Pular para conteúdo

Pular para sumário

Você vê as fraquezas humanas como Jeová vê?

Você vê as fraquezas humanas como Jeová vê?

“Os membros do corpo, que parecem ser mais fracos, são necessários.” — 1 COR. 12:22.

1, 2. Por que Paulo podia entender os fracos?

ÀS VEZES, todos nós nos sentimos fracos. Uma gripe ou alergia pode nos enfraquecer a ponto de ser difícil realizar tarefas diárias. Agora imagine que essa fraqueza dure não apenas uma ou duas semanas, mas vários meses. Nesse caso, você não gostaria que outros mostrassem empatia?

2 O apóstolo Paulo sabia o que era se sentir fraco por causa de pressões tanto de dentro como de fora da congregação. Mais de uma vez ele pensou ter chegado ao seu limite. (2 Cor. 1:8; 7:5) Ao refletir em sua vida e nas muitas provações que tinha passado como cristão fiel, Paulo admitiu: “Quem é fraco, e não sou eu fraco?” (2 Cor. 11:29) Ele comparou os vários membros da congregação cristã a partes do corpo humano e disse que aqueles que ‘pareciam mais fracos’ ainda assim ‘eram necessários’. (1 Cor. 12:22) O que ele quis dizer? Por que precisamos ter o mesmo ponto de vista de Jeová sobre aqueles que parecem mais fracos? E como isso pode ser bom para nós?

COMO JEOVÁ VÊ AS FRAQUEZAS HUMANAS

3. O que pode afetar nosso modo de encarar os que precisam de ajuda?

3 Vivemos num mundo competitivo que dá grande ênfase à força e à juventude. Muitas pessoas fazem qualquer coisa para conseguir o que querem, sem dar a menor importância aos sentimentos dos que são mais fracos. Não aprovamos esse tipo de atitude, mas podemos sem perceber começar a ver de modo negativo os que precisam de ajuda constante, mesmo na congregação. No entanto, podemos desenvolver um ponto de vista mais equilibrado, como o de Deus.

4, 5. (a) Como a ilustração de 1 Coríntios 12:21-23 nos ajuda a entender o ponto de vista de Jeová sobre as fraquezas humanas? (b) Como podemos nos beneficiar por ajudar os fracos?

4 Podemos entender o ponto de vista de Jeová sobre a fraqueza humana em uma ilustração registrada na primeira carta de Paulo aos cristãos em Corinto. No capítulo 12, Paulo nos lembra de que mesmo a parte mais fraca ou menos atraente do corpo humano tem sua função. (Leia 1 Coríntios 12:12, 18, 21-23.) Alguns evolucionistas discordam desse conceito sobre o corpo humano. No entanto, estudos mostram que partes do corpo antes consideradas inúteis na verdade têm funções essenciais. * Por exemplo, alguns questionaram a utilidade do dedinho do pé; mas hoje se sabe que ele exerce uma função muito importante em manter o equilíbrio do corpo.

5 A ilustração de Paulo destaca que todos os membros da congregação são importantes. Satanás tira dos humanos sua dignidade e quer nos fazer acreditar que Jeová não se importa conosco. (Jó 4:18, 19) Mas Jeová considera todos os seus servos, incluindo os que parecem mais fracos, como “necessários”. Saber isso ajuda cada um de nós a estar feliz com seu papel na congregação e por fazer parte do povo de Deus no mundo todo. Você se lembra de alguma vez ter estendido a mão para ajudar um idoso a se locomover? Talvez tenha sido necessário andar mais devagar. Além de ajudá-lo, você não se sentiu bem ao fazer isso? De fato, quando atendemos às necessidades de outras pessoas, sentimos o prazer de cuidar delas e desenvolvemos paciência, amor e madureza. (Efé. 4:15, 16) Nosso amoroso Pai sabe que uma congregação que valoriza todos os seus membros e leva em conta as limitações deles é equilibrada e amorosa.

6. Em que sentido Paulo às vezes usa os termos “fraco” e “forte”?

6 É interessante notar que, ao escrever aos coríntios, Paulo usou os termos “fraco” e “fraqueza” para se referir à forma como os descrentes encaravam os cristãos do primeiro século e ao modo como Paulo encarava a si mesmo. (1 Cor. 1:26, 27; 2:3) Quando Paulo falou dos que eram “fortes”, sua intenção não era fazer com que alguns cristãos se sentissem superiores. (Rom. 15:1) Em vez disso, ele queria dizer que os cristãos mais experientes deveriam ter paciência com os que ainda não estavam firmemente estabelecidos na verdade.

PRECISAMOS AJUSTAR NOSSO PONTO DE VISTA?

7. O que pode nos levar a não ajudar os que necessitam?

7 Por ajudar “o de condição humilde”, não só imitamos a Jeová, mas também recebemos sua aprovação. (Sal. 41:1; Efé. 5:1) Mas pode ser que deixemos de ajudar aqueles em necessidade porque temos um ponto de vista negativo sobre eles. Ou, por não saber exatamente o que dizer, podemos ficar sem jeito e nos afastar dos que estão passando por momentos difíceis. Cíntia, * uma irmã que foi abandonada pelo marido, comenta: “Se os irmãos evitam você ou não agem como amigos deveriam agir, isso pode magoar. Quando você tem problemas, precisa de pessoas por perto.” Davi sabia bem o que era ser evitado. — Sal. 31:12.

8. O que pode nos ajudar a ter mais empatia?

8 O que pode nos ajudar a ter mais empatia é lembrar que alguns de nossos queridos irmãos estão fracos por causa de circunstâncias adversas como saúde fraca, lar dividido ou depressão. Pode ser que um dia estejamos na mesma situação. Antes de entrar na Terra Prometida, os israelitas, que haviam sofrido no Egito, foram lembrados de que não deveriam ‘endurecer seu coração’ para com irmãos pobres e fracos. Jeová esperava que eles ajudassem os pobres. — Deut. 15:7, 11; Lev. 25:35-38.

9. Qual deve ser nossa prioridade ao ajudar os que passam por dificuldades? Ilustre.

9 Em vez de julgar os que estão em situação difícil, devemos lhes dar consolo com base nas Escrituras. (Jó 33:6, 7; Mat. 7:1) Para ilustrar: Quando um motociclista acidentado chega a um hospital, será que a equipe médica tenta primeiro descobrir se ele é culpado pelo acidente? Não, imediatamente ela providencia a necessária assistência médica. Da mesma forma, se um companheiro cristão está fraco por causa de problemas pessoais, nossa prioridade deve ser dar a ajuda espiritual que ele precisa. — Leia 1 Tessalonicenses 5:14.

10. Em que sentido alguns que parecem mais fracos são na realidade “ricos na fé”?

10 Se pararmos para pensar nas circunstâncias de nossos irmãos, poderemos encarar de outra forma o que de início parece uma fraqueza. Pense nas irmãs que por anos têm suportado oposição da família. Algumas podem ter uma aparência humilde e frágil, mas ainda assim demonstram uma fé e força interior notáveis. Quando você vê uma mãe que tem de criar os filhos sozinha sempre presente nas reuniões com eles, não fica impressionado com sua fé e determinação? E quanto aos adolescentes que continuam firmes na verdade apesar das más influências de colegas de escola? Uma avaliação honesta pode mostrar que essas pessoas aparentemente mais fracas são tão ‘ricas na fé’ quanto os que estão em melhor situação. — Tia. 2:5.

TENHA O MESMO PONTO DE VISTA DE JEOVÁ

11, 12. (a) O que nos ajudará a ter o mesmo ponto de vista de Jeová sobre as fraquezas humanas? (b) O que aprendemos do modo como Jeová lidou com Arão?

11 Algo que nos ajuda a ter o mesmo ponto de vista de Jeová sobre as fraquezas humanas é considerar a forma como ele lidou com alguns dos seus servos em determinadas situações. (Leia Salmo 130:3.) Por exemplo, se você estivesse com Moisés, como teria se sentido ao ouvir as desculpas fracas de Arão por ter feito um bezerro de ouro? (Êxo. 32:21-24) E como teria considerado a atitude de Arão quando, influenciado por sua irmã, Miriã, criticou Moisés por ter se casado com uma mulher estrangeira? (Núm. 12:1, 2) Qual teria sido sua reação quando Arão e Moisés deixaram de honrar a Jeová quando ele milagrosamente providenciou água em Meribá? — Núm. 20:10-13.

12 Em cada uma dessas situações, Jeová poderia ter punido Arão imediatamente. Mas Ele sabia que Arão não era mau ou totalmente culpado. Parece que Arão se deixou influenciar pelas circunstâncias ou pressão de outras pessoas. Mas, quando se deu conta de seus erros, ele prontamente os admitiu e aceitou os julgamentos de Jeová. (Êxo. 32:26; Núm. 12:11; 20:23-27) Jeová preferiu se concentrar na fé e no arrependimento de Arão. Séculos mais tarde, Arão e seus descendentes ainda eram lembrados como pessoas que temiam a Jeová. — Sal. 115:10-12; 135:19, 20.

13. Como podemos avaliar nosso ponto de vista sobre as fraquezas humanas?

13 Para harmonizar nossa forma de pensar com a de Jeová, devemos avaliar nosso ponto de vista sobre aqueles que parecem fracos. (1 Sam. 16:7) Por exemplo, como reagimos quando um adolescente escolhe mal sua diversão ou quando age com descaso? Em vez de criticá-lo, por que não pensar numa forma de ajudá-lo a amadurecer? Podemos tomar a iniciativa em ajudar alguém que precisa e, ao fazer isso, talvez nos tornemos mais compreensivos e amorosos.

14, 15. (a) Como Jeová se sentiu em relação à temporária falta de coragem de Elias? (b) O que podemos aprender do que aconteceu com Elias?

14 Também podemos ampliar nosso ponto de vista por compará-lo à maneira como Jeová tratou alguns de seus servos que estavam desanimados. Elias foi um deles. Embora tivesse tido coragem para desafiar 450 profetas de Baal, Elias fugiu da Rainha Jezabel quando soube que ela planejava matá-lo. Após caminhar uns 150 quilômetros até Berseba, ele se refugiou no deserto. Exausto por conta de sua fuga sob um sol abrasador, o profeta se sentou debaixo de um arbusto e ‘pediu que a sua alma morresse’. — 1 Reis 18:19; 19:1-4.

Jeová levou em conta as limitações de Elias e enviou um anjo para fortalecê-lo (Veja os parágrafos 14 e 15.)

15 Como Jeová se sentiu ao ver seu fiel profeta desesperado? Será que ele rejeitou Elias porque seu servo estava deprimido e tinha perdido a coragem? Claro que não! Jeová levou em conta as limitações de Elias e enviou um anjo. Por duas vezes o anjo incentivou Elias a comer. Assim, a viagem seguinte não seria “demais para [ele]”. (Leia 1 Reis 19:5-8.) Sim, mesmo antes de dar qualquer orientação, Jeová escutou seu profeta e tomou medidas práticas para lhe dar forças.

16, 17. Como podemos ajudar nossos irmãos, imitando o modo como Jeová ajudou Elias?

16 Como podemos imitar nosso amoroso Deus? Não devemos nos apressar em dar conselhos. (Pro. 18:13) Seria melhor primeiro mostrar empatia aos que se acham ‘menos honrosos’ por causa de suas circunstâncias pessoais. (1 Cor. 12:23) Por fazer isso estaremos em melhores condições de ajudá-los de acordo com suas reais necessidades.

17 Por exemplo, pense no caso de Cíntia, já mencionada, que ficou sozinha com duas filhas depois que seu marido foi embora. Elas se sentiram abandonadas. O que alguns irmãos fizeram? Cíntia relata: “Quando telefonei para uns irmãos contando o que havia acontecido, eles chegaram a nossa casa em menos de 45 minutos. E estavam chorando. Nos primeiros dois ou três dias, não nos deixaram sozinhas nem um minuto. Visto que não comíamos direito e estávamos abaladas, eles nos convidaram a ficar um tempo em sua casa.” Isso nos faz lembrar o que Tiago escreveu: “Se um irmão ou uma irmã estiverem em nudez e lhes faltar alimento suficiente para o dia, contudo, alguém de vós lhes disser: ‘Ide em paz, mantende-vos aquecidos e bem alimentados’, mas não lhes derdes o necessário para os seus corpos, de que proveito é? Assim também a fé, se não tiver obras, está morta em si mesma.” (Tia. 2:15-17) Graças à ajuda oportuna desses irmãos, Cíntia e suas filhas encontraram forças para servir como pioneiras auxiliares apenas seis meses depois dessa experiência traumática. — 2 Cor. 12:10.

TODOS SE BENEFICIAM

18, 19. (a) Como podemos ajudar os que estão temporariamente fracos? (b) Quem se beneficia quando ajudamos os fracos?

18 Talvez você saiba por experiência própria que pode levar tempo para se recuperar de uma doença. De modo similar, um irmão que está fraco por causa de algum problema pessoal ou por circunstâncias desafiadoras talvez demore um pouco para voltar a ser forte espiritualmente. É verdade que ele precisa se esforçar para fortalecer sua fé por meio de estudo pessoal, oração e outras atividades cristãs. Mas teremos paciência até que ele recupere seu equilíbrio? E, durante sua recuperação, persistiremos em mostrar amor? Vamos ajudá-lo a sentir que é amado e que é parte importante da congregação? — 2 Cor. 8:8.

19 Nunca nos esqueçamos de que, ao ajudar nossos irmãos, sentimos a alegria de dar. Também desenvolvemos nossa capacidade de mostrar empatia e paciência. Além disso, a congregação inteira se torna mais amorosa. Acima de tudo, imitamos a Jeová, que considera todos valiosos. Com certeza, temos bons motivos para encorajar e “auxiliar os que são fracos”. — Atos 20:35.

^ parágrafo 4 Em seu livro A Origem do Homem, Charles Darwin descreveu vários órgãos do corpo como “inúteis”. Um de seus apoiadores afirmou que havia dezenas de “órgãos vestigiais” no corpo humano, incluindo o apêndice e o timo.

^ parágrafo 7 O nome foi mudado.