Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Julho de 2014

“Sereis testemunhas de mim”

“Sereis testemunhas de mim”

“[Jesus] disse-lhes: ‘. . . sereis testemunhas de mim . . . até à parte mais distante da terra’.” — ATOS 1:7, 8.

1, 2. (a) Quem é a mais notável testemunha de Jeová? (b) O que o nome “Jesus” significa, e como o Filho de Deus viveu à altura de seu nome?

“PARA isso nasci e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade.” (Leia João 18:33-37.) Jesus Cristo disse essas palavras ao ser julgado pelo governador romano da Judeia. Momentos antes, Jesus havia se identificado como rei. Anos mais tarde, o apóstolo Paulo se referiu a esse exemplo de coragem de Jesus, “que, como testemunha, fez a excelente declaração pública perante Pôncio Pilatos”. (1 Tim. 6:13) Realmente, às vezes é preciso grande coragem para ser uma “testemunha fiel e verdadeira” neste mundo de Satanás cheio de ódio. — Rev. 3:14.

2 Como membro da nação judaica, Jesus já nasceu testemunha de Jeová. (Isa. 43:10) De fato, ele foi a maior testemunha que Deus providenciou a favor de Seu nome. Jesus levou a sério o significado de seu próprio nome dado por Deus. O anjo que informou José sobre a gravidez de Maria por espírito santo disse: “Ela dará à luz um filho, e terás de dar-lhe o nome de Jesus, pois ele salvará o seu povo dos pecados deles.” (Mat. 1:20, 21; nota) A maioria dos eruditos bíblicos concorda que o nome “Jesus” origina-se de um nome hebraico, Jesua, e contém uma abreviação do nome divino. Ele significa “Jeová é salvação”. Em harmonia com o significado de seu nome, Jesus ajudou as “ovelhas perdidas da casa de Israel” a se arrepender de seus pecados para recuperar o favor de Jeová. (Mat. 10:6; 15:24; Luc. 19:10) Com esse objetivo, Jesus deu um testemunho zeloso sobre o Reino de Deus. O escritor bíblico Marcos escreveu: “Jesus entrou na Galileia, pregando as boas novas de Deus e dizendo: ‘Tem-se cumprido o tempo designado e o reino de Deus se tem aproximado. Arrependei-vos e tende fé nas boas novas.’” (Mar. 1:14, 15) Jesus também denunciou corajosamente os líderes religiosos judaicos, o que contribuiu para que ele fosse executado numa estaca. — Mar. 11:17, 18; 15:1-15.

“AS COISAS MAGNÍFICAS DE DEUS”

3. O que aconteceu no terceiro dia após a morte de Jesus?

3 Algo incrível aconteceu! Três dias após a morte cruel de Jesus, Jeová o ressuscitou, não como humano, mas como criatura espiritual imortal. (1 Ped. 3:18) Como prova de que havia sido ressuscitado, o Senhor Jesus se materializou em forma humana. Logo no mesmo dia em que foi ressuscitado, ele apareceu pelo menos cinco vezes a seus discípulos. — Mat. 28:8-10; Luc. 24:13-16, 30-36; João 20:11-18.

4. Que reunião Jesus realizou no dia de sua ressurreição, e que responsabilidade ele enfatizou a seus discípulos?

4 Na quinta vez que apareceu, ele se apresentou a seus apóstolos e outras pessoas reunidas com eles. Nessa ocasião marcante, ele dirigiu, por assim dizer, um estudo da Palavra de Deus. “Abriu-lhes então plenamente as mentes para que compreendessem o significado das Escrituras.” Assim, eles puderam entender que a morte dele às mãos dos inimigos de Deus e o milagre de sua ressurreição haviam sido profetizados. Na conclusão dessa reunião, Jesus deixou claro a seus ouvintes que eles tinham uma responsabilidade. Ele lhes disse que “à base do seu nome, se havia de pregar arrependimento para o perdão de pecados, em todas as nações — principiando por Jerusalém”. Ele continuou: “Haveis de ser testemunhas destas coisas.” — Luc. 24:44-48.

5, 6. (a) Por que Jesus disse: “Sereis testemunhas de mim”? (b) Que novo aspecto do propósito de Jeová os discípulos de Jesus teriam de tornar conhecido?

5 Assim, 40 dias mais tarde, na última vez que Jesus apareceu, seus apóstolos entenderam as palavras simples, mas poderosas, desta ordem: “Sereis testemunhas de mim tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até à parte mais distante da terra.” (Atos 1:8) Por que Jesus disse: “Sereis testemunhas de mim”, e não testemunhas de Jeová? Porque ele dirigia essas palavras a israelitas, que como tais já eram testemunhas de Jeová.

Como discípulos de Jesus, continuamos a divulgar o propósito de Jeová para o futuro (Veja os parágrafos 5 e 6.)

6 Agora os discípulos de Jesus teriam de tornar conhecido um novo aspecto do propósito de Jeová — algo muito maior que a libertação da escravidão no Egito e do cativeiro em Babilônia. A morte e a ressurreição de Jesus Cristo forneceram a base para que eles fossem libertados da pior forma de cativeiro: a escravidão ao pecado e à morte. Em Pentecostes de 33 EC, os primeiros discípulos ungidos de Jesus falaram às pessoas sobre “as coisas magníficas de Deus”, e muitos de seus ouvintes se tornaram cristãos. Assim, sentado à direita de seu Pai no céu, Jesus começou a ver que milhares de pessoas se arrependiam e exerciam fé nele como o meio de Jeová para a salvação, conforme o significado de seu nome. — Atos 2:5, 11, 37-41.

‘UM RESGATE EM TROCA DE MUITOS’

7. O que os eventos no Pentecostes de 33 EC provaram?

7 Os eventos no Pentecostes de 33 EC provaram que Jeová bondosamente aceitou o valor do sacrifício da vida humana perfeita de Jesus para expiar, ou cobrir, o pecado. (Heb. 9:11, 12, 24) Como Jesus explicou, ele “não veio para que se lhe ministrasse, mas para ministrar e dar a sua alma como resgate em troca de muitos”. (Mat. 20:28) Os “muitos” que se beneficiariam do resgate de Jesus não seriam apenas judeus arrependidos. A vontade de Deus é que “toda sorte de homens sejam salvos” visto que o resgate “tira o pecado do mundo”. — 1 Tim. 2:4-6; João 1:29.

8. Qual foi o alcance do testemunho dado pelos discípulos de Jesus, e como isso foi possível?

8 Será que aqueles primeiros discípulos de Jesus tiveram a coragem necessária para continuar a dar testemunho sobre ele? Com certeza, mas eles não fizeram isso sozinhos. O poder do espírito santo de Jeová os motivou e fortaleceu. (Leia Atos 5:30-32.) Tanto é que, uns 27 anos após o Pentecostes de 33 EC, podia-se dizer que a “verdade daquelas boas novas” havia alcançado judeus e gentios “em toda a criação debaixo do céu”. — Col. 1:5, 23.

9. Como predito, o que aconteceu à congregação cristã do primeiro século?

9 Mas, infelizmente, a congregação cristã do primeiro século aos poucos ficou corrompida. (Atos 20:29, 30; 2 Ped. 2:2, 3; Judas 3, 4) Como predito por Jesus, a apostasia promovida pelo “iníquo” Satanás iria crescer e ofuscar o verdadeiro cristianismo até que começasse a “terminação do sistema”. (Mat. 13:37-43) Jeová entronizou Jesus como Rei de toda a humanidade em outubro de 1914, o que marcou o início dos “últimos dias” do perverso sistema de Satanás. — 2 Tim. 3:1.

10. (a) Que data os cristãos ungidos dos tempos modernos indicaram como importante? (b) O que aconteceu em outubro de 1914, e como sabemos isso?

10 Os cristãos ungidos dos tempos modernos indicaram com antecedência que o mês de outubro de 1914 seria significativo. Eles se basearam na profecia de Daniel sobre uma grande árvore que seria cortada e cresceria novamente após “sete tempos”. (Dan. 4:16) Na profecia sobre sua futura presença e a “terminação do sistema”, Jesus se referiu a esse mesmo período como “os tempos designados das nações”. Desde 1914, “o sinal da presença [de Cristo]”, que envolve acontecimentos mundiais, tem deixado claro que Cristo é o novo Rei da Terra. (Mat. 24:3, 7, 14; Luc. 21:24) Dessa maneira, “as coisas magníficas de Deus” incluem a entronização de Jesus como Rei sobre toda a humanidade.

11, 12. (a) O que o novo Rei começou a fazer em 1919, após a guerra? (b) O que ficou evidente a partir da década de 1930? (Veja a foto no início do artigo.)

11 Como novo Rei da Terra, Jesus Cristo logo começou a libertar seus seguidores ungidos do cativeiro de “Babilônia, a Grande”. (Rev. 18:2, 4) Em 1919, com o fim da guerra, se tornou possível que se desse um testemunho mundial sobre os meios de salvação providos por Deus e as boas novas do Reino estabelecido. Os cristãos ungidos aproveitaram essa oportunidade, o que resultou no ajuntamento de milhares de outros ungidos que seriam herdeiros com Cristo.

12 A partir da década de 1930, ficou evidente que Cristo havia começado a ajuntar milhões de suas “outras ovelhas” que formariam uma “grande multidão” de todas as nações. Sob a direção dos cristãos ungidos, essa grande multidão também imita o corajoso exemplo de Jesus e declara publicamente que deve sua salvação a Deus e a Cristo. Por perseverar nessa obra de testemunho e por continuar a exercer fé no resgate de Cristo, essa grande multidão terá o privilégio de sobreviver à “grande tribulação” que porá fim ao mundo de Satanás. — João 10:16; Rev. 7:9, 10, 14.

TENHA CORAGEM PARA PREGAR AS BOAS NOVAS

13. Como Testemunhas de Jeová, o que estamos determinados a fazer, e como podemos conseguir isso?

13 Que continuemos a valorizar nosso privilégio de ser testemunhas das “coisas magníficas” que Jeová Deus tem feito e de suas promessas para o futuro. É verdade que dar esse testemunho nem sempre é fácil. Muitos de nossos irmãos trabalham em territórios onde as pessoas são apáticas, zombam deles ou os perseguem. Podemos fazer como o apóstolo Paulo e seus companheiros. Ele disse: “Ficamos denodados, por meio de nosso Deus, para falar-vos as boas novas de Deus com bastante luta.” (1 Tes. 2:2) Em vez de desistir, devemos estar determinados a ser leais a nossa dedicação à medida que o sistema de Satanás se ‘desmorona em ruínas’. (Isa. 6:11) Não podemos fazer isso sozinhos, mas, assim como os primeiros cristãos, devemos orar para que Jeová nos dê “o poder além do normal” por meio de seu espírito santo. — Leia 2 Coríntios 4:1, 7; Luc. 11:13.

14, 15. (a) Como os cristãos do primeiro século EC eram encarados, e o que o apóstolo Pedro disse sobre eles? (b) Como devemos nos sentir se somos maltratados por ser Testemunhas de Jeová?

14 Hoje, milhões de pessoas talvez afirmem ser cristãs, “mas repudiam [a Deus] pelas suas obras, porque são detestáveis, e desobedientes, e não aprovados para qualquer sorte de boa obra”. (Tito 1:16) É bom lembrar que no primeiro século os cristãos verdadeiros eram odiados por muitos de seus contemporâneos. É por isso que o apóstolo Pedro escreveu: ‘Se fordes vituperados pelo nome de Cristo, felizes sois, porque o espírito de Deus está repousando sobre vós.’ — 1 Ped. 4:14.

15 Essas palavras inspiradas podem se aplicar às Testemunhas de Jeová hoje? Sim, pois damos testemunho do governo de Jesus. Assim, ser odiados por levar o nome de Jeová é o mesmo que ser “vituperados pelo nome de [Jesus] Cristo”, que disse a seus opositores: “Vim em nome de meu Pai, mas não me recebestes.” (João 5:43) Por isso, da próxima vez que você for maltratado ao dar testemunho, não desanime. Esse tipo de tratamento é evidência de que você tem a aprovação de Deus e que Seu espírito ‘está repousando sobre você’.

16, 17. (a) O que o povo de Jeová tem presenciado em muitas partes do mundo? (b) O que você está determinado a fazer?

16 Ao mesmo tempo, vemos um grande crescimento da obra em muitos lugares do mundo. Mesmo em territórios bastante trabalhados, ainda encontramos pessoas dispostas a escutar e com quem podemos falar sobre a maravilhosa mensagem de salvação. Devemos ser diligentes em revisitar os interessados e se possível estudar a Bíblia com eles, ajudando-os a progredir até a dedicação e o batismo. É provável que você se sinta como Sarie, da África do Sul, que dá testemunho há mais de 60 anos. Ela diz: “Sou muito grata de que, pelo sacrifício de resgate de Jesus, posso ter um relacionamento com Jeová, o Soberano do Universo, e sou feliz por divulgar seu glorioso nome.” Ela e seu marido, Martinus, ajudaram muitas pessoas, incluindo seus três filhos, a se tornar adoradores de Jeová. Sarie diz: “Nenhuma outra atividade me dá mais satisfação. Através do espírito santo, Jeová nos dá a força necessária para continuar essa obra que salva vidas.”

17 Quer sejamos batizados, quer ainda estejamos tentando alcançar esse alvo, temos todos os motivos para mostrar gratidão pelo privilégio de nos associar com a congregação mundial das Testemunhas de Jeová. Portanto, continue a dar testemunho cabal ao passo que se esforça em se manter sem mancha do mundo perverso de Satanás. Por fazer isso, você honrará nosso amoroso Pai celestial, que nos deu o privilégio de levar seu glorioso nome.