Pular para conteúdo

Pular para sumário

Nunca fique ‘furioso com Jeová’

Nunca fique ‘furioso com Jeová’

“É a tolice do homem terreno que deturpa seu caminho, e por isso seu coração fica furioso com o próprio Jeová.” — PRO. 19:3.

1, 2. Por que não devemos culpar a Jeová pelos problemas da humanidade? Ilustre.

DIGAMOS que você seja um homem que há muitos anos tem um casamento feliz. Mas, certo dia, ao voltar para casa, você vê que tudo ali está arruinado. Os móveis e as louças foram quebrados e o carpete totalmente estragado. Seu querido lar tornou-se um caos. Será que você logo diria: “Por que minha esposa fez isso?” Ou é mais provável que perguntasse: “Quem fez isso?” Sem dúvida, é a segunda pergunta que de imediato viria à sua mente. Por quê? Porque você sabe que sua amada esposa nunca seria capaz de um ato injustificado de vandalismo como esse.

2 Hoje, vemos o lar da humanidade arruinado por poluição, violência e imoralidade. Como estudantes da Bíblia, sabemos que é impossível que Jeová seja o causador de todos esses problemas. Ele criou este planeta para ser um agradável paraíso. (Gên. 2:8, 15) Jeová é um Deus de amor. (1 João 4:8) Nosso estudo das Escrituras nos ajudou a identificar o verdadeiro causador de muitas das dificuldades do mundo. Não é nenhum outro senão Satanás, o Diabo, “o governante do mundo”. — João 14:30; 2 Cor. 4:4.

3. Como nosso modo de pensar pode ficar distorcido?

3 No entanto, não podemos culpar a Satanás por todas as nossas aflições. Por que não? Porque alguns de nossos problemas resultam de nossos próprios erros. (Leia Deuteronômio 32:4-6.) Mesmo que reconheçamos isso, nossa natureza imperfeita pode distorcer nosso modo de pensar e nos levar a um proceder que por fim leve ao desastre. (Pro. 14:12) De que maneira? Em vez de culpar a nós mesmos ou a Satanás por um problema, poderíamos passar a culpar a Jeová. Poderíamos até mesmo ‘ficar furiosos com Jeová’. — Pro. 19:3.

4, 5. Como um cristão poderia ficar ‘furioso com Jeová’?

4 É mesmo possível ficarmos ‘furiosos com Jeová’? Fazer isso com certeza seria inútil. (Isa. 41:11) O que esperaríamos ganhar? Um poeta disse certa vez: “Seu braço é curto demais para boxear com Deus.” Talvez nunca cheguemos a ponto de expressar uma queixa contra Jeová. Mas Provérbios 19:3 diz que a tolice de um homem “deturpa seu caminho, e por isso seu coração fica furioso com o próprio Jeová”. De fato, é possível ficar furioso com Deus no coração. Essa atitude poderia se manifestar de maneiras sutis. A pessoa poderia, por assim dizer, guardar rancor contra Jeová. Em resultado, ela talvez se afaste da congregação ou não apoie plenamente os arranjos para a adoração de Jeová.

5 O que poderia nos levar a ficar ‘furiosos com Jeová’? Como podemos evitar essa armadilha? É essencial sabermos as respostas a essas perguntas. Isso envolve a nossa relação com Jeová Deus.

O QUE PODERIA NOS LEVAR A FICAR ‘FURIOSOS COM JEOVÁ’?

6, 7. Por que os israelitas nos dias de Moisés começaram a queixar-se de Jeová?

6 O que poderia levar o coração de um servo fiel de Jeová a se queixar dele? Vejamos cinco fatores e analisemos exemplos bíblicos que mostram como alguns no passado caíram nessa armadilha. — 1 Cor. 10:11, 12.

Dar ouvidos a conversa negativa pode ter um mau efeito sobre você (Veja o parágrafo 7.)

7 A conversa negativa de outros pode nos influenciar. (Leia Deuteronômio 1:26-28.) Os israelitas tinham acabado de ser libertados da escravidão no Egito. Jeová havia milagrosamente trazido dez pragas contra aquela nação opressiva e depois destruído Faraó e seu exército no mar Vermelho. (Êxo. 12:29-32, 51; 14:29-31; Sal. 136:15) O povo de Deus estava prestes a entrar na Terra Prometida. Mas, naquele momento decisivo, os israelitas começaram a queixar-se de Jeová. O que levou a essa falta de fé? Eles ficaram amedrontados por causa do relatório negativo de alguns que haviam sido enviados para espionar a terra. (Núm. 14:1-4) Qual foi o resultado? Uma geração inteira não teve permissão de entrar naquela “boa terra”. (Deut. 1:34, 35) Que dizer de nós? Será que pode acontecer, vez por outra, de permitirmos que a conversa negativa de outros enfraqueça a nossa fé e nos leve a murmurar contra os tratos de Jeová conosco?

8. O que levou o povo de Deus nos dias de Isaías a começar a culpar a Jeová pela situação em que se encontrava?

8 Aflições e dificuldades podem nos desanimar. (Leia Isaías 8:21, 22.) Nos dias de Isaías, a nação de Judá se encontrava em apuros. Estava cercada de inimigos. A comida era escassa. Muitos passavam fome. O mais grave, porém, é que havia fome espiritual. (Amós 8:11) Mas, em vez de buscarem a ajuda de Jeová para lidar com essas aflições, eles começaram a ‘invocar o mal’ contra o seu rei e o seu Deus. Eles culparam a Jeová por seus problemas. Se formos afligidos por causa de uma tragédia ou de problemas pessoais, será que também diremos no coração: ‘Onde estava Jeová quando precisei dele?’

9. Por que os israelitas nos dias de Ezequiel desenvolveram um conceito errado?

9 Não sabemos todos os fatos. Por não terem todos os fatos, os israelitas nos dias de Ezequiel achavam que o caminho de Jeová ‘não era acertado’. (Eze. 18:29) É como se eles tivessem se constituído juízes de Deus, colocando seus próprios padrões de justiça acima dos de Jeová e julgando-o à base de seu entendimento limitado dos acontecimentos. Se às vezes não entendemos bem um relato bíblico ou como as coisas acontecem na nossa vida, será que achamos no coração que o caminho de Jeová é injusto, ‘não acertado’? — Jó 35:2.

10. Como alguém poderia seguir o mau exemplo de Adão?

10 Nós culpamos outros pelos nossos próprios pecados e erros. Bem no início da história humana, Adão culpou a Deus pelo seu próprio pecado. (Gên. 3:12) Embora Adão tenha violado a lei de Deus deliberadamente e com pleno conhecimento das consequências, ele culpou a Jeová. Ele insinuou que Jeová lhe tinha dado uma má esposa. Desde aquele tempo, outros têm seguido o exemplo de Adão de culpar a Deus por seus próprios erros. É bom nos perguntar: ‘Será que o desapontamento e a frustração causados pelos meus erros poderiam me levar a ficar descontente com as normas de Jeová?’

11. Que lição podemos aprender de Jonas?

11 Nós nos tornamos egocêntricos. O profeta Jonas teve dificuldade de aceitar a decisão de Jeová de estender misericórdia aos ninivitas. (Jonas 4:1-3) Por quê? Pelo visto ele ficou preocupado demais em salvar as aparências quando sua proclamação de destruição não se confirmou. Jonas se preocupou tanto com sua reputação que deixou que isso ofuscasse a compaixão que deveria ter tido pelos ninivitas arrependidos. Poderíamos nós da mesma forma nos tornar tão egocêntricos a ponto de ficarmos ‘furiosos com Jeová’ por ainda não ter trazido o fim? Se há décadas pregamos que o dia de Jeová está próximo, será que poderíamos começar a ficar impacientes com Jeová quando outros nos criticam por proclamarmos o que a Bíblia diz? — 2 Ped. 3:3, 4, 9.

COMO EVITAR FICAR ‘FURIOSO COM JEOVÁ’

12, 13. Se em nosso coração começarmos a questionar algumas atividades de Jeová, o que não devemos negligenciar?

12 O que podemos fazer se nosso coração pecaminoso começar a questionar algumas atividades de Jeová? Lembre-se de que isso seria insensato. Outra tradução de Provérbios 19:3 diz: “A ignorância do homem atrapalha seus assuntos e ele logo culpa a Jeová.” (Byington) Com isso em mente, consideremos agora cinco fatores que nos ajudarão a nunca permitir que as frustrações da vida nos façam culpar a Jeová.

13 Não negligencie sua relação com Jeová. Podemos evitar a tendência imperfeita de ficarmos furiosos com Deus se mantivermos uma relação achegada com ele. (Leia Provérbios 3:5, 6.) Precisamos confiar em Jeová. É preciso também evitar nos tornar sábios aos nossos próprios olhos ou nos tornar egocêntricos. (Pro. 3:7; Ecl. 7:16) Assim, será menos provável culparmos a Jeová quando coisas ruins acontecerem.

14, 15. O que nos ajudará a não ser afetados pela conversa negativa de outros?

14 Não permita que conversa negativa o afete. Os israelitas nos dias de Moisés tinham muitos motivos para acreditar que Jeová os conduziria à Terra Prometida. (Sal. 78:43-53) Mas, quando receberam o relatório negativo dos dez espias infiéis, eles ‘não se lembraram da mão’ de Jeová. (Sal. 78:42) Se meditarmos nas atividades de Jeová, lembrando-nos de todas as boas coisas que ele tem feito por nós, fortaleceremos nossa relação com ele. Em resultado, não permitiremos que ideias negativas de outros criem uma barreira entre nós e Jeová. — Sal. 77:11, 12.

15 E se tivermos uma atitude negativa para com nossos irmãos? Nesse caso, nossa relação com Jeová poderá ficar afetada. (1 João 4:20) Quando os israelitas questionaram a designação e o cargo de Arão, Jeová encarou isso como se estivessem resmungando contra Ele. (Núm. 17:10) Da mesma forma, se começarmos a resmungar contra os que Jeová usa para dirigir a parte terrestre de sua organização, poderemos indiretamente estar nos queixando de Jeová. — Heb. 13:7, 17.

16, 17. De que temos de nos lembrar quando enfrentamos problemas?

16 Lembre-se de que Jeová não é o causador de nossos problemas. Embora os israelitas nos dias de Isaías tivessem se afastado de Jeová, Ele ainda desejava ajudá-los. (Isa. 1:16-19) Não importa que problemas tenhamos, podemos encontrar consolo em saber que Jeová se importa conosco e quer nos ajudar. (1 Ped. 5:7) De fato, ele promete nos dar a força necessária para perseverarmos. — 1 Cor. 10:13.

17 Se estamos sofrendo alguma injustiça — assim como o fiel Jó sofreu —, temos de nos lembrar de que Jeová não é a causa dessa injustiça. Jeová odeia a injustiça; ele ama a retidão. (Sal. 33:5) Como Eliú, amigo de Jó, reconheçamos o seguinte: “Longe está do verdadeiro Deus agir ele iniquamente, e do Todo-Poderoso agir injustamente!” (Jó 34:10) Em vez de causar nossos problemas, Jeová nos dá “toda boa dádiva e todo presente perfeito”. — Tia. 1:13, 17.

18, 19. Por que nunca devemos duvidar de Jeová? Ilustre.

18 Nunca duvide de Jeová. Deus é perfeito, e seus pensamentos são mais elevados do que os nossos. (Isa. 55:8, 9) Assim, a humildade e a modéstia devem nos ajudar a admitir que o nosso entendimento é limitado. (Rom. 9:20) Raramente temos todos os fatos a respeito de determinada situação. Sem dúvida, já comprovamos que este provérbio é verdadeiro: “O primeiro a apresentar a sua causa parece ter razão, até que outro venha à frente e o questione.” — Pro. 18:17, Nova Versão Internacional.

19 Se um amigo de confiança fizesse algo que talvez de início não entendêssemos ou nos parecesse estranho, será que logo o acusaríamos de ter feito algo errado? Ou estaríamos inclinados a dar a ele o benefício da dúvida, em especial se o conhecêssemos por muitos anos? Se tratamos nossos amigos imperfeitos de maneira tão amorosa, quanto mais devemos estar inclinados a confiar em nosso Pai celestial, cujos caminhos e pensamentos são muito mais elevados do que os nossos!

20, 21. Por que devemos colocar a culpa em quem merece?

20 Coloque a culpa em quem merece. Por que devemos fazer isso? Bem, talvez sejamos responsáveis por alguns de nossos problemas. Se esse for o caso, temos de reconhecer isso. (Gál. 6:7) Não tente culpar a Jeová pelos problemas. Por que isso não seria razoável? Veja este exemplo: um carro talvez tenha condições de andar em alta velocidade. Digamos que um motorista ultrapasse em muito o limite de velocidade numa curva fechada e se acidente. Deveria o fabricante do carro ser culpado pelo acidente? É claro que não! De maneira similar, Jeová nos criou com a capacidade de livre escolha. Mas também nos proveu de orientações sobre como tomar decisões sábias. Portanto, por que culparíamos nosso Criador pelos nossos erros?

21 Naturalmente, nem todos os nossos problemas resultam de erros pessoais e ações erradas. Algumas coisas acontecem como resultado ‘do tempo e do imprevisto’. (Ecl. 9:11) Acima de tudo, nunca percamos de vista o fato de que Satanás, o Diabo, é a causa primária da perversidade. (1 João 5:19; Rev. 12:9) Ele é o inimigo — não Jeová! — 1 Ped. 5:8.

PREZE SUA PRECIOSA RELAÇÃO COM JEOVÁ

Josué e Calebe foram abençoados por confiar em Jeová (Veja o parágrafo 22.)

22, 23. De que devemos nos lembrar se ficarmos desanimados por causa de nossos problemas?

22 Ao sofrer aflições e dificuldades, lembre-se do exemplo de Josué e Calebe. Diferentemente dos outros dez espias, esses dois homens fiéis fizeram um relatório positivo. (Núm. 14:6-9) Eles mostraram fé em Jeová. Mesmo assim, tiveram de vagar no ermo por 40 anos com os outros israelitas. Será que Josué e Calebe se queixaram ou ficaram amargurados, achando que isso foi injusto? Não. Eles confiaram em Jeová. Foram abençoados? Certamente que sim! Ao passo que uma geração inteira morreu no ermo, esses dois homens por fim entraram na Terra Prometida. (Núm. 14:30) Similarmente, nós receberemos as bênçãos de Jeová se “não desfalecermos” em fazer a sua vontade. — Gál. 6:9; Heb. 6:10.

23 Se você está desanimado por causa de problemas, de imperfeições de outros ou de suas próprias imperfeições, o que deve fazer? Concentre-se nas maravilhosas qualidades de Jeová. Visualize a esperança que ele lhe deu. Pergunte-se: ‘O que seria de mim sem Jeová?’ Permaneça achegado ao nosso Deus e nunca permita que seu coração fique furioso com ele!