Pular para conteúdo

Pular para sumário

Ajude outros a alcançar todo seu potencial

Ajude outros a alcançar todo seu potencial

“Vou dar conselho com o meu olho fixo em ti.” — SAL. 32:8.

1, 2. Como Jeová vê seus servos na Terra?

QUANDO os pais observam seus filhos brincarem, muitas vezes ficam impressionados com suas habilidades naturais. Isso é muito comum. Uma criança talvez tenha uma agilidade natural ou habilidade atlética, enquanto outra talvez se saia melhor em artes ou jogos de tabuleiro. Mas, sejam quais forem as habilidades dos filhos, os pais ficam felizes em descobrir seu potencial.

2 Jeová também está muito interessado em seus filhos terrestres. Ele vê seus atuais servos como “desejáveis”. (Ageu 2:7) Eles são preciosos principalmente por causa de sua fé e devoção. Você talvez tenha notado que nossos irmãos têm muitos talentos. Alguns são bons oradores, ao passo que outros são excelentes organizadores. Muitas irmãs têm facilidade em aprender outros idiomas e usá-los na pregação, enquanto outras são muito boas em ajudar quem precisa de encorajamento ou em cuidar de pessoas doentes. (Rom. 16:1, 12) Não é muito bom estar entre irmãos assim?

3. Que perguntas consideraremos neste artigo?

3 No entanto, parece que alguns cristãos, incluindo irmãos jovens e recém-batizados, ainda não descobriram qual é seu papel na congregação. Como podemos ajudá-los a alcançar todo seu potencial? Por que devemos nos esforçar para ver o que eles têm de bom, como Jeová faz?

JEOVÁ VÊ O QUE HÁ DE BOM EM SEUS SERVOS

4, 5. Como o relato de Juízes 6:11-16 mostra que Jeová vê o potencial de seus servos?

4 Vários relatos bíblicos deixam claro que Jeová vê não apenas o que há de bom em seus servos, mas também seu potencial. Por exemplo, quando Gideão foi escolhido por Jeová para libertar os israelitas da opressão dos midianitas, esse servo de Deus deve ter ficado perplexo com a saudação que o anjo lhe fez: “Jeová está contigo, ó valente, poderoso.” Gideão de modo algum se sentia “poderoso”. Ele admitia ter dúvidas e se sentia insignificante. Mas a continuação da conversa mostrou que Jeová via seu servo de uma forma muito mais positiva do que o próprio Gideão via a si mesmo. — Leia Juízes 6:11-16.

5 Jeová encarregou Gideão de libertar Israel porque sabia de suas habilidades. Algo que o anjo de Jeová observou foi que Gideão usava toda a sua força para debulhar o trigo. Além disso, outra coisa chamou a atenção do anjo. Nos tempos bíblicos, os agricultores malhavam o trigo num local aberto para aproveitar o vento, que levava embora as cascas. Surpreendentemente, Gideão estava fazendo isso escondido num lagar de vinho para que os midianitas não vissem sua pequena colheita. Que inteligente! Sem dúvida, aos olhos de Jeová, Gideão era mais do que um agricultor cauteloso — ele era um homem perspicaz. Jeová viu seu potencial e o usou.

6, 7. (a) Que diferença havia entre o ponto de vista de Jeová e o de alguns israelitas sobre o profeta Amós? (b) O que mostra que Amós tinha habilidades?

6 Percebemos que Jeová vê o potencial de seus servos também no caso do profeta Amós, que para alguns talvez parecesse insignificante ou simples demais. Amós descreveu a si mesmo como pastor de ovelhas e riscador de figos de sicômoro — um tipo de figo que os pobres usavam como alimento. Quando Jeová designou Amós para condenar as idólatras dez tribos de Israel, alguns israelitas devem ter questionado se essa era a melhor escolha. — Leia Amós 7:14, 15.

7 Amós vinha de um povoado distante, mas o conhecimento que tinha dos costumes e governantes de seu tempo mostrava que ele não era ignorante. Ele sabia qual era a situação em Israel e talvez conhecesse bem as nações vizinhas por causa dos tratos que ele tinha com mercadores viajantes. (Amós 1:6, 9, 11, 13; 2:8; 6:4-6) Alguns eruditos bíblicos da atualidade descrevem Amós como um escritor habilidoso. Ele não apenas escolheu palavras simples e poderosas como também fez uso de analogias e trocadilhos. De fato, a resposta corajosa de Amós ao corrupto sacerdote Amazias confirmou que Jeová havia escolhido a pessoa certa e poderia usar as habilidades desse profeta, que a princípio talvez não fossem tão evidentes. — Amós 7:12, 13, 16, 17.

8. (a) Que garantia Jeová deu a Davi? (b) Como essa garantia pode encorajar os que se sentem inseguros ou acham que não têm habilidades?

8 Jeová conhece o potencial de cada um de seus servos. Ele garantiu ao Rei Davi que sempre o guiaria ‘com seu olho fixo nele’. (Leia Salmo 32:8.) Percebe por que isso é encorajador? Mesmo que talvez nos sintamos inseguros, Jeová pode nos ajudar a ir além de nossas expectativas e a alcançar alvos que nunca imaginamos ser possíveis. Assim como um bom professor guia um aluno em cada passo de seu aprendizado, Jeová está disposto a nos guiar à medida que fazemos progresso espiritual. Jeová pode também usar companheiros cristãos para nos ajudar a alcançar todo nosso potencial. Como assim?

PROCURE O QUE HÁ DE BOM NOS OUTROS

9. Como podemos aplicar o conselho de Paulo de ‘visar’ os interesses de outros?

9 Paulo incentivou todos os cristãos a ‘visar’ os interesses de seus irmãos. (Leia Filipenses 2:3, 4.) Em essência, Paulo estava dizendo que devemos reconhecer os dons de outros e valorizá-los. Como nos sentimos quando alguém mostra interesse em nosso progresso? Isso nos motiva a progredir ainda mais, fazendo vir à tona o nosso melhor. Da mesma forma, quando reconhecemos o valor de nossos irmãos, os ajudamos a progredir e crescer espiritualmente.

10. Quem precisa mais de nossa atenção?

10 Quem precisa mais de nossa atenção? Com certeza, todos nós precisamos de atenção de vez em quando. No entanto, os jovens e os recém-batizados são os que mais precisam se sentir envolvidos nas atividades da congregação. Isso os ajudará a entender que eles têm um papel importante entre nós. Por outro lado, a falta de elogios pode diminuir o interesse deles em buscar mais responsabilidades, algo que a Palavra de Deus os aconselha a fazer. — 1 Tim. 3:1.

11. (a) Como um ancião ajudou um jovem a superar sua timidez? (b) O que aprendemos da experiência de Julien?

11 Ludovic, que hoje é ancião, foi beneficiado por receber esse tipo de atenção quando era mais jovem. Ele diz: “Quando mostro genuína preocupação por um irmão, seu progresso é mais rápido.” Falando sobre Julien, um jovem muito tímido, Ludovic diz: “Quando tentava ajudar na congregação, Julien queria tanto parecer autoconfiante que acabava sendo mal interpretado. Mas eu via que ele era muito amoroso e realmente queria ajudar os irmãos. Por isso, em vez de duvidar de sua motivação, me concentrei em seus pontos positivos, tentando encorajá-lo.” Com o tempo, Julien se qualificou como servo ministerial e hoje é pioneiro regular.

AJUDE-OS A ALCANÇAR TODO SEU POTENCIAL

12. O que precisamos fazer para ajudar alguém a alcançar todo seu potencial? Dê um exemplo.

12 É claro que, para ajudar outros a alcançar todo seu potencial, precisamos ter discernimento. Como vimos no caso de Julien, devemos olhar além dos pontos fracos de uma pessoa e descobrir que qualidades e habilidades ela pode desenvolver. Era assim que Jesus via o apóstolo Pedro. Embora Pedro às vezes parecesse instável, Jesus predisse que ele seria firme como uma rocha. — João 1:42, nota.

13, 14. (a) Como Barnabé mostrou discernimento no caso do jovem Marcos? (b) Como um jovem irmão foi ajudado assim como Marcos? (Veja a gravura no início do artigo.)

13 Barnabé mostrou esse mesmo discernimento no caso de João, que tinha o sobrenome romano Marcos. (Atos 12:25) Durante a primeira viagem missionária de Paulo e Barnabé, Marcos serviu como assistente, talvez cuidando de suas necessidades. No entanto, quando chegaram a Panfília, Marcos os abandonou de uma hora para outra. Eles tiveram de viajar sem ele para o norte, passando por lugares perigosos. (Atos 13:5, 13) Mas, pelo jeito, Barnabé não se concentrou nesse comportamento inconstante de Marcos e mais tarde viu uma oportunidade de completar seu treinamento. (Atos 15:37-39) Isso ajudou esse jovem servo de Jeová a amadurecer. É interessante notar que, quando Paulo estava preso em Roma, Marcos ficou ali com ele. Ao mandar cumprimentos aos cristãos colossenses, o apóstolo falou de maneira positiva sobre Marcos. (Col. 4:10) Imagine a satisfação de Barnabé quando Paulo até mesmo solicitou que Marcos fosse seu assistente. — 2 Tim. 4:11.

14 Alexandre, um ancião recém-designado, lembra como a perspicácia de um irmão o ajudou: “Quando eu era mais novo, ficava muito nervoso ao orar em público. Um ancião me mostrou como me preparar e ficar mais calmo. Em vez de me deixar de lado, ele me deu várias oportunidades para orar nas saídas de campo. Com o tempo fiquei mais confiante.”

15. Como Paulo mostrou apreço por seus irmãos?

15 Será que elogiamos um irmão quando notamos uma boa qualidade nele? Em Romanos, capítulo 16, Paulo elogiou mais de 20 cristãos que ele apreciava por suas qualidades. (Rom. 16:3-7, 13) Por exemplo, Paulo reconheceu que Andrônico e Júnias serviam a Cristo por mais tempo que ele e os elogiou por sua perseverança. Paulo também falou com entusiasmo da mãe de Rufo, talvez se referindo aos cuidados que recebeu dela.

Frédéric (à esquerda) incentivou Rico a continuar servindo a Jeová (Veja o parágrafo 16.)

16. Qual pode ser o resultado de se elogiar os jovens?

16 O resultado pode ser excelente quando fazemos elogios sinceros. Considere o que aconteceu com Rico, um jovem na França, que estava desanimado porque seu pai, que não era cristão, se opunha a seu batismo. Rico achava que só poderia servir a Jeová plenamente quando fosse maior de idade. Ele também estava muito triste por causa da pressão que enfrentava na escola. Um ancião chamado Frédéric, que foi convidado a dirigir seu estudo, diz: “Elogiei Rico, pois essa oposição era sinal de que ele tinha sido corajoso o suficiente para expressar sua fé.” Essas palavras fortaleceram a determinação de Rico de continuar sendo exemplar e o ajudaram a se aproximar de seu pai. Rico foi batizado aos 12 anos.

Jérôme (à direita) ajudou Ryan a se qualificar como missionário (Veja o parágrafo 17.)

17. (a) Como podemos ajudar nossos irmãos a progredir? (b) Como um missionário dá atenção aos jovens na congregação, e com que resultados?

17 Cada vez que elogiamos alguém por cumprir bem uma designação ou por seus esforços, estamos incentivando nossos irmãos a servir a Jeová mais plenamente. Sylvie, * uma irmã que serve no Betel da França há anos, diz que as irmãs também podem dar elogios. Ela percebeu que as mulheres observam diferentes detalhes ao elogiar. Assim, suas “palavras de encorajamento podem complementar o que irmãos experientes dizem”. Ela continua: “Para mim, elogiar é um dever.” (Pro. 3:27) Jérôme, um missionário na Guiana Francesa, já ajudou muitos jovens a se qualificar para o serviço missionário. Ele diz: “Percebo que os jovens ficam mais confiantes quando os elogio por algo que fizeram na pregação ou por seus bons comentários. Em resultado, eles desenvolvem suas habilidades ainda mais.”

18. Por que é bom trabalhar com os jovens?

18 Também podemos encorajar nossos irmãos a fazer progresso espiritual por trabalhar com eles. Um ancião pode pedir que um jovem com facilidade em usar computadores imprima matérias encorajadoras do jw.org para os idosos que não têm computador. Ou, se você for fazer alguma manutenção no Salão do Reino, o que acha de convidar um jovem para ajudá-lo? Essas iniciativas lhe darão a oportunidade de observar os jovens, dar algum conselho e ver os resultados. — Pro. 15:23.

PREPARE-OS PARA O FUTURO

19, 20. Por que devemos ajudar outros a progredir?

19 Ao designar Josué para liderar os israelitas, Jeová também ordenou que Moisés ‘encorajasse’ e ‘fortalecesse’ Josué. (Leia Deuteronômio 3:28.) Cada vez mais pessoas se achegam à nossa organização mundial. Todos os irmãos experientes — não apenas os anciãos — podem ajudar os jovens e os recém-batizados a alcançar todo seu potencial. Assim, mais pessoas servirão no tempo integral e mais pessoas estarão ‘habilitadas para ensinar outros’. — 2 Tim. 2:2.

20 Quer façamos parte de uma congregação bem estabelecida, quer de um grupo, que ajudemos os novos pensando no futuro da organização. O principal é imitar a Jeová, que sempre vê o que há de bom em seus servos.

^ parágrafo 17 O nome foi mudado.