem membros daquela nação recém-formada, a congregação cristã. No dia do Pentecostes, Pedro disse destemidamente aos judeus que eles deviam aceitar a Jesus, o homem que eles haviam pregado “numa estaca”, porque “Deus o fez tanto Senhor como Cristo”. Quando a multidão perguntou o que eles deviam fazer, Pedro respondeu: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado no nome de Jesus Cristo, para o perdão de vossos pecados, e recebereis a dádiva gratuita do espírito santo.” (Atos 2:22, 23, 36-38) Naquele dia, cerca de 3 mil pessoas foram acrescentadas à nova nação, o Israel espiritual. (Atos 2:41) Depois disso, a pregação zelosa dos apóstolos continuou a produzir frutos. (Atos 6:7) A nova nação estava crescendo.

4, 5. Que acontecimentos contribuíram para o crescimento da nova nação de Jeová durante os primeiros anos de sua existência?

4 Mais tarde, a pregação se estendeu aos samaritanos, com bons resultados. Muitos foram batizados pelo evangelizador Filipe, mas não receberam o espírito santo de imediato. O corpo governante em Jerusalém enviou a esses samaritanos convertidos os apóstolos Pedro e João, que “impuseram-lhes então as suas mãos e eles começaram a receber espírito santo”. (Atos 8:5, 6, 14-17) Assim, esses samaritanos também se tornaram membros do Israel espiritual, ungidos por espírito.

Pedro pregou a Cornélio e aos de sua casa (Veja o parágrafo 5.)

5 Em 36 EC, Pedro foi novamente usado para estender a outros a oportunidade de fazer parte do Israel espiritual. Isso aconteceu quando ele pregou ao centurião romano Cornélio e à sua família e amigos. (Atos 10:22, 24, 34, 35) A Bíblia diz: “Enquanto Pedro ainda falava . . . , caiu o espírito santo sobre todos os [não judeus] que ouviam a palavra. E os fiéis que tinham vindo com Pedro, que eram dos circuncisos, ficaram pasmados, porque a dádiva gratuita do espírito santo estava sendo derramada também sobre pessoas das nações.” (Atos 10:44, 45) A partir de então, os gentios incircuncisos que se tornavam crentes podiam ser membros da nova nação do Israel espiritual.

“UM POVO PARA O SEU NOME”

6, 7. O que os membros da nova nação deviam fazer para agir como ‘um povo para o nome de Jeová’, e até que ponto fizeram isso?

6 Numa reunião do corpo governante do primeiro século, realizada em 49 EC, o discípulo Tiago disse: “Simeão [Pedro] tem relatado cabalmente como Deus, pela primeira vez, voltou a sua atenção para as nações, a fim de tirar delas um povo para o seu nome.” (Atos 15:14) Esse novo povo para o nome de Jeová incluía tanto cristãos judeus como não judeus. (Rom. 11:25, 26a) Mais tarde, Pedro escreveu: “Vós, outrora, não éreis povo, mas agora sois povo de Deus.” Pedro descreveu a missão deles: “Vós sois ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo para propriedade especial, para que divulgueis as excelências’ daquele que vos chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz.” (1 Ped. 2:9, 10) Eles deviam divulgar as belas qualidades Daquele a quem representavam e glorificar seu nome publicamente. Deviam ser corajosas testemunhas a favor de Jeová, o Soberano Universal.

7 Assim como no caso do Israel carnal, Jeová considerava os membros do Israel espiritual como o ‘povo que ele havia formado para narrar o seu louvor’. (Isa. 43:21) Aqueles primeiros cristãos proclamaram corajosamente que Jeová era o único Deus verdadeiro, expondo assim todos os deuses falsos que eram adorados naquele tempo. (1 Tes. 1:9) Eles deram testemunho de Jeová e de Jesus ‘em Jerusalém, bem como em toda a Judeia e Samaria, e até à parte mais distante da terra’. — Atos 1:8; Col. 1:23.

8. Que alerta o apóstolo Paulo deu ao povo de Deus no primeiro século?

8 Um membro destemido desse ‘povo para o nome de Jeová’ foi o apóstolo Paulo. Diante de filósofos pagãos, ele defendeu com coragem a soberania de Jeová, “o Deus que fez o mundo e todas as coisas nele, . . . Senhor do céu e da terra”. (Atos 17:18, 23-25) Perto do fim de sua terceira viagem missionária, Paulo deu um alerta aos membros do povo de Deus: “Sei que depois de eu ter ido embora entrarão no meio de vós lobos opressivos e eles não tratarão o rebanho com ternura, e dentre vós mesmos surgirão homens e falarão coisas deturpadas, para atrair a si os discípulos.” (Atos 20:29, 30) No fim do primeiro século, essa predita apostasia já era evidente. — 1 João 2:18, 19.

9. O que aconteceu com o ‘povo para o nome de Jeová’ após a morte dos apóstolos?

9 Após a morte dos apóstolos, essa apostasia se espalhou, resultando no surgimento das religiões da cristandade. Longe de ser um ‘povo para o nome de Jeová’, esses cristãos apóstatas chegaram a retirar o nome divino de muitas de suas traduções da Bíblia. Eles adotaram rituais pagãos e desonraram a Deus por meio de suas doutrinas antibíblicas, “guerras santas” e conduta imoral. Durante séculos, houve pouquíssimos adoradores sinceros de Jeová na Terra, e ele deixou de ter um povo organizado “para o seu nome”.

RENASCIMENTO DO POVO DE DEUS

10. O que Jesus predisse em sua parábola do trigo e do joio?

10 Em sua parábola do trigo e do joio, Jesus predisse o período de escuridão espiritual que resultaria da apostasia. Ele disse que, ‘enquanto os homens estivessem dormindo’, o Diabo semearia joio no campo onde o Filho do homem havia semeado sementes de trigo. Os dois tipos de semente cresceriam juntos até a “terminação do sistema de coisas”. Jesus explicou que a “semente excelente” representava “os filhos do reino”, e “o joio”, “os filhos do iníquo”. Durante o tempo do fim, o Filho do homem enviaria seus “ceifeiros”, os anjos, para separar o simbólico trigo do joio. Os filhos do Reino seriam ajuntados. (Mat. 13:24-30, 36-43) Como essa parábola se cumpriu, e como seu cumprimento possibilitou que Jeová tivesse novamente um povo na Terra?

11. Como essa parábola se cumpriu depois de 1914, e com que resultado?

11 A “terminação do sistema” começou em 1914, quando havia apenas cerca de 5 mil cristãos ungidos na Terra. Durante a guerra que se iniciou naquele ano, esses “filhos do reino” ainda estavam sob o cativeiro espiritual de Babilônia, a Grande. Em 1919, Jeová os libertou, fazendo uma clara distinção entre eles e “o joio”, ou cristãos de imitação. Ele ajuntou “os filhos do reino” num povo organizado em cumprimento da profecia de Isaías: “Porventura será uma terra dada à luz com dores de parto num só dia? Ou nascerá uma nação de uma só vez? Pois Sião teve dores de parto bem como deu à luz seus filhos.” (Isa. 66:8) Sião, a parte celestial da organização de Jeová, composta por criaturas espirituais, produziu seus filhos ungidos por espírito e os organizou numa nação.

12. Como os ungidos têm mostrado que são um ‘povo para o nome de Jeová’?

12 Assim como os primeiros cristãos, “os filhos [ungidos] do reino” deviam ser testemunhas de Jeová. (Leia Isaías 43:1, 10, 11.) Nesse papel, eles se destacariam como diferentes por causa de sua conduta cristã e por pregar as “boas novas do reino . . . em testemunho a todas as nações”. (Mat. 24:14; Fil. 2:15) Desse modo, eles já ajudaram muitas pessoas — na verdade, milhões delas — a ter uma posição justa perante Jeová. — Leia Daniel 12:3.

“IREMOS CONVOSCO”

13, 14. Para adorar a Jeová e servir a ele de modo aceitável, o que devem fazer os que não são israelitas espirituais, e como isso foi predito na Bíblia?

13 No artigo anterior, vimos que no Israel antigo os estrangeiros podiam adorar a Jeová de modo aceitável, desde que se associassem com o povo pactuado de Jeová. (1 Reis 8:41-43) Hoje, de modo similar, os que não são israelitas espirituais precisam se associar com o povo de Jeová, “os filhos do reino”, ou seja, as Testemunhas ungidas de Jeová.

14 O fato de muitas pessoas se juntarem ao povo de Jeová para adorá-lo nesta época do fim foi predito por dois profetas do passado. Isaías profetizou: “Muitos povos certamente irão e dirão: ‘Vinde, e subamos ao monte de Jeová, à casa do Deus de Jacó; e ele nos instruirá sobre os seus caminhos e nós andaremos nas suas veredas.’ Pois de Sião sairá a lei e de Jerusalém a palavra de Jeová.” (Isa. 2:2, 3) O profeta Zacarias também predisse: “Muitos povos e poderosas nações virão realmente para procurar a Jeová dos exércitos em Jerusalém e para abrandar a face de Jeová.” Ele os descreveu como “dez homens dentre todas as línguas das nações” que, simbolicamente falando, agarrariam a veste do Israel espiritual, dizendo: “Iremos convosco, pois ouvimos que Deus está convosco.” — Zac. 8:20-23.

15. As “outras ovelhas” se juntam aos israelitas espirituais para realizar que obra?

15 As “outras ovelhas” se juntam aos israelitas espirituais na obra de pregar as boas novas do Reino. (Mar. 13:10) Elas se tornam parte do povo de Deus, “um só rebanho” com os ungidos, sob “o pastor excelente” Cristo Jesus. — Leia João 10:14-16.

ENCONTRE PROTEÇÃO NO POVO DE JEOVÁ

16. O que Jeová fará que levará à fase final da “grande tribulação”?

16 Após a destruição de Babilônia, a Grande, o povo de Jeová sofrerá um ataque maciço e, quando isso acontecer, precisaremos estar sob a proteção que Jeová providenciará a seus servos. Visto que esse ataque desencadeará a parte final da “grande tribulação”, é o próprio Jeová que manobrará os assuntos e escolherá o momento certo para esse confronto. (Mat. 24:21; Eze. 38:2-4) Daí, Gogue atacará “um povo reunido dentre as nações”, ou seja, o povo de Jeová. (Eze. 38:10-12) Esse ataque será o sinal para que Jeová execute seus julgamentos contra Gogue e suas hostes. Jeová magnificará sua soberania e santificará seu nome, pois ele disse: “Eu hei de . . . dar-me a conhecer aos olhos de muitas nações; e terão de saber que eu sou Jeová.” — Eze. 38:18-23.

Durante a “grande tribulação”, precisaremos continuar unidos aos irmãos de nossa congregação (Veja os parágrafos 16-18.)

17, 18. (a) Quando Gogue atacar o povo de Jeová, que instruções receberemos? (b) Se quisermos ser protegidos por Jeová, o que precisamos fazer?

17 Quando Gogue começar seu ataque, Jeová dirá aos seus servos: “Vai, povo meu, entra nos teus quartos interiores e fecha as tuas portas atrás de ti. Esconde-te por um instante, até que passe a verberação.” (Isa. 26:20) Nesse momento crítico, Jeová nos dará instruções que salvarão nossa vida, e os “quartos interiores” podem muito bem estar relacionados às nossas congregações locais.

18 Portanto, se quisermos ser protegidos por Jeová durante a grande tribulação, devemos reconhecer que ele tem um povo na Terra que está organizado em congregações. Devemos estar decididos a continuar fazendo parte desse povo e a nos manter unidos aos irmãos de nossa congregação. Assim como o salmista, que proclamemos de todo o coração: “A salvação pertence a Jeová. Tua bênção está sobre o teu povo.” — Sal. 3:8.