Pular para conteúdo

Pular para menu secundário

Pular para sumário

Testemunhas de Jeová

Língua brasileira de sinais

A Sentinela (Edição de Estudo)  |  Novembro de 2013

Sejam vigilantes, nunca deixem de orar

Sejam vigilantes, nunca deixem de orar

“Sede ajuizados . . . e sede vigilantes, visando as orações.” — 1 PED. 4:7.

1, 2. (a) Por que é essencial que sejamos “vigilantes, visando as orações”? (b) Que perguntas sobre oração seria bom que fizéssemos a nós mesmos?

“O MOMENTO mais difícil para se ficar acordado à noite é pouco antes de o dia amanhecer”, disse um homem que trabalhava em horário noturno. É bem provável que outros que precisam ficar acordados a noite toda concordem com esse comentário. Hoje os cristãos enfrentam um desafio parecido, visto que o sistema perverso de Satanás, comparável a uma longa noite, está no momento mais sombrio de sua história. (Rom. 13:12) Como seria perigoso se adormecêssemos nesta hora final! É essencial que ‘sejamos ajuizados’ e obedeçamos ao conselho de sermos “vigilantes, visando as orações”. — 1 Ped. 4:7.

2 Levando em conta onde estamos na corrente do tempo, é sábio nos perguntar: ‘Estou mesmo vigilante no que diz respeito a orações? Estou fazendo toda forma de oração? Oro constantemente? Tenho o costume de orar por outras pessoas, ou minhas orações se concentram apenas em minhas necessidades e desejos? E até que ponto as orações são importantes para minha salvação?’

FAÇA TODA FORMA DE ORAÇÃO

3. Quais são algumas formas de oração?

3 Em sua carta aos efésios, o apóstolo Paulo se referiu a “toda forma de oração”. (Efé. 6:18) Em nossas orações, talvez tenhamos o hábito de pedir a Jeová que nos ajude a cuidar de nossas necessidades e a resolver problemas. O “Ouvinte de oração” escuta com carinho nossos apelos por ajuda. (Sal. 65:2) Mas também devemos nos empenhar por outras formas de oração, que incluem louvor, agradecimento e súplica.

4. Por que devemos louvar a Jeová com frequência em nossas orações?

4 Existem muitos motivos para incluirmos palavras de louvor em nossas orações a Jeová. Por exemplo, nos sentimos motivados a louvá-lo quando pensamos nas “suas obras potentes” e na “abundância da sua grandeza”. (Leia Salmo 150:1-6.) É interessante que os seis versículos do Salmo 150 nos exortam 13 vezes a louvar a Jeová. Sentindo grande reverência por Deus, o compositor de outro salmo cantou: “Eu te tenho louvado sete vezes por dia por causa das tuas decisões judiciais justas.” (Sal. 119:164) Jeová com certeza merece ser louvado. Assim, não deveríamos louvá-lo em nossas orações “sete vezes por dia”, ou seja, com muita frequência?

5. Como expressar agradecimento em oração nos protege?

5 Outra forma importante de oração é a de agradecimento. Paulo aconselhou os cristãos na cidade de Filipos: “Não estejais ansiosos de coisa alguma, mas em tudo, por oração e súplica, junto com agradecimento, fazei conhecer as vossas petições a Deus.” (Fil. 4:6) Expressar sinceros agradecimentos em oração a Jeová serve de proteção, ainda mais hoje que vivemos nos últimos dias, quando as pessoas são ‘ingratas’. (2 Tim. 3:1, 2) Não há dúvida de que um espírito de ingratidão prevalece no mundo atual. Se não tomarmos cuidado, poderemos ser facilmente contaminados. Expressar gratidão a Deus em oração nos ajuda a ter contentamento e a evitar que nos tornemos ‘resmungadores e queixosos de nossa sorte na vida’. (Judas 16) Além disso, quando um chefe de família inclui agradecimentos ao orar com a esposa e os filhos, ele os incentiva a também ser gratos.

6, 7. O que é súplica, e o que podemos incluir em nossas súplicas a Jeová?

6 A súplica é uma oração sincera feita com fortes sentimentos. Em que situações podemos suplicar a Jeová? Com certeza quando somos perseguidos ou estamos lutando contra uma doença muito grave. Em ocasiões assim, é compreensível que nossas orações se tornem súplicas. Mas é só nessas situações que podemos suplicar a Jeová?

7 Considere a oração-modelo de Jesus e veja o que ele disse sobre o nome de Deus, Seu Reino e Sua vontade. (Leia Mateus 6:9, 10.) Este mundo está saturado de maldade, e os governos humanos não conseguem atender nem mesmo às necessidades básicas de seus cidadãos. Por isso, é essencial que oremos pedindo que o nome de nosso Pai celestial seja santificado e que seu Reino livre a Terra do domínio satânico. Também é apropriado suplicarmos para que a vontade de Jeová seja feita na Terra como é feita no céu. Assim, que nos mantenhamos vigilantes, não deixando de recorrer a toda forma de oração.

‘ORE CONTINUAMENTE’

8, 9. Por que não devemos criticar Pedro e os outros apóstolos por terem dormido no jardim de Getsêmani?

8 Embora o apóstolo Pedro tivesse aconselhado os cristãos a ser “vigilantes, visando as orações”, ele mesmo falhou nisso pelo menos em uma ocasião. Ele foi um dos discípulos que adormeceram enquanto Jesus orava no jardim de Getsêmani — mesmo depois de Jesus lhes ter dito para ‘se manterem vigilantes e orarem continuamente’. — Leia Mateus 26:40-45.

9 Em vez de criticarmos Pedro e os outros apóstolos por não terem conseguido ficar acordados, seria bom lembrarmos que aquele dia tinha sido bem cansativo para aqueles homens imperfeitos. Eles haviam feito preparativos para a Páscoa e participado de sua celebração naquela noite. Em seguida Jesus instituiu a Refeição Noturna do Senhor, estabelecendo o modelo de como a Comemoração de sua morte deveria ser realizada. (1 Cor. 11:23-25) “Depois de cantarem louvores, saíram para o Monte das Oliveiras”, caminhando pelas estreitas ruas de Jerusalém. (Mat. 26:30, 36) Àquela altura, já devia ser bem depois da meia-noite. Se nós estivéssemos lá naquela noite, talvez também tivéssemos pegado no sono. Em vez de criticar os apóstolos, que estavam bem cansados, Jesus foi amoroso e reconheceu que “o espírito . . . está ansioso, mas a carne é fraca”.

Apesar de ter tropeçado, Pedro aprendeu a ser ‘vigilante, visando as orações’ (Veja os parágrafos 10 e 11.)

10, 11. (a) Que lição Pedro aprendeu do que ocorreu no jardim de Getsêmani? (b) O que você pode aprender do que aconteceu com Pedro?

10 O que aconteceu no jardim de Getsêmani não foi em vão no caso de Pedro. Mais tarde ele aprenderia uma dolorosa lição por não ter sido vigilante. Antes, naquela noite, Jesus havia dito: “Esta noite, todos vós tropeçareis em conexão comigo.” Daí, Pedro exclamou: “Ainda que todos os outros tropecem em conexão contigo, eu nunca tropeçarei!” Em resposta Jesus disse que Pedro o repudiaria três vezes. Pedro não acreditou e disse: “Mesmo que eu tenha de morrer contigo, de modo algum te repudiarei.” (Mat. 26:31-35) No entanto, Pedro tropeçou, assim como Jesus havia predito. Depois de negar Jesus pela última vez, Pedro se sentiu arrasado e “chorou amargamente”. — Luc. 22:60-62.

11 Com certeza, Pedro aprendeu uma lição desse episódio e venceu a tendência de ser autoconfiante. Tudo indica que as orações o ajudaram nesse sentido. Prova disso é que o próprio Pedro deu o conselho de sermos “vigilantes, visando as orações”. Estamos seguindo esse conselho inspirado? Além disso, estamos ‘orando continuamente’, mostrando que dependemos de Jeová? (Sal. 85:8) Tenhamos também em mente o conselho do apóstolo Paulo: “Quem pensa estar de pé, acautele-se para que não caia.” — 1 Cor. 10:12.

AS ORAÇÕES DE NEEMIAS FORAM RESPONDIDAS

12. Por que Neemias é um bom exemplo para nós?

12 Veja o caso de Neemias, que serviu como copeiro do rei persa Artaxerxes no quinto século AEC. Neemias é um excelente exemplo de alguém que orava fervorosamente. Por dias, ele havia ‘jejuado e orado continuamente diante de Deus’ a respeito da situação difícil dos judeus em Jerusalém. (Nee. 1:4) Quando Artaxerxes perguntou a ele por que sua face estava sombria, Neemias ‘orou imediatamente ao Deus dos céus’. (Nee. 2:2-4) Com que resultado? Jeová respondeu às suas orações e manobrou os assuntos para beneficiar Seu povo. (Nee. 2:5, 6) Imagine como isso deve ter fortalecido a fé de Neemias!

13, 14. O que devemos fazer para manter forte nossa fé e resistir aos ataques de Satanás para nos desanimar?

13 Orar continuamente, assim como Neemias, ajuda a manter forte a nossa fé. Satanás não tem compaixão e costuma atacar quando estamos fracos. Por exemplo, se estivermos lutando com alguma doença ou contra a depressão, talvez achemos que o tempo que passamos no ministério todo mês é de pouco valor para Deus. Ou pode ser que estamos tendo pensamentos angustiantes, talvez por causa de algo que aconteceu em nossa vida. Satanás gostaria que acreditássemos que somos inúteis. Em seus ataques, ele geralmente explora nossos sentimentos para enfraquecer nossa fé. No entanto, se formos “vigilantes, visando as orações”, poderemos manter nossa fé forte. De fato, “o grande escudo da fé” nos habilitará a “apagar todos os projéteis ardentes do iníquo”. — Efé. 6:16.

Ser “vigilantes, visando as orações” nos prepara para enfrentar vários desafios (Veja os parágrafos 13 e 14.)

14 Se formos “vigilantes, visando as orações”, estaremos preparados e não cederemos diante de uma prova de fé repentina. Quando enfrentarmos provações, que nos lembremos do exemplo de Neemias e recorramos imediatamente a Deus em oração. Só com a ajuda de Jeová conseguiremos resistir às tentações e perseverar diante de provas de fé.

ORE A FAVOR DE OUTROS

15. Que perguntas devemos nos fazer sobre orar a favor de outros?

15 Jesus fez súplica a favor de Pedro para que a fé desse apóstolo não fraquejasse. (Luc. 22:32) Epafras, um cristão fiel do primeiro século, imitava a Jesus nesse respeito e se empenhava em orar a favor de seus irmãos em Colossos. “Ele sempre ora com fervor por vocês”, escreveu Paulo àqueles cristãos. “Ele pede a Deus que os faça sempre firmes, espiritualmente maduros e prontos para cumprir tudo o que Deus quer.” (Col. 4:12, Bíblia na Linguagem de Hoje) Faríamos bem em nos perguntar: ‘Oro com fervor por meus irmãos em todo o mundo? Com que frequência minhas orações incluem irmãos que estão sofrendo por causa de desastres naturais? Qual foi a última vez que orei a favor dos que têm pesadas responsabilidades na organização de Jeová? Orei recentemente por pessoas de minha congregação que estão passando por dificuldades?’

16. Nossas orações a favor de outros fazem diferença? Explique.

16 Nossas orações a Jeová Deus em favor de outros podem ser de verdadeira ajuda para eles. (Leia 2 Coríntios 1:11.) Não é que Jeová seja obrigado a agir só porque muitos de seus adoradores fizeram várias orações pedindo a mesma coisa. O ponto é que ele percebe nosso interesse coletivo e, ao responder às nossas orações, leva em conta nossa profunda e sincera preocupação. Por isso, temos de levar a sério nosso privilégio e responsabilidade de orar a favor de outros. Assim como Epafras, devemos mostrar amor e preocupação sincera por nossos irmãos por nos empenhar em orar a favor deles. Fazer isso nos deixará mais felizes; afinal “há mais felicidade em dar do que há em receber”. — Atos 20:35.

‘NOSSA SALVAÇÃO ESTÁ PRÓXIMA’

17, 18. Como seremos ajudados por nos manter “vigilantes, visando as orações”?

17 Pouco antes de dizer “a noite está bem avançada; o dia já se tem aproximado”, Paulo escreveu: “Sabeis a época, que já é hora de despertardes do sono, pois agora a nossa salvação está mais próxima do que quando nos tornamos crentes.” (Rom. 13:11, 12) O prometido novo mundo está próximo, e nossa salvação está mais perto do que talvez imaginemos. Não devemos adormecer em sentido espiritual e jamais permitir que as distrações deste mundo roubem o tempo que teríamos para estar a sós com Jeová em oração. Em vez disso, devemos ser “vigilantes, visando as orações”. Agir assim nos ajudará a praticar ‘atos santos de conduta e ações de devoção piedosa’ à medida que aguardamos o dia de Jeová. (2 Ped. 3:11, 12) Dessa forma, nosso modo de vida revelará que estamos despertos em sentido espiritual e que realmente acreditamos que o fim deste mundo perverso está muito próximo. Portanto, que ‘oremos incessantemente’. (1 Tes. 5:17) Que também imitemos a Jesus por tirar tempo para ficar sozinhos a fim de fazer orações pessoais. Se fizermos nossas orações pessoais sem pressa, nos achegaremos cada vez mais a Jeová. (Tia. 4:7, 8) E essa, sem dúvida, é uma grande bênção.

18 As Escrituras dizem: “Cristo, nos dias da sua carne, ofereceu súplicas e também petições Àquele que era capaz de salvá-lo da morte, com fortes clamores e lágrimas, e ele foi ouvido favoravelmente pelo seu temor piedoso.” (Heb. 5:7) Jesus fazia súplicas e petições e se manteve fiel a Deus até o último instante de sua vida na Terra. Em resultado, Jeová salvou seu querido Filho da morte e o recompensou com vida imortal nos céus. Nós também podemos ser fiéis a nosso Pai celestial, não importa que tentações e dificuldades possam surgir em nosso caminho. De fato, podemos receber o prêmio da vida eterna — desde que permaneçamos “vigilantes, visando as orações”.