Pular para conteúdo

Pular para sumário

Faça das advertências de Jeová a exultação de seu coração

Faça das advertências de Jeová a exultação de seu coração

“Tomei posse das tuas advertências por tempo indefinido.” — SAL. 119:111.

1. (a) Como os humanos reagem a advertências, e por quê? (b) Como o orgulho pode afetar o modo como alguém encara conselhos?

OS HUMANOS reagem a advertências de várias maneiras. Um conselho pode ser bem aceito quando é dado por alguém em posição de autoridade, mas rejeitado imediatamente quando vem de um colega ou subordinado. A disciplina e a repreensão também podem provocar diferentes emoções. Algumas pessoas talvez sintam tristeza ou vergonha, enquanto outras talvez se sintam motivadas, estimuladas ou decididas a melhorar. Por que essa diferença? Um fator é o orgulho. Um espírito soberbo pode ofuscar o bom senso de alguém, levando-o a descartar um conselho e perder a oportunidade de receber uma instrução valiosa. — Pro. 16:18.

2. Por que os cristãos verdadeiros valorizam conselhos da Palavra de Deus?

2 Os cristãos verdadeiros, por outro lado, valorizam bons conselhos, principalmente quando são baseados na Palavra de Deus. As advertências de Jeová nos dão profunda compreensão, nos ajudando a evitar laços como o materialismo, a imoralidade sexual, o uso de drogas e o consumo excessivo de bebidas alcoólicas. (Pro. 20:1; 2 Cor. 7:1; 1 Tes. 4:3-5; 1 Tim. 6:6-11) Além disso, ficamos felizes com a “boa condição do coração” que resulta de obedecermos às advertências de Deus. — Isa. 65:14.

3. Que atitude do salmista seria bom imitarmos?

3 Para manter nossa preciosa relação com nosso Pai celestial, devemos continuar a aplicar as sábias instruções de Jeová em nossa vida. É muito bom quando temos uma atitude parecida com a do salmista que escreveu: “Tomei posse das tuas advertências por tempo indefinido, pois são a exultação de meu coração.” (Sal. 119:111) Será que nós também temos prazer nos mandamentos de Jeová, ou às vezes achamos que são um fardo? Mesmo que vez por outra não gostemos de algum conselho que recebemos, não precisamos nos desesperar. Podemos desenvolver inabalável confiança na sabedoria superior de Deus. Vejamos três maneiras.

DESENVOLVA CONFIANÇA POR MEIO DA ORAÇÃO

4. O que permaneceu constante na vida de Davi?

4 O Rei Davi teve muitos altos e baixos na vida, mas uma coisa permaneceu constante: sua total confiança em seu Criador. Ele disse: “A ti, ó Jeová, elevo a minha própria alma. Deus meu, em ti confiei.” (Sal. 25:1, 2) O que ajudou Davi a desenvolver essa confiança em seu Pai celestial?

5, 6. O que a Palavra de Deus diz sobre a relação que Davi tinha com Jeová?

5 Muitas pessoas oram a Deus só quando estão em dificuldades. Imagine o seguinte: um amigo ou parente seu só procura você quando precisa de dinheiro ou de um favor. Com o tempo, você talvez comece a questionar as intenções dele. Mas Davi não era assim. Sua relação com Jeová revelou que ele sempre teve fé e amor a Deus — nos bons e nos maus momentos. — Sal. 40:8.

6 Veja as palavras de louvor e reconhecimento ditas por Davi a Jeová: “Ó Jeová, nosso Senhor, quão majestoso é o teu nome em toda a terra, tu, cuja dignidade é narrada acima dos céus!” (Sal. 8:1) Não fica claro que Davi tinha uma relação achegada com seu Pai celestial? O apreço de Davi pela grandeza e esplendor de Deus o inspirou a exaltar a Jeová “o dia inteiro”. — Sal. 35:28.

7. Como somos beneficiados por nos achegar a Deus em oração?

7 Assim como Davi, precisamos nos comunicar regularmente com Jeová para desenvolver confiança nele. A Bíblia diz: “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós.” (Tia. 4:8) Achegar-se a Deus em oração também é uma maneira importante de obter espírito santo. — Leia 1 João 3:22.

8. Por que devemos evitar orações repetitivas?

8 Ao orar, você tem a tendência de usar as mesmas frases ou expressões? Então, antes de fazer uma oração, pense por alguns instantes no que pretende dizer. Se repetíssemos as mesmas palavras toda vez que conversássemos com um amigo ou parente, será que ele gostaria disso? Ele poderia parar de dar atenção ao que dizemos. É claro que Jeová nunca rejeitaria a oração sincera de um servo leal. Mas faríamos bem em evitar orações repetitivas.

9, 10. (a) O que podemos incluir em nossas orações? (b) O que pode nos ajudar a fazer orações sinceras?

9 Naturalmente, se queremos nos achegar a Deus, nossas orações não podem ser superficiais. Quanto mais abrirmos nosso coração a Jeová, mais próximos estaremos dele e mais confiança teremos nele. Mas o que devemos incluir em nossas orações? A Palavra de Deus responde: “Em tudo, por oração e súplica, junto com agradecimento, fazei conhecer as vossas petições a Deus.” (Fil. 4:6) Sendo assim, é apropriado orarmos sobre qualquer coisa que possa afetar nossa relação com Deus ou nossa vida como um dos seus servos.

10 É proveitoso considerar orações de homens e mulheres fiéis do passado que estão registradas na Bíblia. (1 Sam. 1:10, 11; Atos 4:24-31) Os Salmos contêm muitas orações e cânticos sinceros a Jeová que expressam todo tipo de sentimentos, desde agonia até grande alegria. Analisar essas expressões feitas por servos leais pode nos ajudar a fazer orações significativas a Jeová.

MEDITE NAS ADVERTÊNCIAS DE DEUS

11. Por que precisamos meditar nas advertências de Deus?

11 Davi declarou: “A advertência de Jeová é fidedigna, tornando sábio o inexperiente.” (Sal. 19:7) De fato, mesmo se formos inexperientes, poderemos nos tornar sábios por obedecer aos mandamentos de Deus. Mas algumas advertências bíblicas só nos beneficiarão plenamente se meditarmos nelas. Esse talvez seja o caso quando se trata de manter nossa integridade diante de pressão na escola ou no trabalho, acatar as normas de Deus sobre o sangue, manter neutralidade cristã e seguir os princípios bíblicos relacionados ao modo de nos vestir e nos arrumar. Ter o conceito de Deus sobre esses assuntos nos ajudará a prever problemas. Daí, poderemos decidir no coração o que fazer caso surja a situação que prevemos. Essa meditação e preparação poderão nos poupar de muito sofrimento. — Pro. 15:28.

12. Pensar em que perguntas pode nos ajudar a acatar as advertências de Deus?

12 Enquanto aguardamos o cumprimento das promessas de Deus, será que nosso modo de vida mostra que estamos nos mantendo despertos em sentido espiritual? Por exemplo, acreditamos mesmo que Babilônia, a Grande, será destruída em breve? As bênçãos futuras, como a vida eterna numa Terra paradísica, são tão reais para nós agora como eram na época em que aprendemos sobre elas? Estamos mantendo o zelo no ministério, em vez de deixar que interesses pessoais sejam prioridade em nossa vida? Que dizer da esperança da ressurreição, da santificação do nome de Jeová e da vindicação de sua soberania? Esses assuntos ainda são muito importantes para nós? Meditar nessas perguntas pode nos ajudar a fazer o que o salmista disse, ou seja, ‘tomar posse das advertências de Deus por tempo indefinido’. — Sal. 119:111.

13. Por que os cristãos do primeiro século acharam difícil entender algumas coisas? Dê um exemplo.

13 Talvez não entendamos totalmente algumas coisas mencionadas na Bíblia porque ainda não chegou a hora para Jeová esclarecê-las. Jesus disse várias vezes a seus apóstolos que ele teria de sofrer e ser morto. (Leia Mateus 12:40; 16:21.) Mas os apóstolos não entendiam o que ele queria dizer com isso. Eles só entenderam o significado das palavras de Jesus depois de sua morte e ressurreição, quando ele materializou um corpo humano, apareceu a vários discípulos e “abriu-lhes então plenamente as mentes para que compreendessem o significado das Escrituras”. (Luc. 24:44-46; Atos 1:3) Da mesma forma, foi só depois do derramamento do espírito santo no Pentecostes de 33 EC que os seguidores de Cristo compreenderam que o Reino de Deus seria estabelecido no céu. — Atos 1:6-8.

14. No início do século 20, que bom exemplo muitos irmãos deram apesar de terem conceitos equivocados sobre os últimos dias?

14 De modo similar, no início do século 20 houve muitas expectativas erradas entre os cristãos verdadeiros sobre os “últimos dias”. (2 Tim. 3:1) Por exemplo, alguns achavam que seriam levados para o céu em 1914. Quando suas expectativas não foram satisfeitas no momento em que esperavam, foi feita uma análise mais profunda das Escrituras que revelou que ainda haveria uma grande campanha de pregação. (Mar. 13:10) Assim, em 1922, J. F. Rutherford, que na época tomava a dianteira na obra de pregação, disse à assistência no congresso internacional em Cedar Point, Ohio, EUA: “Eis que o Rei reina! Vós sois os seus agentes de publicidade. Portanto, anunciai, anunciai, anunciai o Rei e seu reino.” Desde então, a proclamação das “boas novas do reino” tem sido uma marca dos servos atuais de Jeová. — Mat. 4:23; 24:14.

15. Como somos beneficiados por meditar no modo como Deus tem lidado com seu povo?

15 Meditar no modo maravilhoso como Jeová tem lidado com seu povo, tanto no passado como no presente, aumenta nossa confiança de que, no futuro, ele realizará sua vontade e seu propósito. Ao mesmo tempo, as advertências de Deus nos ajudam a manter bem vivas na mente e no coração suas profecias que ainda não se cumpriram. Podemos ter certeza de que fazer isso nos ajudará a confiar em suas promessas.

DESENVOLVA CONFIANÇA POR MEIO DE ATOS DE ADORAÇÃO

16. Como somos beneficiados por nos manter ativos no ministério?

16 Nosso Deus, Jeová, é um Deus dinâmico, um Deus de ação. “Quem é vigoroso como tu, ó Jah?”, perguntou o salmista. Ele acrescentou: “Tua mão é forte, tua direita está enaltecida.” (Sal. 89:8, 13) Em harmonia com isso, Jeová valoriza e abençoa nossos esforços de promover os interesses do Reino. Ele vê que seus servos — homens ou mulheres, jovens ou idosos — não ficam de braços cruzados e ‘não comem o pão da preguiça’. (Pro. 31:27) Imitando nosso Criador, nós nos mantemos ocupados em atividades teocráticas. Servir a Deus de todo o coração é recompensador para nós, e Jeová sente prazer em abençoar nosso ministério. — Leia Salmo 62:12.

17, 18. Dê um exemplo de como atos de fé nos ajudam a desenvolver confiança nas orientações de Jeová.

17 De que maneira atos de fé nos ajudam a desenvolver confiança em Jeová? Considere o relato bíblico da entrada de Israel na Terra Prometida. Jeová havia instruído os sacerdotes que carregavam a arca do pacto a marchar para dentro do rio Jordão. Mas, ao se aproximar, o povo percebeu que o rio estava transbordando por causa das chuvas primaveris. O que eles fizeram? Será que montaram acampamento nas margens do rio e esperaram semanas ou meses até as águas baixarem? Não, eles confiaram totalmente em Jeová e seguiram suas orientações. O resultado? O relato diz: “Assim que os pés dos sacerdotes tocaram a água, o rio parou de correr, . . . e os sacerdotes ficaram parados no meio do leito seco do rio, perto de Jericó, enquanto todos os outros atravessavam.” (Jos. 3:12-17, Contemporary English Version) Imagine como deve ter sido animador ver aquelas águas agitadas parar de repente! Sem dúvida, a fé dos israelitas em Jeová foi fortalecida porque eles confiaram em suas orientações.

Você mostrará a mesma confiança que o povo de Jeová teve nos dias de Josué? (Veja os parágrafos 17 e 18.)

18 É verdade que Jeová não faz esse tipo de milagre a favor de seu povo hoje em dia, mas ele abençoa seus atos de fé. A força ativa de Deus nos habilita a realizar nossa comissão de pregar a mensagem do Reino em todo o mundo. E a principal Testemunha de Jeová, o ressuscitado Cristo Jesus, garantiu a seus discípulos que os apoiaria nessa importante obra: “Ide, portanto, e fazei discípulos de pessoas de todas as nações . . . E eis que estou convosco todos os dias, até à terminação do sistema de coisas.” (Mat. 28:19, 20) Muitas Testemunhas de Jeová que talvez sejam tímidas podem confirmar que o espírito santo de Deus lhes tem dado coragem para falar com estranhos no ministério. — Leia Salmo 119:46; 2 Coríntios 4:7.

19. Apesar de nossas limitações, que garantia temos?

19 Alguns irmãos têm grandes limitações físicas por causa de doenças ou idade avançada. Mas eles podem ter certeza de que “o Pai de ternas misericórdias e o Deus de todo o consolo” entende as circunstâncias de cada cristão verdadeiro. (2 Cor. 1:3) Ele aprecia tudo que fazemos para promover os interesses do Reino. Todos nós precisamos ter em mente que, acima de tudo, é nossa fé na provisão do resgate de Cristo que preserva viva nossa alma à medida que fazemos o nosso máximo, segundo nossas circunstâncias. — Heb. 10:39.

20, 21. Quais são algumas maneiras de mostrarmos confiança em Jeová?

20 Nossa adoração envolve usar nosso tempo, energia e recursos materiais o máximo possível no serviço a Deus. Queremos de todo o coração ‘fazer a obra dum evangelizador’. (2 Tim. 4:5) Agir assim nos dá felicidade, visto que ajuda outros a ‘vir a ter um conhecimento exato da verdade’. (1 Tim. 2:4) Realmente, honrar e louvar a Jeová nos enriquece em sentido espiritual. (Pro. 10:22) Também nos ajuda a desenvolver inabalável confiança em nosso Criador. — Rom. 8:35-39.

21 Como já vimos, confiar nas sábias orientações de Jeová não é algo automático; precisamos nos esforçar para ter essa confiança. Assim sendo, sempre confie em Jeová por meio da oração. Medite em como ele realizou sua vontade no passado e como fará isso no futuro. E continue desenvolvendo confiança em Jeová por meio de atos de adoração. Não há dúvida de que as advertências de Jeová permanecerão por tempo indefinido. E o mesmo poderá acontecer com você!