Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Fevereiro de 2014

Jeová — nosso melhor Amigo

Jeová — nosso melhor Amigo

“[Abraão] veio a ser chamado ‘amigo de Jeová’.” — TIA. 2:23.

1. Visto que fomos criados à imagem de Deus, que capacidade temos?

“TAL PAI, tal filho.” Esse é um ditado bem conhecido. De fato, muitos filhos são bem parecidos com seus pais. Afinal, tanto o pai como a mãe contribuem para a herança genética de seu filho. Jeová, nosso Pai celestial, é o Dador da vida. (Sal. 36:9) E nós, como seus filhos humanos, somos até certo ponto parecidos com ele. Visto que fomos criados à sua imagem, temos a capacidade de raciocinar e tirar conclusões, e de desenvolver e manter amizades. — Gên. 1:26.

2. Em que se baseia nossa amizade com Jeová?

2 Jeová pode ser nosso melhor Amigo. Uma amizade assim se baseia no amor de Deus por nós e em nossa fé nele e em seu Filho. Jesus disse: “Deus amou tanto o mundo, que deu o seu Filho unigênito, a fim de que todo aquele que nele exercer fé não seja destruído, mas tenha vida eterna.” (João 3:16) Há muitos exemplos de pessoas que tiveram uma forte amizade com Jeová. Vamos considerar dois desses exemplos.

“ABRAÃO, MEU AMIGO”

3, 4. Com relação à amizade com Jeová, mostre a diferença entre Abraão e os israelitas.

3 Jeová se referiu a Abraão, o patriarca e antepassado dos israelitas, como “meu amigo”. (Isa. 41:8) Em que se baseava a profunda amizade desse homem fiel com seu Criador? Na fé que Abraão tinha. — Gên. 15:6; leia Tiago 2:21-23.

4 Os descendentes de Abraão, que se tornaram a nação de Israel, de início tinham a Jeová como seu Pai e Amigo. Mas infelizmente eles perderam sua amizade com Deus. Por quê? Porque deixaram de exercer fé nas promessas de Jeová.

5, 6. (a) Como Jeová se tornou seu Amigo? (b) Que perguntas seria bom nos fazer?

5 Quanto mais você aprende sobre Jeová, mais forte sua fé fica e mais profundo seu amor se torna. Lembre-se de quando você descobriu que Deus é uma Pessoa real, alguém com quem você pode ter um relacionamento achegado. Você também aprendeu que todos nascemos em pecado por causa da desobediência de Adão. Você veio a entender que a humanidade como um todo está afastada de Deus. (Col. 1:21) Então você percebeu que nosso amoroso Pai celestial não é alguém distante que não está interessado em nós. Quando aprendemos que ele nos proveu o sacrifício de resgate de Jesus, e exercemos fé nessa provisão, começamos a desenvolver uma amizade com Deus.

6 Quando olhamos para trás, talvez nos perguntemos: ‘Estou me tornando cada vez mais amigo de Deus? Será que tenho uma forte confiança em Deus, e meu amor por meu Amigo, Jeová, aumenta a cada dia?’ Outra pessoa do passado que tinha um relacionamento achegado com Jeová era Gideão. Vamos considerar seu excelente exemplo e ver como podemos imitá-lo.

“JEOVÁ É PAZ”

7-9. (a) Que experiência notável Gideão teve, e qual foi o resultado dela? (Veja a gravura no início do artigo.) (b) Como podemos fortalecer nossa amizade com Jeová?

7 O juiz Gideão serviu a Jeová durante um período turbulento da história de Israel, depois que a nação entrou na Terra Prometida. Juízes capítulo 6 relata que o anjo de Jeová visitou Gideão em Ofra. Naquele tempo, os vizinhos midianitas eram uma ameaça real para Israel. Por isso, Gideão estava debulhando o trigo, não em campo aberto, mas em um lagar de vinho, onde ele poderia rapidamente esconder esse valioso grão. Gideão ficou admirado quando o anjo apareceu e se dirigiu a ele como ‘valente poderoso’. Também questionou se Jeová, que havia libertado os israelitas do Egito, realmente os ajudaria agora. Falando em nome do Criador, o anjo garantiu a Gideão que Jeová com certeza o apoiaria.

8 Gideão se perguntou como ele poderia ‘salvar a Israel da palma da mão de Midiã’. Jeová lhe deu uma resposta direta: “Porque eu mostrarei estar contigo, e certamente golpearás a Midiã como a um só homem.” (Juí. 6:11-16) Provavelmente ainda sem entender como faria isso, Gideão pediu um sinal. Podemos notar nessa conversa que Gideão via a Jeová como uma Pessoa real.

9 O que aconteceu a seguir fortaleceu a fé de Gideão e o aproximou de Deus. Gideão preparou uma refeição e a serviu ao anjo. Este tocou a comida com seu bastão, e ela foi milagrosamente consumida por fogo. Nesse instante, Gideão percebeu que o anjo era de fato um representante de Jeová. Ele começou a tremer e exclamou: “Ai! Soberano Senhor Jeová, pois vi o anjo de Jeová face a face!” (Juí. 6:17-22) Mas será que isso afastou Gideão de seu Deus? De jeito nenhum! Aconteceu exatamente o oposto. Gideão veio a conhecer a Jeová de tal maneira que se sentiu em paz com Deus. Sabemos isso porque Gideão erigiu um altar naquele local e lhe deu o nome de “Jeová-Salom”, que significa “Jeová é paz”. (Leia Juízes 6:23, 24; nota) Quando meditamos no que Jeová faz por nós todos os dias, percebemos que ele é um verdadeiro Amigo. Orar regularmente a Deus aumenta nossa paz e fortalece nossa amizade com ele.

QUEM SERÁ ‘HÓSPEDE NA TENDA DE JEOVÁ’?

10. De acordo com o Salmo 15:3, 5, o que Jeová requer de nós para que sejamos seus amigos?

10 No entanto, para que Jeová seja nosso Amigo, precisamos preencher certos requisitos. No Salmo 15, Davi menciona o que Deus requer para que sejamos ‘hóspedes na Sua tenda’, isto é, para que sejamos amigos de Jeová. (Sal. 15:1) Vamos nos concentrar em dois desses requisitos: evitar a calúnia e agir honestamente em todas as situações. Referindo-se a esses dois requisitos, Davi disse sobre quem seria hóspede na tenda de Jeová: “Não caluniou com a sua língua. . . . Não aceitou suborno contra o inocente.” — Sal. 15:3, 5.

11. Por que devemos evitar a calúnia?

11 Em outro salmo, Davi alertou: “Resguarda a tua língua do que é mau.” (Sal. 34:13) Deixar de acatar esse conselho inspirado pode nos distanciar de nosso justo Pai celestial. De fato, a calúnia é uma característica do maior inimigo de Jeová, Satanás. O termo “Diabo” vem de uma palavra grega que significa “caluniador”. Podemos preservar nossa amizade com Jeová por controlar o que dizemos sobre outros. Isso inclui especialmente nossa atitude para com os homens designados na congregação. — Leia Hebreus 13:17; Judas 8.

12, 13. (a) Por que devemos ser honestos em todas as coisas? (b) Que efeito nossa honestidade pode ter em outros?

12 Outra característica dos servos de Jeová é a honestidade, e não o desejo de tirar vantagem. O apóstolo Paulo escreveu: “Fazei orações por nós, pois confiamos em ter uma consciência honesta, visto que queremos comportar-nos honestamente em todas as coisas.” (Heb. 13:18) Já que estamos determinados a “comportar-nos honestamente em todas as coisas”, evitamos tirar vantagem de nossos irmãos cristãos. Por exemplo, se um irmão trabalha para nós, devemos tratá-lo com imparcialidade e pagar seu salário conforme o acordo que fizemos. Como cristãos, somos honestos ao lidar não só com nossos empregados, mas com todas as pessoas. E, se trabalhamos para um irmão cristão, tomamos cuidado para não nos aproveitar dele por exigir privilégios especiais.

13 Recebemos muitos elogios de pessoas que têm tratos com Testemunhas de Jeová. Por exemplo, o diretor de uma grande empresa de construção observou que as Testemunhas de Jeová são pessoas de palavra. Ele disse: “Vocês sempre cumprem o que prometem.” (Sal. 15:4) A honestidade nos ajuda a manter a amizade com Jeová. Além disso, traz louvor ao nosso amoroso Pai celestial.

AJUDE OUTROS A SE TORNAREM AMIGOS DE JEOVÁ

Ajudamos outros a se tornarem amigos de Jeová (Veja os parágrafos 14 e 15.)

14, 15. Em nosso ministério, como podemos ajudar outros a se tornarem amigos de Jeová?

14 Apesar de acreditarem que Deus existe, muitas pessoas que encontramos no ministério não o encaram como seu melhor Amigo. Como podemos ajudá-las? Observe as instruções que Jesus deu a 70 discípulos que ele enviou de dois em dois para pregar: “Onde quer que entrardes numa casa, dizei primeiro: ‘Haja paz nesta casa.’ E, se ali houver um amigo da paz, descansará sobre ele a vossa paz. Mas, se não houver, ela voltará para vós.” (Luc. 10:5, 6) Podemos atrair as pessoas à verdade por ser amigáveis. No caso de opositores, essa atitude pode ajudar a acabar com a hostilidade e abrir caminho para que eles nos recebam melhor em outra ocasião.

15 Quando encontramos pessoas que estão profundamente envolvidas na religião falsa ou que seguem costumes contrários à Bíblia, continuamos a demonstrar uma atitude amigável e pacífica. Em nossas reuniões, damos calorosas boas-vindas a pessoas que querem aprender mais sobre nosso Deus porque estão insatisfeitas com a sociedade moderna. Os artigos da série “A Bíblia Muda a Vida das Pessoas” contêm muitos exemplos assim.

COLABORAMOS COM NOSSO MELHOR AMIGO

16. Em que sentido podemos ser considerados tanto amigos como “colaboradores” de Jeová?

16 Pessoas que trabalham juntas geralmente desenvolvem uma forte amizade. Todos os dedicados a Jeová têm o privilégio de ser considerados tanto amigos como “colaboradores” de Deus. (Leia 1 Coríntios 3:9.) De fato, quando participamos na obra de pregar e fazer discípulos, passamos a conhecer mais a fundo as maravilhosas qualidades de nosso Pai celestial. Também vemos como seu espírito santo nos ajuda a cumprir nossa comissão de pregar as boas novas.

17. Como o alimento espiritual que recebemos em congressos e assembleias demonstra que Jeová é nosso Amigo?

17 Quanto mais participamos na obra de fazer discípulos, mais achegados a Jeová nos sentimos. Por exemplo, percebemos como Jeová frustra os que se opõem a essa obra. Além disso, pense no que vem acontecendo nos últimos anos. Não percebemos claramente como Deus está nos orientando? Ficamos impressionados com a grande quantidade de excelente alimento espiritual que recebemos. A matéria considerada em nossos congressos e assembleias mostra que nosso amoroso Pai se preocupa com nossos problemas e necessidades. Depois de um congresso, uma família escreveu uma carta de agradecimento dizendo: “O congresso realmente tocou nosso coração. Sentimos o quanto Jeová ama a cada um de nós e quer o nosso melhor.” Depois de assistir a um congresso especial na Irlanda, um casal da Alemanha expressou sua gratidão por ter sido muito bem recebido e cuidado, acrescentando: “Mas agradecemos principalmente a Jeová e seu Rei Jesus Cristo. Eles nos convidaram a fazer parte de um povo que é realmente unido. Nós, como povo de Jeová, não apenas falamos de união, mas praticamos isso no nosso dia a dia. O que vimos e sentimos no congresso especial em Dublin sempre nos lembrará do valioso privilégio que temos de servir nosso grandioso Deus junto com todos vocês.”

AMIGOS SE COMUNICAM

18. O que podemos nos perguntar com respeito a nossa comunicação com Jeová?

18 Uma amizade se fortalece quando há boa comunicação. Por isso, as redes sociais e as mensagens de texto são tão populares nessa era da internet e do telefone celular. Em comparação, como está nossa comunicação pessoal com Jeová, nosso melhor Amigo? É verdade que ele é o “Ouvinte de oração”. (Sal. 65:2) Mas com que frequência tomamos a iniciativa de conversar com ele?

19. Que ajuda temos se achamos difícil abrir o coração ao nosso Pai celestial?

19 Alguns servos de Deus acham difícil abrir o coração e expressar emoções profundas. Ainda assim, é isso o que Jeová espera de nós quando oramos. (Sal. 119:145; Lam. 3:41) Mesmo que achemos difícil expressar em palavras o que sentimos, temos uma ajuda. Paulo escreveu aos cristãos em Roma: ‘Não sabemos o problema em prol de que devemos orar assim como necessitamos, mas o próprio espírito implora por nós com gemidos não pronunciados. Contudo, aquele que pesquisa os corações sabe o sentido do espírito, porque está intercedendo de acordo com Deus, a favor dos santos.’ (Rom. 8:26, 27) Meditar nas palavras registradas em livros bíblicos como Jó, Salmos e Provérbios nos ajuda a expressar a Jeová nossos sentimentos mais profundos.

20, 21. Que consolo nos dão as palavras de Paulo em Filipenses 4:6, 7?

20 Quando surgem situações aflitivas, é bom acatar o inspirado conselho de Paulo aos filipenses: “Não estejais ansiosos de coisa alguma, mas em tudo, por oração e súplica, junto com agradecimento, fazei conhecer as vossas petições a Deus.” Essa comunicação aberta com nosso melhor Amigo com certeza nos dará consolo, pois Paulo acrescenta: “A paz de Deus, que excede todo pensamento, guardará os vossos corações e as vossas faculdades mentais por meio de Cristo Jesus.” (Fil. 4:6, 7) Que sempre prezemos essa incomparável “paz de Deus” que realmente protege nosso coração e nossas faculdades mentais.

Como a oração fortalece nossa amizade com Deus? (Veja o parágrafo 21.)

21 A oração nos ajuda a desenvolver uma amizade com Jeová. Por isso, ‘oremos incessantemente’. (1 Tes. 5:17) Que este estudo fortaleça nosso valioso relacionamento com Deus e nossa determinação de cumprir seus justos requisitos. E que meditemos nas bênçãos que temos por Jeová ser realmente nosso Pai, nosso Deus e nosso Amigo.